Centros de gestão do território no sudeste da Amazônia Oriental

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46551/rc24482692202221

Resumo

A região sudeste da Amazônia Oriental integra o que Becker (2009) chamou de arco do povoamento consolidado, porção territorial amazônica que concentra o cerne da economia regional. Diante disso, esse trabalho procura identificar e analisar os principais centros que comandam esse segmento de rede urbana, considerando a gestão pública e econômica do território. A pesquisa foi realizada com base em revisão bibliográfica e análise dos micro-dados da publicação Regiões de Influência das Cidades - REGIC (IBGE, 2020). Constatou-se que a região possui três níveis de gestão territorial: no topo, estão as cidades de Palmas, Marabá e Imperatriz, estabelecendo interações de gestão que ultrapassam a região; em nível intermediário, encontra-se cidades que são focos de investimentos nacionais e de instalação de uma gama de serviços públicos, mas com reduzida capacidade de construir interações city-ness, tendo seus territórios como ponto de partida; e, no terceiro nível, está um conjunto de cidades cujas interações predominantes são de tipo town-ness.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Reges Sodré, Universidade Federal de Rondonópolis – UFR, Rondonópolis (MT), Brasil

É Graduado em Geografia pela Universidade Federal do Tocantins (UFT), Mestre em Geografia pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e Doutor em Geografia pela Universidade Federal de Goiás (UFG). Atualmente é professor adjunto da Universidade Federal de Rondonópolis (UFR).

Endereço: Av. dos Estudantes, 5055 – Cidade Universitária, Rondonópolis -MT.

Helbaneth Macêdo Oliveira, Universidade Federal de Uberlândia – UFU, Uberlândia (MG)

É Graduada em Geografia e Biologia pela Universidade Estadual do Maranhão (UEMA) e Mestre em Geografia pela Universidade Federal do Tocantins (UFT). Atualmente é Doutoranda pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU).

Endereço: Av. João Naves de Ávila, 2121 – Santa Mônica, Uberlândia-MG.

Referências

ARRAIS, T. A. O Bolsa Família e a tradução regional da questão social. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, [S./l.], n. 65, p. 200-226, 2016.

ANDRADE, M. de C. Geografia, região e desenvolvimento. Recife: Editora UFPE, 1977.

AB’SÁBER, A. N. Amazônia: do discurso a práxis. São Paulo: Edusp, 2004.

BECKER, B. Amazônia: Geopolítica na Virada do III Milênio. Rio de Janeiro: Garamond, 2009.

BECKER, B. Uma nova regionalização para pensar o Brasil?In: LIMONAD, E. et al (Org.). Brasil século XXI – por uma nova regionalização? Agentes, processos e escalas. Rio de Janeiro, Letra Capital, 2015. p. 11-27.

CASTILHO, D. Redes e processos espoliativos no Centro-Norte do Brasil. In: OLIVEIRA, F. G. de. et al (Org.). Espaço e economia: geografia econômica e a economia política. Rio de Janeiro: Consequência, 2019. p. 195-220.

CORRÊA, R. L. Os centros de gestão e seu estudo. Revista brasileira de geografia, [S./l.], v. 51, n. 4, p. 109-119, 1989. Disponível em: <https://rbg.ibge.gov.br/index.php/rbg>. Acesso em: 02 jan. 2021.

CORRÊA, R. L. Corporação, práticas espaciais e gestão do território. Revista brasileira de geografia, [S./l.], v. 54, n. 3, p. 115-121, 1992. Disponível em:<https://rbg.ibge.gov.br/index.php/rbg>. Acesso em: 02 jan. 2021.

CORRÊA, R. L. Identificação dos centros de gestão do território no Brasil. Revista brasileira de geografia, [S./l.], v. 57, n. 1, p. 83-102, 1995. Disponível em: <https://rbg.ibge.gov.br/index.php/rbg>. Acesso em: 02 ago. 2021.

CORRÊA, R. L. Globalização e reestruturação da rede urbana: uma nota sobre as pequenas cidades. Revista Território, [S./l.], ano. 4, n. 6, p. 43-53, jan./jun. 1999.

CORRÊA, R. L. As pequenas cidades na confluência do urbano e do rural. GEOUSP – Espaço e Tempo, [S./l.], v. 15, n. 3, p. 05-12, 2011.

CRP TECNOLOGIA. Clientes. [S. I.]: [ca. 2021]. Disponível em: https://www.crptecnologia.com.br/clientes/. 2021. Acesso em: 09 jul. 2021.

ENDLICH, A. M. Pensando os papéis e significados das pequenas cidades do Noroeste do Paraná. 2006. 504 f. Tese (Doutorado em Geografia) – Faculdade de ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, 2006.

FRESCA, T. Centros locais e pequenas cidades: diferenças necessárias. Revista Mercator, Fortaleza, n. esp., p. 75-81, dez, 2010. Disponível em: <http://www.mercator.ufc.br/index.php/mercator>. Acesso em: 10 jun. 2020.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Regiões de Influência das cidades-2007. Rio de Janeiro: IBGE, 2008. Disponível em: <https://www.ibge.gov.br/>. Acesso em: 14 ago. 2020.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Regiões de Influência das cidades-2018. Rio de Janeiro: IBGE, 2020. Disponível em: <https://www.ibge.gov.br/>. Acesso em: 17 jun. 2021.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Atendimento.[S. I.]: [ca. 2021]. Disponível em: <https://www.ibge.gov.br/atendimento.html>. Acesso em: 29 set. 2021.

INSS – Instituto Nacional de Seguro Social. Serviços. [S. I.]: [ca. 2021]. Disponível em: <https://meu.inss.gov.br/#/aberto/localizador-aps>. Acesso em: 25 set. 2021.

