Xerostomia, Alteração do Paladar, da Saliva e da Sede: Percepção dos Idosos

Autores

  • Clara Braga Pires Universidade Estadual de Montes Claros
  • Gustavo Silva Costa Universidade Estadual de Montes Claros
  • Isabela Santos Borges Universidade Estadual de Montes Claros
  • Stéphanie Zuba Castro Universidade Estadual de Montes Claros
  • Eliene de Oliveira Universidade Estadual de Montes Claros
  • Maria Cleonice de Oliveira Nobre Universidade Estadual de Montes Claros
  • Maria de Lourdes Universidade Estadual de Montes Claros

DOI:

https://doi.org/10.46551/ruc.v22n1a02

Palavras-chave:

Xerostomia, Sede, Saliva, Senescência, Saúde Bucal

Resumo

Resumo: Objetivos: Descrever e analisar a percepção dos idosos quanto à presença de xerostomia, alterações do paladar, da saliva e da sede. Metodologia: Trata-se de um estudo descritivo e transversal, com abordagem quantitativa em que utilizou-se o software IBM SPSS 22.0. Teve como população-alvo idosos, de ambos os sexos, capazes de responder às questões propostas, atendidos na Clínica Integrada III do curso de Odontologia da Universidade Estadual de Montes Claros e no Centro de Referência à Saúde do Idoso (CRASI) de Montes Claros-MG. A coleta de dados ocorreu no período de setembro a dezembro de 2015, pela aplicação de questionário semiestruturado, contendo questões abertas e fechadas, sob a forma de entrevista, que foi realizada após a aprovação pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Estadual de Montes Claros sob Parecer nº 50668915.1.0000.5146. Resultados: A maioria dos idosos era do sexo feminino (64%); se encontrava na faixa etária acima de 70 anos (55%); eram casados, divorciados ou viúvos (88%); brancos (57%); com escolaridade (93%) e procedentes de outras localidades do norte do Estado de Minas Gerais (55%). A maioria percebeu sensação de boca seca (79%); que não há diminuição do paladar (58%) e da sede (51%), e que a saliva diminui (51%). Conclusão: A compreensão das condições bucais dos pacientes idosos atendidos na Clínica Integrada III da Unimontes fez-se relevante, pois o conhecimento das percepções das alterações sentidas favoreceu a orientação dos cuidados com essa população.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Clara Braga Pires, Universidade Estadual de Montes Claros

Cirurgiã-Dentista (Unimontes). Residente em Saúde da Família (Universidade Estadual de Montes Claros) (Unimontes). Minas Gerais.

Gustavo Silva Costa, Universidade Estadual de Montes Claros

Cirurgião-Dentista (Unimontes). Residente em Saúde da Família (Universidade Estadual de Montes Claros) (Unimontes). Minas Gerais. Brasil.

Isabela Santos Borges, Universidade Estadual de Montes Claros

Cirurgiã-Dentista (Unimontes). Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes). Minas Gerais. Brasil.

Stéphanie Zuba Castro, Universidade Estadual de Montes Claros

Cirurgiã-Dentista (Unimontes). Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes). Minas Gerais. Brasil.

Eliene de Oliveira, Universidade Estadual de Montes Claros

Especialista em Saúde da Família (Unimontes). Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes). Minas Gerais. Brasil

Maria Cleonice de Oliveira Nobre, Universidade Estadual de Montes Claros

Especialista em Metodologia do Ensino Superior (Unimontes). Professora da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes). Minas Gerais. Brasil.

Maria de Lourdes, Universidade Estadual de Montes Claros

Doutora em Odontologia em Saúde Coletiva (UFMG). Professora da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes). Minas Gerais. Brasil.

Referências

MONTENEGRO, Fernando Luiz Brunetti.; MARCHINI, Leonardo. Odontogeriatria: Uma visão gerontológica. Rio de Janeiro. Editora Elsevier, 2013.

CARDOSO, Maria Beatriz Ribeiro.; LAGO, Eliana Campêlo. Alterações bucais em idosos de um centro de convivência. Revista Paraense de Medicina, v. 24, n. 2, p. 35-41, 2010.

KALACHE, Alexandre. O mundo envelhece: é imperativo criar um pacto de solidariedade social. Ciência & Saúde Coletiva, v. 13, p. 1107-1111, 2008

VERAS, Renato. Envelhecimento populacional contemporâneo: demandas, desafios e inovações. Revista de Saúde Pública, v. 43, p. 548-554, 2009.

FREITAS, Daniela Napoleão.; LOCK, Nicássia Cioquetta.; UNFER, Beatriz. Hipofunção das glândulas salivares em idosos hospitalizados relacionada a medicamentos. Geriatrics, Gerontology and Aging, v. 7, n. 3, p. 179-183, 2013.

FERREIRA, Olívia Galvão Lucena et al. O envelhecimento ativo sob o olhar de idosos funcionalmente independentes. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 44, n. 4, p. 1065-1069, 2010.

CÔRTE-REAL, Inês S.; FIGUEIRAL, Maria Helena.; CAMPOS, José Carlos Reis. As doenças orais no idoso–Considerações gerais. Revista Portuguesa de Estomatologia, Medicina Dentária e CirugiaMaxilofacial, v. 52, n. 3, p. 175-180, 2011.

RECH, Carlos Alberto.; MEDEIROS, Aline Wilke. Xerostomia associada ao uso de medicamentos em idosos. Journalof Oral Investigations, v. 5, n. 1, p. 13-18, 2016.

PAULA, Roberta da Silva et al. Alterações gustativas no envelhecimento. Revista Kairós, p. 217-235, 2008.

DA SILVA, T. Met al. Alteração no paladar de idosos e suas repercussões nutricionais. Anai’s CIEH, vol. 2, N.1, 2015.

PASSOS, Jussara Gonçalves.; GUIMARÃES, Lucas Costa.; VICTORIA, Maria do Carmo Malicheski. Avaliação da percepção gustativa em idosos para os gostos básicos, doce e salgado, em comparação a jovens adultos. Journal of the Health Sciences Institute, v. 34, n. 1, p. 29-32, 2016.

DA SILVA, Raíssa Gabriela Nogueira.; SALVIO, Luisa Amaral.; MIRANDA, Alexandre Franco. Alterações bucais na terceira idade: uma realidade clínica do futuro cirurgião-dentista–breves considerações. Revista Portal de Divulgação, n. 24, 2012.

FERNANDES-COSTA, Anderson Nicolly et al. As Principais Modificações Orais que ocorrem durante o Envelhecimento. Revista Brasileira de Ciências da Saúde, v. 17, n. 3, p. 293-300, 2013.

LOPES, Ana Carolina Freire et al. Prevalência de alterações gustativas em idosos em uso crônico de fármacos. Geriatrics, Gerontology and Aging, v. 9, n. 4, p. 132-137, 2015.

MENDONÇA, L. F et al. Influência da água na desidratação de idosos. IV Congresso Internacional de Envelhecimento Humano. 2015.

GENARO, Sandra.; GOMES, Fernanda. Helena. Marques; IENAGA, Kátia Kaori. Análise do consumo de água em uma população de idosos. In: Colloquium Vitae. ISSN: 1984-6436. 2016. p. 01-12.

MARTINS, Andréa Maria Eleutério de Barros Lima.; SANDHI, Maria Barreto.; PORDEUS, Isabela Almeida.Auto-avaliação de saúde bucal em idosos: análise com base em modelo multidimensional. Cadernos de Saúde Pública, v. 25, p. 421-435, 2009.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) Censo Demográfico 2010.

DA LUZ, Elizangela Plestchet al. Perfil sociodemográfico e de hábitos de vida da população idosa de um município da região norte do Rio Grande do Sul, Brasil. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v. 17, n. 2, p. 303-314, 2014.

SILVA, Briza Letícia Almeida.; BONINI, Julia Acker.; BRINGEL, Fabiana de Andrade. Condição de saúde bucal de idosos institucionalizados em Araguaína/TO. Braz J Periodontol, v. 25, n. 1, p. 7-13, 2015.

ROSA, Lâner et al. Odontogeriatria– A saúde bucal na terceira idade. Revista da Faculdade de Odontologia-UPF, v. 13, n. 2, 2008.

CARVALHO, Ana Paula Lambrecht.; ZANARDO, Vivian Polachini Skzypek. Consumo de água e outros líquidos em adultos e idosos residentes no município de Erechim–Rio Grande do Sul. Revista Perspectiva, Erechim, v. 34, n. 125, p. 117-126, 2010.

Downloads

Publicado

2020-12-14

Como Citar

BRAGA PIRES, C.; SILVA COSTA, G.; SANTOS BORGES, I. .; ZUBA CASTRO, S.; DE OLIVEIRA, E.; CLEONICE DE OLIVEIRA NOBRE, M. .; LOURDES CARVALHO BONFIM, M. . Xerostomia, Alteração do Paladar, da Saliva e da Sede: Percepção dos Idosos. Revista Unimontes Científica, v. 22, n. 1, p. 1-15, 14 dez. 2020.