Baixa qualidade ambiental de praças baseada em índices de cobertura vegetal em cidade de pequeno porte

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46551/rvg267523952021187105

Palavras-chave:

Espaço de Lazer, Espaços Urbanos Livres, Áreas de Recreação

Resumo

A presente pesquisa emerge de uma construção teórico-metodológica embasada na tríade: Cidade, Meio Ambiente e Qualidade de Vida, elementos estes que devem coexistir na malha urbana, observando às funcionalidades socioambientais da cidade, objetivo linear da Política Urbana Brasileira. Nesse contexto, verificou-se à necessidade de traçar métodos e diretrizes de estudos multidisciplinares, considerando às nuances espaciais, ambientais e urbanísticas. Desse modo, no presente estudo buscou-se dialogar com os conceitos de cobertura vegetal e áreas verdes. Assim, o método empregado baseia-se na integração de dados teóricos e práticos, definindo: a) áreas verdes e vegetação; b) Meio Ambiente; e, c) praças e áreas de lazer. Para compreender a essa tríade, tornou-se necessário o estudo do espaço geográfico definindo uma área de estudo como sendo a cidade de Guanambi (Bahia), e a projeção espacial das áreas consideradas como praças. Para tanto, utilizou-se uma abordagem quali-quantiva, e o método de estudo de caso. Valendo-se ainda de geotecnologias. Compreendeu-se que o Índice de Área Verde Total (IAVT) se encontra abaixo do índice recomendado pelos órgãos internacionais, isto nas áreas das praças de Guanambi.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Felipe Teixeira Dias, Centro Universitário FG (UniFG)

Graduando em Direito pelo Centro Universitário FG – UniFG. Pesquisador do Observatório UniFG do Semiárido Nordestino/ Centro Universitário FG - UniFG, Guanambi, BA.

Carlos Magno Santos Clemente, Centro Universitário FG (UniFG)

Doutorando Geoprocessamento (PUC-MG); Mestre em Ciências Biológicas e Geografia (UNIMONTES/MG); Graduado em Geografia (UNIMONTES/MG). Coordenador do Observatório UniFG do Semiárido Nordestino e do Laboratório de Geoprocessamento da UniFG. Professor dos cursos de Arquitetura e Urbanismo e Engenharia Civil do Centro Universitário FG - UniFG.

Deborah Marques Pereira, Centro Universitário FG (UniFG)

Doutoranda em Direito pela Universidad Buenos Aires (UBA-AR); Mestre em Desenvolvimento Social (UNIMONTES/MG); Graduada em Direito Faculdade Santo Agostinho (FASA/MG). Coordenadora de Pesquisa do Centro Universitário FG - UniFG. Coordenadora do Observatório UniFG do Semiárido Nordestino. Professora dos cursos de Direito e Arquitetura e Urbanismo do Centro Universitário FG - UniFG.

Jardel Gybson Soares Costa, Centro Universitário FG (UniFG)

Graduado em Engenharia Civil pelo Centro Universitário FG – UniFG. Pesquisador egresso do Observatório UniFG do Semiárido Nordestino/Centro Universitário FG - UniFG, Guanambi, BA.

Nário Jardel Martins de Oliveira, Centro Universitário FG (UniFG)

Graduando em Direito pelo Centro Universitário FG – UniFG. Pesquisador do Observatório UniFG do Semiárido Nordestino/ Centro Universitário FG - UniFG, Guanambi, BA.

Referências

AMORIM, Margarete C. de Costa Trindade; LIMA, Valéria. A importância das áreas verdes para a qualidade ambiental das cidades. Revista Formação Online, v. 1, n. 13 (2006). Disponível em: <http://revista.fct.unesp.br/index.php/formacao/article/view/835/849>. Acesso em: 26 de abr. de 2019.

