O Lugar do “Nada” no Horizonte da Crítica de Martin Heidegger à Noção de Ciência Tradicional

Autores

  • Bruno José do Nascimento Oliveira Universidade Federal do Piauí

Palavras-chave:

Heidegger. Ciência. Nada.

Resumo

O presente trabalho tem o objetivo de explicitar a crítica do filósofo alemão Martin Heidegger a ciência tradicional, que ao longo do tempo ignora a questão do nada como um aspecto negativo na busca pela descoberta cientifica. Tal investigação se empenha em responder o problema do nada, como sendo a questão fundamental do ser, pois é dessa análise que Heidegger compreende o desabrochar do ser do ente, como um fenômeno essencialmente humano. Assim, temos o objetivo primordial de indicar a crítica que o filósofo constrói a ciência quando estas se ocupam dos acontecimentos históricos e naturais do ser e do mundo. Para compreender esta dinâmica vamos trabalhar os conceitos de ente, ser e nada. Na tentativa de pensar como estes se estruturam no cotidiano do saber cientifico e existencial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

CASANOVA, Marco. Compreender Heidegger. Petrópolis: Vozes, 2015.

HEIDEGGER, Martin. Que é metafísica? Tradução de Ernildo Stein. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

HEIDEGGER, Martin. Ser e tempo. Tradução de Márcia Sá Cavalcanti. Petrópolis: Vozes, 2015.

HEIDEGGER, Martin. Introdução à filosofia. Tradução de Marco Antonio Casanova. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2009.

Downloads

Publicado

2020-10-22

Como Citar

Bruno José do Nascimento Oliveira. (2020). O Lugar do “Nada” no Horizonte da Crítica de Martin Heidegger à Noção de Ciência Tradicional. Revista Poiesis, 17(2), 50-57. Recuperado de https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/poiesis/article/view/3449