A PERCEPÇÃO DOS USUÁRIOS DO SERVIÇO DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA EM RELAÇÃO À CLASSIFICAÇÃO DE RISCO PELO PROTOCOLO DE MANCHESTER

Autores

  • Revista Unimontes Científica

Palavras-chave:

Protocolo de Manchester. Classificação de Risco. Urgência. Emergência.

Resumo

A Classificação de Risco é a estratificação de risco dos usuários que procuram atendimento nos
serviços de saúde. Ao dar entrada em um serviço de urgência, o paciente é classificado recebendo uma
prioridade que determina o tempo alvo para o primeiro atendimento médico, baseada não só na situação
clínica apresentada, como também na ordem de chegada. Assim, partindo da premissa problema “Qual
é o conhecimento e o grau de satisfação dos usuários do Hospital Municipal Dr. Gil Alves, a respeito
da classificação de risco baseada no Protocolo de Manchester”, buscou-se com este estudo verificar
a percepção dos usuários do serviço de urgência e emergência a respeito da classificação de risco pelo
Protocolo de Manchester, tendo em vista que o protocolo imprime uma mudança radical, que requer tempo
de adaptação dos usuários. Trata-se de um estudo descritivo com abordagem qualitativa, utilizando-se da
técnica de ponto de saturação. Pode-se considerar que alguns usuários da unidade de urgência e emergência
do Hospital Municipal Dr. Gil Alves, na cidade de Bocaiúva/MG, têm conhecimento da implantação desse
Protocolo, apesar da pouca divulgação na implantação do serviço, tendo, na sua maioria, consciência de
que o acolhimento por esse Protocolo visa à melhoria no atendimento, celeridade e humanização nos
atendimentos pelo SUS.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria
de Atenção à Saúde. Acolhimento nas práticas de
produção de saúde. Brasília, DF, 2008.
2. JONES, K. M.; MARSDEN, J.; WINDLE,
J. Sistema Manchester de Classificação de Risco.
2. ed. Belo Horizonte: Grupo Brasileiro de
Classificação de Risco, 2010.
3. ALBINO, R. M.; GROSSEMAN, S.;
RIGGENBACH, V. Classificação de risco: uma
necessidade inadiável em um serviço de emergência
de qualidade. Arquivos Catarinenses de Medicina,
Santa Catarina, v. 36, n. 4, 2007. Disponível em:
<http://www.acm.org.br/revista/pdf/artigos/523.
pdf> Acesso em: 18 mar. 2013.
4. CORDEIRO JÚNIOR, W. A classificação
de risco como linguagem da rede de urgência e
emergência. Revista de Administração Hospitalar
e Inovação em Saúde, [S.l.], n. 2, 2009. Disponível
em: <http://www.face.ufmg.br/revista/index.php/
rahis/article/viewFile/787/663> Acesso em: 21
mar. 2013.
5. BRASIL. Ministério da Saúde. SecretariaExecutiva. Núcleo Técnico da Política Nacional
de Humanização. Acolhimento com avaliação e
classificação de risco: um paradigma ético estético
no fazer em saúde. Brasília, DF, 2004. Disponível
em: < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/
acolhimento.pdf > Acesso em: 21 maio. 2013.
6. DIAS FILHO, A. D. D. et al.Acolhimento com
classificação de risco: humanização nos serviços
de emergência. 2010. Trabalho de conclusão de
curso (Graduação em Enfermagem) – Universidade
Salgado de Oliveira, Goiânia.
7. CORDEIRO, A.; SILVEIRA, A.; RAPOSO,
A. Triagem nos serviços de urgência geral. Nursing,
Portugal, n. 163, p. 12-16, fev. 2002.
8. GARLET, E. R. et al. Finalidade do trabalho
em urgências e emergências. Rev. Latino-Am.
Enfermagem, v. 17, n. 4, 2009. Disponível em:
<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S
010411692009000400016&lng=pt&nrm=iso&tlng=
pt14.> Acesso em: 22 jul. 2013.
9. FONTANELLA, B. J. B.; RICAS, J.;
TURATO, E. R. Amostragem por saturação em
pesquisas qualitativas em saúde: contribuições
teóricas. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 24,
n. 1, jan. 2008. Disponível em: < http://www.ins.gob.
pe/repositorioaps/0/0/eve/evento_maestria/Ponencia%20
Bruno%20J%20B%20Fontanella.pdf>. Acesso em: 22
mar. 2013.
10. MORAES, R. Análise de conteúdo. Revista
Educação, Porto Alegre, v. 22, n. 37, 1999.
Disponível em <cliente.argo.com.br/~mgos/
analise_de_conteudo_moraes.html> Acesso em: 23
mar. 2013.
11. MINAYO, M.C.S. O desafio do conhecimento:
pesquisa qualitativa em saúde. 9 ed. São Paulo:
Hucitec, 2004.
12. NISHIO, E. A.; URRUTIA, M.; ARAÚJO,
E. Análise pela lógica difusa da condição
de risco e sinais vitais pelo atendimento em
unidade de emergência. In: Congresso Brasileiro
de informática em saúde, 2008, Campos dos
Jordão. Anais eletrônicos... Campus do Jordão:
Sociedade Brasileira de Informática em Saúde,
2008. Disponível em: <http://www.sbis.org.br/cbis11/
arquivos/975.pdf>. Acesso 23 maio. 2012.
13. DIOGO, C. S. Impacto da relação cidadãosistema de triagem de Manchester na Requalificação
das urgências do SNS. 2007. Dissertação (Mestrado
em gestão dos serviços de saúde) - Instituto superior
das Ciências do Trabalho e da empresa, Valença.
14. BRASIL. Ministério da Saúde. Acolhimento
com Classificação de Risco. Brasília, DF, 2008.
15. FREITAS, P. Triagem do serviço de urgência:
grupo de triagem de Manchester. BMJ Publishing
Group, Portugal, 2002.
16. STACCIARINI, J. M. R. et al. Quem é o
enfermeiro?. Revista Eletrônica de Enfermagem,
Goiânia, v. 1, n. 1, 1999. Disponível em: <http://
www.fen.ufg.br/revista/revista1_1/Quem.html>. Acesso
em: 19 abr. 2014.

Downloads

Publicado

2020-04-15

Como Citar

REVISTA UNIMONTES CIENTÍFICA. A PERCEPÇÃO DOS USUÁRIOS DO SERVIÇO DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA EM RELAÇÃO À CLASSIFICAÇÃO DE RISCO PELO PROTOCOLO DE MANCHESTER. Revista Unimontes Científica, v. 16, n. 1, p. 17-25, 15 abr. 2020.

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>