Uma reflexão sobre pesquisas em Educação Matemática e Educação de Surdos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24116/emd25266136v2n42018a02

Palavras-chave:

Educação Matemática, Educação de Surdos, Inclusão

Resumo

Este artigo integra a dissertação de mestrado profissional realizado no Instituto de Educação Matemática e Científica (IEMCI) da Universidade Federal do Pará (UFPA), e objetiva discutir pesquisas strictu sensu sobre Educação Matemática e Educação de Surdos. É um estudo de abordagem qualitativa, do tipo estado da arte, em que se analisa 31 pesquisas que se enquadram nos eixos temático formação de professores, adaptação curricular, Educação Matemática e comunicação, e ensino e aprendizagem. As pesquisas foram realizadas em quatro regiões brasileiras, com maior representatividade no sudeste e norte do Brasil, estando nesta última concentradas no IEMCI/UFPA. O estudo aponta um crescimento de pesquisas no âmbito da pós-graduação e evidencia a realidade do ensino para a educação inclusiva, com destaque a necessidade da prática da Libras no ensino de Matemática, o bilinguismo no ensino de surdos, a adaptação de materiais didáticos com instrumentos visuais, e a formação de educadores para a inclusão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de. (Org.). Formação de professores no Brasil (1990-1998). Brasília: MEC/INEP/COMPED, 2002.

ARAUJO, Ênio Gomes. Ensino de Matemática em Libras: uma reflexão sobre a minha experiência numa escola especializada. 2015. 244f. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Universidade Anhanguera de São Paulo. São Paulo.

AROLDO JUNIOR, Henrique. Estudo do desenvolvimento do pensamento geométrico por alguns surdos por meio do Multiplano no ensino fundamental. 2010. 290f. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemática) – Faculdade de Física, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Porto Alegre.

ASSIS, Cláudio de. Explorando a ideia do número racional na sua representação fracionária em Libras. 2013. 175f. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) – Universidade Bandeirante Anhanguera. São Paulo.

BEZERRA, Cristiano. A interação entre aprendizes surdos utilizando o fórum de discussão: limites e potencialidades. 2012. 149f. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) – Universidade Bandeirante de São Paulo. São Paulo.

BORGES, Fábio Alexandre. A educação inclusiva para surdos: uma análise do saber matemático intermediado pelo intérprete de Libras. 2013. 260f. Tese (Doutorado em Educação para a Ciência e a Matemática) – Centro de Ciências Exatas, Universidade Estadual de Maringá. Maringá.

BORGES, Fábio Alexandre. Institucionalização (sistemática) das representações sociais sobre a “deficiência” e a surdez: relações com o ensino de Ciências/Matemática. 2006. 164f. Dissertação (Mestrado em Educação para a Ciência e a Matemática) – Centro de Ciências Exatas, Universidade Estadual de Maringá. Maringá.

BRASIL. Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Brasília: Diário Oficial da União, 23 dez. 2005.

BRASIL. Decreto nº 7.611, de 17 de novembro de 2011. Dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências. Brasília: Diário Oficial da União, 18 nov. 2011.

BRASIL. Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Brasília: Diário Oficial da União, 20 dez. 2000.

BRASIL. Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências. Brasília: Diário Oficial da União, 25 abr. 2002.

BRASIL. Lei nº 12.319, de 1º de setembro de 2010. Regulamenta a profissão de Tradutor e Intérprete da Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS. Brasília: Diário Oficial da União, 29 ago. 2010.

BRASIL. Lei nº. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: Diário Oficial da União, 23 dez. 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Estratégias para a educação de alunos com necessidades educacionais especiais. Brasília: MEC/SEESP, 2003.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática. Brasília: MEC/SEF, 1997.

BRETTAS, Kátia Parreira. A inclusão matemática de um aluno surdo na rede municipal de Juiz de Fora mediada por um professor colaborativo surdo de Libras atuando em bidocência. 2015. 183f. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) – Instituto de Ciências Exatas, Universidade Federal de Juiz de Fora. Juiz de Fora.

CALDEIRA, Verônica Lima de Almeida. Ensino de Geometria para alunos surdos: um estudo com apoio digital ao analógico e o ciclo da experiência Kellyana. 2014. 134f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Educação Matemática) – Centro de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual da Paraíba. Campina Grande.

CANDAU, Vera Maria. (Org.). A Didática em questão. 17. ed. Petrópolis: Vozes, 1999.

