COMPORTAMENTO DE RISCO PARA HIV EM POPULAÇÃO CARCERÁRIA DE MONTES CLAROS (MG)

Autores

  • Andreia Farias Alquimim Graduação em Medicina.

Palavras-chave:

Comportamento de Risco. AIDS. Encarcerados.

Resumo

Objetivo: O objetivo deste trabalho foi determinar comportamentos de risco para HIV em
população carcerária de Montes Claros (MG). Metodologia: Utilizou-se, no presídio, um questionário
semi-estruturado, bem como realizou-se um teste rápido de HIV nos participantes. Resultados: Para análise
da prevalência e situação de risco do HIV, responderam ao questionário 138 detentos(as), com idade média
de 29,55 ± 8,56 anos, com tempo de prisão de 34,22 ± 6,60 meses. Ressalta-se que não se encontraram
detentos(as) com sorologia positiva, embora 15,9% deles(as) relatassem possuir mais de quatro parceiros(as).
A maioria (61,6%) afirmou usar camisinha, e 21% relataram o não uso de método contraceptivo. Quando
abordados sobre outras situações de risco, 2,2% afirmaram ser homossexuais, 35,5% ser usuários de drogas,
2,9% declararam compartilhar seringas e 71% possuir tatuagens. Conclusão: Espera-se que este trabalho
possa contribuir para as condições atuais do HIV/AIDS no sistema carcerário brasileiro, estimulando a
realização de outras investigações e servindo para orientar a adoção de medidas preventivas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria
de Vigilância em Saúde. Guia de vigilância epidemiológica. 6 ed. Brasília: Ministério da Saúde;
2005.
2. REIS, C. B.; BERNARDES, E. B. O que
acontece atrás das grades: estratégias de prevenção desenvolvidas nas delegacias civis contra HIV/
AIDS e outras doenças sexualmente transmissíveis.
Ciência & Saúde Coletiva, v. 16, n. 7, Out, 2011.
3. NOGUEIRA, P. A; ABRAHÃO, R. M. C.
M. A infecção tuberculosa e o tempo de prisão da
população carcerária dos distritos policiais da zona
oeste de São Paulo. Revista Brasileira Epidemiologia, São Paulo, v. 12, n. 1, Mar, 2009.
4. COELHO, H. C. Prevalência e fatores
de risco para a infecção do HIV na população
carcerária masculina da Penitenciária de Ribeirão
Preto. 2004. Dissertação (Mestrado em Medicina
Preventiva) - Faculdade de Medicina de Ribeirão
Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.
5. NICOLAU, A. I. O. et al. Conhecimento,
atitude e prática de presidiárias quanto ao uso de
preservativos masculino e feminino. 2010. 133 f.
Dissertação (Mestrado em Enfermagem) - Universidade Federal do Ceará. Faculdade de Farmácia,
Odontologia e Enfermagem, Fortaleza.
6. BASTIAN, I. et al. Guidelines for the
control of tuberculosis in prisons. Geneva: World
Health Organization, 2000.
7. BRASIL. Ministério da Saúde, Secretaria
de Atenção à Sáude. Departamento de Atenção
Básica à Saúde: Dengue, Esquistossomose, Hanseníase, Malária, Tracamo e Tuberculose. Ministério da Saúde. 2° ed. Revista Brasília: Ministério da
Saúde, 2008.
8. D’URSO, L. F. B. Um grito de indignação.
O monitor: política, administração, ética e segurança. Revista Mineira de Enfermagem, ano 2, n. 15,
2007. Disponível em: <http: www.omonitor.info/
section.asp?sid=13&iid=15>. Acesso em: 5 set.
2012.
9. LOURENÇO, R. Epidemiologia da infecção
pelo VIH-1 nas instituições carcerárias masculinas
do Complexo Penitenciário do Carandiru - São
Paulo(SP). 1992. Dissertação(Mestrado) - Escola
Paulista de Medicina, Universidade Federal de São
Paulo, São Paulo.
10. MASSAD, E. et al. Seroprevalence of HIV,
HCV and syphilis in Brazilian prisoners: Preponderance of parenteral transmission. Eur J. Epidemiol, v. 15. n. 15. p. 439-445, 1999.
11. BLASOTTI, A; BLOTTA, M. H. S. L;
GOMES, M. C. O. Inquérito sorológico sobre a
prevalência de anticorpos anti-HIV em detentos da
cadeia pública de Sorocaba. Revista Paulista Medicina, v.105, n. 105, p. 117-118, 1987.
12. PEIXINHO, Z. F. et al. Seroepidemiological studies of HIV-1 infection in large Brazilian
cities. Nat Immun Cell Growth Regu, v. 9, n.9. p.
133-136,1990.
13. VARELLA, D. et al. HIV infection among
Brazilian transvestites in prison population. AIDS
Patient Care, v. 10, n. 10. p. 299-302, 1996.
14. SIMOOYA, O. O. et al. “Behind wall”: a
study of HIV risk behaviors and seroprevalence in
prisons in Zambia. AIDS, v. 15, n. 13, p. 1741-1744,
2001.
15. MARINS, J. R. et al. Seroprevalence and
risk factors for HIV infection among incarcerated
men in Sorocaba, Brazil. AIDS Behav,v. 4, n. 4 p.
121-128, 2000.
16. BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria
de Estado da Saúde. Manual de controle das DST.
Brasília, DF, 2006.
17. MIRANDA, A. E; ZAGO, A. M. Prevalência de infecção pelo HIV e Sífilis em sistema correcional para adolescentes. J. Bras. Doenças Sex.
Transm, v. 13, n. 13. p. 35-39,2001.

Downloads

Publicado

2020-04-16

Como Citar

FARIAS ALQUIMIM, A. COMPORTAMENTO DE RISCO PARA HIV EM POPULAÇÃO CARCERÁRIA DE MONTES CLAROS (MG). Revista Unimontes Científica, v. 16, n. 1, p. 48-54, 16 abr. 2020.

Edição

Seção

Artigos Originais