Analises dos padrões e estilos de canais a partir da paisagem geomorfológica fluvial na bacia do Rio Una/PE

Autores

  • Adriana cassiano da silva Universidade Federal de Pernambuco - UFPE, Recife, Pernambuco, Brasil.
  • Osvaldo Girão da Silva Universidade Federal de Pernambuco - UFPE, Recife, Pernambuco, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.22238/rc24482692v14n22016p71a92

Palavras-chave:

Feição Fluvial; Estrutura; Instabilidade; Deposição de Sedimentos.

Resumo

Os estilos fluviais refletem a fisiografia estrutural da rede de drenagem controladas pelos estratos rochosos, retratando na paisagem sua dinâmica, assim como os padrões de canais, que podem ser alterados por processos geomorfológicos, climáticos e antrópicos. O quadro dos estilos fluvial fornece um modelo geomorfológico dos processos espaciais e temporais biofísicos para gestão e planejamento das bacias hidrográficas. O presente trabalho teve como objetivo analisar as influências do comportamento no canal da bacia do rio Una localizado no Nordeste do Estado de Pernambuco, a partir da investigação das feições da drenagem como reflexo da transferência de matéria e energia entre distintos compartimentos e setores do ambiente fluvial.  A metodologia proporcionou uma visão geral de toda área analisada, a partir da avaliação do índice de sinuosidade, mapeamento dos estilos e das feições fluviais, perfis longitudinais e trabalhos de observação em campo. Assim, constatou-se que a influência estrutural na rede de drenagem da referida bacia comandou a retilineidade do canal Una, com quebra no gradiente topográfico, inflexão do canal e vales encaixados. Nesse ambiente, verificou-se que a produção e deposição dos sedimentos estão vinculados as influências do clima tropical.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriana cassiano da silva, Universidade Federal de Pernambuco - UFPE, Recife, Pernambuco, Brasil.

Possui Graduação e Mestrado pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Atualmente faz parte do Laboratório de Geomorfologia do Quaternário – LabGequa, Grupo de Estudo do Quaternário do Nordeste – GEQUA, da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

Osvaldo Girão da Silva, Universidade Federal de Pernambuco - UFPE, Recife, Pernambuco, Brasil.

Possui Graduação e Mestrado em Geografia pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE); Doutorado em Geografia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Atualmente é professor do Departamento de Ciências Geográficas da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

Referências

ALMEIDA, F. F. M.; HASUI, Y.; BRITO NEVES, B. B.; FUCK, R. A. Províncias Estruturais Brasileiras. In: SIMPÓSIO DE GEOLOGIA DO NORDESTE, 8, Campina Grande – PB, Atas... Campina Grande: SBG, Núcleo Nordeste, 1977, p.363-391.

ALMEIDA, F. F. M.; LEONARDOS, O. H.; VALENÇA, J. Review on granitic rocks of Northeast South America. In: SYMPOSIUM ON NORTHEAST SOUTH AMERICA GRANITES, 1, 1967. Recife – PE. Resumes... Recife: IUGS/UNESCO, 1967, 41p.

ALMEIDA, F. F. M., BRITO NEVES, B. B., CARNEIRO, C. D. R. The origin and evolution of the South American Platform. Earth-Science Reviews. 50, 2000. p. 77-111.

APAC – Agência Pernambucana de Águas e Clima. Bacias Hidrográficas. Disponível em: < www.apac.pe.gov.br>. Acesso dia 13 de dezembro 2015.

BRIERLEY, G. J.; FRYIRS, K. A. Geomorphology and river management: applications of the river styles framework.Victoria: Blackwell Publishing (commerce place, 350 main street, Malden, may 02148, USA), 2005. 398p,.

BRIERLEY, G.J.; FRYIRS, K.A. The River Styles framework: The short course conceptual book. Macquarie Research Limited, 2003.

BRITO, M.F.L; FILHO, A.F.S., GUIMARÃES, I.P., Caracterização geoquímica e isotópica do batólito Serra do Catu e sua evolução da interface dos domínios Sergipano e Pernambuco-Alagoas, Província Borborema. Revista Brasileira de Geociências, Recife 2009. p. 324-337.

BRITO NEVES, B. B., CAMPOS NETO, M.C., VAN SCHMUS, W.R., SANTOS, E.J. O sistema Pajeú-Paraíba e o maciço São José do Campestre no leste da Borborema. Revista Brasileira de Geociências, v. 31. 2001 a. p. 1-15.

BRITO NEVES, B. B., CAMPOS NETO, M.C., VAN SCHMUS, W.R., FERNANDES, T.M.G., SOUZA, S. O terreno alto Moxotó no leste da Paraíba (maciço Caldas Brandão). Revista Brasileira de Geociências, v. 31. 2001 b. p.16-31.

BRITO NEVES, B. B.; VAN SCHMUS, W. R.; FETTER, A. H. Noroeste da África – Nordeste do Brasil (Província Borborema): Ensaio comparativo e problemas de correlação. Revista do Instituto de Geociências – USP, série científica, v.1, 2001 c. p.59-78,

BRITO NEVES, B. B.; SANTOS, E. J.; VAN SCHMUS, W. R. Tectonic History of the Borborema Province. In: CORDANI, U. G.; MILANI, E. J.; THOMAZ FILHO, A.; CAMPOS, D. A . (Ed.). Tectonic evolution of South America. Rio de Janeiro: [s.n.], 2000. p.151-182.

BRITO NEVES, B. B.; VAN SCHMUS, W. R.; KOZUCH, M.; SANTOS, E.J.; PETRONILHO, L., A Zona Tectônica Teixeira Terra Nova - ZTTTN Fundamentos da Geologia Regional e Isotópica. Revista do Instituto de Geociências - USP Sér. Cient., São Paulo, v. 5, n. 1, 2005. p. 57-80.

