DO MODELO ECONÔMICO NEOLIBERAL À ECONOMIA DO SUFICIENTE

Autores

  • Cláudia Cristina Lopes Machado
  • José Edmilson de Souza-Lima
  • Ângelo Guimarães Simão

Palavras-chave:

desenvolvimento, paradigma da conquista, economia dosuficiente

Resumo

O presente artigo buscará analisar, de forma crítica, algumas perspectivas epistemológicas relacionadas a
modelos desenvolvimentistas, bem como apresentar algumas evidências hodiernas dos reflexos destes sobre
questões socioambientais e culturais. No bojo do debate sobre a (in) sustentabilidade dos modelos de
desenvolvimento (econômico) vigentes, caracterizados pela crescente exploração e usurpação de recursos,
incluindo os humanos, buscar-se-á evidenciar que algumas das insuficiências geradas por esses modelos
estão contribuindo significativamente para que a biosfera caminhe para uma catástrofe sem precedentes.
A partir dessa reflexão, algumas possibilidades serão abordadas no sentido de promover a ressignificação
do entendimento de desenvolvimento, a ser estruturado pela urgente necessidade de contenção da voracidade
do modelo capitalista neoliberal que busca conquistar tudo e todos para a supremacia de alguns poucos
em detrimento da dignidade da vida. A economia do suficiente, termo empregado por Leonardo Boff, será
apresentada neste estudo como uma proposta de redesenho do contexto presente. Para tanto, um processo
dialógico entre os autores deste estudo e pesquisadores de algumas correntes econômicas, bem como
Aristóteles, Boaventura de Sousa Santos, Amartya Sen, Clóvis Cavalcanti, Leonardo Boff e Karl Polanyi se
fará presente. A abordagem proposta buscará caracterizar a atividade econômica como um meio, dentre
tantos outros, para viabilizar os processos relativos à vida. Nesse sentido, as relações sociais, ambientais,
culturais, econômicas e políticas serão projetadas como um fim maior de se viver, contrapondo outros
paradigmas unicamente centrados na dimensão econômica, como o paradigma da conquista, assim
denominado por Leonardo Boff, que tem na atividade mercantil e nas políticas econômicas fins em si mesmos, justificando e legitimando, assim, suas práticas hegemônicas

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BOFF, L. Ética e Moral: a busca dos fundamentos. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003.
CASTORIADIS, C. A instituição imaginária da sociedade. 5.ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982. CAVALCANTI, C. (2002). Pensamento econômico, saber ecológico tradicional e regimes de
troca fundados no altruísmo: nova perspectiva disciplinar para entender a sustentabilidade.
Disponível em: <http: //www.Anppas.org.br/encontro_anual/encontro1/>, 2002. Acesso em:
16/07/2008. In: (Org.). Desenvolvimento e natureza. Estudos para uma sociedade sustentável. 4.ed. São Paulo: Cortez; Recife, PE: Fundação Joaquim Nabuco, 2003.
CAVALCANTI, C. (Org.). Meio ambiente desenvolvimento sustentável e políticas públicas. 2.ed. São Paulo: Cortez; Recife, PE: Fundação Joaquim Nabuco, 1999.
COMBLIN, J. O neoliberalismo: ideologia dominante na virada do século. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999.
DREIFUSS, R. A. A época das perplexidades: mundialização, globalização e planetarização: novos desafios. Petrópolis, RJ: Vozes, 1996.
LOPES, J. Áreas pobres vivem processo “ruel”: entrevista com Belmiro Valverde, presidente do
Movimento Pró-Paraná. Curitiba, PR: Jornal Gazeta do Povo, 2008.
LYNN, J. Número de pobres aumenta apesar de crescimento econômico mundial. Genebra, Reuters, 1999. Disponível em: <http://br.noticias.yahoo.com/s/reuters/080717/mundo/mundo_ geral_pobreza_aumento_pol>. Acesso em: 21/072008.
METEU, E, Terra. Disponível em: <http: //astro.if.ufrgs.br/solar/earth.htm#intro>. Acesso em:
19/03/2008.
OS PENSADORES. Aristóteles: vida e obra. São Paulo: Nova Cultural, 1999.
POLANYI, K. A grande transformação: as origens da nossa época. Tradução de: Fanny Wrobel.
3.ed. Rio de Janeiro: Campus, 1980.
SANTOS, B. de S; MENESES, M. P. G. de NUNES, J. A. Introdução: para ampliar o cânone da ciência: a diversidade epistemológica do mundo. In: SANTOS, Boaventura de Sousa (Org.). Semear outras soluções: os caminhos da biodiversidade e dos conhecimentos rivais. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.
SEN, A. Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.
SMITH, A. Uma investigação sobre a natureza e causas da riqueza das nações. São Paulo: Tecnoprint, 1986.

Downloads

Publicado

2020-03-23

Como Citar

CRISTINA LOPES MACHADO, C. .; EDMILSON DE SOUZA-LIMA, J. .; GUIMARÃES SIMÃO, Ângelo . DO MODELO ECONÔMICO NEOLIBERAL À ECONOMIA DO SUFICIENTE. Revista Desenvolvimento Social, [S. l.], v. 1, n. 3, p. 59–70, 2020. Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/rds/article/view/1530. Acesso em: 8 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos