COOPERATIVA GRANDE SERTAO: UMA BASE PARA O DESENVOLVIMENTO RURAL

Autores

  • Telma Coelho da Silva UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA
  • Nora Beatriz Presno Amodeo UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA
  • Carla Toledo UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA

Palavras-chave:

Cooperativa, Desenvolvimento rural, Estratégias

Resumo

O presente artigo é resultado da dissertação intitulada: Qual é o caminho? Uma análise
das estratégias de acesso a mercados da Cooperativa Grande Sertão Ltda. Essa
organização de agricultores familiares do norte do Estado de Minas Gerais comercializa
produtos e alimentos, típicos do cerrado e da caatinga. Ela se destaca por organizar os
agricultores da região e por incentivar às práticas agroecológicas, e consequentemente
proporciona para a localidade um desenvolvimento rural sustentável. Trata-se de uma
pesquisa descritiva, na qual foram realizadas entrevistas semiestruturadas aos membros
da diretoria, aos representantes de organizações parceiras e aos associados. Conclui-se
que a Cooperativa Grande Sertão, ao longo dos anos proporciona melhorias para a
localidade a qual esta inserida, através da articulação dos esforços de seus associados e
das parcerias com diversas organizações que deram um importante impulso para o seu
desenvolvimento, bem como, por meio das políticas públicas promovidas pelo governo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALBUQUERQUE, P. P. Associativismo. In: CATTANI, A. D. (org.) A outra economia. Porto Alegre: veraz Editores, 2003.
ANDRADE, I. A. L. de. Conselhos de Desenvolvimento Rural: um espaço adequado para pensar o desenvolvimento local? In: SCHNEIDER, S.; SILVA, M. K.; MURIZZI MARQUES, P. E. (Orgs.). Políticas Públicas e participação social no Brasil rural. 2. ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009. p. 233-250.
BIALOSKORSKI NETO, S. Um ensaio sobre desempenho econômico e participação em cooperativas agropecuárias. Revista de Economia e Sociologia Rural, v. 45, 2008.
BONNAL, P.; CAZELLA, A.; DELGADO, N. G. Subsídios metodológicos ao estudo do desenvolvimento territorial rural. In: MIRANDA, C.; TIBURCIO, B. (org.). Políticas Públicas, Atores Sociais e Desenvolvimento Territorial no Brasil. Brasília: IICA, 2011. (Série desenvolvimento rural sustentável; v.14). p. 35-60.
LEONARD, E. et al. A construção normativa do desenvolvimento sustentável nos contextos de sua “tradução em políticas”: uma análise pelas dependências de trajetória no Brasil e no México. In: BONNAL, F.; LEITE, S. P. (Orgs.). Análise comparada de políticas agrícolas: uma agenda em transformação. Rio de Janeiro: Mauad X, 2011. p. 173-196.
LOCKE, R. M. “Construindo confiança”. Revista Econômica, v.3, n.2, 2003.
MOURA, A. P. A tradição do fazer no Norte de Minas- A poesia das mãos do norte-mineiro, 2005. Disponível em:<http://www.asminasgerais.com.br>. Acesso em 03 de jan. de 2013.
NUNES, E.M.; et al. Governança, inovação e sustentabilidade na gestão do Território da Cidadania Sertão do Apodi (RN). In.: ENCONTRO DA REDE DE ESTUDOS RURAIS, 5., 2012, Belém/PA. Anais... Belém/PA: UFPA, 2012. p. 1-15.
PRESNO AMODEO, N. B. Contribuição da educação cooperativa nos processos de desenvolvimento rural. In: PRESNO AMODEO, N. B.; ALIMONDA, H. (Orgs.). Ruralidades: capacitação e desenvolvimento. Viçosa-Minas Gerais: Ed. UFV, 2006.
ROMANO, J. O. Redes de política pública. In: BONNAL, F.; LEITE, S. P. (Orgs.). Análise comparada de políticas agrícolas: uma agenda em transformação. Rio de Janeiro: Mauad X, 2011. p. 139-172
SEN, A. Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.
SESCOOP. Serviço nacional de aprendizagem do cooperativismo. Gestão dos Recursos Naturais. Brasília/DF, 2008.
SILVA, T. C. Qual e o caminho? Uma analise das estratégias de acesso a mercados da Cooperativa Grande Sertão. 2013. 136p. Dissertação (Mestrado em Extensão Rural) - Programa de Pós-graduação em Extensão Rural da Universidade Federal de Viçosa. Viçosa-MG, 2013.
