A Comunidade Quilombola Bom Jardim da Prata em São Francisco/Minas Gerais e os conflitos socioambientais relacionados com o rio São Francisco e imediações

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46551/rc24482692202120%20

Palavras-chave:

Rio São Francisco. Comunidades Tradicionais. Norte de Minas/MG.

Resumo

O Rio São Francisco perpassa pela Mesorregião do Norte de Minas/MG e contribui para sobrevivência e perpetuação de comunidades tradicionais que ocupam suas imediações. O Norte de Minas concentra uma pluralidade de povos tradicionais que dependem do rio para desenvolvimento de suas atividades cotidianas e para sobrevivência, dentre esses povos, destaca-se a Comunidade Quilombola Bom Jardim da Prata, que ocupa uma área rural situada no município de São Francisco. Não obstante, apesar da importância que o Rio São Francisco desempenha na região, têm sido frequentes os impactos socioambientais decorrentes de disputas territoriais e usos predatórios de seus recursos naturais, sobretudo por parte de fazendeiros e grandes empresas, que almejam benefícios econômicos, o que dificulta as ações de manejo sustentável. Assim, define-se como objetivo principal deste artigo analisar os conflitos socioambientais provenientes da relação estabelecida entre comunidades tradicionais e agentes econômicos com o Rio São Francisco. Como procedimentos de pesquisa, adota-se a abordagem qualitativa, com ênfase na consulta às fontes bibliográficas provenientes de teses, dissertações e artigos que tratam dessa temática, produção de mapeamentos e análise crítica oriunda de pesquisa de campo. Como reflexões, destaca-se que o uso indiscriminado dos recursos naturais nas imediações do Rio São Francisco para atender aos interesses econômicos de grandes empresas, associado aos conflitos territoriais travados entre comunidades tradicionais, fazendeiros, sitieiros e grandes empresas vinculadas ao agronegócio, têm resultado em impactos ambientais, bem como, na dificuldade de sobrevivência das comunidades tradicionais e de perpetuação de seus saberes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Amaro Sérgio Marques, Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG, Belo Horizonte (MG), Brasil

É Graduado em Arquitetura e Urbanismo pelo Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix (IMIH), Mestre em Desenvolvimento Social pela Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES) e Doutor em Arquitetura pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Atualmente é Professor substituto do Departamento de Arquitetura e Urbanismo/DEARQ da Universidade Federal de Outro Preto (UFOP).

Brenda Melo Bernardes, Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG, Belo Horizonte (MG), Brasil

Graduada em Arquitetura e Urbanismo pelo Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix (2011) e Mestra em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Atualmente é Doutoranda em Arquitetura e Urbanismo pela Escola de Arquitetura da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Alessandro Borsagli, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais – PUC/Minas, Belo Horizonte (MG), Brasil

É Graduado em Geografia e Mestre em Geografia pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC/Minas).

Referências

ANAYA, Felisa Cançado. De “encurralados pelos parques” a “vazanteiros em movimento”. Tese (Doutorado em Sociologia) - Programa de Pós-Graduação em Sociologia, da Universidade Federal de Minas, Belo Horizonte, 2012.

ANTONIL, André João. Cultura e opulência do Brasil, por suas drogas e minas. Rio de Janeiro, Typ. Imp. e Const. de J. Villeneuve e Ca., 1837.

ARAÚJO, Elisa Cotta de. Nas margens do São Francisco: sociodinâmicas ambientais, expropriação territorial e afirmação étnica do Quilombo da Lapinha e dos vazanteiros do Pau de Légua. 2009. 256f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Social) – Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Social da Universidade Estadual de Montes Claros, Montes Claros, 2009.

ARRAES, Esdras. Rio dos currais: paisagem material e rede urbana do rio São Francisco nas capitanias da Bahia e Pernambuco. Anais do Museu Paulista, São Paulo. v.21. n.2. p. 47-77. jul.- dez. 2013.

BERNARDES, Brenda Melo; MARQUES, Amaro Sérgio; SÁ, Ingrid Moura Oliveira. Territorios em disputa: comunidades Quilombola e Vazanteira no Norte de Minas/MG e os desafios quanto à perpetuação dos saberes tradicionais. In: VI encontro da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, 2020, Brasília. Anais [...]. Brasília, 2020.

BESSA, Altamiro Sérgio. A construção das paisagens turísticas nos descaminhos da Estrada Real. 2011. 280 f. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo). – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

BRASIL, Governo Federal. Decreto nº 6.040, de 07 de fevereiro de 2007. Institui a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais. República Federativa, 2007. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/decreto/d6040.htm>. Acesso em: 16 maio 2021.

CAMELO FILHO, José Vieira. A dinâmica política, econômica e social do rio São Francisco e do seu vale. Revista do Departamento de Geografia, São Paulo, n. 17, p. 83-93. 2005.

