A AGENDA 2030 E O SANEAMENTO COMO INDICADOR DE SUSTENTABILIDADE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46551/rc24482692202002

Palavras-chave:

Sustentabilidade; Saneamento; Gestão em Saúde; Unidades de Conservação; Comunidades Ribeirinhas.

Resumo

O acesso ao fornecimento de água potável e às condições adequadas de saneamento faz parte da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável. Visto como medida higienizadora do ambiente, capaz de torná-lo salubre, atendendo às necessidades humanas, o saneamento é um serviço que se presta a um público, a um coletivo, independente da natureza jurídica de sua organização. O objetivo do presente estudo é identificar o comportamento das principais variáveis que compõem o item saneamento em uma comunidade ribeirinha localizada em área ambientalmente protegida na Amazônia brasileira. Trata-se de estudo longitudinal, de natureza descritiva e ecológica, baseado em pesquisa de campo, com aplicação de questionários estruturados e observação direta. As condições de saneamento encontradas mostraram-se precárias ou minimamente garantidas. O uso disseminado de “fossas negras” para lançamento do esgoto e a dificuldade no abastecimento de água potável mostraram-se preocupantes, indicando a necessidade de alguma forma de intervenção que possa corrigir essa tendência. Conclui-se que a análise das condições de saneamento da comunidade, examinadas em escala temporal, permite a observação do comportamento das variáveis que compõem o indicador utilizado e, dessa forma, a detecção de riscos ou vulnerabilidades que podem, ao persistirem as tendências negativas encontradas, comprometer aspectos econômicos, sociais e ambientais que caracterizam a sustentabilidade daquelas comunidades.

Palavras-chave:  Sustentabilidade. Saneamento. Gestão em Saúde. Unidades de Conservação. Comunidades Ribeirinhas.

 

2030 AGENDA AND THE SANITATION AS AN INDICATOR OF SUSTAINABILITY

ABSTRACT

The access to drinking water supply and adequate sanitation is part of Agenda 2030 for the Sustainable Development. Seen as a sanitary measure of the environment, able to make it healthy, sanitation is a service that lends itself to a public, regardless the legal nature of its organization. The objective of the present study is to identify the main variables that make up the sanitation item in a riverine community located in an environmentally protected area in the Brazilian Amazon. It is a longitudinal study, of a descriptive and ecological nature, based on field research with the application of structured questionnaires and direct observation. The sanitation conditions found were precarious or minimally guaranteed. The widespread use of "sewage cesspits" and the difficulty in supplying drinking water was worrisome, indicating the need for some form of intervention that could correct this trend. It is concluded that the analysis of community sanitation conditions, examined in a temporal scale, allows the observation of the behavior of the variables that make up the indicator used and, in this way, the detection of risks or vulnerabilities that can, with the persistence of negative trends economic, social and environmental aspects that characterize the sustainability of these communities. Keywords: Sustainability. Sanitation. Health Management. Conservation units. Coastal Communities.

 

LA AGENDA 2030 Y EL SANEAMIENTO COMO INDICADOR DE SOSTENIBILIDAD

RESUMEN

El acceso al agua potable y al saneamiento adecuado es parte de la Agenda 2030 para el Desarrollo Sostenible. Visto como una medida desinfectante del medio ambiente, capaz de hacerlo saludable, satisfaciendo las necesidades humanas, el saneamiento es un servicio que se presta a un público, a un colectivo, independientemente de la naturaleza legal de su organización. El objetivo de este estudio es identificar el comportamiento de las principales variables que componen el elemento de saneamiento en una comunidad ribereña ubicada en un área ambientalmente protegida en la Amazonía brasileña. Este es un estudio longitudinal, descriptivo y ecológico, basado en la investigación de campo utilizando cuestionarios estructurados y observación directa. Las condiciones de saneamiento encontradas fueron precarias o mínimamente garantizadas. El uso generalizado de "sumideros negros" para la eliminación de aguas residuales y la dificultad para suministrar agua potable eran preocupantes, lo que indica la necesidad de alguna forma de intervención que pueda corregir esta tendencia. Se concluye que el análisis de las condiciones de saneamiento de la comunidad, examinado en una escala de tiempo, permite la observación del comportamiento de las variables que componen el indicador utilizado y, por lo tanto, la detección de riesgos o vulnerabilidades que pueden, cuando persisten tendencias negativas encontrado, comprometer los aspectos económicos, sociales y ambientales que caracterizan la sostenibilidad de esas comunidades.

Palabras clave: Sostenibilidad. Saneamiento. Gestión de la salud. Unidades de Conservación. Comunidades ribereñas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Duarcides Ferreira Mariosa, Pontifícia Universidade Católica de Campinas – PUC/Campinas, Campinas, São Paulo, Brasil.

Possui Graduação em Ciências Sociais, Mestrado e Doutorado em Sociologia, todos cursados pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Atualmente é Professor do Programa de Pós-Graduação em Sustentabilidade da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas).

Samuel Carvalho De Benedicto, Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC/Campinas

Possui Gradução em Ciências Físicas e Biológicas, em Biologia, em Pedagogia pela Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG), Graduação em Administração pela Universidade Anhanguera; Mestrado e Doutorado em Administração pela Universidade Federal de Lavras (UFLA). Atualmente é Professor do Programa de Pós-Graduação em Sustentabilidade da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas).

Marcos Ricardo Rosa Georges, Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC/Campinas, Campinas, São Paulo, Brasil.

Graduação em Matemática Aplicada e Computacional, Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica, todos cursados pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Atualmente é Professor do Programa de Pós-Graduação em Sustentabilidade da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas).

Cibele Roberta Sugahara, Pontifícia Universidade Católica de Campinas – PUC/Campinas, Campinas, São Paulo, Brasil.

Possui Graduação em Graduação em Administração de Empresas pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC/Campinas), Mestrado em Ciência da Informação pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC/Campinas) e Doutorado em Ciência da Informação pela Universidade de São Paulo (USP). Atualmente é Professora do Programa de Pós-Graduação em Sustentabilidade da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas).

Referências

BOUABID, Ali; LOUIS, Garrick. Capacity factor analysis for evaluating water and sanitation infrastructure choises for developing communities. Journal of Environmental Management, v.161, p. 335-343, 2015.

BRASIL. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Lei No 9.985, de 18 de julho de 2000. Sistema Nacional de Unidade de Conservação da Natureza – SNUC. Brasilia – DF: MMA, 2000.

BRASIL. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza. Brasília: MMA/SBF, 2011. 80 p.

BRASIL. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Cadastro nacional de unidades de conservação. 2014. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-nacional-de-ucs>. Acesso em: 23 jul. 2018.

FACHIN, Odília. Fundamentos de metodologia. 5. ed. São Paulo: Saraiva, 2015. 210 p.

FERREIRA, Leandro Valle; VENTICINQUE, Eduardo; ALMEIDA, Samuel. et al. O desmatamento na Amazônia e a importância das áreas protegidas. Estudos Avançados, v. 19, n. 53, p. 157-166, 2005.

MARIOSA, Duarcides Ferreira; SILVA, Edinaldo Nelson dos Santos; GASPARINI, Leandro; REIS Jr., Alfredo Morel. Ribeirinhos do Rio Negro: um estudo da qualidade socioambiental. Curitiba: Editora CRV, 2014. 158 p.

MEDEIROS, Flávia A.; ARAÚJO-SOUZA, Georgia C.; ALBUQUERQUE-BARBOSA, Aldenísia A.; CLARA-COSTA, Iris do Céu. Acolhimento em uma Unidade Básica de Saúde: a satisfação do usuário em foco. Revista de Salud Pública, v. 12, n. 3, p. 402-13, 2010.

