Territórios pesqueiros na Amazônia: dinâmica de pescadores comerciais e de subsistência em comunidade ribeirinha da tríplice fronteira Colômbia-Brasil-Peru

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46551/rc24482692202023

Palavras-chave:

Território; Atividades pesqueiras; Comunidades ribeirinhas; Amazônia.

Resumo

Analisa-se a dinâmica sociogeográfica da comunidade ribeirinha Terezina III, município de Tabatinga (localizada no estado do Amazonas), relacionada ao comércio do pescado e aos conflitos sociais decorrentes dessa atividade produtiva. O objetivo deste artigo é contribuir para o conhecimento referente ao modo de vida de pescadores do rio Solimões, na tríplice fronteira entre Brasil, Colômbia e Peru. Como procedimentos metodológicos, fez-se trabalhos de campo nas cidades de Tabatinga (Brasil) e Letícia (Colômbia), e na comunidade ribeirinha Terezina III (Brasil). Conclui-se que o acesso aos recursos pesqueiros deve ser ordenado pelo poder público, com participação social, de modo a fortalecer as comunidades ribeirinhas em seus territórios tradicionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Erlainy Joanna Souza de Paiva, Universidade Federal de Rondônia – UNIR, Porto Velho, Rondônia, Brasil

É Graduada em Geografia pela Universidade do Estado do Amazonas (UEA) e Mestrado em Geografia pela Universidade Federal de Rondônia (UNIR). Atualmente é Pesquisadora do Núcleo de Estudos Socioambientais da Amazônia – NESAM/UEA/Tabatinga.

 

Ricardo Gilson da Costa Silva, Universidade Federal de Rondônia – UNIR, Porto Velho, Rondônia, Brasil

É Graduado e Mestre em Geografia pela Universidade Fedral de Rondônia (UNIR), Doutor em Geografia Humana pela Universidade de São Paulo (USP) e Posdoctorado en Ciencias Humanas y Sociales pela Universidad de Buenos Aires (UBA). Atualmente é Professor do Departamento de Geografia (DGEO), do Programa de Pós-Graduação em Geografia (PPGG) e do Programa de Pós-graduação Mestrado Profissional Interdisciplinar em Direitos Humanos e Desenvolvimento da Justiça (DHJUS) da Universidade Federal de Rondônia (UNIR).

Referências

ADAMS, C. (org) et al. Sociedades Caboclas Amazônicas: Modernidade e Invisibilidade. São Paulo, FAPESP, 2006.

ALMEIDA, O. T. O manejo de pesca na Amazônia brasileira. São Paulo: Peirópolis, 2006.

BARTHEM, R. B. GOULDING, M. Os Bagres Balizadores: ecologia, migração e conservação de peixes amazônicos. Tefé: Sociedade Civil Mamirauá; Brasília: CNPq, 1997.

CAVALCANTE, M. M. A; NUNES, D. D; COSTA SILVA, R. G; LOBATO, L. C. H. Políticas Territoriais e Mobilidade Populacional na Amazônia: Estudo sobre as Hidrelétricas de Jirau e Santo Antônio no Rio Madeira/ Rondônia/Brasil. In: XVI ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDOS POPULACIONAIS. Anais... Caxambú: ABEP, 2008. pp. 3-18.

COSTA SILVA, R. G. Espaço, sociedade e natureza em Rondônia. Revista Geoamazônia, [S./l.], v. 1, p. 144-165, 2014. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.17551/2358-1778/geoamazonia.n2v1p144-165>.

COSTA SILVA, R. G.; NEVES, J. G. Território, Direitos Humanos e Educação do/no campo na Amazônia. Revista de Educação Pública (UFMT), Cuiabá, v. 27, p. 635-655, 2018. Disponível em: <http://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/educacaopublica/article/view/6887/4458>.

CRUZ, M. J. M. Rios e Lagos: apropriação da pesca pelos camponeses-ribeirinhos na Amazônia. in: BRAGA, Sérgio Ivan Gil. (org.) Cultura Popular, Patrimônio Material e Cidades. Manaus: EDUA, 2007.

