Redes de mulheres feirantes no Sertão Baiano

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46551/rc24482692202111%20

Palavras-chave:

território, territorialidades, mulher, feira

Resumo

O presente artigo propõe-se a compreender as territorialidades de mulheres feirantes da feira de Euclides da Cunha/BA. As mulheres estão e são feirantes como resultado de conflitos travados desde o ambiente doméstico até os locais públicos: a feira. Observamos as práticas, os saberes e os vínculos das feirantes com os produtos de suas barracas, de forma a identificar como essas conexões revelam pertencimento ao sertão. A percepção, ancorada na fenomenologia existencial de Merleau-Ponty (1999) e nos sentidos corporais sinalizados por Tuan (1983), foi o caminho pelo qual buscamos compreender o mundo vivido das mulheres feirantes. Concebemos a feira como território perpassado por redes, que conectam feirantes, fregueses e produtos, numa dinamicidade que abrange relações de poder símbolicas e concretas. Na feira, as relações mercadológicas não são as únicas, para além destas, há relações de sociabilidade, confiança e amizade, ambas construtoras das territorialidades que marcam os sentidos de “ser mulher” e “ser feirante”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patrícia Quirino Rocha, Universidade Federal de Sergipe – UFS, São Cristóvão (SE), Brasil

É Graduada em Geografia/Licenciatura pela Universidade Federal de Alagoas (UFAL), Mestra em Geografia pela Universidade Federal de Sergipe (UFS). Atuamente é doutoranda pela Universidade Federal de Sergipe (UFS).

Maria Augusta Mundim Vargas, Universidade Federal de Sergipe – UFS, São Cristóvão (SE), Brasil

É Graduada em Geografia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), mestra em Geografia pela Universidade Federal de Sergipe (UFS) e doutora em Geografia pela Universidade Estadual Paulísta Júlio de Mesquita Filho (UNESP). Atualmente é professora e orientadora voluntária no Programa de Pós Graduação em Geografia da Universidade Federal de Sergipe (UFS) e líder do grupo de estudos e pesquisa Sociedade e Cultura (CNPq).

Referências

AB'SABER, Aziz Nacib. Os sertões: a originalidade da terra. Ciência hoje, Rio de Janeiro, v. 3, n. 18, p. 6-15, mai/jul, 1985.

ALMEIDA, Maria Geralda de. A propósito do trato do invisível e do intangível e do discurso na geografia cultural. Revista da ANPEGE, [S./l.], v. 9, n. 11, p. 41-50, 2013.

ALMEIDA, Maria Geralda de. Etnogeografia do Brasil sertanejo. In: SERPA, Angelo (org.). Espaços culturais: vivências, imaginações e representações. Salvador: Edufs, 2008, p. 313-336.

ALMEIDA, Maria Geralda de. Em busca do poético do sertão: um estudo de representações. In: ALMEIDA Maria Geralda de; RATTS A. J. P. Geografia: leituras culturais. Goiânia: Alternativa. 2003a. p. 71-88.

ARAS, José. No sertão do Conselheiro. Salvador: Contexto & Arte, 2003.

COLLIGNON, Béatrice. De las virtudes de los espacios domésticos para la geografía humana. In: LINDÓN, Alicia; HIERNAUX, Daniel. (Org.) Los Giros de la Geografía Humana: Desafíos y horizontes. México: Anthopos, 2010. p. 201-215.

COSGROVE, Denis. A geografia está em toda parte: Cultura e simbolismo nas paisagens humanas. In: CORRÊA, Roberto Lobato; ROSENDAKL, Zeny (Orgs.). Paisagem, Tempo e Cultura. Rio de Janeiro: EdUerj, 1998. p. 92-123.

DARDEL, Eric. Homem e a Terra: a natureza da realidade geográfica. São Paulo: Perspectiva, 2015 [1952].

DANTAS, Geovany Pachelly Galdino. Feiras no Nordeste. Mercator, Fortaleza, ano 07, n. 13, p. 87-101, 2008.

DE PAULA, Fernanda Cristina. Sobre a dimensão vivida do território: tendências e a contribuição da fenomenologia. GeoTextos, Salvador, v. 7, n. 1, jul. p. 105-126, 2011.

DOURADO, Auceia Matos. Caminhos e encontros com o território. In: VARGAS, Maria Augusta Mundim; DOURADO, Auceia Matos; SANTOS, Rodrigo Herles (orgs.). Práticas e vivências com a Geografia Cultural. Aracaju: Edise, 2015, p.25-66.

