DIFICULDADES DE DISCENTES DO CURSO DE NUTRIÇÃO NA COMPREENSÃO DA CLASSIFICAÇÃO NOVA DOS ALIMENTOS: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO

Autores

  • Carina de Sousa Santos Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM)
  • Amanda Ribeiro Barroso Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM)
  • Tatiane Nery Silva Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM)
  • Bruna Caroline Chaves Garcia Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM)
  • Etel Rocha-Vieira Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM)
  • Elizabethe Adriana Esteves Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM)

DOI:

https://doi.org/10.46551/ruc.v24n1a6

Palavras-chave:

Guia alimentar, Classificação NOVA, Processamento de alimentos, Classificação dos alimentos

Resumo

Objetivo: avaliar a compreensão de discentes sobre a classificação NOVA. Método: pesquisa observacional com todos os discentes que estivessem realizando ou já concluído algum estágio. Os discentes foram instruídos a responder um questionário com perguntas temáticas e a classificar uma lista de 40 alimentos e combinações alimentares em: in natura/minimamente processado; processado; ultraprocessado ou preparação culinária. Resultados: participaram da pesquisa 95% do total de discentes elegíveis (24,3±2,9 anos). Para 26,4%, a classificação NOVA é baseada na 1ª edição/pirâmide dos alimentos; 26,3% citaram corretamente todas as categorias; 52,63% não citaram a categoria ingrediente culinário e 49,12% consideraram os alimentos minimamente processados como categoria única, independente dos alimentos in natura. A mediana de acerto total da classificação da lista de alimentos foi de 70% (IQ 47,5 – 77,5%). Da lista, os seguintes alimentos e preparações culinárias apresentaram mais de 50% de classificação incorreta: leite; vitamina de leite com banana e maçã; iogurte natural; pão fatiado/forma; iogurte de sabor com açúcar e requeijão cremoso. Conclusão: os discentes apresentaram dificuldades relacionadas ao conhecimento teórico e técnico sobre a classificação NOVA, evidenciando a importância de fortalecer o estudo sobre o processamento e composição dos alimentos a partir das técnicas de produção e lista de ingredientes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carina de Sousa Santos, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM)

Doutora em Ciências Fisiológicas. Programa de Pós-graduação em Ciências da Nutrição (PPGCN). Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM). Diamantina, MG, Brasil. Endereço para correspondência: carina.sousasantos@gmail.com.

Amanda Ribeiro Barroso, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM)

Discente do 9º período do curso de graduação em Nutrição. Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM). Diamantina, MG, Brasil. 

Tatiane Nery Silva, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM)

Discente do 9º período do curso de graduação em Nutrição. Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM). Diamantina, MG, Brasil.

Bruna Caroline Chaves Garcia, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM)

Doutoranda do Programa Multicêntrico de Pós-graduação em Ciências Fisiológicas. Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM). Diamantina, MG, Brasil.

Etel Rocha-Vieira, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM)

Doutora em Bioquímica e Imunologia. Professora associada no curso de Medicina da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM). Diamantina, MG, Brasil.

Elizabethe Adriana Esteves, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM)

Doutora em Ciência e Tecnologia de Alimentos. Professora associada no curso de Nutrição da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM). Diamantina, MG, Brasil. 

Referências

FAO. Food-based dietary guidelines 2021 [Available from: http://www.fao.org/nutrition/education/food-dietary-guidelines/background/food-guide/en/.

BRASIL. Guia alimentar para a população brasileira: promovendo a alimentação saudável. 1ª edição ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2008. p. 210.

BRASIL. Dietary Guidelines for the Brazilian Population 2014. Brasília: Ministry of Health of Brazil; 2014. Available from: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/dietary_guidelines_brazilian_population.pdf.

MONTEIRO, C.A.; CANNON, G.; LEVY, R., et al. NOVA. The star shines bright. World Nutrition, v. 7, p. 28-38, 2016.

PAGLIAI, G.; DINU, M.; MADARENA, M., et al. Consumption of ultra-processed foods and health status: a systematic review and meta-analysis. Br J Nutr, v. 125, n. 3, p. 308-18, 2020.

BRASIL. Política Nacional de Alimentação e Nutrição. 2ª edição ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2013. p. 84.

BRASIL. Lei nº 11.346, de 15 de setembro de 2006. Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – SISAN com vistas em assegurar o direito humano à alimentação adequada e dá outras providências. Diário Oficial da União. 18 set 2006. 2006.

BRASIL/UNIVERSIDADEDESÃOPAULO. Manual instrutivo: implementando o guia alimentar para a população brasileira em equipes que atuam na Atenção Primária à Saúde [recurso eletrônico] 1ª edição ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2019. p. 143.

Resolução Conselho Nacional de Educação (CNE)/ Câmara de Educação Superior (CES) n.º5 de 07 de novembro de 2001, (2001).

CONSELHOFEDERALDENUTRICIONISTAS. O nutricionista e as políticas publicas. Revista da Associação Brasileira de Nutrição, v. 5, p. 86-8, 2013.

MENEGASSI, B.; MORAIS SATO, P.; SCAGLIUSI, F.B., et al. Comparing the ways a sample of Brazilian adults classify food with the NOVA food classification: An exploratory insight. Appetite, v. 137, p. 226-35, 2019.

ARES, G.; VIDAL, L.; ALLEGUE, G., et al. Consumers’ conceptualization of ultra-processed foods. Appetite, v. 105, p. 611-7, 2016.

AGUIRRE, A.; BORNEO, M.; EL KHORI, S., et al. Exploring the understanding of the term “ultra-processed foods” by young consumers. Food Res Int, v. 115, p. 535-40, 2019.

MONTEIRO, C.A.; CANNON, G.; LEVY, R.B., et al. Ultra-processed foods: what they are and how to identify them. Public Health Nutr, v. 22, n. 5, p. 936-41, 2019.

OLIVEIRA-COSTA, M.S.D.; COSTA, D.R.T.D.; MENDONÇA, A.V.M., et al. De que alimentação estamos falando? Discursos de jornalistas e análise de conteúdo de notícias populares. Interface (Botucatu), v. 23, 2019. 10.1590/interface.180093.

MENEGASSI, B.; ALMEIDA, J.B.; OLIMPIO, M.Y.M., et al. A nova classificação de alimentos: teoria, prática e dificuldades. Ciênc saúde coletiva, v. 23, n. 12, p. 4165-76, 2018.

HARA, B.P.L.; CARVALHO, L.C.; VIEIRA, P.B., et al. Conhecimento de nutricionistas sobre o guia alimentar para a população brasileira. Nutr Brasil, v. 16, p. 288-91, 2017.

MENEGASSI, B.; CARDOZO, C.M.L.; LANGA, F.R., et al. Classificação de alimentos NOVA: comparação do conhecimento de estudantes ingressantes e concluintes de um curso de Nutrição. Demetra, v. 15, n. 1, p. 48711, 2020.

SANTOS, C.S.; GARCIA, B.C.C.; ESTEVES, E.A., et al., inventors; Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM), assignee. Aplicativo Nutri Game - Seu Guia Alimentar. Brasil patent BR512020000765-1. 2020 06 março 2020.

SOUZA, A.M.; PEREIRA, R.A.; YOKOO, E.M., et al. Alimentos mais consumidos no Brasil: Inquérito Nacional de Alimentação 2008-2009. Rev Saúde Pública, v. 47, n. 1supl, p. 190s-9s, 2013.

IBGE. Pesquisa de orçamentos familiares, 2008-2009. Análise do consumo alimentar pessoal no Brasil. Rio de Janeiro: Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística-IBGE; 2010.

BRASIL. Vigitel Brasil 2018: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília: Ministério da Saúde; 2019. p. 132.

PANAMERICANHEALTHORGANIZATION. Ultra-processed food and drink products in Latin America: Trends, impact on obesity, policy implications. Washington, DC: PAHO; 2015.

OLIVEIRA, M.S.S.;SILVA-AMPARO, L. Food-based dietary guidelines: a comparative analysis between the Dietary Guidelines for the Brazilian Population 2006 and 2014. Public Health Nutr, v. 21, n. 1, p. 210-7, 2018.

DAVIES, V.F.; MOUBARAC, J.C.; MEDEIROS, K.J., et al. Applying a food processing-based classification system to a food guide: a qualitative analysis of the Brazilian experience. Public Health Nutr, v. 21, n. 1, p. 218-29, 2018.

MONTEIRO, C.A.; CANNON, G.; MOUBARAC, J.-C., et al. The UN Decade of Nutrition, the NOVA food classification and the trouble with ultra-processing. Public Health Nutr, v. 21, n. 1, p. 5-17, 2018.

BRASIL. Portaria n. 146 de 07 de março de 1996. Aprovar os Regulamentos Técnicos de Identidade e Qualidade dos Produtos Lácteos - Anexo X - Regulamente técnico de identidade e qualidade do leite UHT (UAT) .Diário Oficial da União. 11 mar 1996 Seção 1; 1996.

BRASIL. Portaria n. 370 de 04 de setembro de 1997. Aprovar a inclusão do citrato de sódio no Regulamentee Técnico para fixação de identidade e qualidade do leite UHT (UAT). Diário Oficial da União. 08 set 1997: Seção 1; 1997.

BRASIL. Fascículo 1 - Protocolos de uso do guia alimentar para a população brasileira na orientação alimentar: bases teóricas e metodológicas e protocolo para a população adulta. 1ª edição ed. Brasília: Ministério da Saúde, Universidade de São Paulo; 2021. p. 26.

Downloads

Publicado

2022-05-29

Como Citar

DE SOUSA SANTOS, C.; RIBEIRO BARROSO, A.; NERY SILVA, T.; CAROLINE CHAVES GARCIA, B.; ROCHA-VIEIRA, E.; ADRIANA ESTEVES, E. DIFICULDADES DE DISCENTES DO CURSO DE NUTRIÇÃO NA COMPREENSÃO DA CLASSIFICAÇÃO NOVA DOS ALIMENTOS: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO. Revista Unimontes Científica, [S. l.], v. 24, n. 1, p. 1–19, 2022. DOI: 10.46551/ruc.v24n1a6. Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/unicientifica/article/view/5220. Acesso em: 12 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos Originais