O FACEBOOK COMO FERRAMENTA METODOLÓGICA E LÓCUS NA PESQUISA EM REPRESENTAÇÕES SOCIAIS E ENFERMAGEM

Autores

  • Pablo Luiz Santos Couto
  • Mirian Santos Paiva
  • Cleuma Sueli Santos Suto
  • Dejeane de Oliveira Silva
  • Carle Porcino
  • Antônio Marcos Tosoli Gomes

Palavras-chave:

Rede Social, Pesquisa, Metodologia, Semântica, Enfermagem

Resumo

Objetivo: analisar o uso do Facebook, considerando-o como lócus de pesquisa e estratégia para aplicação de instrumentos de coleta de dados. Método: traz-se a vivência de uma pesquisa multimétodos, realizada on-line, no Facebook, com 84 jovens de todas as regiões do Brasil, no período de fevereiro a março de 2015. Resultados: as redes socais aculturam as pessoas pela facilidade de aproximação virtual, difusão e propagação de informações, favorecem a realização de leituras da realidade e sua utilização como espaço para aplicação das técnicas de coleta de dados. A ferramenta permitiu coletar informação de pessoas em todas as regiões do Brasil e disponibilizou falas/discursos que revelaram suas representações sociais. Conclusão: o Facebook possibilitou delimitar grupos de pertencimento apresentando-se como novas tecnologias a ser utilizada como estratégia/técnica de pesquisas que se propõem a traçar planos de cuidados na educação em saúde de forma rápida e interativa com variados grupos populacionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. Carnuto L. Pesquisa social ou qualitativa? Uma dis(des)cu(constru)ss(ç)ão em pauta na saúde coletiva. Saúde debate. (Online), 2019; 43(12):170-80. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/0103-1104201912013.
2. Fernandes FMB, Moreira MR. Considerações metodológicas sobre as possibilidades de aplicação da técnica de observação participante na Saúde Coletiva. Physis. (Online), 2013; 23(2). Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312013000200010.
3. Armayones M, Requena S, Gómez-Zúñiga B, Pousada M, Bañón AM. El uso de Facebook em asociaciones españolas de enfermedades raras: ¿cómo y para qué lo utilizan? Gac Sanit. (Online), 2015; 29(5). Disponível em: http://dx.doi.org/10.1016/j.gaceta.2015.05.007.
4. PROKOP P, MORVAYOVÁ N AND FEDOR P. WITH OR WITHOUT YOU: DOES PARTNER SATISFACTION AND PARTNER-DIRECTED VIOLENCE INFLUENCE THE PRESENCE OF A PARTNER ON WOMEN’S FACEBOOK COVER PROFILE PHOTOGRAPHS? ANALES DE PSICOLOGÍA. (ONLINE), 2016; 32(2). DISPONÍVEL EM: HTTP://DX.DOI.ORG/10.6018/ANALESPS.32.2.196661.
5- Bousso RS, Ramos D, Frizzo HCF, Santos MR, Bousso F. Facebook: um novo locus para a manifestação de uma perda significativa. Psicol USP. (Online), 2014; 25(2). Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/0103-656420130022
6. Kögel CC, Cofiño R, López MJ. Evaluación Del Observatorio de Salud de Asturias: métricas de web y redes sociales, y opinión de los profesionales de La salud. Gac Sanit. (Online), 2014; 28(3). Disponível em: https://dx.doi.org/10.1016/j.gaceta.2013.12.008.
7. Moscovici S. Representações Sociais: Investigações em Psicologia Social. Petrópolis: Vozes; 2012.
8. LIMA-LOPES RE, GABARDO M. NI UNA MENOS: A LUTA PELOS DIREITOS DAS MULHERES NA ARGENTINA E SUAS REPRESENTAÇÕES NO FACEBOOK. REV BRAS LINGUÍST APL. (ONLINE), 2019; EPUB. DISPONÍVEL EM: HTTP://DX.DOI.ORG/10.1590/1984-6398201914314.
9. Vásquez GE, Wolter RP, Peixoto ARS. Redes sociais digitais e pensamento social: o caso da ocupação das escolas do Rio de Janeiro. Psicología, Conocimiento y Sociedad. (Online), 2019; 9(1):105-30. Disponível em: http://dx.doi.org/10.26864/PCS.v9.n1.9.
10. Teixeira MA, Paiva MS, Nóbrega SM, Nitschke RG. Dough modeling: a sensitive strategy for data collection in health and nursing research. Texto contexto-enferm. (Online), 2013; 22(3). Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v22n3/en_v22n3a36.pdf.
11. Couto PLS. A influência da religião católica no exercício da sexualidade e na prevenção do HIV/AIDS entre os/as jovens [dissertação]. Salvador (BA): Universidade Federal da Bahia; 2015.
12. MENDOZA RIL. REPRESENTACIONES DE FACEBOOK: NOMENCLATURAS DE VIDA ANTE LALEY, LAAMISTAD Y LAMUERTE. CULTURA REPRESENTACIONES SOC. 2014; 8(16). DISPONÍVEL EM: HTTP://WWW.SCIELO.ORG.MX/PDF/CRS/V8N16/V8N16A6.PDF.
13. Nóbrega SMO, Coutinho MPLC. Teste de associação livre de palavras. In: Coutinho MPL, Lima AS, Oliveira FB, Fortunato ML, organizadores. Representações Sociais: abordagem interdisciplinar. Ed. Universitária-UFPB; 2003. p.203-26
14. Couto PLS, Paiva MS, Oliveira JF, Gomes AMT, Teixeira MA, Sorte ETB. Sexuality and HIV prevention: consensus and dissent of Catholic youths. Invest Educ Enferm. (Online), 2018; 36(2). Disponível em: http://dx.doi.org/10.17533/udea.iee.v36n2e06.
15. Pedroni M, Pasquali F, Carlo S. «My Friends are my Audience»: Mass-mediation of Personal Content and Relations in Facebook. OBS* (Online), 2014; 8(3). Disponível em: http://obs.obercom.pt/index.php/obs/article/view/739.
16. Kogawa JMM, Witzel DG. Acontecimento discursivo e memória de imagens na reprodução de sentidos “controlados” pela mídia. Ling. (dis)curso. (Online), 2013; 13(2). Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1518-76322013000200007.
17. MERCADO-MARTÍNEZ FJ, HUERTA-FRANCISCO VA, URIAS-VÁZQUEZ JE. REDES SOCIALES VIRTUALES Y SALUD. UNA EXPERIENCIA PARTICIPATIVA SOBRE LA ENFERMEDAD RENAL CRÓNICA. INTERFACE (BOTUCATU). (ONLINE), 2019; 23:E180125. DISPONÍVEL EM: HTTP://DX.DOI.ORG/10.1590/INTERFACE.180125.
18. Parnov MB, Gama PL, Ferreira TTF, Nascimento LA, Soares de Lima SB. Coaching en la Enfermería: revisión integradora. Index Enferm. (Online), 2014; 23(1-2). Disponível em: http://dx.doi.org/10.4321/S1132-12962014000100011.

Publicado

2020-05-03

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)