HAESBAERT, Rogério. Armadilhas do território. In: SILVA, José Borzacchiello da; SILVA, Cícero Nilton Moreira da; DANTAS, Eustógio Wanderley Correia. Territórios: modo de pensar e usar. Fortaleza: Edições UFC,p.19-42, 2016.

HOLZER, Werther. A influência de Eric Dardel na construção da geografia humanista Norte Americana. In: Anais XVI Encontro Nacional dos Geógrafos. 2010, p.1-11.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Fenomenologia da percepção. Tradução Carlos Alberto Ribeiro Moura. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

MENEZES, Sônia de Souza Mendonça. Iguarias derivadas da mandioca: do rural ao urbano o consumo de uma tradição nas feiras livres de Aracaju. In: ZANINI, Maria Catarina Chitolina; SANTOS, Miriam de Oliveira. (Org.). Feiras, feirinhas e feirões: a “economia dos centavos” em foco. São Leopoldo: Oikos, p. 108-127, 2017.

NOGUEIRA, Amélia Regina. Uma Interpretação Fenomenológica na Geografia. In: Anais do X Encontro de Geógrafos da América Latina, Universidade de São Paulo, 2005.

PENNA, Maura. O que faz ser nordestino: identidades sociais, interesses e o “escândalo” Erundina. São Paulo: Cortez, 1992.

PERROT, Michelle. Os Excluídos da História: operários, mulheres e camponeses. Trad. Denise Bottmann. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

PERROT, Michelle. Minha história das mulheres. Trad. Angela M. S. Côrrea. São Paulo: Contexto, 2007.

RAFFESTIN, Claude. Por uma geografia do poder. São Paulo: Editora Ática, 1993.

SAQUET, Marcos Aurelio. Por uma abordagem territorial. In: SAQUET, Marcos Aurelio; SPOSITO, Eliseu Savério (org.). Territórios e territorialidades: teorias, processos e conflitos. São Paulo: Expressão Popular: UNESP, p. 73-94, 2008.

SERPA, Angelo. Ser lugar e ser território como experiências do ser-no-mundo: um exercício de existencialismo geográfico. Geousp – Espaço e Tempo (Online), São Paulo, v. 21, n. 2, p. 586-600, agosto. 2017.

SUERTEGARAY, Dirce Maria Antunes. Pesquisa de Campo em Geografia. Geografia, Niterói, UFF, v. 4, n. 7, p. 64-68, 2002.

TEDESCO, João Carlos. Economia de circuitos curtos, da qualidade e dos territórios étnicos: uma análise da dinâmica produtiva e mercantil na Rota das Salamarias – Norte e Noroeste do RS. Revista Extensão Rural, Santa Maria: UFSM, v. 20, n. 3, p. 119-141, set./dez. 2013.

TUAN, Yi-Fu. Topofilia: Um Estudo da Percepção, Atitudes e Valores do Meio Ambiente. Tradução: Lívia de Oliveira. São Paulo/ Rio de Janeiro: Difel, p. 6-33, 1980,

TUAN, Yi-Fu. Espaço e Lugar: a perspectiva da experiência. São Paulo: DIFEL, 1983.

VARGAS, Maria Augusta Mundim; ALMEIDA, Maria Geralda de. Gênero, cultura e natureza: a construção da identidade territorial da mulher rural sergipana. In: Anais IX Encontro dos Geógrafos da América Latina, 2008, 20 pág.

VILLAGRÁN, Paula Soto. Los giros de las geografías de género: re-pensando las diferencias. In: LINDÓN, Alicia; HIERNAUX, Daniel. (Org.). Los Giros de la Geografía Humana: Desafíos y horizontes. México: Anthopos, 2010. p. 217-240.

ZANINI, Maria Catarina Chitolina; SANTOS, Miriam de Oliveira. Introdução – Breves observações sobre feiras, mercados e campesinatos. In: ZANINI, Maria Catarina Chitolina; SANTOS, Miriam de Oliveira. (Org.). Feiras, feirinhas e feirões: a “economia dos centavos” em foco. São Leopoldo: Oikos, 2017, p. 7-10.

Downloads

Publicado

2021-05-01

Como Citar

ROCHA, P. Q.; VARGAS, M. A. M. . Redes de mulheres feirantes no Sertão Baiano. Revista Cerrados, v. 19, n. 01, p. 249-270, 1 maio 2021.