Análise de conflito de uso e cobertura da terra em áreas de preservação permanente no município de Araraquara-SP

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46551/rc24482692202228

Palavras-chave:

Monitoramento ambiental. Análise de proximidade. SIG.

Resumo

A presente pesquisa analisou diferentes recortes espaciais em todo município de Araraquara-SP em conflito com áreas de preservação permanente (APP), de acordo com a lei Nº 12.651, de 25 de maio de 2012 (BRASIL, 2012), quantificando as mesmas em uma base de dados com as classes de uso e cobertura da terra, mostrando espacialmente essas áreas no intuito de possibilitar um mecanismo de monitoramento do ponto de vista ambiental. Por meio da abordagem da análise de proximidade em SIG utilizou-se do ambiente do Quantum GIS e de imagens orbitais do satélite CBERS 4 de 25/08/2019 com a mínima presença de nuvens para o uso e cobertura da terra e da construção do buffer de 30 metros para as drenagens e 50 metros para as áreas de nascentes conforme a lei citada anteriormente. Dentre os resultados alcançados destacam-se que mesmo a cana de açúcar representando mais da metade da área de uso e cobertura do município (53,94%), a pastagem é a que entra mais em conflito com as APPs, ao representar 39,72% de toda área de conflito em APPs do município. A metodologia aplicada, por meio de uma análise de proximidade bem como os resultados alcançados mostraram como os SIGs podem ser uma importante ferramenta para os órgãos ambientais fiscalizadores e para a gestão municipal como instrumento no auxílio de ordenamento territorial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Guilherme Rodrigo Brizolari, Universidade Federal de Alfenas – Unifal-MG, Alfenas (MG), Brasil

É Graduado em Geografia pela Universidade Federal de Alfenas (Unifal-MG). Atualmente é Mestrando pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal de Alfenas (Unifal-MG).

Endereço: Universidade Federal de Alfenas, Unifal-MG, Unidade 2 Santa Clara - Avenida Jovino Fernandes Sales, 2100, CEP: 37130-000, Alfenas-MG.

Rodrigo José Pisani, Universidade Federal de Alfenas – Unifal-MG, Alfenas (MG), Brasil

É Graduado em Geografia; Mestre em
em Agronomia  e Doutor em Geociências e Meio Ambiente pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP). Atualmente é Professor do Instituto de Ciências da Natureza, Universidade Federal de Alfenas (Unifal-MG).

 Endereço: Universidade Federal de Alfenas, Unifal-MG, Unidade 2 Santa Clara - Avenida Jovino Fernandes Sales, 2100, CEP 37130-000, Alfenas-MG.

Referências

BOLFE, E. L. Geotecnologias aplicadas à gestão de recursos naturais. III Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto, v. 3, 2006.

BRASIL. Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12651.htm Acesso em 5 de mar. de 2022.

COHEN, J. A coefficient of agreement for nominal scales. Educational and psychological measurement, [S./l.], v. 20, n. 1, p. 37-46, 1960. Disponível em: <https://journals.sagepub.com/doi/10.1177/001316446002000104>. Acesso em 23 de abr. de 2022.

CORRÊA, T. et al. Delimitação e caracterização de áreas de preservação permanente por meio de um sistema de informações geográficas (SIG). Revista Árvore, Viçosa-MG, v. 20, n. 1, p. 129-135, 1996. Disponível em: https://books.google.com.br/books?id=RXWaAAAAIAAJ&printsec=frontcover&hl=pt-BR&rview=1&lr=/#v=onepage&q&f=false. Acesso em 21 de mar. de 2022.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Regiões de Influência das Cidades. Rio de Janeiro. 2018. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/geociencias/organizacao-do-territorio/redes-e-fluxos-geograficos/15798-regioes-de-influencia-das-cidades.html?=&t=acesso-ao-produto Acesso em: 21 de abr. de 2022.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Manual técnico de uso da terra. Rio de Janeiro: IBGE, 2013. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv81615.pdf Acesso em 05 de fev de 2022.

