PARTILHA DE CUIDADO ENTRE FAMILIARES APÓS A HOSPITALIZAÇÃO INFANTIL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46551/rnm23173092202100102

Palavras-chave:

Criança, Cuidado da criança, Família, Criança hospitalizada, Alta hospitalar

Resumo

OBJETIVO: Conhecer os modos de partilhar o cuidado à criança entre familiares, no domicílio, após a alta hospitalar. METODOS: Estudo descritivo e exploratório, com abordagem qualitativa, referenciada na Teoria Bioecológica do Desenvolvimento Humano e na Inserção Ecológica. Participaram sete famílias que foram acompanhadas no Hospital e, após a alta, em seus domicílios. RESULTADOS: A transição hospital-casa e o seguimento do cuidado revelam potencialidades e fragilidades que transcendem a doença, com a presença de sentimentos ambivalentes, como alívio por deixar o hospital, mas, ao mesmo tempo, preocupação com recaídas e necessidade de reinternação. CONSIDERAÇÕES FINAIS: Os modos de partilhar o cuidado às crianças, após a hospitalização, ocorrem de maneira singular às necessidades da criança e de cada família, a depender do contexto domiciliar, as pessoas envolvidas, suas histórias e rotinas estabelecidas no decorrer do tempo, bem como reflexões e interpretações do processo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rita da Cruz Amorim, Universidade Estadual de Feira de Santana – UEFS, Feira de Santana, BA, BR.

Doutora em Família na Sociedade Contemporânea pela Universidade Católica do Salvador - UCSal, Salvador BA, BR. Enfermeira. Prof.ª Adjunta da Universidade Estadual de Feira de Santana – UEFS, Feira de Santana, BA, BR.

Rosely Cabral de Carvalho, Universidade Estadual de Feira de Santana – UEFS, Feira de Santana, BA, BR.

Doutora em Saúde Pública pela Universidade São Paulo. Faculdade de Saúde Pública, São Paulo, SP, BR. Enfermeira. Prof.ª Titular da Universidade Estadual de Feira de Santana – UEFS, Feira de Santana, BA, BR. 

Referências

Parikh K, Hinds PS, Teach SJ. Usando o envolvimento das partes interessadas para desenvolver uma intervenção hospitalar e centrada no paciente para melhorar as transições entre hospitais e crianças em crianças com asma. Hospital Pediatria [internet]. 2019 [citado em 03 jun 2020]; 9(6): 460-463. Disponível em: https://hosppeds.aappublications.org/content/9/6/460

Correia ET, Spigolon DN, Maran E, Costa MAR, Marcon SS, Teston EF. Assistência a recém-nascidos de alto risco: do hospital ao domicílio. Rev Rene [internet], Fortaleza, 2019 [citado em 07 jun 2020]; 20(e40191). Disponível em: www.periodicos.ufc.br/rene

Vepraskas SH, O'Day P, Zhang L, Simpson P, Gage S. Os pais apoiam a devolução, demonstração e um telefonema pós-alta para aumentar a educação sobre a alta. Hospital Pediatrics [internet]. Dez 2018 [citado em 03 jul 2020]; 8(12): 778-784. Disponível em: https://hosppeds.aappublications.org/content/8/12/778

Unaka NI, Statile A, Jerardi K, Dahale D, Liberio B, Jenkins A, et al. Melhorando a legibilidade das instruções de alta em medicina pediátrica hospitalar. J. Hosp. Med [internet]. 2017 [citado em 04 jul 2020]; 7: 551-557. Disponível em: https://www.journalofhospitalmedicine.com/jhospmed/article/141699/hospital-medicine/improving-readability-pediatric-hospital-medicine

Bronfenbrenner U. Bioecologia do Desenvolvimento Humano: tonando os seres humanos mais humanos. Porto Alegre: Artmed, 2011. 310p.

Minayo MCS, Deslandes SF, Gomes R. Pesquisa Social. Teoria, método e criatividade. 33 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2016. (Série Manuais Acadêmicos) 96p.

