AS PERSPECTIVAS DOS ACADÊMICOS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA QUANTO A SUA COMPETÊNCIA PROFISSIONAL PARA ATUAR NO ENSINO BÁSICO

Autores

  • Kissia Soares Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES
  • Vinícius Dias Rodrigues Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES
  • Daniel Moraes Pimentel Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES
  • Eric Hudson Evangelista e Souza UNIFIPMoc - Centro Universitário FIPMoc

DOI:

https://doi.org/10.35258/rn2017071000007

Palavras-chave:

Educação Física; Educação Básica; Formação Acadêmica.

Resumo

Ao final da graduação o profissional de Educação Física deve estar qualificado, e sentir-se preparado para trabalhar os conteúdos da disciplina com os alunos dentro das escolas. O objetivo desse estudo é averiguar a perspectiva dos acadêmicos do curso de Educação Física quanto a sua qualificação acadêmica para atuar no ensino básico. Esse estudo caracteriza-se como qualitativo e foram utilizados dois grupos focais, composto por seis perguntas. A população foi constituída pelos acadêmicos do 8o período da Universidade Estadual de Montes Claros-MG do curso de Educação Física Licenciatura no campus de Montes Claros. Participaram da amostra dezenove acadêmicos do curso de Educação Física Licenciatura da Unimontes matriculados no oitavo período nos turnos diurno e noturno. A partir das questões do grupo focal e dos discursos dos acadêmicos foram desveladas as seguintes categorias: A Educação Física nas fases da Educação Básica; A transmissão do conhecimento docente para formação discente; Contribuição dos projetos de ensino, pesquisa e extensão na formação profissional; Proatividade na formação docente. A partir das análises dessas categorias foi possível perceber que o acadêmico de Educação Física possui competências profissionais para atuar no Ensino Infantil e Fundamental, mas não está preparado pra atuar com qualidade no Ensino Médio. Esse despreparo provavelmente se dá por defasagens em sua formação causada pela falta de interesse e comprometimento do mesmo e de alguns professores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kissia Soares Santos, Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES

Licenciada em Educação Física - UNIMONTES/MG.

Vinícius Dias Rodrigues, Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES

Mestre em Ciências da Saúde - UNIMONTES/MG.

Daniel Moraes Pimentel, Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES

3Graduando em Educação Física Licenciatura - UNIMONTES/MG.

Eric Hudson Evangelista e Souza, UNIFIPMoc - Centro Universitário FIPMoc

Pós Graduado em Docência do Ensino Superior - FIPMOC/MG

Referências

ALMEIDA et. al. As práticas de desinvestimento pedagógico na educação física escolar. Movimento, Porto Alegre, v. 16, n. 02, p. 129-147, abril/junho de 2010. BARBOSA, Eduardo F. Instrumentos de coleta de dados em pesquisas educacionais. Educativa, out, 1998.

BETTI, Mauro; ZULIANI, Luiz Roberto. Educação física escolar: uma proposta de diretrizes pedagógicas. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte, v. 1, n. 1, 2009.

BOLZAN, Doris Pires Vargas; ISAIA, Silvia Maria de Aguiar; MACIEL, AM da R. Formação de professores: a construção da docência e da atividade pedagógica na Educação Superior. Rev. Diálogo Educ., Curitiba, v. 13, n. 38, p. 49-68, 2013.

BRASIL. Lei de diretrizes e bases da educação nacional. Conselho de Reitores das Universidades Brasileiras, 1997. Disponível em:

. Acesso em: 16 Abr. 2017.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação: Lei no 9.394/96 - 24 de dez. 1996. 22 Volume 7, Número 10, 2017 ISSN: 2526-8007

Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 2014. Disponível em: . Acesso em: 16 Abr. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial curricular nacional para a educação infantil / Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria de Educação Fundamental. — Brasília: MEC/SEF, 1998 a. Disponível em: . Acesso em: 16 Abr. 2017.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: Educação Física / Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC /SEF, 114 p. 1998. Disponível em: . Acesso

em: 16 Abr. 2017.

BURGER, L. C.; KRUG, H. N. Educação Física Escolar: Um olhar para a Educação infantil. Revista Digital Buenos Aires, v.13, n.130, 2009.

CHIAVENATO, Idalberto. Os novos paradigmas: como as mudanças estão mexendo com as empresas/ Idalberto Chiavenato. 5.ed.rev. e atual.- Barueri, SP: Manoel,2008.

