Plantão Psicológico Online em Tempos de Pandemia

Um relato de Experiência

Autores

  • Ana Ângela Catharina Gontijo e Barcellos Centro Universitário FIPMoc (UNIFIPMOC)
  • Marcela Luiza Lopes Ferreira Centro Universitário FIPMoc (UNIFIPMOC)
  • Mayra de Aquino Mendes Santos Centro Universitário FIPMoc (UNIFIPMOC)
  • César Rota Júnior Centro Universitário FIPMoc http://orcid.org/0000-0002-6346-3972

DOI:

https://doi.org/10.46551/ruc.v22n2a10

Palavras-chave:

Plantão Psicológico, Saúde Mental, Escuta Clínica, COVID-19

Resumo

O mundo enfrenta hoje um inimigo comum e invisível, o novo Coronavírus, agente causador da COVID-19, configurando-se um cenário de inúmeras mudanças e incertezas. O presente relato de experiência tem como objeto apresentação e discussão das vivências de um projeto de Plantão Psicológico idealizado e desenvolvido por um grupo de psicólogas no norte de Minas Gerais, de maneira voluntária e online. A gênese desse projeto parte da inquietação e preocupação de profissionais da psicologia, em um cenário de crise e instabilidade oriundo da pandemia, com reais mudanças estruturais na sociedade, em todos os âmbitos e com desdobramentos para a saúde mental da população. Objetivamos elucidar a importância do plantão psicológico como aparato em momento de crise e contribuições da Logoterapia e Análise Existencial na condução dos atendimentos. Através do método de análise quantitativa dos atendimentos efetuados, buscou-se apresentar o perfil dos usuários do serviço, embasada em revisão teórica acerca dos conceitos fundamentais sobre plantão psicológico e logoterapia, ressaltamos que o projeto tem se efetivado como espaço de acolhimento e cuidado para quem o solicite. Concluímos que essa modalidade configura-se como importante mecanismo de suporte e transformador de realidade e combate a crises de urgência e emergências emocionais.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Resolução 11/2018, de 11 de maio de 2018. Regulamenta a prestação de serviços psicológicos realizados por meios de tecnologias da informação e da comunicação e revoga a Resolução CFP N.º 11/2012, 2018. Disponível em: https://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2018/05/RESOLU%C3%87%C3%83O-N%C2%BA-11-DE-11-DE-MAIO-DE-2018.pdf. Acessado em: 23 de julho de 2020.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Coronavirus disease (COVID-2019): situation report 72. Genebra: World Health Organization; 2020. Disponível em: https://www.who.int/docs/default-source/coronaviruse/situation-reports/20200401-sitrep-72-covid-19.pdf?sfvrsn=3dd8971b_2.

ANDERSON, R. M.; HEESTERBEEK, H.; KLINKENBERG, D. E HOLLINGSWORTH, T. D. How will country-based mitigation measures influence the course of the COVID-19 epidemic? The Lancet, v.395, n.10228, p.931–934, 2020. Disponível em: https://www.thelancet.com/journals/lancet/article/PIIS0140-6736(20)30567-5/fulltext. Acessado em: 25 de julho de 2020.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Resolução 04/20, de 26 de março de 2020. Dispõe sobre regulamentação de serviços psicológico prestados por meio de Tecnologia da Informação e da Comunicação durante a pandemia da COVID19, 2020a. Disponível em: https://atosoficiais.com.br/cfp/resolucao-do-exercicio-profissional-n-4-2020-dispoe-sobre-regulamentacao-de-servicos-psicologicos-prestados-por-meio-de-tecnologia-da-informacao-e-da-comunicacao-durante-a-pandemia-do-covid19?origin=instituicao. Acessado em: 03 de agosto de 2020.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Nota Orientativa às(aos) Psicólogas(os): Trabalho Voluntário e Publicidade em Psicologia, diante do Coronavírus (COVID-19), 2020b. Disponível em: https://site.cfp.org.br/nota-orientativa-asaos-psicologasos-trabalho-voluntario-e-publicidade-em-psicologia-diante-do-coronavirus-covid-19/. Acessado em: 03 de agosto de 2020.

SCHMIDT, M. L. S. Plantão Psicológico, universidade pública e política de saúde mental. Estudos de Psicologia. Campinas, vol. 21, no. 3, p. 173-192, 2004. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/estpsi/v21n3/v21n3a03.pdf. Acessado em: 12 de abril de 2019.

SILVA, E. R. da. Psicologia clínica, um novo espetáculo: dimensões éticas e políticas. Psicol. cienc. prof., Brasília , v. 21, n. 4, p. 78-87, 2001 . Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932001000400009&lng=en&nrm=iso. Acessado em: 03 de agosto de 2020.

ROSENTHAL, R. W. O Plantão de Psicólogos no Instituo Sedes Sapientiae: uma proposta de atendimento aberto à comunidade. In: MAHFOUD, M; DRUMMOND, D.M; WOOD, J.K; BRANDÃO, J.M; ROSENTHAL, R.W; SILVA,R.O; CURY, V.E e CAUTELLA JUNIOR,W. Plantão psicológico: novos horizontes. São Paulo, Companhia Ilimitada, 2012.

TASSINARI, M. A., CORDEIRO, A. P. S., e DURANGE, W. T. (orgs.). Revisitando o plantão psicológico centrado na pessoa. Curitiba: Editora CRV, 2013.

CURY, V. E. (1999) Plantão psicológico em clinica-escola. In: MAHFOUD, M; DRUMMOND, D.M; WOOD, J.K; BRANDÃO, J.M; ROSENTHAL, R.W; SILVA,R.O; CURY, V.E e CAUTELLA JUNIOR,W. Plantão psicológico: novos horizontes. São Paulo, Companhia Ilimitada, 2012, p. 119.

MAHFOUD, M., (2013). Desafios sempre renovados: plantão psicológico. In: TASSINARI, M. A., CORDEIRO, A. P. S., e DURANGE, W. T. (orgs.). Revisitando o plantão psicológico centrado na pessoa. Curitiba: Editora CRV, 2013, p. 35.

MAHFOUD, M; DRUMMOND, D.M; WOOD, J.K; BRANDÃO, J.M; ROSENTHAL, R.W; SILVA,R.O; CURY, V.E e CAUTELLA JUNIOR,W. Plantão psicológico: novos horizontes. São Paulo, Companhia Ilimitada, 2012.

SANTOS, C. B. Abordagem Centrada na Pessoa - Relação Terapêutica e Processo de Mudança. Revista do serviço de Psiquiatria do Hospital Fernando Fonseca, PsiLogos, v. 1, n. 2, p.18-23, 2004, p. 18.

FRANKL, V. E. Psicoterapia e sentido da vida. São Paulo: Quadrante, 2019, p. 12.

AQUINO, T. A. A presença não ignorada de Deus na obra de Viktor Emil Frankl. São Paulo: Paulus, 2014.

FRANKL, V. E. Em busca de sentido. São Leopoldo: Sinodal; Petrópolis: Vozes, 2018.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Resolução 10/2005, de 21 de julho de 2005. Aprova o Código de Ética do Psicólogo. Disponível em: http://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2012/07/codigo-de-etica-psicologia.pdf. Acessado em: 12 de setembro de 2020.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Resolução 01/2009, de 30 de março de 2009. Dispõe sobre a obrigatoriedade do registro documental decorrente da prestação de serviços psicológicos, 2009. Disponível em: https://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2009/04/resolucao2009_01.pdf. Acessado em: 19 de julho de 2020.

PARKES, C. M. Luto: estudos sobre a perda na vida adulta. São Paulo: Summus Editorial, 1998.

YALOM, I. D. Psicoterapia Existencial. Barcelona: Herder, 1984.

PINHEIRO, R. S.; VIACAVA, F.; TRAVASSOS; C. e BRITO A.S. Gênero, morbidade, acesso e utilização de serviços de saúde no Brasil. Ciência Saúde Coletiva. v. 7, n. 4, p. 687-707, 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232002000400007&lng=en&nrm=iso. Acessado em: 02 de outubro de 2020.

Downloads

Publicado

2020-12-31

Como Citar

CATHARINA GONTIJO E BARCELLOS , A. ÂNGELA; LUIZA LOPES FERREIRA, M.; DE AQUINO MENDES SANTOS, M.; ROTA JÚNIOR, C. Plantão Psicológico Online em Tempos de Pandemia: Um relato de Experiência. Revista Unimontes Científica, v. 22, n. 2, p. 1-15, 31 dez. 2020.

Edição

Seção

Relatos de Experiência - Dossiê Temático Covid