Bronfenbrenner U, Morris PA. The bioecological model of human development. In: Damon W, Lerner RM (Eds.). Handbook of child psychology, v.1. Theoretical models of human development. New York: John Wiley, 2006. 993-1028.

Koller SH, Morais NA, Paludo SS. Inserção ecológica: um método de estudo do desenvolvimento humano. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2016.

Brasil. Portaria GM nº 1130, de 5 de agosto de 2015. Institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União, 2015 [citado em 09 fev 2019]. Disponível em: http://bvsms.saude. gov.br/bvs/saudelegis/gm/2015/prt1130_05_08_2015.html

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos, 2012 [citado em 06 set 2018]. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/ 2012/Reso466.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 510, de 07 de abril de 2016. Dispõe sobre a pesquisa em Ciências Humanas e Sociais, 2016 [citado em 06 set 2018]. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2016/Reso510.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 580, de 22 de março de 2018. Regulamentar o disposto no item XIII.4 da Resolução CNS nº 466, de 12 de dezembro de 2012, que estabelece que as especificidades éticas das pesquisas de interesse estratégico para o Sistema Único de Saúde (SUS) serão contempladas em Resolução específica, e dá outras providências, 2018 [citado em 12 abri 2019]. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2018/Reso580.pdf

Pinto JP, Mandetta MA, Ribeiro CA. A família vivenciando o processo de recuperação da criança pós-alta hospitalar. Rev Bras Enferm [internet]. Brasília, ago 2015 [citado em 04 mar 2020]; 68(4): 594-602. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71672015000400594&lng=pt&nrm=iso

Vieira MM, Whitaker MCO. O cuidado à criança após a alta hospitalar. Revista brasileira de saúde funcional. O Cuidado À Saúde Em Diferentes Contextos [internet]. Dez 2016 [citado em 05 maio 2020]; 1(3). Disponível em: http://www.seer-adventista.com.br/ojs/index.php/RBSF/article/view/720/643

Trimmer C, Målqvist M. Comunicação clínica e satisfação dos cuidadores com os cuidados com a criança no Nepal; resultados da Pesquisa de estabelecimentos de saúde do Nepal em 2015. BMC Health Serv Res 19 [internet]. 2019 [citado em 03 jul 2020]; 17. Disponível em: https://bmchealthservres.biomedcentral.com/articles/10.1186/s12913-018-3857-4

Chagas MCV, Gomes GC, Pereira FW, Diel PKV, Farias DHR. Significado atribuído pela família ao cuidado da criança hospitalizada. Rev enferm [internet], Bogotá, abr 2017 [citado em 29 jan 2020]; 35(1): 7-18. Disponível em: http://www.scielo.org.co/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0121-45002017000100002&lng=en&nrm=iso

Solan LG, Beck AF, Brunswick AS, Sauers HS, Wade-Murphy S, Simmons JM, et al. A perspectiva da família nas transições hospitalar-domiciliar: um estudo qualitativo. Pediatrics [internet]. Dez 2015 [citado em 04 jul 2020]; 136(6) e1539-e1549. Disponível em: https://pediatrics.aappublications.org/content/136/6/e1539

Goes FGB, Cabral IE. Discursos sobre cuidados na alta de crianças com necessidades especiais de saúde. Rev Bras Enferm [internet], Brasília, fev 2017 [citado em 02 jul 2020]; 70(1): 163-171. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71672017000100163&lng=en&nrm=iso

Leyenaar JK, O'Brien ER, Leslie LK, Lindenauer PK, Mangione-Smith RM. Prioridades das famílias em relação à transição de hospital para lar de crianças com complexidade médica. Pediatrics January [internet]. 2017 [citado em 04 jul 2020]; 139(1) e20161581. Disponível em: https://pediatrics.aappublications.org/content/139/1/e20161581

Morais GSN, Costa SFG. Experiência existencial de mães de crianças hospitalizadas em Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica. Rev esc enferm [internet]. USP, São Paulo, set 2009 [citado em 06 mar 2020]; 43(3): 639-646. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342009000300020&lng=en&nrm=iso

Publicado

2021-04-06