BORGES, Cézar Augusto Reis da Fonseca; MARIM, George Costa; RODRIGUES, José Edilson Cardoso. Mapeamento da cobertura vegetal do bairro Marambaia - Belém/PA. Revista REVSBAU, Piracicaba – SP, v.7, n.4, p.16‐ 26, 2012. Disponível em: <https://tinyurl.com/ue7d6nh>. Acesso em: 13 dez. de 2019.

BRASIL. Constituição da república federativa do Brasil de 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm> Acesso em: 01 abr. 2019.

BRASIL. Lei 10.257/2001, 10 de julho de 2001. Regulamenta os arts. 182 e 183 da Constituição Federal, estabelece diretrizes gerais da política urbana e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/LEIS_2001/L10257.htm>. Acesso em: 01 abr. 2019.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Conselho Nacional de Meio Ambiente. Resolução CONAMA 358/2005. Disponível wm: . Acesso em 27 de agosto de 2019.

CARVALHO, Cláudio; RIBEIRO, Guilherme; RODRIGUES, Raoni. EM BUSCA DA CIDADE: A luta pela moradia adequada como força motriz da reforma urbana. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2016.

CÂMARA, Gilberto; DAVIS, Clodoveu; MONTEIRO, Antônio Miguel Vieira. Introdução à Ciência da Geoinformação: Capítulo 1 - Apresentação. São José dos Campos (SP): Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), 2001. Disponível em: <http://www.dpi.inpe.br/gilberto/livro/ introd/>. Acesso em: 4 mai. 2019.

CLEMENTE, Carlos Magno Santos; PEREIRA, Deborah Marques; MAGALHÃES, Hellen Pereira Cotrim; ARAÚJO, Caroline Gonçalves. COBERTURA VEGETAL E QUALIDADE DE VIDA: CIDADE DE GUANAMBI, SEMIÁRIDO BAIANO. Caminhos de Geografia, v. 20, n. 72, p. 136-148, 2019.

DIAS, Felipe Teixeira, OLIVEIRA, Nário Martins, PEREIRA, Deborah Marques, CLEMENTE, Carlos Magno Santos. POLÍTICA URBANA E DIREITO À CIDADE: ANÁLISE DAEXPANSÃO DA MANCHA URBANA DE GUANAMBI NOS ANOS DE 1987 A 2017. IN. V Semana Jurídica da UniFG: O Legado dos 30 Anos da Constituição Brasileira: Democracia, Sociedade e Novos Direitos. 2019. Disponível em: <http://www.semanajuridicaunifg.com.br>; acesso em: 20 Ago. 2020.

FONSECA, M. F. Geotecnologias aplicadas ao diagnostico do uso da terra no entorno do Reservatório de Salto Grande, município de Americana (SP), como subsídio ao planejamento territorial. 82 f. Dissertação (Mestrado em Ciências) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas (SP), 2008.

HARDER, Isabel Cristina Fialho; RIBEIRO, Roberval de Cássia Salvador; TAVARES, Armando Reis. Índices de Área Verde e Cobertura Vegetal para as praças do município de Vinhedo – SP. Revista Árvore, Viçosa-MG, v.30, n.2, p.277-282, 2006. Disponível em: https://tinyurl.com/v5b5zeq. Acesso em: 14 nov. de 2019.

IBGE. IBGE Cidades. Guanambi. Disponível em: <https://cidades.ibge.gov.br/>. Acesso em: 10 mar. 2020.

LAMAS, J. M. R. G. Morfologia urbana e desenho da cidade. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian/Junta Nacional de Investigação Científica e Tecnológica, 1993.

LEFEBVRE, Henri. O Direito à Cidade. São Paulo: Ed. Nebli. 2016.

LEITE, MARCOS ESDRAS. Geotecnologias aplicadas ao mapeamento do uso do solo urbano e da dinâmica de favela em cidade média: o caso de Montes Claros/MG. Tese (Doutorado em Geografia) - Instituto de Geografia, Universidade Federal de Uberlândia, p.288, 2011.