CHORLEY, R.J. & KENNEDY, B.A., Physical Geography: A Systems Aproach, London: Prentice Hall. 1971. 370p.

CHRISTOFOLETTI, A., Geomorfologia Fluvial. São Paulo: Edgard Blucher, 1981.

CAVALCANTI, I.F.A.; FERREIRA, N. J.; SILVA DIAS, M.A.F.; JUSTI DA SILVA, M. G. A. (Organizadores). Tempo e Clima no Brasil. Autores: vários. Editora: Oficina de Textos. ISBN: 9788586238925. Idioma: Português. Encadernação: Brochura. 1ª edição, 2009. 464p.

CPRM - Serviço Geológico do Brasil. Programa Levantamentos Geológicos Básicos do Brasil. Natal, Folha SB.25; Recife, folha SC.25. 2007.

DAVIS, W.M. The geographical cycle. Geographical Journal, 14(5), 1899. p. 481-504.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA – EMBRAPA. Sistema brasileiro de classificação de solos. Rio de Janeiro: EMBRAPA/CNPS, 2° ed., 306p. 2006.

ETCHEBEHERE, M. L. C.; SAAD, A.R..; FULFARO, V.J.; PERINOTTO, J.A.J., Detecção de Prováveis Deformações Neotectônicas no Vale do Rio do Peixe, Região Ocidental Paulista, Mediante Aplicação de Índices RDE (Relação Declividade-Extensão) em Segmentos de Drenagem.UNESP, Geociências, v. 25, n. 3, São Paulo, 2006. p. 271-287.

FRANÇA, R.H.M.; FERREIRA, V.P.; BEZERRA, J.P.S.; BIONDO, V.R., Contribuição da Gama Espectrometria ao estudo da Geologia do Batólito Águas Belas – Canindé: região a norte de Santana do Ipanema, Alagoas. XXVI Simpósio de Geologia do Nordeste, Anais, v. 26, 2015.

GUEDES, I. C.; SANTONI, G.C.; ETCHEBEHERE, M.L.C; STEVAUX, J.C. STEVAUX; MORALES, N.; SAAD, A.R., Análise de Perfis Longitudinais de Drenagens da Bacia do Rio Santo Anastácio(SP) para Detecção de Possíveis Deformações Neotectônicas. Revista UnG – Geociências V.5, N.1, 2006, 75-102. 28p.

HACK, J. T. Stream-profile analysis and stream-gradient index. U.S. Geol. Survey, Jour. Research, Washington, v. 4, n. 1. 1973. p. 421-429.

KELLERHALS, R., CHURCH, M., BRAY, D.I., Classification and Analysis of river processes. Journal of Hidraulics Division, American Society of Civil Engeneers, 102: 1976, p. 813-829.

KLEINA,M., PAULA, E.V., SANTOS, L.J.C., Análises Comparativa dos Estilos Fluviais do rio Sagrado (Morretes/PR) para os anos de 2006 e 2011. Revista Geografar, Curitiba, v.9, n.1, 2014. p. 27-44.

KONDOLF, G.M.; MONTGOMERY, D.R.; PIEGÁY, H.; SCHMITT, L., Geomorphic Classification of Rivers and Streams. In: KONDOLF, G.M. & PIEGÁY, H. Tools in Fluvial Geomorphology. 2003. p.171-204.

LIMA FILHO, M. F; BARBOSA J. A.; NEUMANN, V.H; SOUZA, E. M. Evolução estrutural comparativa da Bacia de Pernambuco e da Bacia da Paraíba. X Simpósio Nacional de Estudos Tectônicos e IV International Symposium on Tectonics of the Brazilian Geological Society. Curitiba- PR. 2005.

LIMA, R. N. S. Conectividade dos ambientes fluviais: implicações para avaliação da sensibilidade do sistema de drenagem da bacia do Rio Macaé (RJ). 2010. 128 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Departamento de Geografia, Instituto de Geociências, Centro de Ciências Matemáticas e da Natureza, Universidade Federal do Rio de Janeiro: Rio de Janeiro. 2010.

OLIVEIRA, R.G. Arcabouço Geofísico, Isostasia e Causas do Magnetismo Cenozóico na Província da Borborema e de Sua Margem Continental (Nordeste do Brasil). 2008. 415 f. Tese (Doutorado), Universidade Federal do Rio Grande do Norte: Natal. 2008.

NASCIMENTO, M. A. L. Geologia, geocronologia, geoquímica e petrogênese das rochas ígneas cretáceas da província magmática do Cabo e suas relações com as unidades sedimentares da Bacia de Pernambuco, NE do Brasil. 2003. 235 f. Tese (Doutorado), Universidade Federal do Rio Grande do Norte: Natal. 2003.

MABESOONE, J. M.; CASTRO, C. Desenvolvimento geomorfológico do nordeste brasileiro. Boletim do Núcleo do Nordeste da Sociedade Brasileira de Geologia, Recife, n. 3, 1975. p.5-37.

SCHUMM, S. A. Evolution and response of the fluvial system: Sedimentologic

Implications, SEPM, Special Publication, v. 31, 1981. p. 19-29.

SCHUMM, S. A. River Variability and Complexity. Colorado State University, 2005.

Downloads

Publicado

2016-12-31

Como Citar

SILVA, A. cassiano da; SILVA, O. G. da . Analises dos padrões e estilos de canais a partir da paisagem geomorfológica fluvial na bacia do Rio Una/PE. Revista Cerrados, [S. l.], v. 14, n. 02, p. 71–92, 2016. DOI: 10.22238/rc24482692v14n22016p71a92. Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/cerrados/article/view/1372. Acesso em: 24 maio. 2024.