REPENSANDO A FORMAÇÃO DOCENTE A PARTIR DA TROCA DE SABERES ENTRE PROFESSORES NA BUSCA PELA GEOGRAFIA SENSÍVEL

Palavras-chave: Geografia Sensível. Formação de professores. Educação Visual.

Resumo

Neste estudo relacionado com o ensino de Geografia na escola básica, o principal objetivo é  explorar experiências em sala de aula cujos sentidos sejam definidos como relevantes para a aprendizagem junto ao contexto de vivência de educadores e educandos. Propomos uma reflexão sobre o ensino de Geografia, destacando aspectos centrais para realizar uma aprendizagem mais efetiva junto às dimensões do cotidiano. Inspirado pelas ideias de educação espacial de Kaercher e no estudo que relaciona imagens e Geografia de Oliveira Jr., nós definimos como Geografia Sensível o modo para aprender o espaço a partir da valorização do compartilhamento de nossas percepções. Desenvolvemos duas edições de um curso de formação para os professores com o objetivo de promover essa Geografia Sensível através da troca de saberes docentes entre educadores que trabalham em disciplinas de Geografia nas escolas públicas de São Leopoldo, cidade do sul do Brasil. Como conclusões é possível traçar três linhas principais: primeiro, a Geografia Sensível parece ser eficaz, uma vez que a partir das experiências docentes, se mostraram mais dinâmicas e interessantes as aulas em que se consideraram os entendimentos espaciais e as referências dos estudantes e dos professores como centrais em termos de conteúdos; segundo, o desempenho dos professores é muito exposto a problemas sociais, apesar disso, eles são muito capazes de trocar experiências de aprendizado de Geografia e com isso melhorar suas aulas; finalmente, as ferramentas tecnológicas são muito consideradas como expectativa para melhor refletir no ensino os aspectos de nossos espaços de vivência.

 

rethinking teacher education through the exchange of knowledge among teachers in the quest for Sensitive Geography

ABSTRACT

 In this study related with Geography teaching in basic school the main objective is to explore experiences in the classroom whose meanings are defined as relevant for learning within the  life experience context of educators and students. We propose a reflection on the teaching of Geography, highlighting central aspects to make learning more effective throughout the dimensions of everyday life. Inspired by the Kaecher’s ideas towards space education and in Oliveira Jr. studies related to images and Geography, we name this way to learn the space which values the sharing of our perceptions, Sensitive Geography. We develop two editions of a formation course to teachers in which the main goal was to promote Sensitive Geography through the exchange of teaching knowledge among the educators that work in Geography classes of public schools of São Leopoldo City, south Brazil. As conclusions it is possible to draw three main lines: first, Sensitive Geography seems to be effective considering it is more dynamic and interesting the classes in which is considered the spatial understandings and references of the students and  teachers as the main contents; second, teachers’ performance is very exposed to social problems, in spite of it, they are very capable to exchange geography learning experiences to improve their classes; finally technological tools are very considered as expectancy to better reflect in teachings the aspects of our living spaces.

 Keywords: Sensitive Geography. Teacher formation. Visual Education.

 

repensando la formación docente a partir del intercambio de saberes entre profesores en la búsqueda por la Geografía Sensible

RESUMEN

 En este estudio relacionado con la enseñanza de la Geografía en la escuela básica, el objetivo principal es explorar las experiencias en el aula cuyos significados se definen como relevantes para el aprendizaje dentro del contexto de la experiencia de educadores y estudiantes. Proponemos una reflexión sobre la enseñanza de la geografía, destacando aspectos centrales para hacer un aprendizaje más efectivo a lo largo de las dimensiones de la vida cotidiana. Inspirado por las ideas de educación espacial de Kaercher y en el estudio que relaciona imágenes y Geografía de Oliveira Jr., definimos como Geografía Sensible el modo para aprender el espacio que valora el compartir de nuestras percepciones. Desarrollamos dos ediciones de un curso de formación para los profesores con el objetivo de promover esa Geografía Sensible a través del intercambio de saberes docentes entre educadores que trabajan en disciplinas de Geografía en las escuelas públicas de São Leopoldo, ciudad del sur de Brasil. Como conclusiones se pueden trazar tres líneas principales: primero, la Geografía Sensible parece ser eficaz, ya que a partir de las experiencias docentes, se mostraron más dinámicas e interesantes las clases en que se consideraron los entendimientos espaciales y las referencias de los estudiantes y de los profesores como centrales en términos de contenidos; En segundo lugar, el desempeño de los profesores está muy expuesto a problemas sociales, a pesar de eso, son muy capaces de intercambiar experiencias de aprendizaje de Geografía y con ello mejorar sus clases; finalmente, las herramientas tecnológicas son muy consideradas como expectativa para mejor reflejar en la enseñanza los aspectos de nuestros espacios de vivencia.

Palabras clave: Geografía Sensible. Formación de professores. Educación Visual.

Biografia do Autor

Juliano da Costa Timmers, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil

Possui Graduação, Mestrado e Doutorado em Geografia, todos cursados pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Atualmente é Professor da rede municipal de Educação de São Leopoldo (RS).

Nestor André Kaercher, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil

Possui Graduação em Geografia e Mestrado em Educação, ambos cursados pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), e Doutorado em Geografia (Geografia Humana) pela Universidade de São Paulo (USP). Atualmente é Professor do Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Referências

BARTHES, Roland. Elementos de semiologia. São Paulo: Cultrix / USP, 1971.

CRAIA, Eladio. O virtual: destino da ontologia de Gilles Deleuze. Rev. Filos, Aurora: Curitiba. Vol. 21 n. 18. p 107-123, jan/jun, 2009. Disponível em <https://periodicos.pucpr.br/index.php/aurora/article/viewFile/1150/1075> Acessado em maio de 2019.

GOMES, Paulo Cesar da Costa. O lugar do olhar: elementos para uma geografia da visibilidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2013.

FREIRE, Paulo. Extensão ou comunicação? tradução de Rosisca Darcy de Oliveira. Prefácio de Jacques Chonchol 7ª ed. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1983.

________. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: 26° ed. Paz e Terra, 1996.

KAERCHER, Nestor André. Práticas geográficas paralerpensaromundo, converentendersarcom o outroeentenderscobrira si mesmo. IN:REGO, Nelson, CASTROGIOVANNI, Antonio Carlos e KAERCHER, Nestor André. (orgs.) Geografia: Práticas pedagógicas para o ensino médio. Porto Alegre: Artmed, 2007. p.15-33

KAERCHER, Nestor André. TONINI, Ivaine Maria. ARTESANIA, FELICIDADE, EMPATIA: ASSUNTOS NÃO GEOGRÁFICOSPARA O ESTAGIÁRIO DE GEOGRAFIA CONSTRUIR SUA IDENTIDADEDOCENTE. Em: Geographia Meridionalis - Revista Eletrônica do Programa dePós-Graduação em Geografia da Universidade Federal dePelotas. V. 3 n. 2, 2017. p. 251-273. Disponível em <http://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/Geographis/index> Acessado em julho de 2018.

LIPOVETSKY, G.; SERROY, J. A tela mundo. In: ___. A tela global: mídias culturais e cinema na era hipermoderna. Porto Alegre: Sulina, 2009. p.255-298.

LUKÁCS, G. Prolegômenos: para a ontologia do ser social. Obras de Georg Lukás, Volume 13. Maceió: Coletivo Veredas, 2018.

MASSEY, Doreen. For space. London: Sage publications, 2008.

MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários a educação do futuro. 2 ed. São Paulo: Cortez, 2000.

OLIVEIRA JR. Wenceslao Machado de. Entrevista com o professor Wenceslao M. de Oliveira Junior [entrevista concedida em 2013] Entre-lugar, Dourados, MS, p. 113-122. Ano 4, n.7, 1 semestre 2013. Entrevistador: Claudio Benito O. Ferraz.

________. Grafar o espaço, educar os olhos. Rumo a geografias menores.Pro-Posições, Campinas, v. 20, n. 3 (60), p. 17-28, set./dez. 2009. Disponível em <http://www.scielo.br/pdf/pp/v20n3/v20n3a02.pdf> Acessado em maio de 2018.

REGO, Nelson. Geografia, educação, linguagem: elementos de uma reconstrução ontológica? Revista da Anpege, v. 5, 2009.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 4 ed. São Paulo: Editora da USP, 2012.

________. Por uma outra Globalização: do pensamento único à consciência universal. 26°ed. Rio de Janeiro: Record, 2017.

SARTRE, J. P. L’existentialisme est un humanisme. Paris: Nagel 1952. Texto base disponível em: Antologia de texto filosóficos. Curitiba: Secretaria Estadual de Educação do Paraná, 2009. p. 616-639.

SOUZA, Jessé. A construção social da subcidadania: para uma sociologia política da modernidade periférica. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1° reimpressão 2006.

Publicado
2019-12-31
Como Citar
TimmersJ. da C., & KaercherN. A. (2019). REPENSANDO A FORMAÇÃO DOCENTE A PARTIR DA TROCA DE SABERES ENTRE PROFESSORES NA BUSCA PELA GEOGRAFIA SENSÍVEL. Revista Cerrados, 17(02), 193-211. https://doi.org/10.22238/rc2448269220191702193211