ESTADO DE CONSERVAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DE NASCENTES DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO JAURU/MT-BRASIL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22238/rc24482692202018010322

Palavras-chave:

Geotecnologias, Pantanal, Conservação Ambiental

Resumo

O objetivo deste estudo é avaliar o estado de conservação das Áreas de Preservação Permanentes (APPs) de nascentes da bacia hidrográfica do rio Jauru (BHRJ), no Estado brasileiro de Mato Grosso. Para tanto, foram utilizadas ferramentas geotecnologicas para identificação das nascentes e delimitação de suas APPs, conforme os dispostos da Lei 12.651/2012. A mensuração do estado ambiental de conservação da paisagem foi realizada por meio da aplicação do Índice de Transformação Antrópica (ITA). No período de três décadas (1986-2016), foi identificado na BHRJ um constante processo de supressão vegetal, tendo um decréscimo de 90%, em decorrência do desmate para o desenvolvimento da implantação da pecuária, principal atividade econômica dos municípios que compõem a bacia. O ITA evidenciou que sete das nove sub-unidades hidrográficas estão em estado degradado. A bacia do rio Jauru apresentou desmatamento crescente durante o período analisado, incluindo suas APPs. Diante disso, a necessidade de planejamento do uso da terra na bacia é de extrema importância ambiental, visto sua contribuição hídrica ao bioma Pantanal.

Palavras-chave: Geotecnologias. Pantanal. Conservação ambiental.

 

CONSERVATION STATUS OF THE AREAS OF PERMANENT PRESERVATION OF SPRINGS OF THE JAURU RIVER BASIN/MT-BRAZIL

 ABSTRACT

The aim of this study is to evaluate the conservation status of permanent preservation areas (APPs) of springs of the Jauru River river basin (BHRJ), in the Brazilian State of Mato Grosso. For this, geotechnological tools were used to identify the springs and delimit their APPs, according to those in law 12.651/2012. The measurement of the environmental state of conservation of the landscape was performed through the application of the Anthropic Transformation Index (ITA). In the period of three decades (1986-2016), a constant process of plant suppression was identified in BHRJ, with a decrease of 90%, due to the decrease in the development of livestock activity, the main economic activity of the municipalities that make up the basin. The ITA showed that seven of the nine hydrographic subunits are in a degraded state. The Jauru River basin showed increasing deforestation during the analyzed period, including its APPs. Therefore, the need to plan land use in the basin is extremely environmentally important, given its water contribution to the Pantanal biome.

 Keywords: Geotechnologies. Pantanal. Environmental conservation. 

 

ESTADO DE CONSERVACIÓN DE LAS ZONAS DE PRESERVACIÓN PERMANENTES DE LOS MANANTIALES DE LA CUENCA DEL RÍO JAURU/MT-BRASIL

RESUMEN

El objetivo de este estudio es evaluar el estado de conservación de las áreas de conservación permanente (APP) de los manantiales de la cuenca del río Jauru (BHRJ), en el estado brasileño de Mato Grosso. Para ello, se utilizaron herramientas geotecnológicas para identificar los manantiales y delimitar sus APPs, de acuerdo con las de la ley 12.651/2012. La medición del estado ambiental de conservación del paisaje se realizó mediante la aplicación del índice de transformación antrópico (ITA). En el período de tres décadas (1986-2016), se identificó un proceso constante de supresión de plantas en BHRJ, con una disminución del 90%, debido a la disminución en el desarrollo de la actividad ganadera, la principal actividad económica de los municipios que componen la cuenca. El ITA mostró que siete de las nueve subunidades hidrográficas se encuentran en un estado degradado. La cuenca del río Jauru mostró una creciente deforestación durante el período analizado, incluyendo sus APPs. Por lo tanto, la necesidad de planificar el uso de la tierra en la cuenca es extremadamente importante para el medio ambiente, dada su contribución al agua al bioma del Pantanal.

 Palabras-clave: Geotecnologías. Pantanal. Conservación ambiental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gessica de Jesus Oliveira Silva, Universidade do Estado de Mato Grosso - UNEMAT, Cuiabá, Mato Grosso, Brasil.

Possui Graduação e Mestrado em Geografia, ambos cursados na Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT).

Sandra Mara Alves da Silva Neves, Universidade do Estado de Mato Grosso - UNEMAT, Cuiabá, Mato Grosso, Brasil.

Possui graduação em Geografia pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Mestrado em Geografia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP) e Doutorado em Ciências (Geografia) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e estágios de pós-doutorado em Geografia na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e em Ecologia de Paisagem na Universidad Complutense de Madrid (UCM). Atualmente é professora adjunta do curso de Geografia da Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT) e docente permanente nos Programas de pós-graduação em Ambiente e Sistemas de Produção Agrícola e Geografia da mesma instituição.

Alexander Webber Perlandim Ramos, Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil.

Possui graduação em Geografia e Mestrado em Ambiente e Sistemas de Produção Agrícola, ambos cursados na Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT). Atualmente é doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Miriam Raquel da Silva Miranda, Universidade do Estado de Mato Grosso - UNEMAT, Cuiabá, Mato Grosso, Brasil.

Possui Graduação em Geografia e Mestrado em Ambiente e Sistemas de Produção Agrícola, ambos cursados na Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT). Atualmente é professora assistente do curso Geografia da Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT).

Referências

ALVES, G. M. R.; FERREIRA, M. F. M. Uso do solo em Áreas de Preservação Permanente (APP) na bacia do córrego do Pântano, município de Alfenas-MG. Revista de Geografia – PPGEO – UFJF, Juiz de Fora/MG, v. 6, n. 4, p. 329-337, 2016.

BACANI, V. M; SAKAMOTO, A. Y.; LUCHIARI, A.; QUÉNOL, H. Sensoriamento remoto e SIG aplicados à avaliação da fragilidade ambiental de bacia hidrográfica. MERCATOR, Fortaleza, v. 14, n. 2, p. 119-135, 2015.

BARROS, C. A. O uso agropecuário e sua implicação na paisagem da bacia hidrográfica do Rio Jauru, Mato Grosso – Brasil. 2018. 42 f. Dissertação (Mestrado Interdisciplinar em Ambiente e Sistemas de Produção Agrícola) – Universidade do Estado de Mato Grosso, Tangará da Serra/MT, 2018.

BORGES, L. A. C.; REZENDE, J. L. P.; PEREIRA, J. A. A.; JUNIOR, L. M. C.; BARROS, D. A. Áreas de preservação permanente na legislação ambiental brasileira. Ciência Rural, Santa Maria/RS, v. 41, n. 7, p. 1202-1210, 2011.

BRASIL. Lei Federal n.º 12.651, de 25 de maio de 2012. Dispõem sobre a proteção da vegetação nativa e de outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2012/Lei/L12651.htm>. Acesso em: 26 de setembro de 2017.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente - MMA. Projeto Probio. Avaliação e ações para a conservação da biodiversidade nos biomas Cerrado e Pantanal, 1999. Disponível em: <https://www.mma.gov.br/biodiversidade/projetos-sobre-a-biodiveridade/item/486-probio.html>. Acesso em: 20 de setembro de 2017.

CÂMARA, G.; SOUZA, R. C. M.; FREITAS, U. M.; GARRIDO, J. Spring: Integrating remote sensing and gis by object-oriented data modelling. Computers & Graphics, England/UK, v. 20, n. 3, p. 395-403, 1996.

CALHEIROS, R. O.; TABAI, F. C. V.; BOSQUILIA, S. V.; CALAMARI, M. Preservação e recuperação das nascentes de água e vida. Piracicaba/SP: Comitê das Bacias Hidrográficas dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí – CTRN, 2004. 40 p.

