Heidegger e a Noção de Jogo Como Disposição e Vínculo

Autores

  • José Fernando Schuck UNISINOS

Palavras-chave:

Jogo. Compreensão de Ser. Transcendência. Disposição. Vínculo.

Resumo

Na filosofia contemporânea, as abordagens da noção de jogo raramente fazem referência a Heidegger; em preleções ministradas no curso de inverno de 1928/1929, Heidegger apresentou importantes reflexões sobre o que considerava ser o jogo originário da transcendência, as quais exerceram influência decisiva em autores que trabalharam extensamente a noção de jogo sob um viés hermenêutico ou ontológico, tais como Hans-Georg Gadamer, em Verdade e Método (1960), e Eugen Fink, em O jogo como símbolo do mundo (1960). Este artigo pretende tratar da noção de jogo desenvolvida na obra Introdução à Filosofia, que constitui o registro dessas preleções. A meta é demonstrar que, segundo Heidegger, o ser-aí (Dasein) é aquele para quem sempre está em jogo o seu próprio ser, pois reside nele uma abertura peculiar que é a base do comportamento vivo e pulsante do humano em geral; porque enquanto abarcado pelo ente no todo, enquanto movido pela compreensão de ser e pela transcendência, o ser-aí sempre se encontra posto em um jogo, em uma “brincadeira” que constitui o próprio jogo da vida (Spiel des Lebens). Para Heidegger, antes do jogo, e de qualquer regramento instituído por meio deste, há o jogar (spielen), movimento originário que envolve e impulsiona o ser-aí em direção de mundo, estabelecendo o vínculo com sua mundanidade (Weltlichkeit). O estar em jogo é, originariamente, movido pela disposição (Stimmung), estado de ânimo ou sintonia, que leva o ser-aí a projetar-se e a jogar o seu próprio ser atuando no espaço de jogo (Spielraum) da transcendência, um espaço a ser continuamente formado e figurado por meio de uma brincadeira-jogo (Spiel).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BETANIN, Tatiana. “Transcendência e jogo na ontologia fundamental de Martin Heidegger”. Dissertação (Mestrado em Filosofia). Programa de Pós-graduação em Filosofia: UFSM, 2004.

HEIDEGGER, Martin. Introdução à Filosofia. Trad. Marco Antônio Casanova, - 2ª ed. – São Paulo: Editora Martins Fontes, 2009.

__________. Os conceitos fundamentais da metafísica: mundo, finitude, solidão. Trad. Marco Antônio Casanova. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006.

__________. Ser e Tempo. Parte I. Trad. Marcia Sá C. Schuback. 15ª Ed. Petrópolis RJ: Editora Vozes, 2005.

__________. Einleitung in die Philosophie (Wintersemester 1928/29) – (GA 27). Hrsg. Von Otto Saame und Ina Saame-Speidel. Frankfurt am Main: Vittorio Klostermann, 2., durchgesehene Auflage 2001.

ONATE, Alberto M. “Husserl/Fink: sobre os limites da transcendentalidade”. In: A filosofia transcendental e a sua crítica. Coimbra - Portugal: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2015.

REIS, Róbson R. Dos. “Heidegger: a vida como possibilidade e mistério”. In: Rev. Filos., Aurora, Curitiba, v. 24, n. 35, p. 481-507, jul./dez. 2012.

RODRIGUES, Fernando. “Heidegger e a metafísica do Dasein (1927-1930): uma interpretação à luz dos conceitos de liberdade, vínculo e jogo da vida”. Tese (Doutorado em Filosofia) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas: UNICAMP, 2014.

Downloads

Publicado

2020-10-22

Como Citar

José Fernando Schuck. (2020). Heidegger e a Noção de Jogo Como Disposição e Vínculo. Revista Poiesis, 17(2), 17-30. Recuperado de https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/poiesis/article/view/3447