A QUESTÃO SOCIAL DAS MIGRAÇÕES TEMPORÁRIAS DE TRABALHADORES AGRÍCOLAS DO NORDESTE PARA A AGROINDÚSTRIA CANAVIEIRA DE SÃO PAULO: UMA DAS FACES DO AGRONEGÓCIO DA CANA, NO BRASIL

Autores

  • Maria Dione Carvalho de Moraes
  • Francisco Frazão
  • Teodório Rogério Júnior

Resumo

.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ADRIÂO NETO. Geografia e História do Piauí para Estudantes. Da pré-história à atualidade. Teresina: Edições Geração 70, 2003.
BOURDIEU, P. Compreender. --------- (coord.) A miséria do mundo. Petrópolis: Vozes, 1997, pp.
693-732.
BRANDÃO, C. R. Diário de Campo – a antropologia como alegoria. São Paulo: Brasiliense, 1982. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL. Programa SIM BRASIL, 2003, CD Rom.
CARNEIRO, S. M., SOUSA, A., MARINHO, K. Migração, estrutura agrária e redes sociais. In: NOVAES, J. R.; ALVES, F. (org). Migrantes. Trabalho e trabalhadores no complex agroindustrial canavieiro (os heróis do agronegócio brasileiro). São Carlos: EDUFSCar, 2007, pp. pp. 215-232
CASTELLS, M. O poder da identidade. São Paulo: Paz e Terra, 2000.
CICOUREL, A. Teoria e método em pesquisa de campo. GUIMARÃES, A. Z. (Org.). Desvendando máscaras sociais. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1990, pp 87-121.
CEPETE. Trabalhadores migrantes do Piauí. Teresina, 2003, 41 p.
FERREIRA, A. B. H. Novo Aurélio: o dicionário da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Nova
Fronteira, 1999. 2.128 p.
FOOTE-WHYTE, W. Treinando a observação participante. GUIMARÃES, A. Z. (Org.). Desvendando máscaras sociais. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1990, pp. 77-86.
FRAZÃO, F. A. Migração temporária e Pronaf na trajetória social de populações camponesas: um estudo de caso no município de Francinópolis-PI. Projeto de Pesquisa. Mestrado em Políticas Publicas, Universidade Federal do Piauí. Teresina, 2008, 34 p.
FUNDAÇÃO CEPRO. Piauí em Números. Teresina: Fundação Cepro, 2004. 170 p.
GONZALES, E. N., BASTOS, M. I. O trabalho volante na agricultura brasileira. PINSKY, J. (org). Capital e trabalho no campo. São Paulo: HUCITEC, 1977, pp. 25-47.
GASKELL, G. entrevistas individuais e grupais. BAUER, M. W., GASKELL, G. (Org.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som. Petrópolis: Vozes, 2003, pp. 64-89.
GRUPO BRASILEIRO. Migração. Fundação Getúlio Vargas. Dicionário de Ciências Sociais. Rio de
Janeiro: FGV/MEC, 1987, pp. 756-58.
HALL, S. Da diáspora. Identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: UFMG/Brasília: Representação da UNESCO no Brasil, 2003.
HEREDIA, B. M. A. A morada da vida. Trabalho familiar de pequenos produtores do Nordeste do
Brasil. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979. 164 p. IBGE. Censo Agropecuário 1995/96-Piauí.
INCRA Sistema Nacional de Cadastro de Módulos Rurais SNCR- 20/02/2006
JOVCHELOVITCH, S., BAUER, M. W. Entrevista narrativa. BAUER, M. W., GASKELL, G. (org.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som. Petrópolis: Vozes, 2003, pp. 90-113.
LEMOS, J. S. Mapa da exclusão social. Radiografia de um país assimetricamente pobre. Fortaleza: Banco do Nordeste, 2005.
LIMA, N. C. Os crespos do sertão. ANAIS... 25ª RBA, Goiânia/GO, 11 a 14 de Junho de 2005, 20 p.
MARTINE, G., GARCIA, R. C. (Org.) Os impactos sociais da modernização agrícola. São Paulo:
91
Mestrado em Desenvolvimento Social
Unimontes - MG
Caetés, 1987.
MARTINS, J. S. A sociedade vista do abismo. Novos estudos sobre exclusão, pobreza e classes sociais, Petrópolis: Vozes, 2003.
MARTINS, J. S. A chegada do estranho. São Paulo : Hucitec, 1993.
MENEZES, M. A. Redes e enredos nas trilhas dos migrantes. Um estudo de famílias de camponeses migrantes. Campina Grande: UFPB, 2002.
MENEZES, M. A. As estratégias de sobrevivência dos pequenos produtores: o caso das migrações. RAÍZES, n. 9, Campina Grande, UFPB, 1994, pp. 17-37.
