Análise dos impactos da legislação de Áreas de Proteção Permanente – APP sobre a paisagem do cerrado: estudo de caso do município de Diamantino - MT

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46551/rc24482692202217%20

Palavras-chave:

APP, Cerrado, Diamantino – MT.

Resumo

A proteção ambiental no Brasil tem como premissa a tentativa de união entre as questões técnica ambientais e as legislativas. O objetivo principal deste trabalho é analisar os impactos das legislações ambientais, em especial sobre Áreas de Proteção Permanente, na paisagem do cerrado, tendo como exemplo o município de Diamantino - MT. Os dados utilizados nesta pesquisa foram da base do Cadastro Ambiental Rural – CAR, por meio do Sistema CAR – SICAR, do Boletim Informativo do Cadastro Técnico Federal e do Projeto de Conhecimento do Cerrado, com dados de uso e ocupação do solo do MAPBIOMAS. Ao analisar a distribuição espacial das APP’s no município de Diamantino – MT é notório uma fragmentação das áreas de proteção. Em poucos casos se formam corredores de preservação no município, em especial na porção leste do município. Portanto, ao analisar as APP’s de forma geral no Cerrado, e em específico no município de Diamantino, a luz do uso da legislação ambiental vigente, é notória que as falhas contidas nas normas beneficiam somente o lado político e econômico. Desse modo, essa questão caso não seja tratada com a seriedade que ela pede, pode causar um grande desequilíbrio no meio natural.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Benvindo do Amaral, Universidade Federal de Uberlândia – UFU, Uberlândia (MG), Brasil

É Graduado em Geografia com Ênfase em Geoprocessamento pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC – MINAS) e Mestre em Geografia – Tratamento da Informação Espacial pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC – MINAS). Atualmente é Doutorando no Progama de Pós-graduação em Geografia da Universidade Federal de Uberlândia (UFU).

 Endereço: Avenida João Naves de Ávila, nº 2.121, Bairro Progresso, Uberlândia - MG.    

Referências

BRASIL. Lei Federal 4.771 de 15 de setembro de 1965 – Institui o Código Florestal. Brasília, 1965. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l4771.htm>. Acesso em: 29, out. 2021.

BRASIL. Lei Federal 12.651 de maio de 2012 - Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis nºs 6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.393, de 19 de dezembro de 1996, e 11.428, de 22 de dezembro de 2006; revoga as Leis nºs 4.771, de 15 de setembro de 1965, e 7.754, de 14 de abril de 1989, e a Medida Provisória nº 2.166-67, de 24 de agosto de 2001; e dá outras providências. Brasília, 2012. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12651.htm>. Acesso em: 01, jun. 2022.

BRASIL. Sistema Florestal Brasileiro. Boletim Informativo do Cadastro Técnico Federal – Estados do Brasil – Estados do Brasil. Brasília, 2021. Disponível em: <https://www.florestal.gov.br/boletins-do-car/4774-boletim-informativo-abril-2020/file>. Acesso em: 29, out. 2021.

BRASIL. Sistema Florestal Brasileiro. Boletim Informativo do Cadastro Técnico Federal – Biomas do Brasil – Edição Especial - Biomas. Brasília, 2021. Disponível em: <https://www.florestal.gov.br/documentos/car/boletim-do-car/4418-revisao-boletim-car-encaminhar-07abril2020-1/file>. Acesso em: 29, out. 2021.

BRASIL. Sistema Nacional de Cadastro Ambiental Rural. Brasília, 2021. Disponível em: <https://www.car.gov.br/publico/imoveis/index>. Acesso em: 29, out. 2021.

FERNANDES, Ana Paula Donicht; ELESBÃO, Luiz Ernesto Grillo. Análise comparativa entre o atual Código Floresta Federal (Lei nº 4.771/1965) e o Projeto de lei nº 1.876/1999 aprovado pela comissão especial. Revista Enciclopédia Biosfera, [S./l.], v. 8, nº 15. Goiânia, 2012, p. 63 – 78. Disponível em: <http://www.conhecer.org.br/enciclop/2012b/ciencias%20agrarias/analise%20comparativa%20entre.pdf>. Acesso em 29, out. 2021.

FILHO, Izaac Alves Martins; NEVES, Alex Jorge das; SILVA, Grabriel E.; VIEIRA, Andrea dos S. Áreas de Proteção Ambiental e a preservação do Bioma Cerrado. Revista Brasileira de Estudos de Segurança, [S./l.], v.12. Edição Especial, São Paulo, 2019, p. 10 – 19. Disponível em: <https://revista.ssp.go.gov.br/index.php/rebesp/article/view/449>. Acesso em 29, out. 2021.

GARCIA, Letícia Couto; ELLOVITCH, Mauro da Fonseca; RODRIGUES, Ricardo Ribeiro; BRANCALION, Pedro H.S. HATSUMOTO, Marcelo H; GARCIA COUTO, Fernanda; LOYOLA, Rafael; LEWINSOHN, Thomas Michael. Análise científica e jurídica das mudanças no Código Florestal, a recente Lei de Proteção da Vegetação Nativa. Rio de Janeiro: Abeco, 2016, 43 p. Disponível em: <http://esalqlastrop.com.br/img/publicacoes/An%C3%A1lise%20cient%C3%ADfica%20e%20jur%C3%ADdica%20das%20mudan%C3%A7as%20no%20C%C3%B3digo%20%20Florestal.pdf> . Acesso em 27, out. 2021.

LAPIG. Projeto de Conhecimento do Cerrado. Laboratório de Processamento de Imagens e Geoprocessamento. Goiânia, 2021. Disponível em: <https://cepf.lapig.iesa.ufg.br/#/usodosolo>. Acesso em: 29, out. 2021.

RIBEIRO, Glaucus Vinicius Biasetto. A origem histórica do conceito de Área de Preservação Permanente no Brasil. Revista Themas, [S./l.], v. 8, nº. 01, São Paulo, 2011, p. 1 – 13. Disponível em: <https://www.terrabrasilis.org.br/ecotecadigital/pdf/origem-historica-do-conceito-de-area-de-preservacao-permanente-no-brasil.pdf>. Acesso em: 27, out. 2021.

WATANABE, S. (coord.). Glossário de ecologia. 2. ed. Editora ACIESP: São Paulo, 1997, 352 p.

Downloads

Publicado

2022-07-01

Como Citar

AMARAL, J. B. do . Análise dos impactos da legislação de Áreas de Proteção Permanente – APP sobre a paisagem do cerrado: estudo de caso do município de Diamantino - MT. Revista Cerrados, [S. l.], v. 20, n. 02, p. 03–20, 2022. DOI: 10.46551/rc24482692202217 . Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/cerrados/article/view/4860. Acesso em: 27 set. 2022.