FERRARO, M. R. A gênese da agricultura e da silvicultura moderna no estado de São Paulo. 2005. 120 f. Dissertação (Mestrado em Recursos Florestais), Universidade de São Paulo, 2005. Disponível em: <https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/11/11150/tde-02062005-171510/publico/mario.pdf>. Acesso em 18 de fev. de 2022.

FLAUZINO, F. S. et al. Geotecnologias aplicadas à gestão dos recursos naturais da bacia hidrográfica do rio Paranaíba no cerrado mineiro. Sociedade & Natureza, Uberlândia, v. 22, n. 1, p. 75-91, 2010. Disponível em: <https://www.scielo.br/j/sn/a/35PTTdJDNNDPWbfshspFwXn/?lang=pt>. Acesso em 10 de mar. de 2022.

JOLY, C. A. et al. Projeto Jacaré-Pepira. O desenvolvimento de um modelo de recomposição da mata ciliar com base na florística regional. Matas ciliares: conservação e recuperação (RR Rodrigues & HF Leitão Filho, eds.). Editora da USP/Fapesp, São Paulo, 2000. p. 271-287. Disponível em: <https://repositorio.usp.br/item/002164759>. Acesso em 03 de fev. de 2022.

LANDIS, J. R.; KOCH, G. G. An application of hierarchical kappa-type statistics in the assessment of majority agreement among multiple observers. Biometrics, [S./l.], v. 33, n. 2, p. 363-374, 1977. Disponívle em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/884196/ Acesso em 01 de fev. de 2022.

LIMA, W. P.; ZAKIA, M. J. B.; JOSÉ, M. Hidrologia de matas ciliares. Matas Ciliares: conservação e recuperação. Edusp: Sao Paulo, p. 33-44, 2000. Disponível em: https://books.google.com.br/books/about/Matas_ciliares.html?id=im1jAAAAMAAJ&redir_esc=y Acesso em 03 de fev. de 2022.

NASCIMENTO, M. C. et al. Uso do geoprocessamento na identificação de conflito de uso da terra em áreas de preservação permanente na bacia hidrográfica do Rio Alegre, Espírito Santo. Ciência Florestal, [S./l.], v. 15, n. 2, p. 207-221, 2005. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/cienciaflorestal/article/view/1838 Acesso em: 01 de mar de 2022.

OLIVEIRA, F. S. et al. Identificação de conflito de uso da terra em áreas de preservação permanente no entorno do Parque Nacional do Caparaó, estado de Minas Gerais. Revista Árvore, [S./l.], v. 32, n. 5, p. 899-908, 2008. Disponível em: http://www.bibliotecaflorestal.ufv.br/handle/123456789/11469 Acesso em 15 de fev. de 2022.

SILVA, J. A. A. et al. O Código Florestal e a Ciência: contribuições para o diálogo. SBPC, 2012. Disponível em: http://www.sbpcnet.org.br/site/publicacoes/outras-publicacoes/CodigoFlorestal__2aed.pdf Acesso em 08 de mar. de 2022.

TEIXEIRA, A. L. A; CHRISTOFOLETTI A. Sistema de Informações Geográficas: dicionário ilustrado. São Paulo: Editora Hucitec, 1997.

VARJABEDIAN, R.; MECHI, A. As APPs de topo de morro e a Lei 12.651/12. In: 14º CONGRESSO BRASILEIRO DE GEOLOGIA DE ENGENHARIA E AMBIENTAL. Rio de Janeiro. 2013. Disponível em: https://silo.tips/download/as-apps-de-topo-de-morro-e-a-lei-12 Acesso em 27 de jan. de 2022.

Downloads

Publicado

2022-09-27

Como Citar

BRIZOLARI, G. R.; PISANI, R. J. Análise de conflito de uso e cobertura da terra em áreas de preservação permanente no município de Araraquara-SP. Revista Cerrados, [S. l.], v. 20, n. 02, p. 283–305, 2022. DOI: 10.46551/rc24482692202228. Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/cerrados/article/view/5066. Acesso em: 6 dez. 2022.