PROMOÇÃO DE ESTILO DE VIDA ATIVO E SAUDÁVEL NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

Autores

  • Regiane dos Santos Marinho de Andrade Universidade Estadual de Montes Claros
  • Josária Ferraz Amaral Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES

Palavras-chave:

Obesidade infantil, crianças, Adolescentes, sobrepeso, Âmbito escolar

Resumo

A obesidade é um risco a saúde, atualmente a mesma é tratada como uma epidemia e por isso que a OMS relata que é um caso de saúde pública. Investigar em produções científicas referentes ao tema “Promoção de estilo de vida ativo e saudável nas aulas de educação física escolar” em artigos publicados em revistas brasileiras e inglesa. Os critérios de inclusão foram artigos em português e publicados no período de 2010 a 2021, sendo inseridos artigos originais, estudos transversais, estudos ecológicos e coorte. Contudo, os de exclusão foram artigos relacionados a animais ou adultos, de revisão bibliográfica, monografias, estudos de caso e estudo experimentais ou que trabalhou outras doenças de base que levam a obesidade. Diante disto, o estudo realizado foi através de uma revisão literária sistemática. Analisou-se um quantitativo de 09 artigos relacionados a aspectos nutricionais e hábitos alimentares de crianças com obesidade e a obesidade infantil como problema de saúde pública. Onde foi observado que grande parte dos autores trata a obesidade como uma epidemia, tornando-se um caso de saúde pública, que requer cuidado maior, por se tratar de uma doença que traz muitos malefícios a saúde da criança e que pode perdurar até a vida adulta prejudicando a qualidade de vida.  Evidenciou-se que todos os estudos tratam a obesidade infantil com um assunto alarmante e prejudicial a vida da criança, que na fase escolar é um dos índices mais altos de aumento de peso, devido ao consumo desenfreado de ultra processados e açúcares, que a família é a base de melhoria dos hábitos alimentares e que a atividade física e alimentação saudável faz toda a diferença para diminuir o índice de obesidade infantil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Abrantes, M. M., Lamounier J. A., Colosimo, E. A. Prevalência de sobrepeso e obesidade nas regiões nordeste e sudeste do Brasil. Revista da associação médica brasileira, 49(2), 162-166.

Ades, L. & Kerbauy, R. R. (2002). Obesidade: realidade e indagações. Psicologia USP, 13(1), 197-216.

ALMEIDA, S. S. O cotidiano da merenda escolar: análise da experiência em uma escola da Rede Pública Estadual de Ensino do município de Vitória de Santo Antão/PE. 2014. Dissertação (Mestrado em Saúde Humana e Meio Ambiente) - Centro Acadêmico de Vitória, Universidade Federal de Pernambuco, Vitória de Santo Antão, 2014. Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2021.

ANJOS. L.A.; SILVERIA, W.D.B. Estado nutricional dos alunos da Rede Nacional de Ensino de Educação Infantil e Fundamental do Serviço Social do Comércio (Sesc), Brasil, 2012. Ciência & Saúde Coletiva, 22(5):1725-1734, 2017.

ARAÚJO A. L.; FERREIRA, V. A.; NEUMANN, D.; MIRANDA, L. S.; PIRES, I. S. C. O impacto da educação alimentar e nutricional na prevenção do excesso de peso em escolares: uma revisão bibliográfica. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento, São Paulo. v.11. n.62. p.94-10. Mar./Abril. 2017.

BATISTA, M.S.A.; MONDINI, L.; JAIME, P.C. Ações do Programa Saúde na Escola e da alimentação escolar na prevenção do excesso de peso infantil: experiência no município de Itapevi, São Paulo, Brasil, 2014.

BRASIL. Resolução nº 4 de abril de 2015, Dispõe a alteração da redação dos artigos 25 a 32 da Resolução/CD/FNDE nº 26, de 17 de junho de 2013, no âmbito do Programa Nacional de 41 Alimentação Escolar (PNAE). Ministério da Educação. Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Conselho Deliberativo do Brasil.

Brasília, DF, 10 de nov.2021.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Marco de referência de educação alimentar e nutricional para políticas públicas. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, 2012.

BERNARDO F.M.S., ROUBERTE E.S.C., LEAL F.K.F., MEIRÚ M.I.L., FERREIRA J.D.F.F., FERREIRA, D.S. Educação em saúde para aspectos nutricionais como forma de prevenir alterações cardiovasculares: relato de experiência. Rev. enferm UFPE on line 2007; 11(2):765-777.

BURGEMEISTER, A. A criança como um agente multiplicador. 2017. 12f. Trabalho de Graduação em Pedagogia. Faculdade de Conchas - FACON. Ubatuba, 2017.

CAISAN. Câmara Interministerial de Segurança Alimentar e Nutricional. Estratégia Inter setorial de Prevenção e Controle da Obesidade: recomendações para estados e municípios. Brasília. 2014.

CANUTO, L. T. O conceito de infância em artigos brasileiros de Psicologia. 2017. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-graduação em Psicologia, Instituto de Psicologia, Universidade Federal de Alagoas, Maceió/AL 2017.

CARVALHO E.A.A., SIMÃO M.T.J., FONSECA M.C., ANDRADE R.G.; FERREIRA M.S.G., SILVA A.F., et al. Obesidade: aspectos epidemiológicos e prevenção. Rev. Med Minas Gerais. 2013; 23(1): 74-82.

COSTA; R. O. et al. Efeito do excesso de peso sobre parâmetros espirométricos de adolescentes submetidos ao exercício. Revista Einstein. v. 14, n. 2, 2016.

CRUZ, S.H.; PICCININI, C.A.; MATIJASEVICH, A.; SANTOS, I.S. Problemas de comportamento e excesso de peso em pré-escolares do sul do Brasil. J Bras Psiquiatr. 2017

ENES, C.C; SLATER, B. Obesidade na adolescência e seus principais determinantes. Revista Brasileira Epidemiologia, São Paulo, v. 13, n.1, p. 163171, 2010. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1415-790X2010000100015 Acesso em: 03 mar. 2019.

ESKENAZI, E.M.S.; COLETTO, Y.C.; AGOSTINI, L.T.P.; FONSECA, F.L.A.; CASTELO, P.M. Fatores Socioeconômicos Associados à Obesidade Infantil em Escolares do Município de Carapicuíba (SP, Brasil). R bras ci Saúde 22(3):247-254, 2018.

FECHINE, A.D.L.; MACHADO, M.M.T.; LINDSAY, A.C.; CARDOSO, M.A.; BEZERRA, J.A.B.; ARRUDA, C.A.M. Sobrepeso e obesidade infantil: conhecimentos e percepções dos professores de creches públicas. Revista Baiana de Saúde Pública, v. 41, n. 1, p. 158-176, jan./mar. 2017.

GALVÃO TF; ANDRADE TS; HARRAD D. Principais itens para relatar revisões sistemáticas e meta-análises: A recomendação PRISMA. Epidemiol e Serviços Saúde. jun. 2015.

HENRIQUES, P.; O’DWYER, G.; DIAS, P.C.; BARBOSA, R.M.S.; BURLANDY, L. Políticas de Saúde e de Segurança Alimentar e Nutricional: desafios para o controle da obesidade infantil. Ciência & Saúde Coletiva, 23(12):4143-4152, 2018.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Disponível em: www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/noticia_visualiza.php?id_noticia=1699&id _pagina=1.

JAIME, P.C.; PRADO, R.R.; MALTA, D.C. Influência familiar no consumo de bebidas açucaradas em crianças menores de dois anos. Rev Saúde Publica. 2017.

LIMA VERDE, S.M.M. Obesidade infantil: o problema de saúde pública do século 21. Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza, 27(1): 1-2, jan./mar., 2014.

LINHARES, F. M. M. et al. Obesidade infantil: influência dos pais sobre a alimentação e estilo de vida dos filhos. Temas em Saúde, v. 16, n. 2, p. 460-481, 2016.

MATSUDO, V.K.R.; FERRARI, G.L.M.; ARAÚJO, T.L.; OLIVEIRA, L.C.; MIRE, E.; BARREIRA, T.V.; TUDOR-LOCKE, C.; KATZMARZYK, PETER. Indicadores de nível socioeconômico, atividade física e sobrepeso/obesidade em crianças brasileiras. Rev Paul Pediatr. 2016;34(2):162---170.

MIRANDA, J.M.Q.; PALMEIRA, M.V.; POLITO, L.F.T.; BRANDÃO, M.R.F.; BOCALII, D.S.; FIGUEIRA JÚNIOR, A.J.; PONCIANO, K.; WICHI, R.B. Prevalência de sobrepeso e obesidade infantil em instituições de ensino: públicas vs. privadas. Rev Bras Med Esporte – Vol. 21, No 2 – Mar/Abr, 2015.

OLIVEIRA, L.C.; FERRARI, G.L.M.; ARAÚJO, T.L.; MATSUDO, V. Excesso de peso, obesidade, passos e atividade física de moderada a vigorosa em crianças. Rev Saúde Pública 2017; 51:38. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v51/pt_0034- 8910rsp-S1518-87872017051006771.pdf. Acesso em:31 de out. de 2021.

PAIVA, A.C.T.; COUTO, C.C.; MASSON, A.P.L.; MONTEIRO, C.A.S.; FREITAS, C.F. Obesidade Infantil: análises antropométricas, bioquímicas, alimentares e estilo de vida. Rev Cuid 2018; 9(3): 2387-99.

PASSOS, D.R.; GIGANTE, D.P.; MACIEL, F.V.; MATIJASEVICH, A. Comportamento alimentar infantil: comparação entre crianças sem e com excesso de peso em uma escola do município de Pelotas, RS. Rev Paul Pediatr. 2015.

Porto, M. C. V., Brito, I. C., Calfa, A. D. F., Villela, N. B. & Araújo, L. M. B. (2002). Arquivos Brasileiros de Endocrinologia e Metabologia, 46(6), 668-673.

ROCHA, M. et al. Aspectos psicossociais da obesidade na infância e adolescência. Psicologia, Saúde & Doenças, v. 18, n. 3, p. 713-723, 2017.

SOUZA, L. M. O. et al. Prevalência de sobrepeso e obesidade em escolares de 7 a 10 anos e seus determinantes associados. Saúde e Desenvolvimento humano, v. 8, n. 2, 2020.

WARKENTIN, S.; MAIS, L.A.; LATORRE, M.R.D.O.; CARNELL, S.; TADDEI, J.A.A.C. Fatores associados à subestimação do status do peso da criança pelos pais. J Pediatr (Rio J). 2018.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Global Status Report on noncommunicable diseases 2014. Disponível em: http://www.who.int/nmh/publications/ncd-status-report-2014/en/. Acesso em: 10 nov. 2021.

YANG et al. Technology enhanced game-based team learning for improving in take of food groups and nutritional elements. Comput Educ, v.88, p.143-159, 2015.

Publicado

2022-12-07

Como Citar

MARINHO DE ANDRADE, R. dos S.; FERRAZ AMARAL , J. PROMOÇÃO DE ESTILO DE VIDA ATIVO E SAUDÁVEL NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR . RENEF, [S. l.], v. 5, n. 7, p. 79–93, 2022. Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/renef/article/view/5345. Acesso em: 29 jan. 2023.