CARNEIRO, Kátia Tatiana Alves. Cultura surda na aprendizagem matemática do contexto escolar da Sala de Recurso multifuncional do Instituto Felipe Smaldone. 2009. 280f. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemáticas) – Instituto de Educação Matemática e Científica, Universidade Federal do Pará. Belém.

CONCEIÇÃO, Kauan Espósito. A construção de expressões algébricas por alunos surdos: as contribuições do Micromundo Mathsticks. 2012. 128f. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) – Universidade Bandeirante de São Paulo. São Paulo.

DADA, Zanúbia. Matemática em Libras. Campo Grande: CAS/SED/MS, 2009.

LIMA, Camila Machado de. Educação de surdos: desafios para a prática e formação de professores. Rio de Janeiro: Wak, 2015.

FERNÁNDEZ, Alicia. A inteligência aprisionada: abordagem psicopedagógica clínica da criança e da família. Porto Alegre: Artes Médicas, 1990.

FERREIRA, Norma Sandra de Almeida. As pesquisas denominadas “estado da arte”. Educação & Sociedade, São Paulo, v. 23, n. 79, p. 257-272, ago. 2002. DOI: 10.1590/S0101-73302002000300013.

FIGUEIRA, Emílio. Caminhando em Silêncio: uma introdução à trajetória das pessoas com deficiência na história do Brasil. São Paulo: Giz Editora, 2008.

GIL, Rita Sidmar Alencar. Educação matemática dos surdos: um estudo das necessidades formativas dos professores que ensinam conceitos matemáticos no contexto de educação de deficientes auditivos em Belém/PA. 2007. 191f. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemáticas) – Instituto de Educação Matemática e Científica, Universidade Federal do Pará. Belém.

JESUS, Thamires Belo de. (Des)construção do pensamento geométrico: uma experiência compartilhada entre professores e uma aluna surda. 2014. 183f. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemática) – Instituto Federal do Espírito Santo. Vitória.

LOBATO, Maria José Silva. Educação bilíngue no contexto escolar inclusivo: a construção de um glossário em Libras e Língua Portuguesa na área de Matemática. 2015. 262f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências Naturais e Matemática) – Centro de Ciências Exatas e da Terra, Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal.

LOPES, Moura Corcini. Surdez e Educação. 2 ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011.

MOURA, Amanda Queiróz. Educação Matemática e crianças surdas: explorando possibilidades em um cenário para investigação. 2015. 132f. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) –Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista. Rio Claro.

NASCIMENTO, Paulo Roberto. Uma proposta de formação do professor de Matemática para a educação de surdos. 2009. 89f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática). Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca. Rio de Janeiro.

NEVES, Maria Janete Barros das. A comunicação em Matemática na sala de aula: obstáculos de natureza metodológica na educação de alunos surdos. 2011. 131f. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemática) – Instituto de Educação Matemática e Científica, Universidade Federal do Pará. Belém.

OLIVEIRA, José Carlos Gomes. Uma proposta alternativa para a pré-alfabetização matemática de crianças portadoras de deficiência auditiva. 1993. 84f. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista. Rio Claro.

VYGOTSKY, Lev Semenovich. A construção do pensamento e da linguagem. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

OLIVEIRA, Janine Soares. A comunidade surda: perfil, barreiras e caminhos promissores no processo de ensino-aprendizagem em Matemática. 2005. 78f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática) – Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca. Rio de Janeiro.

OMOTE, Sadao. A formação do professor de educação especial na perspectiva da inclusão. In: BARBOSA, Raquel Lazzari Leite. (Org). Formação de Educadores: desafios e perspectivas. São Paulo: EdUNESP, 2003, p. 153-169.

ORLANDI, Eni Puccinelli. Análise de discurso: princípios & procedimentos. 8 ed. Campinas: Pontes, 2009.

PAIXÃO, Natalina do Socorro Sousa Martins. Saberes de professores que ensinam Matemática para alunos surdos incluídos numa escola de ouvintes. 2010. 200f. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemática) – Instituto de Educação Matemática e Científica, Universidade Federal do Pará. Belém.

QUADROS, Ronice Müller de. O tradutor e intérprete de Língua Brasileira de Sinais e Língua Portuguesa. Brasília: MEC; SEESP, 2004.

RAMOS, Maria Beatriz Jacques; FARIA, Elaine Turk. Aprender e ensinar: diferentes olhares e práticas. Porto Alegre: PUCRS, 2011.