LILIANI. Nossas Lojas. [S. I.]: [ca. 2021]. Disponível em: <https://www.liliani.com.br/conteudo/institucional/nossas-lojas>. Acesso em: 14 mai. 2021.

LENCIONI, S. Metrópole, metropolização e regionalização. Rio de Janeiro: Consequência Editora, 2017.

LEOPOLDO, E. A teoria regional na atualização da Geografia Crítica contemporânea: a urbanização da fronteira na Amazônia, a região do Sul e Sudeste do Pará. Confins, v. 44, p. 1-16, 2020.

MTE – Ministério do Trabalho e Emprego. Ministério do Trabalho por Estado. [S. I.]: [ca. 2021]. Disponível em: <https://www.ministeriodotrabalho.org>. Acesso em: 24 set. 2021.

NOSSO LAR. Quem somos. [S. I.]: [ca. 2021]. Disponível em: <https://www.lojasnossolar.com.br/>. Acesso em: 12 ago. 2021.

REOLON, C. A. Produção industrial e comando do capital no Brasil: uma análise espacial. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2013.

REVEMAR. Conheça as marcas do grupo Revemar. [S. I.]: [ca. 2021]. Disponível em: <https://empresasrevemar.com.br/#>. Acesso em: 12 ago. 2021.

RFB – Receita Federal do Brasil. Unidades de atendimento. [S. I.]: [ca. 2021]. Disponível em: <https://www.gov.br/receitafederal/pt-br/canais_atendimento/atendimento-presencial/unidades-no-brasil>. Acesso em: 24 set. 2021.

RIBEIRO, M. Â. A complexidade da rede urbana amazônica: três dimensões de análise. 1998. 334 f. Tese (Doutorado em Geografia) – Instituto de Geociências, Rio de Janeiro, 1998.

SANTOS, M. Espaço e sociedade: ensaios. Petrópolis: Vozes, 1979.

SANTOS, M. A urbanização Brasileira. São Paulo: Hucitec, 1993.

SANTOS, M.; SILVEIRA, M. L. O Brasil: território e sociedade no início do século XXI. Rio de Janeiro: Record, 2006.

SPOSITO, M. E. B. As cidades médias e os contextos econômicos contemporâneos. In: SPOSITO, M. E. B. (Org.). Urbanização e cidades: perspectivas geográficas. Presidente Prudente: UNESP; GAsPERR, 2001. p. 609-643.

SPOSITO, M. E. B. Cidades médias: reestruturação das cidades e reestruturação urbana. In: SPOSITO, M. E. B. (Org.). Cidades médias: espaços em transição. São Paulo: Expressão Popular, 2007. p. 233-253.

SPOSITO, M. E. B. Globalização, consumo e papéis intermediários de cidades médias no Brasil. In: SANFELIU, Carmen Bellet; SPOSITO, Maria Encarnação Beltrão (Org.). Las ciudades medias o intermédias en un mundo globalizado. Lleida: Universitat de Lleida, 2009. p. 41-69.

SPOSITO, M. E. B. Novas redes urbanas: cidades médias e pequenas no processo de globalização. Revista redes urbanas: cidades médias e pequenas no processo de globalização. Revista Geografia, Rio Claro, v. 35, n. 1, p. 51-61, 2010. Disponível em: <http://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/ageteo/index>. Acesso em: 15 mar. 2020.

SODRÉ, R; OLIVEIRA, H. M. Grandes grupos econômicos e agronegócio: redefinição das centralidades e interações espaciais no sudeste da Amazônia Oriental. Revista da casa de Geografia de Sobral, [S./l.], v. 23, p. 114-143, 2021. Disponível em: <https://rcgs.uvanet.br/index.php/RCGS/index>. Acesso em: 15 jun. 2021.

TRE – Tribunal Regional Eleitoral (MA). O TRE. [S. I.]: [ca. 2021a]. Disponível em:. Acesso em: 18 set. 2021.

TRE – Tribunal Regional Eleitoral (PA). O TRE. [S. I.]: [ca. 2021b]. Disponível em:. Acesso em: 18 set. 2021.

TRE – Tribunal Regional Eleitoral (TO). O TRE. [S. I.]: [ca. 2021c]. Disponível em:. Acesso em: 18 set. 2021.

TRE – Tribunal Regional Federal da 1ª Região. Seções Judiciárias. [S. I.]: [ca. 2021]. Disponível em:<https://portal.trf1.jus.br/portaltrf1/pagina-inicial.htm>. Acesso em: 29 set. 2021.

TRINDADE JR, S-C. C. da.; MADEIRA, W. do V. Polos, eixos e zonas: cidades e ordenamento territorial na Amazônia. PRACS: Revista Eletrônica de Humanidades do Curso de Ciências Sociais da UNIFAP, Macapá, v. 9, nº 1, p. 37-54, 2016.

TRT – Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região (PA/AP). Varas do Trabalho. [S. I.]: [ca. 2021a]. Disponível em: . Acesso em: 29 set. 2021.

TRT – Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região (DF/TO). Varas do Trabalho. [S. I.]: [ca. 2021b]. Disponível em: . Acesso em: 29 set. 2021.

TRT – Tribunal Regional do Trabalho da 16ª Região (MA). Varas do Trabalho. [S. I.]: [ca. 2021c]. Disponível em: . Acesso em: 28 set. 2021.

VALVERDE, O. Grande Carajás: planejamento da destruição. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1989.

Publicado

2022-09-14

Como Citar

SODRÉ, R.; MACÊDO OLIVEIRA, H. . Centros de gestão do território no sudeste da Amazônia Oriental. Revista Cerrados, [S. l.], v. 20, n. 02, p. 106–131, 2022. DOI: 10.46551/rc24482692202221. Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/cerrados/article/view/4750. Acesso em: 1 dez. 2022.