Um olhar sobre a estrutura fundiária na atualidade: a concentração fundiária em Sergipe

Autores

  • Iris Karine dos Santos Silva Universidade Federal de Sergipe – UFS, Aracaju, Sergipe, Brasil.
  • Juliane São Pedro Alves Universidade Federal de Sergipe – UFS, Aracaju, Sergipe, Brasil.
  • Regivânia de Andrade Sá Universidade Federal de Sergipe – UFS, Aracaju, Sergipe, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.22238/rc24482692v14n22016p202a229

Palavras-chave:

Estrutura fundiária; Questão Agrária; Concentração fundiária; Sergipe.

Resumo

O presente trabalho teve como objetivo analisar a concentração de terras no estado de Sergipe no período de 2002 à 2012. A pesquisa baseou-se no método Materialista Histórico Dialético, tendo em vista sua potencial contribuição para desvelar a realidade dos fenômenos em estudo. Procedeu-se com a abordagem quali-quantitativa dos dados, compreendendo sua complementariedade. Ademais se constituiu em um estudo exploratório, que tem como intuito o desenvolvimento e a modificação de conceitos e ideias, a fim de suscitar elementos para trabalhos posteriores. Enquanto procedimentos de pesquisa recorreu-se, por um lado, a revisão bibliográfica da literatura encontrada, e por outro lado a pesquisa documental em sites institucionais que lidam com informações do universo agrário. Para tal teceu comparações com o panorama fundiário apresentado no Nordeste e no Brasil, ressaltando as particularidades da formação sócio-histórica que incidem decisivamente na configuração da questão agrária do país. De um modo geral, os resultados revelam que a concentração fundiária ainda é um elemento forte no Brasil, no Nordeste e em Sergipe. Embora no caso desse estado em específico, tem-se a particularidade da região do Alto Sertão, que através da luta dos movimentos sociais organizados conseguiu alterar esse quadro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Iris Karine dos Santos Silva, Universidade Federal de Sergipe – UFS, Aracaju, Sergipe, Brasil.

Possui Graduação em Serviço Social pela Universidade Federal de Sergipe (UFS). Atualmente é mestranda em Serviço Social pela Universidade Federal de Sergipe (UFS).

Juliane São Pedro Alves, Universidade Federal de Sergipe – UFS, Aracaju, Sergipe, Brasil.

Possui Graduação em Serviço Social pela Universidade Federal de Sergipe (UFS).

Regivânia de Andrade Sá, Universidade Federal de Sergipe – UFS, Aracaju, Sergipe, Brasil.

Possui Graduação em Serviço Social pela Universidade Federal de Sergipe (UFS).

Referências

ANDRADE, M. C. A terra e o homem do Nordeste: Contribuição ao estudo da questão agrária no Nordeste. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2005.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF: 5 out. 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm>. Acesso em 18 jun. 2014.

______. Lei nº 8.629, de 25 de fevereiro de 1993. Dispõe sobre a regulamentação dos dispositivos constitucionais relativos à reforma agrária, previstos no Capítulo III, Título VII, da Constituição Federal. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF 26 fev. 1993. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8629.htm>. Acesso em: 18 jun. 2014.

______. Lei nº 4.504, de 30 de novembro de 1964. Dispõe sobre o Estatuto da Terra, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 31 nov. 1964. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l4504.htm>. Acesso em: 18 jun. 2014.

CARDIM, S. E. C. S.; VIEIRA, P. T. L.; VIÉGAS, J. R. Análise da estrutura fundiária brasileira. Brasília, DF: INCRA, 2005. Disponível em: <http://www.incra.gov.br/sites/default/files/uploads/servicos/publicacoes/relatorios/outros-relatorios/relgestaoprocera2003.pdf>. Acesso em: 17 de jun. 2014.

FAUSTO, B. História do Brasil. 5.ed. São Paulo: EDUSP, 1997.

FEITOSA, C. O.; PASSOS SUBRINHO, J. M.; MELO, R. O. L. Indústria e desenvolvimento em Sergipe. Revista Econômica do Nordeste, v. 40, n. 2, p. 331-343, 2009.

FERNANDES, B. M.; WELCH, C. A.; GONÇALVES, E. C. Políticas fundiárias no Brasil: Uma análise geo-histórica da governança da terra no Brasil. Sessões Framing The Debate. Roma: International Land Coalition, n. 2, 2012.Disponível em: <http://www.landcoalition.org/sites/default/files/publication/1372/FramingtheDebateBrazil_Portuguese.pdf>. Acesso em: 18 de mai. 2014.