CUNHA, G. D. O. B.; COSTA SILVA, R. G. Invisibilidades produzidas: o “desaparecimento” das comunidades ribeirinhas nos estudos da hidrelétrica Tabajara (Amazônia brasileira). Revista Interdisciplinar de Direitos Humanos, Bauru, v. 7, p. 95-116, 2019. Disponível em: <https://www3.faac.unesp.br/ridh/index.php/ridh/article/view/713/321>.

DIEGUES, A. C. S. O mito moderno da natureza intocada. São Paulo: NUPABUSP, 1994.Disponivel em: <https://periodicos.ufpa.br/index.php/ncn/article/view/450>. Acessado em: 30 set. 2020.

BARTHEM, R. B.; GOULDING, M. Os bagres balizadores: ecologia, migração e conservação de peixes amazônicos. Tefé: Sociedade Civil Mamirauá; Brasília: CNPq, 1997.

EUZÉBIO, E. F. Fronteira e horizontalidade na Amazônia: as cidades gêmeas de Tabatinga (Brasil) e Letícia (Colômbia). 2011. 168 f. Dissertação (Mestrado em Geografia Humana), Universidade de São Paulo, Departamento de Geografia, São Paulo, 2011.

FREITAS, C. E. C. RIVAS, A. A. F. A pesca e os recursos pesqueiros na Amazônia ocidental. Ciência & Cultura, 2006.

GOTTMANN, J. The evolution of the concept of territory. Social Science Information, [S./l.], v. 14, n. 3, ago. 1975, p. 29–47.

HAESBAERT, R. Viver no limite: território e multi/transterritorialidade em tempos de in-segurança e contenção. 1. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2014.

IBGE. Portal Cidades e Estados. Município de Tabatinga – Panorama, 2020. Disponível em: <https://cidades.ibge.gov.br/brasil/am/tabatinga/panorama>.

MACHADO, L. O. Mitos e realidades da Amazônia brasileira no contexto geopolítico internacional (1540-1912). 1989. 512 f. Tese (Doutorado em Geografia), Departamento de Geografia Humana/Universidade de Barcelona, Barcelona, 1989.

MORAES, A. O; SCHOR, T; ALVES-GOMES, J. A. O Mercado de Bagres e a Configuração da Rede Urbana no Alto e Médio Solimões, Amazonas, Brasil. Caderno Prudentino de Geografia. [S./l.], v.1, n.32, p.93-110. 2010a. Disponível em: <http://agbpp.dominiotemporario.com/doc/CPG32A-8.pdf>.

MORAES, A. O; SCHOR, T; ALVES-GOMES, J. A. Relações de Trabalho e Transporte na Pesca de Bagres no Rio Solimões –AM. Novos Cadernos NAEA, [S./l.], v. 13, n.1, p.155-170.2010b. Disponível em: <https://periodicos.ufpa.br/index.php/ncn/article/view/450>.

MORAES, A. O. Peixes, redes e cidades: aspectos socioambientais da pesca comercial de bagres no Médio e Alto Solimões - AM. 2012. 140 f. Dissertação (Mestrado em Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia) - Universidade Federal do Amazonas, Manaus, 2012. Disponível em: <https://tede.ufam.edu.br/handle/tede/2533>.

PAIVA, E. J. S. Notas iniciais sobre "rios tradicionalmente ocupados": formas de uso e manutenção dos saberes da pesca na Amazônia. In: COSTA SILVA, R. G; LIMA, L. P; CONCEIÇÃO; F. S. (Org.). Amazônia: dinâmicas agrárias e territoriais contemporâneas. 1ed., São Carlos - SP: Pedro & João Editores, 2018, v. 1, p. 287-308.

PAIVA, E. J. S. Territórios Pesqueiros: a pesca comercial e o co-manejo pesqueiro em comunidades ribeirinhas da microrregião do Alto Solimões/Amazonas. 2019. 152 folhas. Dissertação, Programa Pós-Graduação Geografia (PPGG) – Universidade Federal de Rondônia – UNIR, Porto Velho, 2019.

PAIVA, M. P. Administração pesqueira no Brasil. Rio de janeiro: Interciência, 2004.

PETRERE JR, M. A pesca comercial no rio Solimões-Amazonas e seus afluentes: análise dos informes do pescado desembarcado no mercado municipal de Manaus (1976-1978). Manaus: Ciência e cultura, 1985.

PORTO, M. F; PORTO, P. S. S. Conflitos por Água no Brasil e a Defesa dos Comuns: uma leitura a partir da Ecologia Política e da experiência do Mapa de Conflitos envolvendo Injustiça Ambiental e Saúde. 2020. Disponível em: http://conexaoagua.mpf.mp.br/arquivos/artigos-cientificos/2016/14-conflitos-por-agua-no-brasil-e-a-defesa-dos-comuns.pdf. Acesso em: 07.06.2020.

PROVARZEA, Projeto Manejo dos Recursos Naturais da Várzea/ Ibama. A pesca na região Amazônica: debates para uma possível solução/Projeto Manejo dos Recursos Naturais da Várzea/Ibama. – Brasília: Ibama, 2005.

RAFFESTIN, C. Por uma geografia do poder. São Paulo: Ática. 1993.

RAGGI ABDALLAH, P. Atividade pesqueira no Brasil: Política e evolução. 1998. 148 f. Tese (Doutorado em Ciências. Área de concentração: Economia Aplicada) – Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz/ USP, São Paulo, 1998.

RAMALHO, C. W. N. Pescados, pescarias e pescadores: notas etnográficas sobre processos ecossociais. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, Recife, v. 11, n. 2, p. 391-414, maio-ago. 2016.

RAPOZO, P. Territórios sociais da pesca: usos e formas de apropriação comum dos recursos pesqueiros em áreas de livre acesso. Manaus: EDUA, 2015.

REZENDE, Tadeu Valdir Freitas de. A conquista e a ocupação da Amazônia brasileira no período colonial: a definição das fronteiras. 2006. 353 f. Tese (Doutorado em História), Departamento de História Econômica, FFLCH, USP, São Paulo, 2006.

RUFFINO, M. L. Gestão do uso dos recursos pesqueiros na Amazônia. Manaus: IBAMA, 2005.

SANTOS, M. O espaço dividido: os dois circuitos da economia urbana dos países subdesenvolvidos. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1979.

SANTOS, M. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. São Paulo: Record, 2000.

SAQUET, M. A. As diferentes abordagens do território e a apreensão do movimento e da (i)materialidade. Geosul, Florianópolis, v. 22, n. 43, p. 55-76, jan./jun. 2007.

SCHERER, E. Mosaico Terra-Água: a vulnerabilidade social ribeirinha na Amazônia – Brasil. In: VIII Congresso Luso-Brasileiro de Ciências Sociais; Coimbra, POR. Universidade de Coimbra, 2004.

SCHWADE, T. M. M. O território agrário ao longo dos rios no Amazonas. REVISTA CERRADOS (UNIMONTES), Montes Claros, v. 17, p. 96-125, 2019. Disponível em: <https://doi.org/10.22238/rc24482692201917029612>. Acessado em: 28 set. 2020.

SILVA, C. N. Geografia e representação espacial da pesca na Amazônia paraense. 1. ed. – Belém: GAPTA/UFPA, 2012.

Downloads

Publicado

2020-11-13

Como Citar

PAIVA, E. J. S. DE .; SILVA, R. G. DA C. Territórios pesqueiros na Amazônia: dinâmica de pescadores comerciais e de subsistência em comunidade ribeirinha da tríplice fronteira Colômbia-Brasil-Peru. Revista Cerrados, v. 18, n. 02, p. 395-423, 13 nov. 2020.