CRUZ, C. B. M.; TEIXEIRA, A. J. A.; BARROS, R. S.; ARGENTO, M. S. F.; MAYR, L. M.; MENEZES, P. M. L. Carga Antrópica da Bacia Hidrográfica da Baía de Guanabara. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, 9., 1998, Santos/SP. Anais eletrônicos [...] São José dos Campos/SP: INPE, 1998. p. 99-109. Disponível em: <http://marte.sid.inpe.br/col/sid.inpe.br/deise/1999/02.09.11.15/doc/4_48p.pdf>.

CUNHA, J. M. P. Dinâmica migratória e o processo de ocupação do Centro-Oeste brasileiro: o caso de Mato Grosso. Revista Brasileira de Estudos de População, Rio de Janeiro, v. 23, n. 1, p. 87-107, 2006.

DESTRO, G. F. G.; CAMPOS, S. Análise de conflitos do uso da terra. Revista Brasileira de Geomática, Presidente Prudente/SP, v.1, n. Especial, p. 983-988, 2007.

ESRI. ArcGis 10.5. Environmental Systems Research Institute, Inc. Redlands/CA. 2017.

GOUVEIA, R. G. L.; GALVANIN, E. A. S.; NEVES, S. M. A. S. Aplicação do índice de transformação antrópica na análise multitemporal da bacia do córrego do Bezerro Vermelho em Tangará da Serra-MT. Revista Árvore, Viçosa/MG, v. 37, n. 6, p. 1045-1054, 2013.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo demográfico 2010. Características da população e dos domicílios: resultados do universo. Rio de Janeiro: IBGE, 2011. Disponível em: <https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/93/cd_2010_caracteristicas_populacao_domicilios.pdf >. Acesso em: 18 de novembro de 2017.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Manual técnico da vegetação brasileira. 3. Ed. Rio de Janeiro: IBGE, 2013. 171 p.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Pecuária Municipal, 2016. Disponível em: <https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-denoticias/noticias/16994-rebanho-de-bovinos-tem-maior-expansao-da-serie-historica.html>. Acesso em: 27 junho de 2017.

LORENZON, T. H.; PAIVA, S. L. P.; NEVES, R. J.; NEVES, S. M. A. S.; NUNES, E. S. Analysis of the conservation state from the permanente protection areas at the springheads and of the water from Cabaçal river drainage basin, Mato Grosso State, Brazil. GEOGRAFIA, Rio Claro/SP, v. 40. n. Especial, p. 145-161, 2015.

LUZ, C. C. S. Vulnerabilidade ambiental e exploração agrícola da bacia hidrográfica do Rio Jauru - Mato Grosso. 2018. 79 f. Dissertação (Mestrado Interdisciplinar em Ambiente e Sistemas de Produção Agrícola) – Universidade do Estado de Mato Grosso, Tangará da Serra/MT, 2018.

MACEDO, M. J. H.; SANTOS, F. A. C.; SOUSA, F. D. A. S. Geoprocessamento aplicado as características físicas e biofísicas da Bacia Hidrográfica do Rio Parnaíba. Revista de Geografia (Recife), Recife, v. 34, n. 2, p. 170-193, 2017.

MIRANDA, M. R. S.; NEVES, S. M. A. S.; RAMOS, A. W. P. Caracterização das unidades de paisagem da bacia hidrográfica do rio Jauru -Mato Grosso, Brasil. Caderno de Geografia, Belo Horizonte, v. 29, n. 58, p. 765-785, 2019.

NARDINI, R. C.; GOMES, L. N.; RIBEIRO, F. L.; LOPES, P. A.; VENDRAME, P. R. S. Avaliação das áreas de conflito de uso em áreas de preservação permanente do Córrego Pedroso - PR. Ciência Geográfica, Bauru/SP, v. 23, n. 2, p. 644-653, 2019.

NETO, J. C. A. S. Indicação para o uso da terra na bacia hidrográfica do rio Salobra-Serra da Bodoquena, Mato Grosso do Sul. RA'E GA, Curitiba, v. 25, n. 2, p. 279-304, 2012.

