Educação alimentar e suplementação de micronutrientes: uma análise do Programa Saúde na Escola e do Programa NUTRISUS sobre o combate às anemias carenciais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22238/rc24482692201816026988

Palavras-chave:

Antropologia. Deficiências Nutricionais. Saúde na Escola. Anemia Ferropriva.

Resumo

O ambiente escolar se constitui em um espaço propício para o desenvolvimento de atividades de prevenção e promoção da saúde, e pelo prisma do agrupamento social, podem ser francamente desenvolvidas ações de incentivo à alimentação saudável, conhecimento de paradigmas antropológicos e ainda há a possibilidade de suplementação de micronutrientes para prevenir desordens fisiológicas, provocadas por carências nutricionais. No presente estudo objetivou-se compreender a percepção das Enfermeiras das Equipes de Saúde da Família vinculadas ao Programa Saúde na Escola, acerca da importância da suplementação de micronutrientes na dieta dos Centros Municipais de Educação Infantil que participam do Programa NutriSUS, como forma de prevenir e combater as anemias carenciais, dentre elas a anemia ferropriva, no Município de Montes Claros, Minas Gerais. Para tal empreitada, usou-se de pesquisa descritiva, exploratória, com abordagem qualitativa e da técnica de Grupo Focal, uma vez que a mesma, por meio de sessões grupais facilita a expressão de características requeridas no objeto de estudo. Os dados obtidos foram observados a partir da Análise de Conteúdo. Evidenciam-se fragilidades nos processos de planejamento e execução do Programa, que podem ter interferido diretamente no desfecho do mesmo na prevenção das anemias. Ouviram-se relatos de dificuldades no processo de capacitação de profissionais da educação para implementação do NutriSUS e da pouca aceitação da suplementação pela criança, por questões inerentes ao hábitos alimentares e padrões socioeconômico-culturais presentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Eduardo Prates Fonseca, Faculdades Integradas do Norte de Minas - FUNORTE, Montes Claros, Minas Gerais, Brasil.

Possui Graduação em Enfermagem Pela Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES) e Mestrado em Saúde Pública pela Universidade Americana/UFJF. Atualmente é Professor das Faculdades Integradas do Norte de Minas (FUNORTE).

Wanessa Moura Silva , Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES, Montes Claros, Minas Gerais

Possui Graduação em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES). Atualmente trabalha na Secretaria Municipal de Saúde de Montes Claros e cursou disciplina isolada no Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Social da Universidade Estadual de Montes Claros.

Aparecida Maria Morais Gourevitch

Possui Graduação Psicologia clínica pela Université Paris Ouest Nanterre La Défense, Mestrado em Psicologia Social pela Universidade de São Paulo (USP) e Doutorado em Antropologia Social pela Ecole des Hautes Etudes en Sciences Sociales. Professora visitante do Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Social (PPGDS), na Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES).

 

Referências

ALVES, P. C.; RABELO, M. C. Repensando os estudos sobre representações e práticas em saúde/doença. Rio de Janeiro: Fiocruz/Relume Dumará, 1998;

AQUINO, Júnia Karla; PEREIRA, Patrícia; REIS, Viviane Margareth Chaves Pereira. Hábito e consumo alimentar de estudantes do curso de nutrição das Faculdades de Montes Claros – Minas Gerais. Revista Multitexto, v. 3, n. 01, 2015.

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. Lisboa, Portugal. Edições 70, LTDA, 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Coordenação Geral da Política de Alimentação e Nutrição. Oficina de trabalho Carências Nutricionais: desafio para Saúde Pública. Brasília: Ministério da Saúde, 2004.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política nacional de alimentação e nutrição. Brasília: Ministério da Saúde, 2003.

______. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. Marco de referência de educação alimentar e nutricional para as políticas públicas. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, 2012;

______. Ministério da Saúde. Departamento de Atenção Básica. Programa Saúde na Escola. Programa Saúde na Escola - PSE. [2007]. Disponível em: <http://dab.saude.gov.br/portaldab/pse.php>. Acesso em: 31 maio 2016.

______. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Minas Gerais. Montes Claros: população 2015. Disponível em: <http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?codmun=314330>. Acesso em: 02 maio. 2016.

______. Ministério da Saúde. Departamento de Atenção Básica. Programa NutriSUS. Fortificação da alimentação infantil com micronutrientes em pó – NutriSUS. 2015. Disponível em: <http://dab.saude.gov.br/portaldab/ape_pcan.php?conteudo=nutrisus>. Acesso em: 02 maio 2016.

______. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de Dezembro de 2012. Aprova diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html>. Acesso em: 02 jun. 2016.

BOOG, M. C. F. Educação nutricional: passado, presente, futuro. Rev Nutr PUCCAMP, v. 10, p. 5-19, 1997.

CANESQUI, A. M. Antropologia e alimentação. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 22, p. 207-16, 1988.

CARVALHO, M. C.; BARACAT, E. C. E.; SGARBIERI, V. C. Anemia Ferropriva e Anemia de Doença Crônica: Distúrbios do Metabolismo de Ferro. Revista Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, v. 13, n. 2. p. 54-63, 2006.

