Redes organizacionais, sinergias locais e interações espaciais: o projeto Granja Marileusa e a atuação do Grupo Algar em Uberlândia (MG)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46551/rc24482692202007

Palavras-chave:

Redes organizacionais. Granja Marileusa. Capital imobiliário. Grupo Algar.

Resumo

No âmbito da reestruturação técnico-científica, a organização em rede é baseada na premissa das sinergias locais, da flexibilidade, da cooperação e das interações espaciais. Este texto discute as estratégias de ação do Grupo Algar, uma corporação sediada em Uberlândia (MG), no arranjo de redes organizacionais correlatas às suas principais atividades. Em vista disso, analisa o comando de programas de inovação aberta e os esforços para fomentar, na mencionada cidade, qualificações e sinergias profícuas ao próprio funcionamento. Sobre esse último ponto, a estratégia segue vinculada à prática de incorporação imobiliária que, a partir da refuncionalização de uma gleba periurbana pertencente ao próprio grupo, deu origem ao projeto imobiliário denominado Granja Marileusa. Esse projeto revela uma importante estratégia que potencializa as interações, alimenta efeitos de proximidade, de conexão e de inovação. Frente ao arrefecimento da produção industrial e/ou da venda de bens ligados ao mercado primário, evidencia especialmente uma prática que mira a valorização do capital fundiário angariado nos auspícios do mercado imobiliário.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernando Fernandes de Oliveira, Instituto Federal de Ciência e Tecnologia Goiano – IF/Goiano, Ipameri, Goiás, Brasil

É Graduado e Mestre em Geografia pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e Doutor em Geografia pela Universidade Federal de Goiás (UFG). Atualmente é Professor do Instituto Federal de Ciência e Tecnologia Goiano (IF/Goiano, Ipameri).

 

Denis Castilho, Universidade Federal de Goiás – UFG, Goiânia, Goiás, Brasil.

É Graduado, Mestre e Doutor em Geografia pela Universidade Federal de Goiás (UFG). Atualmente é Professor do Programa de Pós-Graduação em Geografia, Instituto de Estudos Sócio-Ambientais, Universidade Federal de Goiás (UFG).

 

Referências

ABSTARTUP. Associação Brasileira de Startups. Disponível em: <https://abstartups.com.br/>. Acesso em ago. 2019.

AGÊNCIA INTELECTO. Diretoria de Inovação e Transferência de Tecnologia da Universidade Federal de Uberlândia. Depósito de patentes. 2019. Disponível em: <http://www.propp.ufu.br/acontece/2019/06/depositos-de-pedidos-de-patente-por-unidade-academica>. Acesso em ago. 2019.

ALGAR. Relatório de Sustentabilidade de 2016. Disponível em: <https://www.algar.com.br/>. Acesso em maio 2019.

_______. Relatório de Sustentabilidade de 2018. 2019. Disponível em: <https://www.algar.com.br/>. Acesso em maio 2019.

ALGAR TELECOM. Relatório de Sustentabilidade de 2018. Disponível em <https://algar2019.nambbu.com.br/>. Acesso em ago. 2019.

ALSOL. Disponível em <http://alsolenergia.com.br/>. Acesso em ago. 2019.

ANEEL. Agência Nacional de Energia Elétrica 2018. Banco de Informações de Geração – BIG. Disponível em: <http://www2.aneel.gov.br/aplicacoes/capacidadebrasil/GeracaoTipoFase.asp>. Acesso em ago. 2019.

APROTEC. Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores. Estudo de impacto econômico: segmento de incubadoras de empresas do Brasil. Brasília: APROTEC/SEBRAE, 2016. Disponível em: <http://www.anprotec.org.br/Relata/18072016%20Estudo_ANPROTEC_v6.pdf>. Acesso em ago. 2019.

BANDO DE DADOS INTEGRADOS – BDI. 2018. Disponível em: <https://www.uberlandia.mg.gov.br/prefeitura/secretarias/planejamento-urbano/banco-de-dados-integrados/>. Acesso em ago. 2019.

BENKO, Georges. Economia urbana e regional na virada do século. In: RIBEIRO, M.; MILANI, C. (Orgs.). Compreendendo a complexidade socioespacial comtemporânea: o território como categoria de diálogo interdisciplinar. Salvador: EDUFBA, 2009.

BIT MAGAZINE. Tudo o que importa em TI está aqui. Disponível em: <https://www.bitmag.com.br/>. Acesso em: set. 2019.

CAPRA, Fritjof. Vivendo redes. In: DUARTE, Fábio; QUANDT, Carlos; SOUZA, Queila. (Orgs.). O tempo das redes. São Paulo: Perspectiva, 2008.

CARVALHO, Antonio G.; RIBEIRO, Leonardo L.; FURTADO, Cláudio V. A indústria de private equity e venture capital: primeiro censo brasileiro. 2005. FGV Biblioteca Digital. Disponível em: <https://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/handle/10438/13444>. Acesso em ago. 2019.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. Tradução de Roneide Venancio Majer. 8ª ed. São Paulo: Paz e Terra, 2005.

CHANDLER, Alfred D (1990). Escala, escopo e capacidade organizacional. In: McCRAW, Thomas K. (Org.). Alfred Chandler: ensaios para uma teoria histórica da grande empresa. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1998. p. 304-342.

CORRÊA, Roberto L. Trajetórias Geográficas. 7 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2014.

DE FOUNIER. Disponível em <https://www.defprojetos.com/granja-marileusa>. Acesso em ago. 2019.

DIÁRIO DE UBERLÂNDIA. Ação lista empresas investigadas em esquema com ex-servidores da Seplan. 2019. Disponível em: <https://diariodeuberlandia.com.br/noticia/23569/acao-lista-empresas-investigadas-em-esquema-com-ex-servidores-da-seplan>. Acesso em nov. 2019.

DIÁRIO DO COMÉRCIO. 2018. Algar Ventures Open Auxilia empresas a crescer em média mais de 100%. Disponível em: < http://diariodocomercio.com.br/sitenovo/algar-ventures-open-auxilia-empresas-a-crescer-em-media-mais-de-100/>. Acesso em ago. 2019.

ENERGISA. Energisa conclui compra da Alsol. 2019a. Disponível em <http://grupoenergisa.com.br/Paginas/noticia.aspx?id=185>. Acesso em ago. 2019.

_______. Perfil corporativo. 2019b. Disponível em: <https://ri.energisa.com.br/a-energisa/perfil-corporativo>. Acesso em ago. 2019.

FANTÁSTICO. Cadê o dinheiro que estava aqui? Edição de Renato Nogueira Neto; Alexandre Rodrigues; Eric Romar. Rede Globo, 2019. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=s1pnmcPfbZ0&t=319s>. Acesso em nov. 2019.

FISCHER, André. (1978). Transportes e localização industrial. In: FIRKOWSKI, Olga L. C. F.; SPOSITO, Eliseu S. (Org.). Indústria, ordenamento e território: a contribuição de André Fischer. São Paulo: Expressão Popular – UNESP (Programa de Pós Graduação em Geografia), 2008.

FUJITA, M.; KRUGMAN, P.; VENABLES, A. Economia espacial: urbanização, prosperidade econômica e desenvolvimento humano no mundo. Tradução de Bazán Tecnologia Linguística. São Paulo: Futura, 2002.

GOMES, Maria T. S. Espaço, inovação e novos arranjos espaciais: algumas reflexões. In: OLIVEIRA, Floriano G.; OLIVEIRA, Leandro D.; TUNES, Regina; PESSANHA, Roberto M. (Orgs.). Espaço e economia: geografia econômica e a economia política. Rio de Janeiro: Consequência, 2019. p. 163-196.

GRANJA MARILEUSA. Disponível em: <https://www.granjamarileusa.com.br/o-bairro/>. Acesso em ago. 2019.

