Atividades não-agrícolas no rural norte-mineiro: a realidade dos municípios menos desenvolvidos

Autores

  • Priscilla Caires Santana Afonso Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES
  • Anete Marília Pereira Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES

Palavras-chave:

Atividades Não-Agrícolas. Rural-Urbano. Norte de Minas.

Resumo

É sabido que as pequenas cidades da região Norte do estado de Minas Gerais têm uma característica marcante, a forte presença do rural. Nesse sentido, este artigo tem como objetivo estudar as atividades não-agrícolas no Norte de Minas a partir da realidade dos municípios menos desenvolvidos da região. Os procedimentos metodológicos consistiram em pesquisa bibliográfica, análise documental, observação in loco e entrevistas nas prefeituras dos 79 municípios da região que possuem uma população urbana inferior a 20.000 habitantes, além de entrevistas com agricultores. A partir dos estudos realizados concluímos que as atividades não-agrícolas estão mais presentes nos municípios do que apontam os dados estatísticos, pois essa foi à alternativa encontrada pelos agricultores para se adequarem ao processo de modernização do campo para a permanência em suas terras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Priscilla Caires Santana Afonso, Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES

Professora Departamento de Geociências da UNIMONTES. Doutoranda em Geografia UFU.

Anete Marília Pereira, Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES

Professora Departamento de Geociências da UNIMONTES. Doutora em Geografia.

Referências

ANDRADE, M. C. Área de domínio da pecuária extensiva e semi-extensiva na Bahia e no Norte de Minas Gerais.Recife: SUDENE, Planejamento Regional, 1982. 497 p.

BERTRAND, Alvin L. et al. Sociologia Rural: uma análise da vida rural contemporânea. São Paulo: Atlas, 1973.

BRUM, A. J. A revolução verde. In: BRUM, A. J. Modernização da agricultura: trigo e soja. Petrópolis: Vozes; Ijuí: FIDENE, 1987. p. 44-50.

CARDOSO, J. M. A. A Região Norte de Minas Gerais: um estudo da dinâmica de suas transformações espaciais. 1996. Dissertação (Mestrado em Economia) – PIMES, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 1996.

DUARTE, R. G. A Geografia no Ensino Básico frente aos novos cenários rurais e urbanos na América Latina. Disponível em: http://egal2009.easyplanners.info/area03/3092_Duarte_Ronaldo.doc. Acesso em: 31/08/2010.

FONSECA, G. S. Espacialidade das migrações temporárias mirabelenses: implicações na territorialidade local. (Dissertação em Geografia) – Progama de Pós-Graduação em Geografia. Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, 2009.

GROSSI, M; SILVA, G. O novo rural: Uma abordagem ilustrada. Londrina: Instituto Agronômico do Paraná, 2002.

MATOS, R. E. da S.; SATHLER, D.; UMBELINO, G. Urbano Influente e Rural Não-Agrícola em Minas Gerais. Disponível em www.cedeplar.ufmg.br/diamantina2004/textos/D04A060.PDF. Acesso em:15/07/2010.

PEREIRA, A. M. Cidade média e região: o significado de Montes Claros no Norte de Minas (Tese em Geografia) - Programa de Pós-Graduação em Geografia. Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2007.

REIS, D. S.O Rural e Urbano no Brasil. Acesso em: 18/08/2010. Disponível em:http://www.abep.nepo.unicamp.br/encontro2006/docspdf/abep2006_777.pdf.

RIBEIRO, R. F. História ecológica do sertão Mineiro e a formação do patrimônio cultural sertanejo. IN: LUZ, C. e DAYRELL, C. (org.). Cerrado e Desenvolvimento: tradição e atualidade. Montes Claros: Max Gráfica e Editora, 2000, p. 47-106.

RODRIGUES, L. Contribuição da agricultura irrigada ao desenvolvimento regional. In: LUZ, C. e DAYRELL, C. (org.). Cerrado e Desenvolvimento: tradição e atualidade. Montes Claros: Max Gráfica e Editora,2000, p. 141-188.

RUA, J. Urbanidades e Novas Ruralidades no Estado do Rio de Janeiro: Algumas Considerações Teóricas. In: MARAFON, G. et al (org). Estudos de Geografia Fluminense. Rio de Janeiro: UERJ, 2001, p. 27-42.

______. As crises vividas pelo estado do Rio de Janeiro e a emergência de novas territorialidades em áreas rurais. In: MARAFON, Glaucio et al (org). Abordagens teórico-metodológicas em geografia agrária. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2007, p. 271-298.

SANTOS, M. Espaço e Método. 3. ed. São Paulo: Nobel, 2005.

SCHNEIDER, S. A pluriatividade como estratégia de reprodução social da agricultura familiar no Sul do Brasil. In: Estudos Sociedade e Agricultura, 2001, p. 164-184. Disponível em: http://bibliotecavirtual.clacso.org.ar/ar/libros/brasil/cpda/estudos/dezesseis/schneid16.htm.Acesso em: 25/10/2010.

SILVA, J. O novo rural Brasileiro. Belo Horizonte: Revista Nova Economia, 1997.

SIQUEIRA, D.; OSÓRIO, R. O conceito de Rural. Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Brasília: Brasília, 2001.

SOBARZO, O. O urbano e o rural em Henri Lefebvre. In: SPOSITO, M. E. B., WHITACKER, A. M. (org.). Cidade e Campo: relações e contradições entre o urbano e o rural. 2. Ed. São Paulo: Expressão Popular, 2010.

VEIGA, J. E. Cidades Imaginárias: o Brasil é menos urbano do que se calcula. Campinas: Editora Autores Associados, 2002.

__________. Do crescimento agrícola ao desenvolvimento rural. Acesso em: 09/09/2010. Disponível em: http://www.zeeli.pro.br/ Livros/%5B2002%5Ddo_crescimento_agricola_ao_desenvolvimento_rural.htm.

Downloads

Publicado

2011-12-31

Como Citar

AFONSO, Priscilla Caires Santana; PEREIRA, Anete Marília. Atividades não-agrícolas no rural norte-mineiro: a realidade dos municípios menos desenvolvidos. Revista Cerrados, [s. l.], v. 9, n. 01, p. 109–128, 2011. Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/cerrados/article/view/3002. Acesso em: 18 jul. 2024.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

<< < 1 2 3 > >>