PERFIL CLÍNICO EPIDEMIOLÓGICO DA SÍFILIS GESTACIONAL E SÍFILIS CONGÊNITA: UM ESTUDO DE COORTE RETROSPECTIVO

Autores

  • Ana Paula Ferreira Holzmann Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES)
  • Cristiano Leonardo de Oliveira Dias Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES)
  • Orlene Veloso Dias Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES)
  • Adilson Silva Oliveira Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES)
  • Sabrina Durães Bastos Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES)
  • Thais Matos Rodrigues Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES)

DOI:

https://doi.org/10.46551/ruc.v24n1a10

Resumo

Objetivo: Descrever o perfil clínico e epidemiológico da Sífilis Gestacional e Congênita. Métodos: Trata-se de um estudo de coorte retrospectivo, descritivo, de abordagem quantitativa. A população do estudo constituiu-se de 13.656 mães de crianças com sífilis congênita, sendo as variáveis de interesse: características das mães, momento em que foram diagnosticadas; diagnóstico final das crianças e óbitos em menores de um ano. O processamento e análise se deram a partir dos softwares DATASUS (TabWin) e Microsoft® Excel 2016, cujos resultados receberam tratamento da estatística descritiva. Resultados: Houve um aumento anual progressivo dos casos e taxa de detecção de sífilis materna, com diminuição no último ano analisado. As mulheres de 20 a 29 anos, com ensino médio completo e que realizaram o pré-natal alcançaram um maior número de casos. O tratamento das gestantes com sífilis foi classificado como inadequado, o diagnóstico ocorreu no pré-natal e o tipo mais encontrado foi sífilis congênita recente. Houve decréscimo significante dos óbitos no último ano. Conclusão: É perceptível a persistência da sífilis congênita o que torna importante a realização do pré-natal para controle, já que por meio dele se pode identificar a doença precocemente e intervir para evitar complicações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Paula Ferreira Holzmann, Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES)

Doutora em Ciências da Saúde pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Professora da Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES). Montes Claros - MG – Brasil. E-mail: apaulah@uol.com.br. ID: https://orcid.org/0000-0001-9913-9528.

Cristiano Leonardo de Oliveira Dias, Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES)

Doutor em Ciências da Saúde pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Professor da Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES). Montes Claros - MG – Brasil. E-mail: cristianolodias@yahoo.com.br. ID: https://orcid.org/0000-0002-2750-8416.

Orlene Veloso Dias, Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES)

Doutora em Ciências da Saúde pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Professora da Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES). Montes Claros - MG – Brasil. E-mail: orlenedias@yahoo.com.br. ID: https://orcid.org/0000-0002-9017-7875.

Adilson Silva Oliveira, Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES)

Graduando do Curso de Enfermagem pela Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES). Montes Claros - MG - Brasil. E-mail: adilson.silva.oliveiraa@gmail.com. ID: https://orcid.org/0000-0003-3567-6275.

Sabrina Durães Bastos, Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES)

Graduanda do Curso de Enfermagem pela Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES). Montes Claros - MG - Brasil. E-mail: sabrinaduraesb@gmail.com. ID: https://orcid.org/0000-0003-2393-0334.

Thais Matos Rodrigues, Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES)

Graduanda do Curso de Enfermagem pela Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES). Montes Claros - MG - Brasil. E-mail: thaismatos12@yahoo.com.br. ID: https://orcid.org/0000-0003-1295-6870.

Referências

MAGALHÃES, Daniela Mendes dos Santos et al. Sífilis materna e congênita: ainda um desafio. Cadernos de saúde pública, Rio de Janeiro, v. 29, n. 6, p. 1109–1120, 2013.

ARAUJO, Eliete da Cunha et al. Importância do pré-natal na prevenção da sífilis congênita. Revista Paraense de Medicina, Belém, v. 20, n. 1, p. 47–51, 2006.

HOLANDA, Maria Tereza Costa Gomes et al. Perfil epidemiológico da sífilis congênita no Município do Natal, Rio Grande do Norte – 2004 a 2007. Revista Epidemiologia e serviços da saúde, Brasília, v. 20, n. 2, p. 203-212, 2011.

OLIVEIRA, Ana Luiza Figueiredo et al. Avaliação dos estudos acerca do manejo de sífilis congênita entre 2010 e 2015. Revista Norte Mineira de Enfermagem, Minas Gerais, v. 7, n. 1, p. 79-93, 2018.

CAMPOS, Ana Luiza de Araújo et al. Sífilis em parturientes: aspectos relacionados ao parceiro sexual. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, Rio de Janeiro, v. 34, n. 9, p. 397-402, 2012.

VALDERRAMA, Julia.; ZACARÍAS, Fernando.; MAZIN, Rafael. Sífilis materna y sífilis congênita em América Latina: um problema grave de solución sencilla. Revista Panamericana de Salud Publica, Washington, v. 16, n. 3, p. 211–217, 2004.

DOMINGUES, Rosa Maria Soares Madeira.; LEAL, Maria do Carmo. Incidência de sífilis congênita e fatores associados à transmissão vertical da sífilis: dados do estudo Nascer no Brasil. Caderno de Saúde, Rio de Janeiro, v. 32, n. 6, 2016.

MASCHIO, Taiza Lima et al. Perfil epidemiológico de pacientes com sífilis congênita e gestacional em um município do Estado de São Paulo, Brasil. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, São Paulo, v. 19, n. 4, p. 865-872, 2019.

MOREIRA, Kátia Fernanda Alves et al. Perfil dos casos notificados de sífilis congênita. Revista Cogitare Enfermagem, Rondônia, v. 22, n. 2, 2017.

NONATO, Solange Maria.; MELO, Ana Paula Souto.; GUIMARÃES, Mark Drew Crosland. Sífilis na gestação e fatores associados à sífilis congênita em Belo Horizonte-MG, 2010-2013. Revista Epidemiologia e Serviços de Saúde, Minas Gerais, v. 24, n. 4, p. 681-694, 2015.

PADOVANI, Camila.; OLIVEIRA, Rosana Rosseto.; PELLOSO, Sandra Marisa. Sífilis na gestação: associação das características maternas e perinatais em região do sul do Brasil. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Paraná, v. 26, 2018.

FRANÇA, Inacia Sátiro Xavier et al. Fatores associados à notificação da sífilis congênita: um indicador de qualidade da assistência pré-natal. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste-Revista Rene, Paraíba, v. 16, n. 3, 2015.

VESCOVI, Julia Souza.; SCHUELTER, Fabiana Trevisol. Aumento da Incidência de Sífilis Congênita no Estado de Santa Catarina no Período de 2007 a 2017: Análise Da Tendência Temporal. Revista Paulista de Pediatria, Santa Catarina, v. 38, 2020.

CAVALCANTE, Patrícia Alves de Mendonça.; PEREIRA, Ruth Bernardes de Lima.; CASTRO, José Gerley Diaz. Sífilis gestacional e congênita em Palmas, Tocantins, 2007-2014. Epidemiologia e Serviços de Saúde, Tocantins, v. 26, n. 2, p. 255-264, 2017.

CABRAL, Beatriz Távina Viana et al. Sífilis em Gestante e Sífilis Congênita: Um estudo retrospectivo. Revista ciência plural, Rio Grande do Norte, v. 3, n. 3, p. 32-44, 2017.

CAMPANHARO, Cássia Regina Vancini et al. Vantagens do estudo de coorte realizado por enfermeiros em parada cardiorrespiratória. Revista da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo, v. 49, n. 05, p. 0762-0766, 2015.

Downloads

Publicado

2022-07-06

Como Citar

PAULA FERREIRA HOLZMANN, A. .; LEONARDO DE OLIVEIRA DIAS, C. .; VELOSO DIAS, O.; SILVA OLIVEIRA, A.; DURÃES BASTOS, S.; MATOS RODRIGUES, T. PERFIL CLÍNICO EPIDEMIOLÓGICO DA SÍFILIS GESTACIONAL E SÍFILIS CONGÊNITA: UM ESTUDO DE COORTE RETROSPECTIVO. Revista Unimontes Científica, [S. l.], v. 24, n. 1, p. 1–12, 2022. DOI: 10.46551/ruc.v24n1a10. Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/unicientifica/article/view/5481. Acesso em: 26 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)