FILHO, J. L. A.; FONTES, R. M. O. A formação da propriedade e a concentração de terras no Brasil. Revista de História Econômica e Economia Regional Aplicada. [S. l.], v.4. n.7. 2009.

GIL, A. C. Métodos e técnicas em pesquisa social. 6 ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GIRARDI, E. P. Proposição teórico-metodológica de uma cartografia geográfica crítica e sua aplicação no desenvolvimento do atlas da questão agrária brasileira. Tese (Doutorado em Geografia). Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Tecnologia. Presidente Prudente, 2008, 347 f.

______.; VINHA, J. F. S. C. (Coord.). DATALUTA – Banco de Dados da Luta pela Terra: Relatório Brasil 2012 - 2013. Núcleo de Estudos, Pesquisas e Projetos de Reforma Agrária, Faculdade de Ciência e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista. Presidente Prudente, 2013. Disponível em: <http://www.lagea.ig.ufu.br/rededataluta/relatorios/brasil/dataluta_brasil_2012.pdf>. Acesso em: 10 de mar 2014.

GRAZIANO DA SILVA, J. O que é questão agrária. 4 ed. São Paulo: Brasiliense, 1981. (Coleção Primeiros Passos).

______. (Coord.). Estrutura Agrária e Produção de Subsistência na Agricultura Brasileira. São Paulo: Hucitec, 1978.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Agropecuário 2006. Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação. 2.apur. Rio de Janeiro, 2012. Disponível em: <ftp://ftp.ibge.gov.br/Censos/Censo_Agropecuario_2006/Segunda_Apuracao/censoagro2006_2aapuracao.pdf>. Acesso em: 04 de jan. 2014.

LEMOS, J. J. S. Mapa da exclusão social no Brasil: radiografia de um país assimetricamente pobre. 2. ed. Fortaleza: Etene, 2007.

MARX, K. A Assim Chamada Acumulação Primitiva. In: O capital: Crítica da economia política. São Paulo: Nova Cultural, 1996. p. 339-381.

______. A Nacionalização da Terra. The International Herald: [S. l.], n. 2.15 de jun. 1872.

PRADO JUNIOR, C. História Econômica do Brasil. 46. ed. São Paulo: Brasiliense, 2004.

RAMOS FILHO, E. S. Questão Agrária atual: Sergipe como referência para um Estudo confrontativo das políticas de Reforma Agrária e Reforma Agrária de Mercado (2003 – 2006). Tese (Doutorado em Geografia). Programa de Pós-Graduação em Geografia. Universidade Estadual Paulista. Presidente Prudente, 2008.

______. (Coord.). DATALUTA – Banco de Dados da Luta pela Terra: Relatório Sergipe 2012. Laboratório de Estudos Rurais e Urbanos, Universidade Federal de Sergipe, São Cristovão, 2013. Disponível em: <http://www.ippri.unesp.br/Home/pos-graduacao/desenvolvimentoterritorialnaamericalatinaecaribe/relatorio_dataluta_se_2012.pdf>. Acesso em: 10 de mar 2014.

SANTOS, L. S. A Produção do Espaço Agrário Sergipano: Estruturação e Arranjos (1850- 1925). Tese (Doutorado em Geografia). Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2011. 272 f.

SILVA. E. A. Mercado, Estado e Sociedade Civil: os desafios da reforma agrária no Brasil. In: JORNADA INTERNACIONAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS, 4., 2009, São Luís, Anais...São Luís, 2009. Disponível em: <http://www.joinpp.ufma.br/jornadas/joinppIV/eixos/9_estados-e-lutas-sociais/mercado-estado-e-sociedade-civil-os-desafios-da-reforma-agraria-no-brasil.pdf>. Acesso em 13 fev. 2013.

STEDILE, J. P. (Org.). A questão agrária no Brasil: o debate tradicional, 1500-1960. São Paulo: Expressão Popular, 2005.

TANEZINI, T. C. Z. Territórios em Conflito no Alto Sertão Sergipano. Tese (Doutorado em Geografia). Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Federal de Sergipe, São Cristovão, 2014. 582 f.

VEIGA, J. E. O que é reforma agrária. São Paulo: Brasiliense, 1984. (Coleção Primeiros Passos).

Downloads

Publicado

2016-12-31

Como Citar

SILVA, I. K. dos S.; ALVES, J. S. P. .; SÁ, R. de A. . Um olhar sobre a estrutura fundiária na atualidade: a concentração fundiária em Sergipe. Revista Cerrados, [S. l.], v. 14, n. 02, p. 202–229, 2016. DOI: 10.22238/rc24482692v14n22016p202a229. Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/cerrados/article/view/1381. Acesso em: 24 maio. 2024.