MICHELAT G. Sobre a utilização de entrevista não-diretiva em sociologia. THIOLLENT, M. (org.) Crítica metodológica, investigação social e enquete operária, São Paulo: Polis, 1987, pp. 191-211.
MORAES, M. D. C. Memórias de um sertão desencantado (modernização agrícola, narrativas e atores sociais nos cerrados do sudoeste piauiense). Tese (Doutorado em Ciências Sociais). Universidade Estadual de Campinas. Campinas: UNICAMP, 2000. 475 pp.
MORAES, M. D. C. “Ainda queremos ser...tão?”(reflexões sobre identidade cultural e imaginário de sertão no Piauí). 25ª RBA. 11 a 14 de junho/2006, Goiânia. ANAIS... Cd Rom. 20 p.
MORAES, M. D. C., FRAZÂO, F., ROGÈRIO JR. T. Migrações dos trabalhadores do Maranhão e do Piauí para o trabalho na lavoura canavieira de São Paulo e Rio de Janeiro Relatório Parcial com base em dados secundários e visita de campo aos municípios piauienses pesquisados. Teresina, 2006, 35p.
PIALOUX, M., BEAUD, S. Permanentes e temporários. BOURDIEU, P. (Org,) A miséria do mundo. Petrópolis: Vozes, 2003, pp. 309-20.
RIBEIRO, D. O Brasil sertanejo. O povo brasileiro. A formação e o sentido do Brasil. São Paulo: Cia. das Letras, 1995, pp. 339-63.
RICHMOND, A. H. Migração. Fundação Getúlio Vargas. Dicionário de Ciências Sociais. Rio de
Janeiro: FGV/MEC, 1987, pp. 756-758
ROGÉRIO JR., T. Migrações temporárias, desgaste físico e políticas públicas: a percepção dos trabalhadores canavieiros de Elesbão Veloso-PI. Projeto de Pesquisa. Mestrado em Políticas Públicas. Universidade Federal do Piauí. Teresina, 2008, 20 p.
SABOURIN, E. Changement sociaux, action collective e intervention externe. CARON, P., SABOURIN, E. (Coord.). Paysans du Sertão: les mutations des agricultures familiales au Nordeste du Brésil. Montpellier: Editions du CIRAD, 2000. (Collection Repères).
SILVA, J. C. A. Conversa bonita. O trabalho escravo na agricultura contemporânea brasileira e o aliciamento de camponeses na região dos cocais, Maranhão. Dissertação de Mestrado em Políticas Públicas. Universidade Federal do Piauí. Teresina: UFPI, 2004a.
SILVA, M. A. M. Trabalhadores migrantes temporários: a face oculta do agronegócio do açúcar e álcool, [s/l], 2004b.
SILVA, J. G. A modernização dolorosa: estrutura agrária, fronteira agrícola e trabalhadores rurais no
Brasil. Rio de Janeiro: Zahar, 1982. 192 p.
SILVA, M. A. M. As Andorinhas nem lá nem cá. Vídeo, 45 m. VHS, 1998.
SILVA, M. A. M. Errantes do fim do século. São Paulo: Editora da UNESP, 1999, 370 p.
SOUZA, C. V. A pátria geográfica: sertão e litoral no pensamento social brasileiro. Goiânia: UFG,
1997. 171 p.
SPINK, M. J. P.; LIMA, H. Rigor e visibilidade: a explicitação dos passos da interpretação.In: SPINK, M. J (org.) Práticas discursivas e produção de sentido no cotidiano (org). São Paulo: Cortez Editora, 2000, pp. 93-12.
VEIGA, J. E. et all. O Brasil rural precisa de uma estratégia de desenvolvimento. Brasília: CNDRS/MDA/NEAD. Texto provisório para discussão, agosto 2001, 105 p.
WHITAKER, D. et al. A questão do registro eda memória do pesquisador. Sociologia rural: questões metodológicas emergentes. Presidente Venceslau/SP: Letras à margem, 2002, pp. 121-168.
WOORTMANN, k. “Com parente não se neguceia”. O campesinato como ordem moral. Anuário antropológico/87. Brasília: UnB, 1990, pp. 11-73.
ZALUAR, A. Teoria e prática do trabalho de campo: alguns problemas. CARDOSO, R. (org.). A
aventura antropológica. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986, pp. 123.

Downloads

Publicado

2020-03-23

Como Citar

DIONE CARVALHO DE MORAES, M. .; FRAZÃO, F. .; ROGÉRIO JÚNIOR, T. . A QUESTÃO SOCIAL DAS MIGRAÇÕES TEMPORÁRIAS DE TRABALHADORES AGRÍCOLAS DO NORDESTE PARA A AGROINDÚSTRIA CANAVIEIRA DE SÃO PAULO: UMA DAS FACES DO AGRONEGÓCIO DA CANA, NO BRASIL. Revista Desenvolvimento Social, [S. l.], v. 1, n. 3, p. 73–92, 2020. Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/rds/article/view/1531. Acesso em: 8 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos