Hábitos de vida de professores universitários do Distrito Federal

Autores

  • Ricardo Jacó de Oliveira
  • Fernando Policarpo
  • Jonatas de França Barros
  • Martim Bottaro

Palavras-chave:

Qualidade de Vida, Fatores de Risco, Aptidão Física

Resumo

Este estudo teve o propósito de demonstrar os hábitos de vida de professores
universitários do Distrito Federal, buscando uma interligação com os fatores de risco
associados à instalação de Patologias. Para coletar os dados foi utilizado o questionário
Estilo de Vida na infância e Adolescência – EVIA (SOBRAL, 1992) adaptado à realidade
brasileira (CARDOSO, 1995), modificando-se algumas questões para ser utilizado em
adultos. O questionário englobou perguntas de caráter genérico, sócioeconômico e de
caráter específico. Para análise dos dados, foi utilizada a estatística descritiva referente
às ocorrências em valores percentuais e absolutos. Foram observados, neste trabalho,
hábitos tais como: deslocar-se para o trabalho sempre de carro, viver em apartamentos
quase sempre com elevadores, apartamentos que não permitem deslocamentos
acentuados, inexistência de hábitos de andar a pé ou de bicicletas, utilização de bebida
alcoólica e poucos hábitos de atividades de lazer. Portanto, os professores
Universitários necessitam melhorar os seus hábitos de vida para terem uma vida mais
saudável. Nas condições observadas, os docentes estão situados numa categoria que
os coloca em situação de risco de serem acometidos por várias doenças, portanto os
mesmos devem procurar aumentar seus níveis de atividade física.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE MEDICINA – Saúde ocupacional, lazer e exercícios
físicos. In: Esporte e Lazer na Empresa. Ministério da Educação e Cultura/Secretaria de
Educação Física e Desportos – Brasília: MEC/SEED, 1990.
CARDOSO, L. Estilo de vida e hábitos desportivos em alunos de escolas públicas de
Porto Alegre. In: Anais... IV Congresso de Educação Física e Ciências do Desporto dos
Países de Língua Portuguesa e V Congresso da Sociedade Portuguesa de Educação
Física. Coimbra, Universidade de Coimbra, 1995.
DEPRÉS, J. P. The insulin resistance, and dyslipidemia: contribution of endurance
exercise training to the treatment of the plurimetabolic syndrome. In: HOLLOSZY J. O.
Exercise and Sports Science Reviews, 1997. v. 25, p. 271-300.
GOMES, M. M. & BECKER, R. A. Tendência de mortalidade por doenças
cerebrovasculares no Brasil, 1979 a 1986. Revista Brasileira de Neurologia, v. 26
(Supl.1), p. 55-95, 1990.
GUEDES, D. P.; GUEDES, J. E. R. P. Exercício físico na promoção da saúde. Londrina,
Midiograf, 1995, 138 p.
HAHEIM, L.L; HOLME, I.; HJERMANN, I.; LEREN, P. Risk Factors of Stroke Incidence
and Mortality a 12-Year follow-up of the Oslo Study. Stroke, v. 24, p. 1484-1489, 1993
KLAG, M.J.; WHELTON, P.K. ; SEIDLER, A.J. Decline in US Stroke Mortality. Stroke, v.
20, p. 14-21, 1989.
LEE, I. M., & PAFFENBARGER, R. S. Do physical activity and physical fitness avert
premature mortality. In: HOLLOSZY J. O. Exercise and Sport Sciences Reviews, 1997,
V. 24, p. 135-171.
NAHAS, M. V. Fundamentos da aptidão física relacionada à saúde. Universidade federal
de Santa Catarina, 1989.
NATIONAL INSTITUTES OF HEALTH. Physical Activity and Cardiovascular Health.
JAMA, v. 276, p. 241-246, 1996
PEGADO, P. Saúde e atividade física na empresa. In: Esporte e Lazer na Empresa.
Ministério da Educação e Cultura/Secretaria de Educação Física e Desportos. – Brasília:
MEC/SEED, 1990.
SACCO, R. L.; GAN, R.; BODEN-ALBALA, B.; LIN, I-FENG; KARGMAN, D. E.;
HAUSER, A. ;SHEA, S.; PAIK, M.C. Leisure Time Physical Activity and Isquemic Stroke
Risk the Northern: Manhattan Stroke Study. Stroke, v. 29 p. 380-387, 1998
SARDINHA. L. B.; MATOS, M. G. Estilos de vida activos e Qualidade de Vida. In:
SARDINHA L. B., MATOS M. G., & LOUREIRO I. Promoção da Saúde: modelos e
práticas de intervenção nos âmbitos da actividade física, nutrição e tabagismo. Lisboa:
FMH, 1999, p. 163-181.
SERRANO, J.J.M. Envolvimento social e desenvolvimento da criança. Lisboa, 1996.
Tese (Mestrado em Ciências da Educação/Metodologia da Educação Física). UTL,
Faculdade de Motricidade Humana.
UEMURA, K., & PIZA, Z. Trends in cardiovascular disease mortality in industrialized
countries since 1950, World Health Statistics Quartely, 41:155-178,1988.
WESTTHEIM, A. & OS, I. Physical activity and metabolic cardiovascular syndrome.
Journal of Cardiovascular Pharmacology, v. 20, p. S49-S53, 1992.

Downloads

Publicado

2020-12-06

Como Citar

JACÓ DE OLIVEIRA, R.; POLICARPO, F. .; DE FRANÇA BARROS, J. .; BOTTARO, M. . Hábitos de vida de professores universitários do Distrito Federal. Revista Unimontes Científica, [S. l.], v. 2, n. 2, p. 1–10, 2020. Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/unicientifica/article/view/2185. Acesso em: 21 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos Originais