COSTA, João Batista de Almeida. “O Ser da Sociedade Sertaneja e a Invisibilização do Negro no Sertão Norte do Gerais”. In LUZ, C. e DAYRELL, C. A (orgs.). Cerrado e Desenvolvimento: Tradição e Atualidade. Montes Claros: Centro de Agricultura Alternativa; Goiânia: Agência Ambiental de Goiás, 2000, p. 107-140.

DOURADO, Thays Barbosa. “Esse rio é minha rua”: um estudo sobre territorialidade e identidade na rua de baixo no sertão do São Francisco. Dissertação (Mestre em Desenvolvimento Social) - Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Social da Universidade Estadual de Montes Claros – Unimontes, Montes Claros, 2015.

FIDELIS, Lourival Moraes de; BERGAMASCO, Sonia Maria Pessoa Pereira. Da Agricultura Tradicional à Agroecologia: um estudo na Comunidade Remanescente de Quilombo João Surá no Vale do Ribeira paranaense. In: GODOI, Emília Pietrafesa de. ; MENEZES, Marilda A. (Orgs.). Uma terra para se viver: assentados, colonos e quilombolas. São Paulo: Annablume; Brasília: CNPq, 2013. 242 p.

INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO DE MINAS GERAIS (IEPHA). Inventário cultural do Rio São Francisco. Belo Horizonte: Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais, 2015. Disponível em: <http://www.iepha.mg.gov.br/images/com_arismartbook/download/8/Inventario%20Cultural%20do%20Sao%20Francisco.pdf>. Acesso em: 16 maio 2021.

KIDDY, Elizabeth W. O Rio São Francisco: geografia e poder na formação da identidade nacional brasileira no século XIX. Revista de desenvolvimento econômico (RDE), [S./l.], ano XII, p. 22-29, 2010.

LITTLE, Paul E. Territórios sociais e povos tradicionais no Brasil: por uma antropologia da territorialidade. Série Antropologia, n. 322. Brasília: DAN/UnB, p. 251-290, 2002.

MAGALHÃES, Basílio de. Expansão geográfica do Brasil colonial, 3. ed. Rio de Janeiro: Epasa, 1944.

MARQUES, Amaro Sérgio. A produção do território e moradia no Quilombo Bom Jardim da Prata. 2018. 175f. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) – Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2018.

MOREIRA, Hugo Fonseca. Se for para morrer de fome eu prefiro morrer de tiro: o Norte de Minas e a formação de lideranças rurais.2010. 139f. Dissertação (Mestrado em Sociologia). Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, 2010.

OLIVEIRA, Sílvia Maria Alves Corrêa. Impacto da implantação de perímetros irrigados na qualidade das águas superficiais da porção mineira do Médio São Francisco. 2012. 124 f. Dissertação (Mestrado em Saneamento, Meio Ambiente e Recursos Hídricos) - Programa de Pós-graduação em Saneamento, Meio Ambiente e Recursos Hídricos da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2012.

RAFFESTIN, Claude. Dalla nostalgia del territorio al desiderio di paesaggio. Elementi per uma teoria del paesaggio. Firenze: Alinea, 2005.

ROCHA, Geraldo. O Rio São Francisco: fator precípuo da existência do Brasil. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2004. 256 p. (Brasiliana).

ROSSONI, Fernanda Fonseca Pessoa; ROSSONI, Hygor Aristides Victor; LIMA, Sonaly Cristina Rezende Borges de. Políticas públicas e conflito ambiental na bacia hidrográfica do Rio São Francisco. Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável (RBAS), [S./l.], v.3, n.1, p.74-80, jul. 2013.

SAINT-HILAIRE, Auguste de. Viagem pelas províncias do Rio de Janeiro e Minas Gerais. Belo Horizonte: Editora Itatiaia, 1975.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 4. ed. 2. reimpr. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2006. (Coleção Milton Santos, 1). 260 p.

SILVA, Ana Carolina Aguerri Borges da. As águas do Rio São Francisco: disputas, conflitos e representações do mundo rural. 2017. 406f. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2017.

SOUZA, Angela Fagna Gomes de. Ser, estar, permanecer: vínculos territoriais das gentes que povoam as margens e ilhas do Rio São Francisco. 2013. 292 f. Tese (Doutorado em Geografia) – Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2013.

SUERTEGARAY, Dirce Maria Antunes. Espaço geográfico uno e múltiplo. Scripta Nova, Universidad de Barcelona, n. 93, jul. 2001.

Downloads

Publicado

2021-07-01

Como Citar

MARQUES, A. S.; BERNARDES, B. M.; BORSAGLI, A. A Comunidade Quilombola Bom Jardim da Prata em São Francisco/Minas Gerais e os conflitos socioambientais relacionados com o rio São Francisco e imediações. Revista Cerrados, [S. l.], v. 19, n. 02, p. 81–108, 2021. DOI: 10.46551/rc24482692202120 . Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/cerrados/article/view/3761. Acesso em: 19 out. 2021.