INTERNAÇÕES SENSÍVEIS À ATENÇÃO DOMICILIAR EM UM HOSPITAL DE ENSINO EM MONTES CLAROS-MG, BRASIL

Autores

  • Patrícia Alves Paiva Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES
  • Fernanda Marques da Costa Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP
  • Sira Samayka de Souza Silva Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES
  • Orlene Veloso Dias Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP

Palavras-chave:

Internação hospitalar. Serviços de assistência domiciliar. Padrão de cuidado

Resumo

Objetivo: Constatar presença de internações sensíveis à atenção domiciliar em um hospital
de ensino em Montes Claros, Minas Gerais. Metodologia: Estudo quantitativo, descritivo e transversal,
realizado com 45 usuários à beira do leito no período entre abril e julho de 2014. O formulário, para
avaliação e classificação da elegibilidade, para atenção domiciliar, descreve a complexidade assistencial,
classificando o usuário em uma modalidade de cuidado nos seguintes níveis: atenção domiciliar 1, atenção
domiciliar 2 e atenção domiciliar 3. Os dados foram coletados após a aprovação do Comitê de Ética em
Pesquisa Envolvendo Seres Humanos, parecer nº 473.501/2013. Resultados: Observou-se que 53,4%
dos participantes eram do sexo feminino, 37,8% tinham 60 anos ou mais. Dos 45 participantes, 68,9%
residiam em Montes Claros e 84,5% não possuíam plano de saúde. Quanto ao período de internação, 15
usuários permaneceram hospitalizados entre 8 a 14 dias, dos quais 80,0% são de Montes Claros. Entre os
45 participantes do estudo, sete usuários, 15,5% foram classificados para atenção domiciliar, sendo 8,9% a
cargo da atenção domiciliar 1, 4,4% da atenção domiciliar 2 e 2,2% da atenção domiciliar 3. Conclusão:
Dos 45 leitos ocupados, sete leitos poderiam ser aproveitados por usuários em estado agudo e/ou crítico, com
necessidades de maior quantidade de procedimentos e tecnologias. Os sete usuários elegíveis para atenção
domiciliar poderiam ter a continuidade do tratamento no lar, com segurança, ao lado de seus familiares.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. SILVA, K. L. et al. Internação domiciliar no
Sistema Único de Saúde. Revista de Saúde Pública,
v. 39, n. 3, p. 391-397, 2005. Disponível em: http://
www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid
=S0034-89102005000300009 Acesso em: 15 maio
2014.
2. MENDES, E. V. c. Brasília: Organização
Pan-Americana da Saúde, 2011. 549 p.
3. FEUERWERKER, L. C. M.; MERHY,
E. E. A contribuição da atenção domiciliar para
a configuração de redes substitutivas de saúde:
desinstitucionalização e transformação de práticas.
Revista Panamericana de Salud Pública, v. 24,
n. 3, p. 180–188, 2008. Disponível em: http://
www.scielosp.org/scielo.php?pid=S1020-
49892008000900004&script=sci_arttext Acesso
em: 15 maio 2014.
4. CARVALHO, L. C. A disputa de planos
de cuidado na atenção domiciliar. 2009. 111 f.
Dissertação (Mestrado) – UFRJ / Faculdade de
Medicina / Programa de pós-graduação em Clínica
Médica, Rio de Janeiro.
5. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria
de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção
Básica. Caderno de atenção domiciliar. Brasília:
Ministério da Saúde, 2012.
6. MINAS GERAIS. Secretaria Estadual
de Educação. Lei 11.517, de 13 de julho de 1994
- artigo 31 - Reorganiza a Universidade Estadual
de Montes Claros e dá outras providências: cria o
Hospital Universitário Clemente de Faria. Montes
Claros, 1994.
7. BRASIL. Ministério da Saúde. Resolução
n.466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova as
diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa
envolvendo seres humanos. Diário Oficial da
União, Brasília, DF, 2012 Dez 12. Seção1, 59 p.
8. LACERDA, M. R. et al. Atenção à Saúde
no Domicílio: modalidades que fundamentam sua
prática. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 15, n. 2,
p. 88-95, maio/ago. 2006. Disponível em: http://
www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid
=S0104-12902006000200009 Acesso em: 12 set
2014.
9. ANDRADE, A. M. Estruturação da Rede
de Atenção à Saúde na perspectiva de profissionais,
usuários e cuidadores da atenção domiciliar. 2013.
150 f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) -
Escola de Enfermagem, Universidade Federal de
Minas Gerais, Belo Horizonte.
10. SANTANA, C. R.; ALVES, E. D. Estudo
sobre os limites e possibilidades do programa de
internação domiciliar em desospitalizar doentes
portadores de doenças crônico degenerativas na
regional de saúde do Paranoá. Revista Eletrônica
Gestão & Saúde, v. 5, n. 1, p. 37-46, 2014.
11. VIANA, S. O. et al. Perfil dos indivíduos
avaliados em domicílio pela Fisioterapia nas
Unidades Básicas de Saúde de Betim. Revista de
APS, v. 16, n. 3, p. 278-286, jul./set 2013. Disponível
em: http://aps.ufjf.emnuvens.com.br/aps/article/
view/1644/745 Acesso em: 18 maio 2014.
12. MARTINS, J. J, et al. Avalia¬ção da
qualidade de vida de idosos que recebem cuidados
domiciliares. Acta Paulista de Enfermagem,
v. 22, n. 3, p. 265-271, 2009. Disponível em:
http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-
21002009000300005&script=sci_arttext Acesso
em: 20 ago 2014.
13. CAMARANO, A. A. Envelhecimento
da população brasileira: uma contribuição
demográfica. Ministério do Planejamento,
orçamento e gestão; IPEA. 2002.
14. LAURENTI, R.; JORGE, M. H. P. M.;
GOTLIEB, S. L. D. Perfil epide-miológico da
morbi-mortalidade masculina. Ciência & Saúde
Coletiva, v. 10, n. 1, p. 35-46, 2005. Disponível
em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_art
text&pid=S1413-81232005000100010 Acesso em:
18 set 2014.
15. GARRIDO, R.; MENEZES, P. R. O. Brasil
está envelhecendo: boas e más notícias por uma
perspectiva epidemiológica. Revista Brasileira de
Psiquiatria, v. 24, n. (Supl I), p. 3-6, 2002. Disponível
em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_
arttext&pid=S1516-44462002000500002&lng=en
&nrm=iso&tlng=pt Acesso em: 15 set 2014.
16. MARTELLI, D. R. B, et al. Internação
domiciliar: o perfil dos pacientes assistidos pelo
Programa HU em Casa. Physis, v. 21, n. 1, p.
147-157, 2011. Disponível em: http://www.
scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid
=S0103-73312011000100009 Acesso em: 14 ago
2014.
17. MAROLDI, M. A. C. et al. Internação
domiciliar: caracterização de usuários e cuidadores.
CuidArte Enferm, v. 6, n. 1, p. 24-29, Jan./ jun.
2012.
18. BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n°
2527, de 27 de outubro de 2011: redefine a Atenção
Domiciliar no âmbito do Sistema Único de Saúde.
Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2011.
19. PIRES, M. R. G. M. et al. Fatores associados
à atenção domiciliária: subsídios à gestão do cuidado
no âmbito do SUS. Revista da Escola de Enfermagem
da USP, v. 47, n. 3, p. 648-656, 2013. Disponível
em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_artt
ext&pid=S0080-62342013000300648 Acesso em:
12 ago 2014.
20. COÊLHO, A. D. A. et al. O idoso e a úlcera
por pressão em serviço de atendimento domiciliar.
Rev Rene. v. 13, n. 3, p. 639-649, 2012. Disponível
em: http://www.revistarene.ufc.br/revista/index.
php/revista/article/view/731 Acesso em: 12 jul
2014.
21. DAL BEM, L. W.; GAIDIZNSKI, R. R.
Sistema de classificação de pacientes em assistência
domiciliária. Acta Paulista de Enfermagem, v. 19,
n. 1, p. 100-108, 2006. Disponível em: http://www.
scielo.br/pdf/ape/v19n1/a16v19n1.pdf Acesso em:
12 jul 2014.
22. BAJOTTO, A. P. et al. Perfil do paciente
idoso atendido por um Programa de Atenção
Domiciliar do Sistema Único de Saúde em Porto
Alegre, RS. Revista HCPA, v. 32, n. 3, p. 311-317,
2012. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/hcpa/
article/view/31055 Acesso em: 12 jul 2014.

Downloads

Publicado

2020-04-09

Como Citar

ALVES PAIVA, P. .; MARQUES DA COSTA, F. .; DE SOUZA SILVA, S. S. .; VELOSO DIAS, O. . INTERNAÇÕES SENSÍVEIS À ATENÇÃO DOMICILIAR EM UM HOSPITAL DE ENSINO EM MONTES CLAROS-MG, BRASIL. Revista Unimontes Científica, [S. l.], v. 17, n. 2, p. 14–26, 2020. Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/unicientifica/article/view/1921. Acesso em: 26 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)