RELIGIÃO E A PROPAGAÇÃO DA IDEIA DE SUBMISSÃO DA MULHER

Autores

  • PAULA MARTINS SIRELLI
  • MARILIA DE OLIVEIRA DE SOUSA

Resumo

Nestes apontamentos procuramos assinalar a necessidade de reflexão sobre a construção dos papeis sociais de sexo – esta construção não se dá de forma aleatória, mas com um objetivo político, econômico e ideológico de subjugar e objetificar a mulher, responsabilizando-a pela reprodução da força de trabalho no capitalismo, assim como da família monogâmica, heterossexual e conservadora. Ressaltamos aqui o papel da religião na propagação da ideia de submissão da mulher, seus vínculos com a sociabilidade capitalista e o Estado, tendo um importante papel na perpetuação de papeis sociais de sexo, da subalternidade, da objetificação e da violência contra a mulher. Concluímos ser um desafio para os profissionais reconhecer os instrumentos de dominação e opressão que perpassam o cotidiano das mulheres, bem como romper com o conservadorismo, em especial o religioso. Isto só é possível com a apreensão crítica da realidade e com a construção de direcionamento político e ideológico para o trabalho profissional, que se coloque na perspectiva dos direitos e da luta pela emancipação humana. Indicamos que as reflexões trazidas aqui são introdutórias, mas apontam a necessidade de intensificar estudos e pesquisas que aprofundem a análise de categorias como alienação e ideologia, as raízes do conservadorismo religioso e como ele se reatualiza nos dias atuais, bem como o exame crítico do crescimento da bancada evangélica no Congresso.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVES, Ismael G. Bem aventurada é a serva do senhor: a construção da feminilidade das mulheres através do discurso Mariano. 2016 ESTUDIOS HISTÓRICOS – CDHRPyB- Año VIII - Julio 2016 - Nº 16 – ISSN: 1688 – 5317. Uruguay.
BÍBLIA. Traduzida por João Ferreira de Almeida. 4ª ed. São Paulo: Sociedade Bíblica do Brasil, 2009.
CISNE, Mirla. Feminismo e Consciência de Classe no Brasil. São Paulo, Ed Cortez, 2014
CISNE, Mirla. Gênero, divisão sexual do trabalho e serviço social. São Paulo: Expressão Popular, 2012. DIP, A. Os pastores na política. Disponível em: https://www.cartacapital.com.br/politica/os-pastores-do-congresso-3910.html. Acessado em novembro de 2017.
DUARTE, Luiz F. D. Ethos privado e justificação religiosa: negociações da reprodução na sociedade brasileira. In: Sexualidade, família e ethos religioso. RJ. Garamond. 2005.
FARIAS, Marcilene N. de. Feminismo e Religião: as representações sobre o feminismo na revista Servas do Senhor (1960-2000). Dourados, MS: UFGD, 2011. 186 f.
IAMAMOTO, Marilda Vilela. O serviço social na contemporaneidade: trabalho e formação profissional. São Paulo, Cortez: 1998.
KERGOAT, Danièle. Relações sociais de sexo e divisão sexual do trabalho. Publicado em “Gênero e Saúde” – org. Marta Julia Marques Lopes, Dagmar Estermann Meyer e Vera Regina Waldow. Ed. Artes Médicas – 1996.
LEMOS, Carolina T. Maternidade e devoções marianas: uma ancora na manutenção das desigualdade de gênero. In: SOUZA, Sandra Duarte de (org.) Gênero e religião no Brasil: ensaios feministas. São Bernardo do Campo: Universidade Metodista de São Paulo, 2006, p. 81-112
LOPES, Robertino. Um olhar crítico: o pensamento de Marx acerca da religião. Diversidade religiosa (Revista Discente do PPGCR – UFPB) v. 3, n. 1. 2013.
MARX, Karl. Crítica da filosofia do direito de Hegel, 1843 / Karl Marx ; tradução de Rubens Enderle e Leonardo de Deus ; [supervisão e notas Marcelo Backes]. - [2.ed revista]. - São Paulo: Boitempo, 2010.
MORENO, Raquel. As lutas feministas e a mídia. 2014. Disponível em http://www.clam.org.br/artigos-resenhas/conteudo.asp?cod=11552 Acesso: 06/05/2017.
ROSADO-NUNES, Maria José. Gênero, feminismo e religião: sobre um campo em constituição. Rio de Janeiro. Ed. Garamond, 2015.
ROSADO-NUNES, Maria José. O impacto do feminismo sobre o estudo das religiões. Cadernos Pagu (16) Campinas-SP, Núcleo de Estudos de Gênero-Pagu/Unicamp, 2001, p. 79-96.
SAFFIOTI, Heleieth I. B. Gênero, patriarcado, violência. São Paulo: Ed. Fundação Perseu Abramo, 2004.
SAFFIOTI, Heleieth I. B. Rearticulando gênero e classe social, IN: COSTA, Albertina de Oliveira e BRUSCHINI, Cristina (org). Uma Questão de Gênero. Rio de Janeiro, Rosa dos Tempos; São Paulo, Fundação Carlos Chagas, 1992.
SAFFIOTI, Heleieth Iara Bongiovani. Gênero, patriarcado, violência. São Paulo: Ed. Fundação Perseu Abramo, 2004.
SCAVONE, Lucila. Religiões, Gênero e Feminismo. Rever (PUCSP). v. 8. p. 1-8. 2008.
SOUSA, Marília de Oliveira de. A resistência das mulheres no município de Rio das Ostras contra as formas de opressão, objetificação e violência. / Marília de Oliveira de Sousa ; Paula Martins Sirelli, orientadora. Rio das Ostras: s. n., 2017.
SOUZA, Sandra Duarte de. A relação entre religião e gênero como um desafio para a sociologia da religião. In: Revista Caminhos. v. 6, n. 1.Goiânia: jan./jun. 2008.
VATICANO. Carta Encíclica Sacra Virginitas. Roma, 25 de Março de 1954.
WOLF, Naomi. O mito da beleza: Como as imagens de beleza são usadas contra as mulheres. Trad. Waldéa Barcellos. Rio de Janeiro: Rocco, 1992.

Downloads

Publicado

2020-02-17

Como Citar

MARTINS SIRELLI, P., & DE OLIVEIRA DE SOUSA, M. (2020). RELIGIÃO E A PROPAGAÇÃO DA IDEIA DE SUBMISSÃO DA MULHER. Revista Serviço Social Em Perspectiva, 1(2), 200-218. Recuperado de https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/sesoperspectiva/article/view/972