MORACI, Francesca; FAZIA, Celestina. The smart cities and the challengers sustainability. TeMA - Journal of Land Use, Mobility and Environment, v. 6, n. 1, p. 35-45, 2013.

NAÇÕES UNIDAS. Transformando nosso mundo: a agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável. 2015. Disponível em: <http://nacoesunidas.org/pos2015/agenda2030/>. Acesso em: 13 set. 2016.

SANTOS, Fernanda Barbosa; MARQUES, Leonardo Augusto Marinho; DUARTE, Hugo Garcez. Direitos Fundamentais: a busca por sua efetivação. Âmbito Jurídico, v.14, n. 92, p. 1-13, 2011.

SANTOS-SILVA, Edinaldo Nelson; SCUDELLE, Veridiana Vizoni; CAVALCANTI, Mauro José (Eds.). BioTupé: meio físico, diversidade biológica e sociocultural do baixo Rio Negro, Amazônia Central. Manaus: Rizoma Editorial, 2011. v. 3.

SERRA, N. E. M. No ritmo das águas. Presença Revista de Educação, Cultura e Meio Ambiente, v. 4, n. 24, p. 1-13, 2002.

SELBY, David; KAGAWA, Fumiyo. Mudança climática em sala de aula. Brasília: UNESCO, 2014. 374 p.

SILVA, Antonio Carlos Nisoli Pereira; REI, Fernando Cardozo Fernandes. O Direito Ambiental Internacional: um olhar da Ciência Pós-Normal. Revista Eletrônica Direito e Sociedade - REDES, v. 5, n. 2, p. 11-22, 2017.

SOARES, Sérgio R. A.; BERNARDES, Ricardo S.; CORDEIRO NETO, Oscar M. Relações entre saneamento, saúde pública e meio ambiente: elementos para formulação de um modelo de planejamento em saneamento. Cadernos de Saúde Pública, v. 18, n. 6, p. 1713-1724, 2002.

SOUZA, Cezarina Maria Nobre; FREITAS, Carlos Machado. Discursos de usuários sobre uma intervenção em saneamento: uma análise na ótica da promoção da Saúde e da prevenção de doenças. Engenharia Sanitária e Ambiental, v. 14, n.1, Jan./mar. p. 59-68, 2009.

SPERLING, Tiago Lages Von; SPERLING, Marcos Von. Proposição de um sistema de indicadores de desempenho para avaliação da qualidade dos serviços de esgotamento sanitário. Engenharia Sanitaria e Ambiental, v. 18, n. 4, p. 313-322, 2013.

TEIXEIRA, Júlio César; OLIVEIRA, Guilherme Soares.; VIALI, Amanda de Melo; MUNIZ, Samuel Soares. Estudo do impacto das deficiências de saneamento básico sobre a saúde pública no Brasil no período de 2001 a 2009. Engenharia Sanitária e Ambiental, v. 19, n.1, p. 87-96, Jan./Mar. 2014.

TRABUCCHI, Mattia; NTSHOTSHO, Phumza; O'FARRELL, Patrick; COMÍN, Francisco A. Ecosystem service trends in basin-scale restoration initiatives: a review. Journal of Environmental Management, v.111, p. 18-23, 2012.

VICQ, Raphael de,; LEITE, Mariangela Garcia Praça. Avaliação da implantação de fossas sépticas na melhoria na qualidade de águas superficiais em comunidades rurais. Engenharia Sanitária e Ambiental, v. 19, n.4, p. 411-416, Out./Dez. 2014.

Publicado

2020-06-26

Como Citar

MARIOSA, D. F. .; BENEDICTO, S. C. D.; GEORGES, M. R. R. .; SUGAHARA, C. R. . A AGENDA 2030 E O SANEAMENTO COMO INDICADOR DE SUSTENTABILIDADE. Revista Cerrados, v. 18, n. 01, p. 278-299, 26 jun. 2020.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)