STADUTO, J. A. R; AMORIM, L. S. B. A agroindústria rural e as redes de desenvolvimento: um estudo do oeste Paraná. In: SCHNEIDER, S; GAZOLLA, M.(orgs.). Os atores do desenvolvimento rural. Perspectivas teóricas e práticas sociais. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2011.
SWEDBERG, R. Prefácio. In: PEIXOTO, J; MARQUES, R. (orgs.). A nova sociologia econômica. Portugal: Celta, 2003.
WANDERLEY, M. de N. B. O mundo rural como espaço de vida: reflexões sobre a propriedade da terra, agricultura familiar e ruralidade. Porto Alegre: Editora da UFRGS,
BONNAL, P.; KATO, K. O Processo Contemporâneo de Territorialização de Políticas e Ações Públicas no Meio Rural Brasileiro. In: MIRANDA, C.; TIBURCIO, B. (org.). Políticas Públicas, Atores Sociais e Desenvolvimento Territorial no Brasil. Brasília: IICA, 2011. (Série desenvolvimento rural sustentável; v.14). p. 61-88
CARITAS – Disponível em:<http://www.caritas.org.br>. Acesso em 7 set 2012.
CARVALHO, I. S. H. A história da cooperativa Grande Sertão: gerando benefícios socioeconômicos pela conservação da natureza, s/d. Disponível em: <http://www.ispn.org.br>. Acesso em 19 maio 2012.
CRUZIO, H. O. Cooperativas em rede e autogestão do conhecimento: o trabalho flexível em torno de processos, sob habilidades e equipes. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.
CRUZ, A. A construção de uma estrutura-rede de comercialização entre empreendimentos de economia solidária. In: RIGO, A. S; CANÇADO, A. C; SILVA JUNIOR, J. T. Casos de ensino sobre cooperativismo e associativismo. Petrolina, PE: Editora e Gráfica Franciscana, 2011.
DELGADO, N. G.; LEITE, S. P. Gestão Social e Novas Institucionalidades no Âmbito da Política e Desenvolvimento Territorial. In: MIRANDA, C.; TIBURCIO, B. (org.). Políticas Públicas, Atores Sociais e Desenvolvimento Territorial no Brasil. Brasília: IICA, 2011. (Série desenvolvimento rural sustentável; v.14). p. 89-130.
EVANS, P. Além da “Monocultura Institucional”: instituições, capacidades e o desenvolvimento deliberativo. Sociologia, Porto Alegre, Ano 5, n. 9, p.20-63, Jan/Jun. 2003.
FRANÇA, I. S; SOARES, B. R. O sertão norte-mineiro e suas transformações recentes. In: Encontro de Grupos de Pesquisa: Agricultura, desenvolvimento regional e transformações socioespaciais, Anais... Uberlândia (MG), 2006.
GAZOLLA, M; PELEGRINI, G. Novos mercados da agricultura familiar: o caso das pequenas unidades agroindustriais produtores de alimentos. In: SCHNEIDER, S; GAZOLLA, M.(org.). Os atores do desenvolvimento rural. Perspectivas teóricas e práticas sociais. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2011.
GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 1991.
GRANOVETTER, M. Ação econômica e estrutura social: o problema da imersão. In: MARTES, A. C. B.(org.) Redes e sociologia econômica. Edufscar, 2009.
HESPANHOL, R. A. M. Mudança de concepção das políticas públicas para o campo brasileiro: o programa de aquisição de alimentos (PAA).Revista Electronica de geografia y ciencias sociales, Universidade de Barcelona, 2008.
IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Agropecuário. Produção Agropecuária Brasileira. Primeiros resultados. Brasil, 2006, v. 1, n. 1. (Censo Agropecuário).
KAPRON, S; FIALHO, A. L. Políticas públicas para a economia solidária. In: CATTANI, A. D. (org.) A outra economia. Porto Alegre:Veraz Editores, 2003.
LEITE S. P. et al. Políticas públicas, desenvolvimento territorial: atores sociais no meio rural brasileiro. In: DELGADO, N. G. (org.). Brasil Rural em debate: coletâneas de artigos. Brasília: CONDRAF/MDA, 2010. p. 319-362.

Downloads

Publicado

2020-04-09

Como Citar

Coelho da Silva, T. ., Beatriz Presno Amodeo, N., & Toledo, C. (2020). COOPERATIVA GRANDE SERTAO: UMA BASE PARA O DESENVOLVIMENTO RURAL. Revista Desenvolvimento Social, 12(2), 15-28. Recuperado de https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/rds/article/view/1918

Edição

Seção

Artigos