VULNERABILIDADE NATURAL À PERDA DE SOLO DA MICROBACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARNAÍBA DE DENTRO, SEMIÁRIDO BAIANO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46551/rvg26752395202022855

Palavras-chave:

Geotecnologias, Ecodinâmica, Erosão

Resumo

A presente pesquisa teve como objetivo classificar o grau de vulnerabilidade natural à perda de solo da microbacia hidrográfica do Rio Carnaíba de Dentro (BA), indicando a prevalência dos processos do balanço morfogênese/pedogênese. A área de estudo localiza-se no contexto regional do sudoeste do Semiárido Brasileiro. Como técnica utilizou-se as Geotecnologias, a fim de realizar a coleta, armazenamento, tratamento, análise espacial e representação dos dados obtidos, da vulnerabilidade à perda de solo da microbacia do Rio Carnaíba de Dentro (BA). Concluiu-se que houve um equilíbrio entre a pedogênese/morfogênese, uma vez que o meio Medianamente Estável/Vulnerável possui maior incidência sobre microbacia do Rio Carnaíba de Dentro (BA), contrariando a hipótese da prevalência dos processos de morfogênse, majoritariamente presentes em todo semiárido brasileiro. Logo, a partir dos dados e informações obtidos é possível fornecer subsídios para um melhor direcionamento na elaboração de políticas públicas para a microbacia do Rio Carnaíba de Dentro (BA).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jardel Gybson Soares Costa, Centro Universitário FG

Graduando em Engenharia Civil pelo Centro Universitário FG (UNIFG) – Discente pesquisador do Observatório UniFG do Semiárido Nordestino.

Mateus Ribeiro Caetano, Centro Universitário FG

Graduando em Engenharia Civil pelo Centro Universitário FG (UNIFG) – Discente pesquisador do Observatório UniFG do Semiárido Nordestino.

Carlos Magno Santos Clemente, Centro Universitário FG e Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Doutorando em Geografia - Tratamento da Informação Espacial pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Mestre em Geografia pela UNIMONTES.Coordenador do Observatório UniFG do Semiárido Nordestino – Docente do curso de Engenharia Civil do Centro Universitário FG (UNIFG).

Referências

AGENCIA NACIONAL DE ÁGUAS (ANA). Atlas Brasil. 2010. Disponível em: <http://atlas.ana.gov.br/Atlas/forms/Download.aspx>. Acesso em: 15 Jan. 2019.

AMARAL, Rosangela do; ROSS, Jurandyr Luciano Sanches. As Unidades Ecodinâmicas na Análise da Fragilidade Ambiental do Parque Estadual do morro do Diabo e entorno, Teodoro Sampaio – SP. GEOUSP, n.26, p.59-78, 2009. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/geousp/article/view/74128/77771>. Acesso em: 10 Jan. 2019.

ARAÚJO, Lincoln Eloi de. et al. Bacias Hidrográficas e Impactos Ambientais. In: Qualitas Revista Eletrônica. UEPB, v. 8, n. 1. 2009. Disponível em: <http://revista.uepb.edu.br/index.php/qualitas/article/view/399/366>. Acesso em: 12 Jan. 2019.

BECKER, Bertha. K.; EGLER, Claudio. A. G. Detalhamento da metodologia para execução do zoneamento ecológico-econômico pelos estados da Amazônia Legal. Rio de Janeiro/Brasília: SAE-MMA, 1996. Disponível em: <http://www.egler.com.br/pdf/Metodo_ZEE.pdf>. Acesso em: 12 Jan. 2019.

BERTONI, J.; LOMBARDI NETO, F. Conservação do solo. 2° ed. São Paulo: Editora Ícone, 1993. 352 p.

BOTELHO, R. G. M.; SILVA, A. S. Bacia hidrográfica e qualidade ambiental. In: VITTE, A. C.; GUERRA, A. J. T. (Orgs.). Reflexões sobre a Geografia Física no Brasil. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004. Disponível em: <http://revista.fct.unesp.br/index.php/cpg/article/viewFile/3172/2656>. Acesso em: 20 Jan. 2019

CARDOSO, Christiany Araujo; DIAS, Herly Carlos Teixeira; SOARES, Carlos Pedro Boechat; MARTINS, Sebastião Venâncio Caracterização morfométrica da Bacia Hidrográfica do Rio Debossan, Nova Friburgo, RJ. Revista Árvore, v. 30, n. 2, p.241-248, 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0100-67622006000200011&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em: 22 Ago. 2019

.

CLEMENTE, Carlos Magno Santos; PEREIRA, Deborah Marques; LEAL, Thomas Leonardo Marques de Castro; REIS, Maycon Fagundes Teixeira. Análise espacial da precipitação pluviométrica na Microbacia do Rio Carnaíba de dentro e seu entorno no semiárido baiano entre 2009 a 2014. In: Caderno de Geografia, v.27, n.49, 2017. Disponível em: <https://www.redalyc.org/pdf/3332/333250465009.pdf>. Acessado em 01 Abr. 2019.

CREPANI, E.; MEDEIROS, J. S.; HERNANDEZ FILHO, P.; FLORENZANO, T. G.; DUARTE, V.; BARBOSA, C.C.F. Sensoriamento remoto e geoprocessamento aplicados ao zoneamento ecológico-econômico e ao ordenamento territorial. São José dos Campos: INPE, 124 p., 2001. Disponível em: <http://sap.ccst.inpe.br/artigos/CrepaneEtAl.pdf>. Acessado em 05 Jan. 2019.

COSTA, W. O. O sistema hídrico da comunidade Fazenda situada no maciço da Tijuca, Rio de Janeiro, RJ. Dissertação de mestrado apresentado ao Programa de Pós-Graduação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. 124p. 2017.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA (EMBRAPA). Manual de classificação dos solos. Brasília, CNPS, 1999. Disponível em: < https://livimagens.sct.embrapa.br/amostras/00053080.pdf>. Acessado em 12 Mar. 2019.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA (EMBRAPA). Levantamento Exploratório – Reconhecimento de solos da Margens direita e esquerda do Rio São Francisco Estado da Bahia. Embrapa Solos – UEP Recife. Recife, 1973.

GRIGORIEV, A. A. The theoretical fundaments o of modern physical geography. In: The interaction of sciences I the study of the earth. Moscou, 1968.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Censo da população do Brasil, 2010. Disponível em: < http://www.ibge.gov.br/home>. Acessado em 14 Jan. 2019.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Banco de Dados de Informações Ambientais, 2019. Disponível em: <https://bdiaweb.ibge.gov.br/#/home>. Acessado em 11 Set. 2019.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Manual Técnico da Vegetação Brasileira, 2012. Disponível em: <https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv63011.pdf>. Acessado em 17 Out. 2019.

LIMA, Daiane Fátima Batista de Lima, REMPEL, Claudete, ECKHARDT, Rafael Rodrigo. Análise ambiental da bacia hidrográfica do rio Taquari proposta de zoneamento ambiental. GEOGRAFIA (Londrina), Londrina, 16, out. 2007. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/geografia/article/view/6572/5966 > . Acesso em: 14 Jan. 2019.

PIRES, J. S. R; SANTOS, J. E.; DEL PRETTE, M. E. A utilização do conceito de bacia

hidrográfica para a conservação dos recursos naturais. SCHIAVETTI, Alexandre; CAMARGO, Antônio F. M. (Edit.). In.: Conceitos de bacias hidrográficas: teorias e aplicações. 2° ed. 293p. 2008.

REBOUÇAS, Aldo da C. Água na região Nordeste: desperdício e escassez. Estudos avançados. São Paulo. v.11, p.127-154, n 29, 1997. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40141997000100007>. Acessado em 01 Out. 2019

RIBEIRO, M. A. Ecologizar: Pensando o Ambiente Humano. Belo Horizonte: Rona, 1998. 392p.

ROSA, R. Geotecnologias na Geografia aplicada. In: Revista do Departamento de Geografia, 2005. 81-90 p. Disponível em <http://www.revistas.usp.br/rdg/article/view/47288>. Acessado em 23 Jan. 2019

ROSA, Roberto. Introdução ao Geoprocessamento. UFU: Apostila. Uberlândia. 2013. 142 p. Disponível em: <http://professor.ufabc.edu.br/~flavia.feitosa/cursos/geo2016/AULA5-ELEMENTOSMAPA/Apostila_Geop_rrosa.pdf>Acessado em 26 Jan. 2019

ROSS, Jurandyr Luciano Sanches. Análise empírica da fragilidade dos ambientes naturais e antropizados. In: Revista do Departamento de Geografia. n. 8, 63-74 p. 1994. Disponível em <http://www.revistas.usp.br/rdg/article/view/47327>Acessado em 26 Jan. 2019

RUELA, Bruno Parma. Caracterização morfométrica da Microbacia Bom Jardim situada no município de Rio Pomba, MG: Uma análise de áreas críticas para a possível implementação do Programa Produtor de Água. Dissertação de Mestrado apresentado ao Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal de Viçosa (UFV), Viçosa (MG), 2015.

SANTOS, Mílton. Metamorfoses do espaço habitado: fundamentos teóricos e metodológicos da Geografia. ReP-USP 6. ed. São Paulo: USP, 1996. Disponível em <https://bdpi.usp.br/single.php?_id=001171249>Acessado em 29 Mar. 2019

SANTOS, Mariana Rodrigues Ribeiro; RANIERI, Vitor Eduardo Lima. Critérios para análise do zoneamento como instrumento de planejamento e ordenamento territorial. In: Ambiente & Sociedade, 2013. 43-62p. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/asoc/v16n4/04.pdf>. Acesso em: 06 Jan. 2019.

SOUZA, G.F et.al. Vulnerabilidade natural da paisagem em função das áreas de

plantio de cana-de-açúcar. Revista GEOGRAFIA (Londrina) 19° ed. Londrina, 2010. Disponível em:

<http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/geografia/> . Acesso em: 14 Jan. 2019.

SCHIAVETTI, Alexandre; CAMARGO, Antonio F. M. Conceitos de bacias hidrográficas teorias e aplicações ilhéus. Bahia: Editus, 2002. 293p. Disponível em: <http://www.uesc.br/editora/livrosdigitais2015/conceitos_de_bacias.pdf>. Acesso em: 18 Fev. 2019

VALERIANO, M. M.; ROSSETTI, D. F. Topodata: Brazilian full coverage refinement of SRTM data. Applied Geography (Sevenoaks), v. 32, p. 300-309, 2012.

TONELLO, Kelly Cristina et al. Morfometria da bacia hidrográfica da cachoeira das pombas, Guanhães - MG. Revista Árvore, Viçosa, v.30, n.5, p.849-857, 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0100-67622006000500019&script=sci_abstract&tlng =pt>. Acesso em: 03 Jan. 2019.

THOMAS, Bruna Letícia. Proposta de zoneamento ambiental para o município de Arroio do Meio – RS. RAEGA - O Espaço Geográfico em Análise, v. 24, mar. 2012. ISSN 2177-2738. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.5380/raega.v24i0.26215 >. Acesso em: 14 Jan. 2019.

TRICART Jean. Ecodinâmica. Rio de Janeiro: IBGE (SUPREN). 1977. 97 p. Disponível em: < https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/monografias/GEBIS%20-%20RJ/ecodinamica.pdf>. Acesso em: 08 Jan. 2019.

TRICART, J. E KILIAN, J. L’éco-géographie. Librairie François Maspéro, col. Hérodote, 326 p. 1979.

WALLING, D.E.: WEBB, B.W. Erosion and sediment yield: a global view. In: International Association of Hydrological Sciences Publication. 1996. 236 p. Disponível em: <http://hydrologie.org/redbooks/a236/iahs_236_0003.pdf>. Acesso em: 08 Jan. 2019.

Downloads

Publicado

2020-07-16 — Atualizado em 2020-07-17

Versões

Como Citar

Gybson Soares Costa, J., Ribeiro Caetano, M., & Magno Santos Clemente, C. (2020). VULNERABILIDADE NATURAL À PERDA DE SOLO DA MICROBACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARNAÍBA DE DENTRO, SEMIÁRIDO BAIANO. Revista Verde Grande: Geografia E Interdisciplinaridade, 2(02), 28-55. https://doi.org/10.46551/rvg26752395202022855 (Original work published 16º de julho de 2020)