ROCHA, Fernanda Bittencout Menezes. Ensinando geometria espacial para alunas surdas de uma escola pública de Belo Horizonte (MG): um estudo fundamentado na perspectiva histórico cultural. 2014. 199f. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) – Instituto de Ciências Exatas, Universidade Federal de Ouro Preto. Ouro Preto.

RODRIGUES, Rosiane da Silva. Matemática na educação de surdos: investigando propostas de ensino nos anos iniciais do ensino fundamental. 2013. 111f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática) – Universidade Luterana do Brasil. Canoas.

SÁ, Nídia Regina Limeira. Cultura, poder e educação de surdos. 2. ed. São Paulo: Paulinas, 2010.

SALES, Elielson Ribeiro de. A visualização no ensino de Matemática: uma experiência com alunos surdos. 2013. 235f. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista. Rio Claro.

SALES, Elielson Ribeiro. Refletir no silêncio: um estudo das aprendizagens na resolução de problemas aditivos com alunos surdos e pesquisadores ouvintes. 2008. 162f. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemática) – Instituto de Educação Matemática e Científica, Universidade Federal do Pará. Belém.

SANTANA, Ana Paula. Surdez e linguagem: aspectos e implicações neurolinguísticas. São Paulo: Plexus, 2007.

SANTOS, Heliel Ferreira dos. Simetria e reflexão: investigações em uma escola inclusiva. 2012. 132f. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) – Universidade Bandeirante de São Paulo. São Paulo

SILVA, Elizabete Leopoldina. Luz, câmera, ação: adaptando uma teleaula de frações para o público surdo. 2014. 162f. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) – Universidade Anhanguera de São Paulo. São Paulo.

SILVA, Gerciane Gercina da. O ensino de matrizes: um desafio mediado para aprendizes cegos e aprendizes surdos. 2012. 144f. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) – Universidade Bandeirante de São Paulo. São Paulo.

SILVA, Márcia Cristina Amaral da. A escrita numérica por crianças surdas bilíngues. 2008. 226f. Dissertação (Mestrado em Educação para a Ciência e a Matemática) – Centro de Ciências Exatas, Universidade Estadual de Maringá. Maringá.

SOARES, Maria Eliana. Educação Matemática e educação de surdos: tecendo memórias na perspectiva da educação inclusiva. 2017. 198f. Dissertação (Mestrado em Docência em Educação em Ciências e Matemáticas) – Instituto de Educação Matemática e Científica, Universidade Federal do Pará. Belém.

SOUZA, Franklin Rodrigues. Explorações de frações equivalentes por alunos surdos: uma investigação das contribuições da musicalcolorida. 2010. 209f. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) – Universidade Bandeirante de São Paulo. São Paulo.

SOUZA, Márcia Cristina. Contextos educacionais inclusivos de alunos surdos: ações frente à realidade inclusiva de professores de Matemática da educação básica. 2013. 219f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Educação Matemática) – Centro de Ciências Exatas, Universidade Estadual de Londrina. Londrina.

TEIXEIRA, Beneilde de Fátima Chagas. Geometria perceptiva, arte e informática na educação de surdos nas séries iniciais. 2008. 103f. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemáticas) – Instituto de Educação Matemática e Científica, Universidade Federal do Pará. Belém.

UNESCO. Declaração de Salamanca sobre princípios, políticas e práticas na área das necessidades educativas especiais 1994. Salamanca: Unesco, 1998.

UNESCO. Educação para todos: o compromisso de Dakar. Brasília: Unesco/Consed/Ação Educativa, 2001.

VEER, Rene Van; VALSINER, Jaan. Vygotsky: uma síntese. 6. ed. Tradução de Cecília Camargo Bartalotti. São Paulo: Loyola, 2009.

VYGOTSKY, Lev Semenovich. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. Tradução de José Cipolla Neto, Luis Silveira Menna Barreto, Solange Castro Afeche. 7. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

WANZELER, Edson Pinheiro. Surdez, bilinguismo e Educação Matemática: um (novo?) objeto de pesquisa na educação de surdos. 2015. 104f. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemáticas) – Instituto de Educação Matemática e Científica, Universidade Federal do Pará. Belém.

Downloads

Arquivos adicionais

Publicado

01-04-2018

Como Citar

SOARES, M.; SALES, E. Uma reflexão sobre pesquisas em Educação Matemática e Educação de Surdos. Educação Matemática Debate, Montes Claros, v. 2, n. 4, p. 31–56, 2018. DOI: 10.24116/emd25266136v2n42018a02. Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/emd/article/view/58. Acesso em: 28 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos