Pensar e fazer cidades

Composições performáticas e a emergência do espaço público

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46551/issn2179-6807v26n1p60-83

Palavras-chave:

Arte da performance. Composição urbana. Espaço público. Democracia. Sociologia da Arte.

Resumo

O artigo tem por objetivo apresentar a arte da performance como um agenciamento/assemblage que, ao recuperar a condição de multiplicidade e de inter-relações nas cidades, participa da emergência de um espaço público possível. Isto é, enquanto uma prática minoritária, a arte da performance re-articula os sentidos hegemônicos instituídos nos espaços, por meio da instauração de situações artísticas, que exploram a cidade como a esfera na qual distintas trajetórias coexistem. Assim, a arte da performance pode ser compreendida como contestação e possibilidade de instauração de comunidades políticas. E consequentemente, “experimentar a cidade” se transforma em um processo de “fabricação da cidade”, que por sua vez, pode ser encarada não como um dado, mas como uma composição, algo por fazer, na qual sentidos em latência são atualizados no evento performático. Esses elementos foram reunidos a partir da realização de pesquisa empírica junto ao grupo Corpos Informáticos e suas ações na cidade de Brasília.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniela Felix Martins, Universidade Federal da Bahia

Doutora em Ciências Sociais pela UFBA, Pós-doutora em Estudos da Tradução, modalidade PNPD-CAPES, POSTRAD-UNB. ORCID: https://orcid.org/0000-0003-3514-8497.

Referências

DELEUZE, G. & Guatarri, F. Mil Platôs. Vol.1 São Paulo: Editora 34, 1995.

DELEUZE, Gilles; PARNET, Claire. Diálogos. Lisboa: Relógio D’Água Editores, 2004.

DELEUZE, Gilles. A ilha deserta e outros textos: textos e entrevistas (1953-1974). São Paulo: Ilumi- nuras, 2006.

_____________O que é a Filosofia?.Rio de Janeiro: Ed. 34, 2010.

DEWEY, John. The Public and its Problems. 12. ed. Ohio: Ohio University Press, 1991.

GOFFMAN, Ervin. A representação do eu na vida cotidiana. Petrópolis: Vozes, 1985.

________. Frame analysis: an essay on the organization of experience. Boston, Northeastern Uni-versity Press, 1986.

________. Comportamentos em Lugares Públicos: Notas sobre a organização social dos ajuntamentos, Petrópolis: Vozes, 2010.

HEINICH, Nathalie. The Glory of Van Gogh: an anthropology of admiration. Princeton: Princeton University Press, 1996.

_________. A sociologia da arte. Bauru-SP: EDUSC, 2001.

_________. “As reconfigurações do estatuto de artista na época moderna e contemporânea”. Revista Porto Arte, v.13, n.22,p.137-147, 2005 .

_________. “A arte contemporânea exposta às rejeições: contribuição a uma sociologia dos valores”. Observatório, n. 12, p. 77-91, 2011.

_________. “Práticas da arte contemporânea: uma abordagem pragmática a um novo paradigma artístico”. Sociologia&Antropologia, v. 04, n.2, p. 273-390, 2014.

LATOUR, Bruno. “On technical mediation - philosophy, sociology, genealogy”. Common Knowledge, v. 3, n. 2, p. 29-64, 1994.

____________”Whose Cosmos, Which Cosmopolitics? Comments on the Peace Terms of Ulrich Beck”. Common Knowledge, v. 10, n. 3, p. 450-462, 2004.

____________.”Como falar do corpo? A dimensão normativa dos estudos sobre a ciência”. In: NUNES, J. A.; ROQUE, R. (Org.). Objetos impuros: experiências em estudos sociais da ciência. Porto, Afrontamento, 2007, p. 40-61.

_________.”O que é iconoclash? Ou, há um mundo além das guerras de imagem?” Horizontes antropológicos, v. 14, n. 29, p. 111-150, 2008 .

_________. “Reflections on Etienne Souriau’s Les Modes d’existence”. In: HARMAN; BRYANT; SRNICEK (Org.). The Speculative Turn Continental Materialism and Realism, Melbourne, 2011, p. 304-333.

_________. Reagregando o social: uma introdução à teoria Ator-Rede. Salvador: EDUFBA, 2012.

_________. Investigacion sobre los modos de existencia:una antropologia de los modernos. Buenos Aires: Paidos, 2013.

_________. “Uma sociologia sem objeto?” Revista-Valise, v. 5, n. 10, p. 165-187, 2015

__________. “Paris, Cidade Invisível: O Plasma”. Ponto Urbe, n.5, p. 1-7, 2009

MASSEY, Doreen. Pelo espaço: uma nova política da espacialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008.

MEDEIROS, Bia & AQUINO, Fernado. “Kombi, Kombeiro, Kombunda e Bundalelê na Kombi.” Performance e Memória Anais do VII Congresso da Abrace – Associação Brasileira de Pesquisa e Pós-Graduação em Artes Cênicas, Porto Alegre, 2012 [Consult. 23/09/2018] Disponível em URL: http://www.portalabrace.org/viicongresso/completos/ territorios/Maria_Beatriz_MEDEIROS_Kombi_Kombeiro_Kombunda_e_Bundalel___- na_Kombi.pdf

MEDEIROS, Bia& ALBUQUERQUE, Natasha. “Composição urbana: surpreensão e fuleragem”. Palco Giratório: circuito nacional. v. Il Rio de Janeiro: SESC, 2014

MEDEIROS, Maria Beatriz de. “Suggestions of concepts to reflect on contemporary art based on the theory and practice of the Corpos Informáticos Research Group”. Art Research Journal, v. 4, n. 1, p. 33-47, 2017.

SANSI-ROCCA, Roger. Art, anthropology and the gift. London: Bloomsbury, 2015.

STENGERS, Isabelle. “A proposição cosmopolítica.” Revista do Instituto de Estudos Brasileiros,n. 69, p. 442-464, 2018.

Downloads

Publicado

2020-09-15

Como Citar

Felix Martins, D. (2020). Pensar e fazer cidades: Composições performáticas e a emergência do espaço público. Revista Desenvolvimento Social, 26(1), 60-83. https://doi.org/10.46551/issn2179-6807v26n1p60-83