HARVEY, David. A produção capitalista do espaço. São Paulo: Annablume, 2005. 252p.

_______. Os limites do capital. Tradução de Magda Lopes. 1ed. São Paulo: Bointempo, 2013. Recurso eletrônico. 697p.

ISTOÉ. Dinheiro. O salto digital da Algar Tech. Disponível em: <https://www.istoedinheiro.com.br/o-salto-digital-da-algar-tech/>. Acesso em ago. 2019.

LEFEBVRE, Henri. A Revolução Urbana. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1999.

MARKUSEN, Ann. Mudança econômica regional segundo o enfoque centrado no ator. In: DINIZ, Clélio C.; LEMOS, Mauro B. Economia e Território. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2005.

MAZZALI, Leonel. O processo recente de reorganização agroindustrial: do complexo à organização “em rede”. São Paulo: Editora UNESP, 2000. 175p.

MOURA, Gerusa G. Condomínios horizontais/loteamentos fechados e a vizinhança (in)desejada: um estudo em Uberlândia/MG. 270f. Tese. (Doutorado em Geografia) – Instituto de Geografia da Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2008.

MUSEU DA PESSOA. História de Eleusa Garcia Melgaço. 2004. Disponível em: <https://www.museudapessoa.net/pt/conteudo/historia/a-filha-do-visionario-46055>. Acesso em dez. 2019.

NORTH, Douglass. Instituições, mudança institucional e desempenho econômico. Tradução de Alexandre Morales. São Paulo: Três Estrelas, 2018. 255p.

PIRES DO RIO, Gisela. Organizações empresariais, trajetórias espaciais e racionalidade: espaço e tempo de uma empresa de celulose. Território. Rio de Janeiro, ano V, n. 8, p. 101-119, jan./jun. 2000.

_______. A espacialidade da economia: superfícies, fluxos e redes. In: CASTRO, Iná E. de;

GOMES, Paulo Cesar da C.; CORRÊA, Roberto L. (Org.). Olhares geográficos: modos de ver e viver o espaço. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012. p. 155-187.

RUFINO, Beatriz. Grandes grupos econômicos na produção do espaço: um olhar sobre a atuação imobiliária do Grupo Votorantin. In: OLIVEIRA, Floriano G.; OLIVEIRA, Leandro D.; TUNES, Regina; PESSANHA, Roberto M. (Orgs.). Espaço e economia: geografia econômica e a economia política. Rio de Janeiro: Consequência, 2019. p. 367-398.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 4 ed. São Paulo: EDUSP, 2012.

SILVA. Antônio P. da. Com o suor do teu rosto: biografia do Comendador Alexandrino Garcia. Uberlândia: SABE, 1993. 152 p.

UBERLÂNDIA. Lei Complementar nº 629, de 7 de dezembro de 2017. Institui no âmbito do Município o Programa Inova Uberlândia, cria o Polo Tecnológico Sul, revoga a Lei complementar nº 588 de 25 de junho de 2014 e suas alterações, e as Leis nº 8.874 de 7 de dezembro de 2004, e 11.081, de 14 de março de 2012, e dá outras providências.

_______. Dados geoeconômicos de Uberlândia. 2018. Disponível em: <http://www.uberlandia.mg.gov.br/2014/secretaria-pagina/27/3086/dados_geoeconomicos.html>. Acesso em ago. 2019.

WILLIAMSON, Oliver. The modern Corporation: origins, evolution, atributes. Journal of Economic Literature, v. 19, n.4, p. 1.537-68, dez. 1981.

Downloads

Publicado

2020-07-01

Como Citar

OLIVEIRA, F. . F. DE .; CASTILHO, D. . Redes organizacionais, sinergias locais e interações espaciais: o projeto Granja Marileusa e a atuação do Grupo Algar em Uberlândia (MG). Revista Cerrados, v. 18, n. 02, p. 03-29, 1 jul. 2020.