A POLÍTICA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E AS MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS EM MEIO ABERTO: AVANÇOS E DESAFIOS

  • Revista Serviço Social em Perspectiva
  • Dhianne Carlos Mota Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES
  • Luana Freitas Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES
  • Maria Fernanda Soares Fonseca Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES
Palavras-chave: Medidas socioeducativas; Ressocialização; Assistência Social.

Resumo

As medidas socioeducativas previstas e estipuladas no Estatuto da Criança e do Adolescente, são aplicadas pelo poder Judiciário para os adolescentes que cometem ato infracional e se constituem como um processo de mediação para uma possível ressocialização. Dentre as medidas previstas, o Centro de Referência Especializado de Assistência Social, que se trata de equipamento público da Política Municipal de Assistência Social, oferta o serviço de acompanhamento das medidas socioeducativas cumpridas em Meio Aberto, quais sejam, Liberdade Assistida e Prestação de serviço à Comunidade, para os adolescentes sentenciados pela prática de ato infracional. Objetivo: apresentar e analisar a atuação da equipe técnica interdisciplinar no acompanhamento das supracitadas medidas, relativamente aos eixos previstos pelo Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo, realizado no Centro de Referência Especializado de Assistência Social. Metodologia: revisões bibliográficas, análise de conteúdo, além de entrevistas com os psicólogos e assistentes sociais que compõem as equipes técnicas dos Centro de Referência Especializado de Assistência Social do município de Montes Claros - MG. Resultados: identifica-se que a Política Municipal e a aplicação das Medidas Socioeducativas em meio aberto, estão em progresso uma vez que se tem uma preocupação com a ressocialização desse público, como um avanço nessa política, contudo, percebe-se a existência de alguns desafios, no que tange a um conhecimento moderado por parte dos técnicos. Conclusão: a Política Municipal de Assistência Social demanda expansão e aperfeiçoamento no que tange especificamente ao acompanhamento de adolescentes infratores no cumprimento das medidas socioeducativas em meio aberto.

Referências

BRASIL, Departamento da Criança e do Adolescente - Secretaria de Estado dos Direitos Humanos. Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei Federal 8.069, de 13 de julho de 1990. Brasília: 2002.

BRASIL, Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente – Secretaria Especial dos Direitos Humanos. Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo – SINASE. Brasília: 2006.

BRASIL, Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome – Secretaria Nacional de Assistência Social. Política Nacional de Assistência Social. Brasília: 20091.

BRASIL, Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome – Secretaria Nacional de Assistência Social. Tipificação Nacional de Serviços Socioassistenciais. Brasília: 2014.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Referências técnicas para atuação de Psicólogas(os) nos Centros de Referência Especializado de Assistência Social - CREAS. Brasília: CFP, 2012.

CORRÊA, V. B. D.; MULLER, L. H. A. Ressocializar ou manter a ordem social: dilema dos atores envolvidos na execução e aplicação das medidas socioeducativas privadas de liberdade. 2007. 99f. Dissertação de Mestrado (Ciências Sociais). Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2007.

CRUZ, L.R.; GUARESCHI, N. O psicólogo e as políticas públicas de assistência social. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

DIGIÁCOMO, M. J. Quando o conhecimento jurídico não basta- a imprescindibilidade da intervenção técnica interdisciplinar nas causas que envolvem interesses de crianças e adolescentes. Ministério Público do Paraná. Disponível em: http://www.crianca.mppr.mp.br/arquivos/File/download/quando_conhecimento_juridico_n_basta_IV.pdf. Acesso em: 10 set. 2017.

FONTELLES, M. J. et al. Metodologia da pesquisa científica: diretrizes para a elaboração de um protocolo de pesquisa. Revista Paraense de Medicina, v. 23, n. 3, p. 1-8, 2009.

FRANCISCHINI, R.; CAMPOS, H. R. Adolescente em conflito com a lei e medidas socioeducativas: Limites e (im)possibilidades. Psico, v. 36, n. 3, p. 267-273, set./dez. 2005.

FROTA, A.M.M.C. Diferentes concepções da infância e adolescência: a importância da historicidade para sua construção. Estudos e Pesquisas em Psicologia, v.7, n. 1, p. 144-157, 2007.

GIL, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. Editora Atlas SA.

HELENO, C. T.; RIBEIRO, S. M. Criança e Adolescente: Sujeitos de Direitos. Belo Horizonte, MG: Conselho Regional de Psicologia de Minas Gerais, 2010.

MANZINI, Eduardo José. Entrevista semi-estruturada: análise de objetivos e de roteiros. Seminário internacional sobre pesquisa e estudos qualitativos, v. 2, p. 10, 2004.

MINAYO, M. C. S. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Vozes, 2010.

NASCIMENTO, C. T.; BRANCHER, V. R.; OLIVEIRA V. F. A construção social do conceito de infância: algumas interlocuções históricas e sociológicas. Contexto & Educação, v. 23, n. 79, p. 47-63, jan/jun. 2008.

SANTOS, F. M. Análise de conteúdo: A visão de Laurence Bardin. Revista Eletrônica de Educação, v. 6, n. 1, p. 383-387, 2012.

SANTOS, L. N. A psicologia na Assistência Social: convivendo com a desigualdade. 1ed. São Paulo: Cortez, 2014.
Publicado
2020-01-09