Segregação e Hanseniase: a produção de uma subnormalidade no município de Anápolis (GO)

Autores

DOI:

10.22238/rc24482692201917022546

Palavras-chave:

Processo Histórico. Segregação. Hanseníase.

Resumo

O presente artigo apresenta, inicialmente, uma discussão teórica centrada no conceito de segregação residencial. A partir do debate conceitual realizado, foi evidenciada a existência de cenários marcados por complexidades econômicas e sociais em que a segregação residencial é manifestada. Posteriormente, a partir da realização de trabalhos de campo e da aplicação de questionários, foi investigada a segregação residencial em um bairro caracterizado pela precarização na reprodução da vida de cidadãos que habitam um espaço produzido, na primeira metade do século XX, para abrigar portadores da hanseníase. Trata-se do bairro Novo Paraíso, na cidade de Anápolis (GO), que apresenta uma realidade repleta de ações segregadoras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thalita Aguiar Siqueira, Universidade Estadual de Goiás (UEG), Anápolis, Goiás, Brasil.

Possui Graduação em Geografia pela Universidade Estadual de Goiás (UEG). Atualmente é Acadêmica do Programa de Pós-Graduação em Territórios e Expressões Culturais no Cerrado (TECCER) da Universidade Estadual de Goiás (UEG). 

Marcelo de Mello, Universidade Estadual de Goiás (UEG), Anápolis, Goiás, Brasil.

Possui Graduação, Mestrado e Doutorado em Graduação em Geografia pela Universidade Federal de Goiás (UFG). Atualmente é professor do Programa de Pós-Graduação em Territórios e Expressões Culturais no Cerrado (TECCER) da Universidade Estadual de Goiás (UEG). 

Referências

CARLOS, A.F.A. O espaço urbano: novos escritos sobre a cidade: São Paulo: Labur Edições, 2007. Disponível em:<http://www.fflch.usp.br/dg/gesp> Acesso em: 12/04/2016.

CLARK, D. Introdução à Geografia Urbana. São Paulo: DIFEL Difusão editorial S.A, 1985.

CORRÊA, R. L. O Espaço Urbano. São Paulo: Ática, 1995.

FOUCAULT, M. História da loucura na idade clássica. São Paulo: PERSPECTIVA, 1978.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Aglomerados Subnormais: Informações Territoriais Censo 2010. Disponível em < http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/imprensa/ppts/00000015164811202013480105748802.pdf > Acesso em: 24/08/2016.

LEFEVRE, Henri. O Direito à Cidade. São Paulo: Centauro, 2001. Disponível em:<http://www.professorreinaldosousa.com/livros/> Acesso em: 10/03/2016.

LOJKINE, J. O estado capitalista e a questão urbana. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

MACIEL, R. M. T. De leprosários e preventórios à hanseníase tem cura: saldos de um passado que insiste em existir 2014. Tese (doutorado) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Instituto de Economia, Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas, Estratégias e Desenvolvimento, Rio de Janeiro ,2014.

MOHAN. Disponível em: <http://www.morhan.org.br/>. Acesso em: 10/12/2016

PEREIRA, A. D. A (longa) história da desigualdade na África do Sul. Mal-estar na cultura. Abril-Novembro, 2010. Disponível em: < http://www.ufrgs.br/difusaocultural/adminmalestar/documentos/arquivo/AfricaDoSulDanileviczPereira.pdf> Acesso em: 20/11/2016.

ROUSSEAU, J.J. Discurso sobre a origem e os fundamentos da desigualdade entre os homens. In: Os pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1978.

SILVA, L.F. Eternos Órfãos Da Saúde: Medicina, Política E Construção Da Lepra Em Goiás (1830-1962). Tese de doutorado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia, 2013.

SILVA, L. F; SALOMON, M. J. A lepra em Goiás (1920-1937): as instituições filantrópicas e a pedagogia do isolamento. In: VIII Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão - Conpeex, Goiânia. 2011. Disponível em: < http://www.sbpcnet.org.br/livro/63ra/conpeex/doutorado/trabalhosdoutorado/doutorado-leicy-francisca.pdf> Acesso em: 05/08/2016.

SOUZA, M.L. ABC do desenvolvimento urbano. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010.

TAVARES, G.G; PEXOTO, J.C; LUZ, J.S; CAMPOS, D.M.B; MONTEIRO, R.S. A Lepra Mora no Morro: O “refúgio” de leprosos em Anápolis, Goiás, Brasil (1930 –1970).

Fronteiras: Journal of Social, Technologicaland Environmental Science. v.4, n.1, jan. -jul. 2015. Disponível em: <http://revistas.unievangelica.edu.br/index.php/fronteiras/ > Acesso em: 10/08/2016.

VASCONCELOS, P.A; CORRÊA, R.L; PINTAUDI, S.M (Orgs). A cidade contemporânea: segregação espacial. São Paulo: contexto. 2013.

VASCONCELOS, P.A. A aplicação do conceito de segregação residencial ao contexto brasileiro na longa duração. CIDADES. São Paulo v. 1, n. 2, 2004, p. 259-274. Disponível em:<http://revista.fct.unesp.br/index.php/revistacidades/article/viewFile/478/508> Acesso em: 29/03/2016

VILLAÇA, F. Espaço Intra-urbano no Brasil. São Paulo: Studio Nobel, 2001.

Downloads

Publicado

2019-07-17

Como Citar

SIQUEIRA, Thalita Aguiar; MELLO, Marcelo de. Segregação e Hanseniase: a produção de uma subnormalidade no município de Anápolis (GO). Revista Cerrados, [s. l.], v. 17, n. 02, p. 25–46, 2019. DOI: 10.22238/rc24482692201917022546. Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/cerrados/article/view/32. Acesso em: 16 jul. 2024.