CONFEF - Conselho Federal de Educação Física. Resolução CONFEF no 046/2002.Rio de Janeiro: CONFEF, 2002. Disponível em:

. Acesso em: 16 Abr. 2017.

DE LIMA, Andreza Maria; MACHADO, Laêda Bezerra. O “bom aluno” nas representações sociais de professoras: o impacto da dimensão familiar. Revista Psicologia & Sociedade, v. 24, n. 1, 2012.

SANTOS, Acácia Aparecida Angeli dos; MOGNON, Jocemara Ferreira; LIMA, Thatiana Helena de; CUNHA, Neide Brito. A relação entre vida acadêmica e a motivação para aprender em universitários. Psicologia Escolar e Educacional, v. 15, n. 2, p. 283-290, 2011. Disponível em: . Acesso em: 15 Mar. 2018.

RIBEIRO, Kátia Suely Queiroz Silva. A contribuição da extensão comunitária para a formação acadêmica em fisioterapia. Fisioterapia e pesquisa, v. 12, n. 3, p. 22-29, 2005.

GALVÃO, Zenaide. Educação física escolar: a prática do bom professor. Revista Mackenzie de educação física e esporte, v. 1, n. 1, 2009.

GATTI, B. A. Os professores e sua identidade: o desvelamento da heterogeneidade. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 25, n. 57, 2014.

GONZÁLEZ, Fernando Jaime; FENSTERSEIFER, Paulo Evaldo. Entre o “não mais” e o “ainda não”: pensando saídas do não lugar da EF escolar II. Cadernos de formação RBCE, v. 1, n. 2, 2010.

LOVISOLO, Hugo. Hegemonia e legitimidade nas ciências dos esportes. Motus Corporis: Revista de Divulgação Científica do Mestrado e Doutorado em Educação Física. v. 3, n. 2, p. 52, dez. 1996.

MASCHIO, Vanderléia. SILVA, Alexandra Rosa. BASEI, Andréia Paula. ILHA, Franciele Roos da Silva. KRUG, Hugo Norberto. Pesquisa, ensino e extensão na formação inicial dos professores de Educação Física: contribuições ao desenvolvimento Volume 7, Número 10, 2017 ISSN: 2526-8007

profissional. Seminário Internacional de Educação (SIEDUCA), XIII, p. 01-09, 2008.

MINAS GERAIS- Secretaria de Estado de Educação. CBC Educação Física - Ensino fundamental (2014).

MINAYO, Maria Cecília de Souza (org.). Pesquisa Social. Teoria, método e criatividade. 18 ed. Petrópolis: Vozes, 2001. NÓVOA, Antônio. A formação de professores e profissão docente. Os professores e sua formação docente. Lisboa: Dom Quixote, 1992.

PEREIRA, Mario de Moura; MOULIN, Alexandre Fachetti Vaillant. Educação Física para o Profissional Provisionado. Brasília: CREF7, 2006.

PIMENTA, Selma Garrido; ANASTASIOU, Léa das Graças Camargos; CAVALLET, Valdo José. Docência no Ensino Superior: construir caminhos. In: BARBOSA, Raquel Lazzari Leite (org.). Formação de educadores: desafios e perspectivas. São Paulo: Ed.UNESP.2003.

SARTORI, J. Formação de professores: conexões entre saberes da universidade e fazeres na educação básica. In: Anais do II Encontro Institucional do PIBID UFRGS/Porto Alegre, 01 e 02 de março de 2011.

SILVA, Mauro Sérgio; BRACHT, Valter. Na pista de práticas e professores inovadores na educação física escolar. Kinesis, v. 30, n. 1, 2012.

VEIGA, Ilma Passos Alencastro. Docência universitária na educação superior. Docência na Educação Superior. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Anísio Teixeira, 2006.

Downloads

Publicado

2020-01-24

Como Citar

SOARES SANTOS, K. .; DIAS RODRIGUES, V. .; MORAES PIMENTEL, D. .; EVANGELISTA E SOUZA, E. H. . AS PERSPECTIVAS DOS ACADÊMICOS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA QUANTO A SUA COMPETÊNCIA PROFISSIONAL PARA ATUAR NO ENSINO BÁSICO. RENEF, [S. l.], v. 7, n. 10, p. 10–24, 2020. DOI: 10.35258/rn2017071000007. Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/renef/article/view/603. Acesso em: 2 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>