DEMINICE, R.; LAUS, M. F.; MARINS, T.M; SILVEIRA, S.D.O; DUTRA-DE-OLIVEIRA, J.E. Impacto de um programa de educação alimentar sobre conhecimentos, práticas alimentares e estado nutricional de escolares. Alimentos e Nutrição. v. 18. p. 35-40, 2007.

FERNANDES, Ana Gabriela de Souza; FONSECA, Alexandre Brasil Carvalho da; SILVA, Adilson Aderito da. Alimentação escolar como espaço para educação em saúde. Ciênc. saúde coletiva. Rio de Janeiro, v. 19, n. 1. p. 39-48, Jan. 2014. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232014000100039&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 27 jun. 2016.

FIGUEIREDO, G. Comidas, meu santo. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira, 1964.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1996.

JORDÃO, R. E.; BERNARDI, J. L. D.; BARROS FILHO, A. A. Prevalência de anemia ferropriva no Brasil: uma revisão sistemática. Revista Paul Pediatr, v. 27, n. 1, p. 90-98, 2009.

GAZZINELLI, M. F.; GAZZINELLI, A.; REIS, A. C.; PENNA, C. M. de M. Educação em saúde: conhecimentos, representações sociais e experiências da doença. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 21, n. 1, p. 200-206, jan./fev. 2005.

LANGDON, E. J.; WIIK, F. B. Antropologia, saúde e doença: uma introdução ao conceito de cultura aplicado às ciências da saúde. Rev. Latino-Am. Enfermagem, v. 18, n. 4, 2010.

LEE, J. R. Microcitose e as anemias associadas com síntese prejudicada da hemoglobina. Wintrobe – Hematologia Clínica. São Paulo, 1998.

LEITE, Cícero Tavares; VIEIRA, Roberta Peixoto; MACHADO, Caroline Antero; QUIRINO, Glauberto da Silva; MACHADO, Maria de Fátima Antero Sousa. Prática de educação em saúde percebida por escolares. Rev. Cogitare Enferm. 2014, Jan/Mar; 19 (1), p. 13-19. Disponível em: <http://revistas.ufpr.br/cogitare/article/viewFile/35925/22157>. Acesso em: 02 maio 2016.

MARTINS, M. C; AIRES, J. S; SAMPAIO, A. F. A; FROTA, M. A; XIMENES, L. B. Intervenção educativa utilizando álbum seriado sobre alimentos regionais: relato de experiência. Rev. Rene, v. 13, n. 4, p. 948-957, 2012.

OLIVEIRA, R. S.; DINIZ, A. S.; BENIGNA, M. J. C.; SILVA, S. M. M.; LOLA, M. M.; ASCIUTTI-MOURA, M. M. L.; RIVERA, M. A.; SANTOS, M. P. Magnitude, geographic distribution and trends of anemia in preschoolers, Brazil. Revista Saúde Pública, v. 36, p. 26-32, 2002.

PACHECO, S. S. M. O hábito alimentar enquanto um comportamento culturalmente produzido. In: FREITAS, M. C. S.; FONTES, G. A.V.; OLIVEIRA, N. (Org.). Escritas e narrativas sobre alimentação e cultura. Salvador: Edufba, 2008;

SANTOS, A. C. B. SILVA, A. F.; SAMPAIO, D. L.; SENA, L. X.; GOMES, V. R.; LIMA, V. L. A. Antropologia da saúde e da doença: contribuições para a construção de novas práticas em saúde. Revista NUFEN, n. 4, n. 2, p. 11-21, 2012.

SANTOS, Lígia Amparo da Silva, et. al. Formação de coordenadores pedagógicos em alimentação escolar: um relato de experiência. Ciênc. Saúde Coletiva. [Online]. 2013, v. 18, n. 4, p. 993-1000. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232013000400012>. Acesso em: 02 maio 2016.

MONTES CLAROS, SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE-SMS. Montes Claros. Programa e Projetos Estratégicos. Programa Saúde na Escola. Programa NutriSUS. Montes Claros, MG, 2016.

SOUZA, E.B. Transição nutricional no Brasil: análise dos principais fatores. Cad. UniFOA, v. 13, p. 49-53, 2010.

TORRES, M. A. A; SATO, K.; LOBO, N. F., QUEIROZ, S. S. Efeito do uso de leite fortificado com ferro e vitamina C sobre os níveis de hemoglobina e condição nutricional de crianças menores de 2 anos. Revista Saúde Pública, v. 29, p. 301-307, 1995.

WESTPHAL, Márcia Faria; BÓGUS; Cláudia Maria; FARIA, Mara de Mello. Grupos focais: experiências precursoras em programas educativos em saúde no Brasil. Bol. Oficina Sanit. Panam., v. 120, n. 6, p. 472-481, 1996.

UNICEF. The state of the world’s children. Oxford University Press: New York, 1998.

Downloads

Publicado

2018-11-12

Como Citar

FONSECA, C. E. P. .; SILVA , W. M.; GOUREVITCH, A. M. M. Educação alimentar e suplementação de micronutrientes: uma análise do Programa Saúde na Escola e do Programa NUTRISUS sobre o combate às anemias carenciais. Revista Cerrados, [S. l.], v. 16, n. 02, p. 69–88, 2018. DOI: 10.22238/rc24482692201816026988. Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/cerrados/article/view/1170. Acesso em: 4 jul. 2022.