MACEDO, S. S.; ROBBA, F. Praças brasileiras. São Paulo: Edusp, 2002.

MATIAS, Lindon Fonseca. Por uma economia política das geotecnologias. Scripta Nova. Revista Electrónica de Geografia y Ciencias Sociales. VII(170) (52), 2004. Disponível em: http://www.ub.es/geocrit/sn/sn-170-52.htm. Acesso em: 5, Mai., 2019.

MENDONÇA, Eneida Maria Souza. Apropriações do espaço público: alguns conceitos. Estudos e Pesquisas em Psicologia, UERJ, RJ, v. 7, n. 2, p. 296-306, ago. 2007. Disponível em: https://tinyurl.com/uzf3bna. Acesso em: 14 nov. de 2019.

NUCCI, J. C. Qualidade ambiental e adensamento urbano: um estudo de ecologia e planejamento da paisagem aplicado ao distrito de Santa Cecília (MPS). 2° ed. – Curitiba, 2008.

OLIVEIRA JUNIOR, Israel de; PEREIRA, Anderson de Jesus. Índice de vegetação e degradação ambiental: uma abordagem multitemporal no polo regional de Guanambi-BA. Revista de Geociências do Nordeste, v. 2, p. 875-884, 27 out. 2016. Disponível em: periodicos.ufrn.br/revistadoregne/article/view/10547. Acesso em: 13 out. de 2020.

PARADEDA, Maria Regina Matos. Arquitetura da paisagem e modernidade: um estudo sobre representações e memória das praças de Pelotas: 1860-1930. 2003. Dissertação de Mestrado. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.

PIROVANI, Daiani Bernardo; SILVA, Aderbal Gomes da; OLIVEIRA, Onair Mendes de; CALIMAN, Jônio Pizzol. Áreas Verdes Urbanas de Cachoeiro de Itapemirim-ES. Enciclopédia BIOSFERA, Centro Científico Conhecer, Goiânia, v.8, n.15; p. 171, 2012. Disponível em: https://tinyurl.com/wadjogs. Acesso em: 06 fev. de 2020.

RIGOTTI, G. Urbanistica - la tecnica. 2. ed. Torino: Editrice Torinese, 1956.

ROSA, R. Geotecnologias na Geografia aplicada. Revista do Departamento de Geografia, p. 81-90. 2005.

SANTOS, Milton. A Natureza do Espaço técnica e tempo razão e emoção. São Paulo: Hucitec 2ª edição, 1997.

VALDIVINO, L. F. X.; MATOS, L. S.; OLIVEIRA, F. L. S. Geotecnologias aplicada ao planejamento urbano: um estudo de caso sobre a acessibilidade na comunidade Alto Bela Vista, Pacoti – Ceará. Revista de Geociências do Nordeste, p. 1151-1159. 2016.

VIERO, Verônica Crestani; BARBOSA FILHO, Luis Carlos (2009). Praças Públicas: origem, conceitos e funções (PDF). Jornada de Pesquisa e Extensão, ULBRA Santa Maria. Consultado em 24 de janeiro de 2016

WEATHER SPARK. ORG. Guanambi. Dados climáticos para cidades mundiais. Disponível em: <https://pt.weatherspark.com/y/30715/Clima-característico-em-Guanambi-Brasil-durante-o-ano>. Acesso em: 23 mai. 2020.

Downloads

Publicado

2021-03-12

Como Citar

Teixeira Dias, F., Magno Santos Clemente, C. ., Marques Pereira, D. ., Soares Costa, J. G., & Martins de Oliveira, N. J. (2021). Baixa qualidade ambiental de praças baseada em índices de cobertura vegetal em cidade de pequeno porte. Revista Verde Grande: Geografia E Interdisciplinaridade, 3(01), 87-105. https://doi.org/10.46551/rvg267523952021187105