CONFORTABILIDADE DA UNIDADE MATERNO-INFANTIL: PERSPECTIVA DE MULHERES COM DIAGNÓSTICO DE GESTAÇÃO DE ALTO-RISCO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46551/rnm23173092202090105

Palavras-chave:

Enfermagem, Maternidade, Gravidez de Alto Risco, Ambiente de Instituições de Saúde, Humanização da Assistência

Resumo

Objetivou-se identificar os aspectos ambientais relacionados a confortabilidade das mulheres com diagnóstico de gestação de alto-risco internadas em uma unidade materno-infantil. Pesquisa qualitativa de caráter exploratório e descritivo, cujas participantes foram 22 mulheres com diagnóstico de gestação de alto-risco, internadas em uma unidade materno-infantil. Os dados foram coletados por entrevista semiestruturada e, posteriormente, submetidos à análise temática proposta por Minayo. Os resultados apontam aspectos que contribuem para a confortabilidade das mulheres, tais como relacionais, estruturais, o funcionamento da unidade, bem como experiências de hospitalizações anteriores positivas. Já, os aspectos que dificultam a confortabilidade evidenciam a necessidade de reformulações na estrutura física e mobiliário para que promovam a comodidade tanto da mulher hospitalizada quanto para o acompanhante, a adequação da iluminação e da privacidade. Faz-se imperativo atentar a ambiência, qualificando os serviços, com projetos estruturais, arquitetônicos e relacionais que privilegiem a privacidade da mulher e um atendimento centrado na mulher e na família.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. Zani AV, Alvim HC. O filho prematuro de baixo peso: a maternagem hospitalizada. Rev Enferm UFPE [internet]. 2017 [citado em 17 nov 2019]; 11(4): 1727-30. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/15270/18077
2. Brasil. Ministério da Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Ambiência. Brasília: Ministério da Saúde 2010: 32.
3. Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Humanização DAPES /SAS. Oficina de Ambiência para o Parto e Nascimento. Rede Cegonha. São Paulo: Ministério da Saúde 2012.
4. Albuquerque YP, Proença, RPC, Heck, APF, Luz, CM. The ambience in a high-risk unit of a public maternity hospital: an ergonomic aproach. Arq. Catarin Med [internet]. 2016[citado em 10 jan 2020]; 45(1):65-77. Disponível em: http://www.acm.org.br/acm/seer/index.php/arquivos/article/view/63
5. Guida NFB, Lima, GPV, Pereira, ALF. O ambiente de relaxamento para humanização do cuidado ao parto hospitalar. Rev Min Enferm. 2013; 17(3); 524-30.
6. Oliveira GS, Paixão GPN, Fraga CDS, Santos MKN, Santos MA. Assistência de enfermeiros na síndrome hipertensiva gestacional em hospital de baixo risco obstétrico. Rev Cuid. 2017; 8(2):Disponível em: http://www.scielo.org.co/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S2216-09732017000201561
7. Kent RA, Cur A, Yasbek M, Heyns T, Coetzee I. The support needs of high-risk antenatal patients in prolonged hospitalisation. Midwifery. 2015; 31(1):164-169.
8. Pivatto LF, Gonçalves CGO. Noise in a rooming-in ambience: perception of users and nursing professionals. Rev. CEFAC [internet]. 2013[citado em 23 jun 2019]; 15(6): 1461-1474. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rcefac/v15n6/v15n6a09.pdf

9. Nogueira ILS. A importância do ambiente físico hospitalar no tratamento terapêutico do paciente hospitalizado. Rev Especialize On-line IPOG. 2015;1 (10).
10. SES. Secretaria Estadual de Saúde. Governo do Rio Grande do Sul. Secretaria da Saúde. Plano Estadual de Saúde 2016-2019. SES: Porto Alegre, 2016[citado em 18 mar. 2020]; Disponível em:https://www.google.com/url?client=internal-element-cse&cx=partner-pub-4357510538660394:7831812009&q=https://saude.rs.gov.br/upload/arquivos/201701/05153251-pes-2016-2019-sesrs.pdf&sa=U&ved=2ahUKEwji6ZGZrqXoAhUGmHIEHUckBwoQFjAAegQIARAB&usg=AOvVaw1jXpDNnSwzOO4d_Qi3UfA-
11. Nascimento LCN, Souza TV, Oliveira ICS, Moraes JRMM, Aguiar RCB, Silva LF. Theoretical saturation in qualitative research: an experience report in interview with schoolchildren. Rev Bras Enferm [internet]. 2018[citado em 02 nov 2019]; 71(1):228-233. Disponível em: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/biblio-898342
12. Guizzo BS, Krziminski CO, Oliveira DLLC. O software QSR Nvivo 2.0 na análise qualitativa dos dados: ferramenta para a pesquisa em ciências humanas e da saúde. Rev Gaúcha Enferm. 2003;24 (1): 53-60.
13. Minayo, MCS. O desafio do conhecimento: Pesquisa Qualitativa em Saúde. São Paulo: Hucitec, 2013.
14. Jardim MJA, Silva AA, Fonseca LMB. Contribuições do enfermeiro para o empoderamento da gestante no processo de parturição natural. Universidade Federal do Maranhão [internet], 2017[citado em 24 nov 2019]. Disponível em: http://www.joinpp.ufma.br/jornadas/joinpp2017/pdfs/eixo7/contribuicoesdoenfermeiroparaoempoderamentodagestantenoprocessodeparturicaonatural.pdf
15. Jardim MJA, Silva AAA, Fonseca LMB. Contribuciones de Enfermería Prenatal para Conquista de Habilitación de la Embarazada. J Rev Fundam Care Online [internet]. 2019 [citada em 23 nov 2019]; 11(2):432-440. Disponível em: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/biblio-969671
16. Silva CN. Ergonomia aplicada na qualificação da ambiência do espaço de nascer. Revista Sustinere. 2018; 6 (1):150-174.
17. Jenkinson B, Jonsey N, Kruske S. BirthSpace: an evidence-based guide to birth environment design. The University of Queensland[internet]. 2014[citado em 24 nov 2019]. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/278328878_BirthSpace_An_evidence-based_guide_to_birth_environment_design
18. Brasil. Secretaria de Políticas para as Mulheres. Monitoramento e Acompanhamento da Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM) e do Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. Brasília: Ministério da Saúde, 2016.
19. Brasil. Ministério da Saúde. Diretrizes nacionais de assistência ao parto normal: versão resumida. Brasília: Ministério da Saúde, P. 51, 2017.
20. Ribeiro, J. P. A ambiência como ferramenta de humanização da unidade de pediatria: contribuições da enfermagem. Universidade Federal de Rio Grande [internet]. 2015[citado em 23 jun 2019]. Disponível em: https://ppgenf.furg.br/images/02_Teses/2015/juliane-Ribeiro.pdf

Publicado

2020-05-06

Edição

Seção

Artigos Originais