A evasão nos cursos de Engenharia e a sua relação com a Matemática: uma análise a partir do COBENGE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24116/emd25266136v1n32017a05

Resumo

Este artigo insere-se na linha de pesquisa Elementos e Metodologia do Ensino de Matemática e tem como objetivo analisar os trabalhos sobre o ensino de Matemática que privilegiam aspectos relacionados à evasão nos cursos de Engenharia apresentados no Congresso Brasileiro de Educação em Engenharia (COBENGE), no período compreendido entre os anos de 2000 a 2014. A escolha por analisar os trabalhos a partir do ano de 2000 ocorreu, principalmente, devido ao fato de que, nesse momento, o número de matrículas dos cursos superiores aumentou mais de 150,0%. A abordagem metodológica que subsidiou o estudo foi quantitativa por meio de análise de conteúdo, contudo, a imersão nos trabalhos do COBENGE deu-se por meio de um estudo sobre o estado da arte. A investigação revelou que existe uma forte relação entre evasão e reprovação nas disciplinas do Ciclo Básico, com destaque para a disciplina Cálculo Diferencial e Integral.

Palavras-chave: Cálculo Diferencial e Integral. Evasão nos cursos de Engenharia. Ensino Superior. Educação Matemática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARAÚJO, Roberta; MOREIRA, Lúcio Flávio Nunes. Monitoria da disciplina de Cálculo. In: 33º CONGRESSO BRASILEIRO DE EDUCAÇÃO EM ENGENHARIA, 2005, Campina Grande. Anais do 33º COBENGE: Promovendo e valorizando a Engenharia em um cenário de constantes mudanças. Campina Grande: ABENGE / UFPB, 2005, p. 1-5.

BARBOSA, Geraldo Oliveira; BORGES NETO, Hermínio. Raciocínio lógico formal e aprendizagem em Cálculo Diferencial e Integral: o caso da Universidade Federal do Ceará. Temas & Debates, Blumenau, v. 8, n. 6, p. 63-73, 1995.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Tradução de Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições 70, 2011.

BARREYRO, Gladys Beatriz; COSTA, Fábio Luciano Oliveira. Expansão da educação superior brasileira (1999-2010): políticas, instituições e matrículas. In: IV CONGRESSO IBERO-AMERICANO DE POLÍTICA E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO; VIII CONGRESSO LUSO BRASILEIRO DE POLÍTICA E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO, 2014, Porto. Anais do V CIAPAE / VIII CLBPAE: Políticas e práticas de Administração e Avaliação na Educação Ibero-Americana. Recife: ANPAE, 2014.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais. Sinopses Estatísticas da Educação Superior – Graduação. Brasília: MEC/INEP, 2014b.

BRASIL. Lei nº. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, 23 dez. 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais. Sinopses Estatísticas da Educação Básica. Brasília: MEC/INEP, 2014a.

FERREIRA, Norma Sandra de Almeida. As pesquisas denominadas “Estado da Arte”. Educação & Sociedade, Campinas, v. 23, no 79, p. 257-272, ago. 2002. DOI: 10.1590/S0101-73302002000300013.

FIORENTINI, Dario; LORENZATO, Sergio. Investigação em Educação Matemática: percursos teóricos e metodológicos. 2. ed. Campinas: Autores Associados, 2006.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

LACHINI, Jonas. Subsídios para explicar o fracasso de alunos em cálculo. In: LAUDARES, João Bosco; LACHINI, Jonas. (Org.). A prática educativa sob o olhar de professores de cálculo. Belo Horizonte: FUMARC, 2001. p.146-190.

MELO, José Manuel Ribeiro de. Conceito de Integral: uma proposta computacional para seu ensino e aprendizagem. 2002. 180f. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) – Faculdade de Ciências Exatas e Tecnologias. Pontifícia Universidade Católica de Sãpo Paulo. São Paulo.

MENESTRINA, Tania Comiotto; GOUDARD, Beatriz. Atualização e revisão pedagógica de Cálculo e Álgebra: concepções e atitudes inovadoras. In: 31º CONGRESSO BRASILEIRO DE EDUCAÇÃO EM ENGENHARIA, 2003, Rio de Janeiro. Anais do 31º COBENGE. Rio de Janeiro: ABENGE, 2003, p. 1-11.

MOREIRA, Marco Antônio. Aprendizagem significativa: a teoria de David Ausubel. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1999.

PALANCH, Wagner Barbosa de Lima; PIRES, Célia Maria Carolino. Estado da arte das teses e dissertações sobre currículos de Matemática: um panorama das pesquisas brasileiras. In: 2º FÓRUM NACIONAL SOBRE CURRÍCULOS DE MATEMÁTICA, 2013, São Paulo. Anais do 2º FNCM: Pesquisas e Políticas Públicas. São Paulo: PUC-SP, 2013, p. 139-147.

ROMANOWSKI, Joana Paulin; ENS, Romilda Teodora. As pesquisas denominadas do tipo “estado da arte” em Educação. Diálogo Educacional, Curitiba, v. 6, n. 19, p. 37-50, set./dez. 2006.

TRIVIÑOS, Augusto Nibaldo Silva. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

VILLARREAL, Mônica. E. O pensamento matemático de estudantes universitários de Cálculo e tecnologias informáticas. 1999. 402f. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas. Universidade Estadual Paulista. Rio Claro.

Arquivos adicionais

Publicado

01-12-2017

Como Citar

GODOY, E. V.; ALMEIDA, E. de. A evasão nos cursos de Engenharia e a sua relação com a Matemática: uma análise a partir do COBENGE. Educação Matemática Debate, Montes Claros, v. 1, n. 3, p. 339–361, 2017. DOI: 10.24116/emd25266136v1n32017a05. Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/emd/article/view/48. Acesso em: 19 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos