Space as substance and substrate of action in networked social mobilizations

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46551/rc24482692202323

Palavras-chave:

Social mobilization, Space, Network, Agency, Insurgency

Resumo

This work discusses the constitution of social mobilizations in a network, highlighted as a phenomenon of extensive and ostensible debate due to its recency and particularity. Its emergence is reflected from its reproduction in space, characterizing spatialities of insurgency and urbanity, insofar as its sociopolitical content is detonated. Through a bibliographic review, the enunciation of space is articulated as a consubstantial object to the insurgency, being support, language and tool simultaneously.



Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gustavo Souza Santos, State University of Montes Claros – UNIMONTES, Montes Claros (MG), Brasil

He holds a Bachelor's degree in Social Communication - Advertising and Public Relations from FIPMoc University Center (UNIFIPMoc), a Master's degree in Geography, and a Ph.D. in Social Development from the State University of Montes Claros (UNIMONTES). Currently, he is a professor at the faculties of Social Communication and Architecture and Urbanism at FIPMoc University Center (UNIFIPMoc).

Endereço: Av. Rui Braga, s/n, Vila Mauriceia, Montes Claros, MG, Brazil, CEP: 39.401-089.

Referências

ADORNO, T. W. Primeira versão. Teoria da Semicultura. Porto Velho, 2005.

AGIER, M. Antropologia da cidade: lugares, situações, movimentos. São Paulo: Terceiro Nome, 2011.

ALONSO, A. As teorias dos movimentos sociais: um balanço do debate. Lua Nova, São Paulo, n. 46, p. 49-86, 2009.

BARBOSA, R. F. Aganaktismeni: o movimento grego entre razão e emoção. Revista Sinais, Vitória, v. 2, n. 20, p. 133-147, jul./dez. 2016.

BARKER, C. “O movimento como um todo“: ondas e crises. Revista Outubro, [S./l.], n. 22, p. 5-34, jul./dez., 2014.

BRAGA, J. L. Uma conversa sobre dispositivos. Belo Horizonte: PPGCOM/UFMG, 2020.

BRANDÃO, C. R. A vida reinventada: movimentos sociais e movimentos ambientalistas. In: PESSOA, J. M. (Org). Saberes de nós: ensaios de educação e movimentos sociais. Goiânia: UCG, 2004. p. 43-120.

CALHOUN, C. Occupy wall street in perspective. British Journal of Sociology, [S./l.], v. 64, n. 1, p. 26-38, 2013.

CANCLINI, N. G. Consumidores e cidadãos. 6. ed. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2006.

CARVALHO, J. M. Cidadania na encruzilhada. In: BIGNOTTO, N. (Org.). Pensar a república. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2000. p. 105-130.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. 7. ed. São Paulo: Paz & Terra, 2003.

CASTELLS, M. O poder da comunicação. São Paulo: Paz & Terra, 2006.

CASTELLS, M. Redes de indignação e esperança: movimentos sociais na era da internet. Tradução de Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano: artes de fazer. 22. ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

COSTA, A. M. A. D. C. Resgatar a democracia? A emergência e declínio de novas redes de ativismo nos protestos anti-austeritários em Portugal. 2018. 344 f. Tese (Doutorado em Antropologia) - Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, 2018.

DIAS, L. C. Redes: emergência e organização. In: CASTRO, I. E.; GOMES, P. C. C.; CORRÊA, R. L. (org.). Geografia: conceitos e temas. 3 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

FERNANDEZ-PLANELLS, A.; PAMPOLS, C. F.; FIGUEROAS-MAZ, M. 15-M In Spain: Differences and Similarities in Communication Practices with Previous Social Movements. Ultima decada, Santiago , v. 21, n. 39, p. 115-138, dez. 2013.

GOHN, M. G. Manifestações e protestos no Brasil: correntes e contracorrentes na atualidade. São Paulo: Cortez, 2018.

GOHN, M. G. Movimentos sociais e redes de mobilizações civis no Brasil contemporâneo. Petrópolis: Vozes, 2010.

GOHN, M. G. Movimentos sociais na contemporaneidade. Revista Brasileira de Educação, [S./l.], v. 16, n. 47, p. 333-361, maio/ago. 2011a.

GOHN, M. G. Teorias dos movimentos sociais. Paradigmas clássicos e contemporâneos. 9. ed. São Paulo: Loyola, 2011b.

HABERMAS, J. New social movements. Telos, New York, n. 49, p. 33-37, 1981.

HOLSTON, J. Cidadania Insurgente: disjunções da democracia e da modernidade no Brasil.São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

JASPER, J. M. Protesto: uma introdução aos movimentos sociais. Rio de Janeiro: Zahar, 2016.

LATOUR, B. Reagregando o social. Uma introdução à Teoria Ator-Rede. Tradução de Gilson César Cardoso de Sousa. Salvador: Edufba, 2012; Bauru: Edusc, 2012.

LATOUR, B. Jamais fomos modernos. Tradução de Carlos Irineu da Costa. São Paulo: Editora 34, 2013.

LÉVY, P. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 2000.

LÉVY, P. Ciberdemocracia. São Paulo: Instituto Piaget, 2002.

MARTÍN-BARBERO, J. Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia. 2. ed. Tradução de Ronald Polito e Sérgio Alcides. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2001.

MARTINS, J. S. Sujeito multidão. O Estado de S.Paulo, São Paulo, 22 mar. 2015. Aliás, p. E3.

OLSON, M. A lógica da ação coletiva. São Paulo: Edusp, 1999.

RICCI, R. D. Movimentos e mobilizações sociais no Brasil: de 2013 aos dias atuais. Saúde Debate, Rio de Janeiro, v. 42, n. esp., p. 90-107, nov. 2018.

RIESMAN, D. A multidão solitária. São Paulo: Perspectiva, 1995.

SANTOS, G. S. Mobilizações em rede, territorialidades episódicas e identidades flutuantes: reflexões sobre o movimento #EleNão. In: CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES, 8, 2019. Anais. Maceió: ANINTER-SH, 2019.

SANTOS, G. S. Reflexões sobre mobilizações sociais em rede na contemporaneidade: novos exercícios de agência e cidadania. Tecnologia e Sociedade, Curitiba, v. 1, n. 23, p. 202-226, out./dez. 2020a.

SANTOS, G. S. #Vemprarua: jornadas de um espaço em rede. Revista Cerrados, Montes Claros, v. 17, n. 01, p. 240-255, fev. 2020b.

SANTOS, G. S. #Vemprarua: territorialidades de insurgência e ativismos on-line/off-line nas Jornadas de Junho de 2013 no Brasil. 2017. 178f. Dissertação (Mestrado em Geografia), Programa de Pós-graduação em Geografia, Universidade Estadual de Montes Claros, Montes Claros, 2017.

SCHERER-WARREN, I. Das mobilizações às redes de movimentos sociais. Sociedade e Estado, Brasília , v. 21, n. 1, p. 109-130, abr. 2006.

SOUZA, M. L. Os conceitos fundamentais da pesquisa sócio-espacial. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2013.

TARROW, S. O poder em movimento: movimentos sociais e confronto político. Tradução de Ana Maria Sallum. Petrópolis: Vozes, 2009.

TILLY, C. From mobilization to revolution. Michigan: Newberry Award Records, 1978.

Publicado

2023-09-25

Como Citar

SANTOS, G. S. Space as substance and substrate of action in networked social mobilizations. Revista Cerrados, [S. l.], v. 21, n. 02, p. 158–181, 2023. DOI: 10.46551/rc24482692202323. Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/cerrados/article/view/6618. Acesso em: 21 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Categorias