PENSANDO A GEOGRAFIA E SEU ENSINO A PARTIR DE PRODUÇÕES DE REALIDADE VIRTUAL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46551/rvg26752395202025669

Palavras-chave:

Ensino, Geografia, Design, Realidade Virtual.

Resumo

Este artigo expõe reflexões sobre idéias espaciais relacionadas à tecnologias que usamos na vida cotidiana, especialmente aquelas cujas técnicas criam os diversos modos de Realidade Virtual (RV). Metodologicamente, consideramos as discussões em torno do conceito de RV e dos dispositivos projetados para formentá-lo. Para a teoria espacial, temos uma referência importante nas considerações do geógrafo Milton Santos sobre o papel das técnicas na produção espacial contemporânea. De Gaston Bachelard, consideramos as reflexões sobre as novas idéias espaciais geradas pela microfísica e os limites do senso convencional de ciência. Com base em nossa experiência em um laboratório de tecnologia em uma universidade do sul do Brasil e no ensino fundamental escolar do mesmo país, apontamos que novas técnicas, incluindo as que apóiam a RV, devem ser analisadas pela dimensão espacial ampliada que a tornou possível. Sugerimos que técnicas possam ser usadas para colaborar coma difusão de uma visão científica mais aberta, que desenvolva o imaginário relacionado a sustentabilidade junto ao espaço em que vivemos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliano da Costa Machado Timmers, UFRGS e Prefeitura Municipal de São Leopoldo

Doutor em Ensino de Geografia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS e Professor de Geografia da Rede Municipal de São Leopoldo/RS.

Branda Eloá Weppo, Universidade do Vale dos Sinos e Universidade De la Empresa

Mestranda em Educação pela Universidade da Empresa – UDE, Montevidéu/Uruguai e Mestranda em Computação Aplicada pela Universidade do Vale dos Sinos - UNISINOS.

Referências

BACHELARD, Gaston. Coleção os pensadores. São Paulo: Editora Abril, 1978.

BIOCCA, Frank. The cyborg’s dilemma: progressive embodiment on virtual environments.Jornal of Computer mediated-communication (online) [3], 2. 1997. Disponível em: <http://ww38.ascusc.org/jcmc/vol3/issue2/biocca2.html>. Acesso em: mai. 2020.

CARDOSO, Juliana Carvalho. TONINI, Ivaine Maria. Os meios de comunicação, tecnologias digitais e práticas escolares de geografia. EM: 2014, Florianópolis. Anais eletrônicos do ENPGSUL.Florianópolis: UFSC, 2014. Disponível em: <http://anaisenpegsul.paginas.ufsc.br/> Acesso em: mai. 2020.

GENTILIN, J. C.; SHAH, M.; BUCK, A. R.; LINSNER, J.; BOURGET, M. A.; CARROLL, R. Computer analysis of user comfort in virtual reality environments. [S.l.]: Google Patents, 2018. US Patent App. 15/214,427.

MANIA, K. Connections between lighting impressions and presence in real and virtual environments: an experimental study. In: Proceedings of the 1st international conference on Computer graphics, virtual reality and visualisation. [S.l.: s.n.], 2001. p. 119–123.

MENEGHETTE, Lucas Correia. Realidade virtual e experiência do espaço: imersão, tecnologia e fenomenologia. São Paulo: PUC-SP Dissertação de mestrado em Tecnologias da inteligência e design digital. 2010.

SANTOS, Milton. A Natureza do Espaço: Técnica e Tempo, Razão e Emoção. São Paulo: Editorada Universidade de São Paulo, 2006.

USMAN, M.; HAWORTH, B.; BERSETH, G.;KAPADIA, M.; FALOUTSOS, P. Perceptual evaluation of space in virtual environments. In: Proceedings of the Tenth International Conference on Motion in Games. [S.l.: s.n.], 2017. p. 1–10.

Downloads

Publicado

2020-08-27

Como Citar

da Costa Machado Timmers, J., & Eloá Weppo, B. (2020). PENSANDO A GEOGRAFIA E SEU ENSINO A PARTIR DE PRODUÇÕES DE REALIDADE VIRTUAL. Revista Verde Grande: Geografia E Interdisciplinaridade, 2(02), 56 - 69. https://doi.org/10.46551/rvg26752395202025669