INSTITUCIONALIZAÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS EM PORTUGAL

ESTUDO DE CASO

Autores

  • Carla Carvalho Universidade Lusófona do Porto, Portugal
  • Fernanda Lima Centro Social e Paroquial de Parada de Gatim – Vila Verde, Portugal

DOI:

https://doi.org/10.46551/rssp.202213

Palavras-chave:

institucionalização. lar de infância e juventude. crianças e jovens; perigo. risco

Resumo

Este estudo tem por finalidade analisar as perceções de jovens e adultos que passaram pela experiência da institucionalização por períodos prolongados, em Portugal. Visa compreender como é viver num lar de infância e juventude, mais concretamente dissecar como é percecionada a institucionalização na infância e/ou juventude por quem passou por esse processo. Para o efeito contou-se com a participação de quatro indivíduos que narraram as suas vivências no Lar de Jovens. Pretende-se explorar três etapas do percurso da vida dos participantes: o período pré-institucional, o período da institucionalização e o período da pós-institucionalização. Esta investigação seguiu uma metodologia qualitativa e as entrevistas foram dissecadas através da análise de conteúdo. Os resultados sugerem que apesar da institucionalização apresentar aspetos negativos, os aspetos positivos pautaram o percurso destes adultos durante os seus trajetos na Instituição. Contudo também foi nossa pretensão, perceber algumas das contradições deste estudo e explicá-las à luz de outras investigações já realizadas nesta área.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carla Carvalho, Universidade Lusófona do Porto, Portugal

Assistente Social. Docente Universidade Lusófona do Porto. Licenciatura em Serviço Social, pelo Instituto Superior Miguel Torga, em Coimbra. Doutora em Educação Social, pela Universidade de Granada – Espanha. Doutoranda em Serviço Social, pelo ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa. ORCID: 0000-0002-4965-29. Link do Curriculo: Carla Isabel Mota de Carvalho (C110-DF85-7275) | CIÊNCIAVITAE (cienciavitae.pt). E-mail: p3816@ulp.pt  

Fernanda Lima, Centro Social e Paroquial de Parada de Gatim – Vila Verde, Portugal

Diretora Técnica do Centro Social e Paroquial de Parada de Gatim – Vila Verde. Licenciatura em Educação Social Gerontológica, pela Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Viana do Castelo; Licenciatura em Serviço Social, pela Universidade Lusófona do Porto. Mestrado em Economia Social, pela Universidade do Minho. E-mail: mfmarlima@hotmail.com

Referências

ALBERTO, I. Como pássaros em gaiolas? Reflexões em torno da institucionalização de menores em risco. In: Machado, C. e Gonçalves, R. (Coord.). Violência e Vítimas de Crimes (vol. 2). Coimbra, Quarteto, 2008.

ALVES, S. Filhos da Madrugada- Percurso adolescentes em Lares de Infância e

Juventude. Instituto Superior de Ciências e Políticas. Lisboa, 2007

BARBAS, L. Lar de Infância e Juventude Especializado: O Modelo Terapêutico na Perspectiva dos Jovens e suas Famílias. Dissertação de Mestrado Educação e Protecção de Crianças e Jovens em Risco. Portalegre:Escola Superior de Educação de Portalegre, 2014. Acedido a: 05.2016, em: https://comum.rcaap.pt/bitstream/10400.26/8481/1/L%c3%bacia%20Sofia%20Mourato%20Barbas.pdf.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições, 1979.

CANSADO, T. Institucionalização de Crianças e Jovens em Portugal Continental: O caso das Instituições Particulares de Solidariedade Social. e-cadernos CES, nº 2.

CARREIRA, H. As Políticas Sociais em Portugal, 1ª ed., Lisboa: Gradiva, 1996.

CASA 2019 - Relatório de Caracterização Anual da Situação de Acolhimento das Crianças e Jovens. Lisboa: Instituto da Segurança Social, I.P. http://www.seg-social.pt/documents/10152/17405298/Relat%C3%B3rio%20CASA%202019/0bf7ca2b-d8a9-44d2-bff7-df1f111dc7ee . Acedido em 15.03.2021

DELGADO, P. Os Direitos da Criança. Da participação à responsabilidade. Porto: Profedições, 2006.

ERASMIC, T. & LIMA, L. Investigação e projectos de Desenvolvimento em Educação. Braga: Universidade do Minho, 1989.

GOMES, I. Acreditar no futuro, Alfragide: Texto editores, 2010

INSTITUTO DE SEGURANÇA SOCIAL, I.P. Manual de Boas Práticas, Um guia para o acolhimento residencial de crianças e jovens. CEM, Barcelos: Artes Gráficas, 2005

LOULÉ, F. Crianças em perigo: A prática profissional dos assistentes sociais nas CPCJ`s da sub-região do Baixo Mondego. Dissertação de Mestrado, Coimbra: Instituto Superior Miguel Torga, 2010.

MAXWELL, F. Metodologia científica: Um manual para a realização de pesquisas em Administração. Catalão: UFG, 2011.

MOTA, C. & MATOS, P. Adolescentes institucionalizados: O papel das figuras significativas na predição da assertividade, empatia e autocontrolo. Análise Psicológica, Lisboa. 28, (2), 245-254, 2010.

PINHO, I. A Política Social e o Envelhecimento Demográfico. Dissertação para a obtenção do grau de mestre em Administração Pública. Braga: Escola de Economia e Gestão, Universidade do Minho, 1998.

PORTUGAL. Lei n.º 147/99 de 1 de setembro. Lei de Proteção de Crianças e Jovens em Perigo.

QUINTÃNS, C. et.al. Era uma vez a instituição onde cresci: Narrativas de adultos sobre experiências de institucionalização. Dissertação de Mestrado, Braga: Universidade do Minho, 2010.

REIS, V. Crianças e jovens em risco. Tese de Doutoramento apresentada à Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação. Coimbra: Universidade de Coimbra, 2009

Acedido 03.2016, em https://eces.revues.org/

ROY, P., RUTTER, M., & PICKELS, A. Institutional care: Associations between overactivity and lack of selectivity in social relationships. Journal of Child Psychology and Psychiatry, 45(4), 866-873, 2004.

TARREN-SWEENEY, M. Retrospective and concurrent predictors of the mental health of children in care. Children and Youth Services Review, 30(1), 1–25. 2008. https://doi.org/10.1016/j.childyouth.2007.05.014

YIN, R. Case Study Research: Design and Methods (2.ª Ed.) Thousand Oaks, CA: Sage Publications,1994.

Downloads

Publicado

2022-01-14

Como Citar

Carvalho, C., & Lima, F. . (2022). INSTITUCIONALIZAÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS EM PORTUGAL: ESTUDO DE CASO. Revista Serviço Social Em Perspectiva, 6(01), 251–271. https://doi.org/10.46551/rssp.202213