OLIVEIRA, O. A.; TEIXEIRA, T. M. A.; PASSO, D. P. Mapeamento dos conflitos de uso da terra em áreas de preservação permanente dos rios que contribuem para o barramento do rio Paranã, Formosa-GO. Boletim Goiano de Geografia, Goiânia, v. 38, n. 3, p. 491-515, 2018.

RAMOS, A. W. P.; LUZ, C. C. S.; NEVES, S. M. A. S.; FREITAS, L. E.; NEVES, L. F. S. Análise da capacidade e conflito de uso da terra na bacia hidrográfica do Córrego da Piraputanga-MT, Brasil. Caderno de Geografia, Belo Horizonte, v. 28, n. 55, p. 812-827, 2018.

RIVERO, S.; ALMEIDA, O.; ÁVILA, S.; OLIVEIRA, W. Pecuária e desmatamento: uma análise das principais causas diretas do desmatamento na Amazônia. Nova Economia, Belo Horizonte, v. 19, n. 1, p. 41-66, 2009.

ROSS, J. L. S. Ecogeografia do Brasil: subsídios para o planejamento ambiental. São Paulo: Oficina de Textos, 2006. 208 p.

RODRIGUES, L. C.; NEVES, S. M. A. S.; NEVES, R. J.; GALVANIN, E. A. S.; KREITLOW, J. P. Dinâmica da antropização da paisagem das sub-bacias do rio Queima Pé, Mato Grosso, Brasil. ESPACIOS, Caracas/VEN, v. 36, n. 10, p. 5-13, 2015.

SAWYER, D.; LOBO, A. S. O papel da sociedade no estabelecimento de políticas públicas para as savanas. In: FALEIRO, F. G.; FARIAS NETO, A. L. (org.). Savanas: desafios e estratégias para o equilíbrio entre sociedade, agronegócio e recursos naturais. Planaltina/DF: EMBRAPA Cerrados, 2008. p. 1153-1180.

SANTOS, E. L. F.; MEDEIROS, S. H. Q.; SILVA, C. J. Educação ambiental e diálogo de saberes em região de nascentes do Pantanal: Reserva do Cabaçal, Mato Grosso, Brasil. Ciência & Educação, Bauru/SP, v. 19, n. 4, p. 879-896, 2013.

SANTOS, N. G. B. Gestão do Projeto de Recuperação de Áreas Degradadas: Estratégia para aperfeiçoamento. 2013. 149 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Agrícola) – Universidade Federal de Mato Grosso, Rondonópolis/MT, 2013.

SIEBERT, D. E.; VECCHIATO, A. B.; SALOMÃO, F. X. T. Descrição do Uso e Ocupação da Cabeceira do Rio Jauru (MT) e Caracterização dos Processos de Degradação Ambiental. E&S - Engineering and Science, Cuiabá, v. 1, n. Especial, p. 1-8, 2014.

SOUZA, A. V. V. Influência dos usos e ocupação do solo na qualidade da água do Rio Vermelho no sudeste de Mato Grosso. 2015. 80 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Universidade Federal de Mato Grosso, Rondonópolis/MT, 2015.

TARIFA, J. R. Mato Grosso: Clima – Análise e representação cartográfica. Cuiabá: Entrelinhas, 2011. 102 p.

VALENTE, O. F.; GOMES, M. A. Conservação de Nascentes: hidrologia e manejo de bacias hidrográficas de cabeceiras. Viçosa/MG: Aprenda Fácil, 2005. 210 p.

Publicado

2020-04-03

Como Citar

SILVA, G. DE J. O.; NEVES, S. M. A. DA S.; RAMOS, A. W. P. .; MIRANDA, M. R. DA S. ESTADO DE CONSERVAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DE NASCENTES DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO JAURU/MT-BRASIL. Revista Cerrados, v. 18, n. 01, p. 03-22, 3 abr. 2020.