Sustentabilidade socioambiental, padrão construtivo habitacional e comunidades ribeirinhas do Tupé - Manaus, Amazonas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22238/rc24482692v15n12017p30a52

Palavras-chave:

Sustentabilidade; Padrão Construtivo; Gestão Ambiental; Unidades de Conservação; Comunidades Ribeirinhas.

Resumo

Com o presente texto objetiva-se identificar os componentes e principais variáveis que compõem o padrão construtivo habitacional na Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Tupé (RDS do Tupé) e, numa análise diacrônica, avaliar a pertinência teórico-metodológica deste indicador de sustentabilidade socioambiental. Trata-se de um estudo exploratório, descritivo e de análise ecológica, baseado em pesquisa original de campo, com coleta de dados originais, aplicando-se questionário semi estruturado e técnicas de observação direta. A análise do padrão construtivo habitacional nas comunidades ribeirinhas da RDS do Tupé, examinadas em escala temporal, mostrou que o comportamento das variáveis compositoras do indicador utilizado permite a detecção de pontos vulneráveis ou fraquezas sistêmicas capazes de comprometer aspectos econômicos, sociais e ambientais que caracterizam a sustentabilidade daquelas comunidades. Dessa análise, concluiu-se que se o exame do conjunto das variáveis apresenta resultados diversos do exame de cada uma das partes que o compõem, a sustentabilidade socioambiental define-se mais pelo comportamento dos indicadores gerais que dos particulares. Por sua vez, são as modificações observadas nos parâmetros de cada variável que permitem o planejamento e controle dos resultados no longo prazo, validando o uso deste sistema de indicadores como ferramenta de gestão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Duarcides Ferreira Mariosa, Pontifícia Universidade Católica de Campinas – PUC/Campinas, Campinas, São Paulo, Brasil.

Possui Graduação em Ciências Sociais, Mestrado e Doutorado em Sociologia, todos cursados pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Atualmente é Docente na Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC/Campinas).

Marcos Ricardo Rosa Georges, Pontifícia Universidade Católica de Campinas – PUC/Campinas, Campinas, São Paulo, Brasil.

Possui Graduação em Matemática Aplicada e Computacional, Mestrado e Doutorado em Engenharia Mecânica, todos cursados pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Atualmente é Docente no Programa de Pós-Graduação em Sustentabilidade da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC/Campinas).

Renato Ribeiro Nogueira Ferraz , Universidade Nove de Julho - UNINOVE, São Paulo, São Paulo, Brasil

Possui Graduação em Ciências Biológicas cursada pela Universidade Nove de Julho (UNINOVE), Mestrado e Doutorado em Ciências Básicas – Nefrologia, ambos cursados pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Atualmente é Docente no Programa de Pós-Graduação em Administração da Universidade Nove de Julho (UNINOVE).

Samuel Carvalho De Benedicto, Pontifícia Universidade Católica de Campinas – PUC/Campinas, Campinas, São Paulo, Brasil.

Possui Graduação em Ciências Físicas e Biológicas, em Biologia e em Pedagogia cursadas pela Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG), e Graduação em Administração cursada pela Universidade Anhanguera (UNIDERP), Mestrado e doutorado em Administração pela Universidade Federal de Lavras (UFLA). Atualmente é Docente do Programa de Pós-Graduação em Sustentabilidade da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC/Campinas).

Referências

AMARAL, S. et al. Comunidades ribeirinhas como forma socioespacial de expressão urbana na Amazônia: uma tipologia para a região do Baixo Tapajós (Pará-Brasil). Revista Brasileira de Estudos de População, Rio de Janeiro, v. 30, n. 2, p. 367–399, dez. 2013.

BELLEN, H. M. Van. Indicadores de sustentabilidade: uma análise comparativa. 3. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2008.

BERKMAN, L. F.; KAWACHI, I.; GLYMOUR, M. Social Epidemology. New York: Oxford University Press, 2014.

BOURDIEU, P. Gosto de classe e estilo de vida. In: ORTIZ, R. Pierre Bourdieu - Sociologia. São Paulo: Ática, 1983. p. 82-121.

BRAUN, R. Desenvolvimento ao ponto sustentável: novos paradigmas ambientais. Petrópolis: Vozes, 2001.

ESPÍ, M. V. El territorio desde la perspectiva ecológica. Boletín CF+ S, Madrid, n. 42/43, p. Marzo 2010.

GONÇALVES, A. Em busca do diálogo do controle social sobre o estilo de vida. In: VILARTA, R. (Org.). Qualidade de vida e políticas públicas: saúde, lazer e atividade física. Campinas: IPES Editorial, 2004.

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Sinopse do censo demográfico 2010. 2011. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/ estatistica/populacao/censo2010/>. Acesso em: 13 set. 2016.

JANNUZZI, P. DE M. Monitoramento e Avaliação de Programas Sociais: uma introdução aos conceitos e técnicas. Campinas - SP: Alínea, 2016.

MONTEIRO, M. I. Instrumento para coleta de dados sociodemográficos, aspectos de saúde, trabalho e estilo de vida. Texto para Discussão. Campinas: Unicamp, 2010.

NAÇÕES UNIDAS. Transformando nosso mundo: a agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: Nações Unidas no Brasil, , 2015. Disponível em: <http://nacoesunidas.org/pos2015/agenda2030/>. Acesso em: 13 set. 2016.

NASCIMENTO, E. P. DO. Trajetória da sustentabilidade: do ambiental ao social, do social ao econômico. Estudos Avançados, São Paulo, v. 26, p. 51–64, 2012.

NEVES, C. E. B.; NEVES, F. M. O que há de complexo no mundo complexo? Niklas Luhmann e a Teoria dos Sistemas Sociais. Sociologias, Porto Alegre, v. 8, n. 15, p. 182-207, Jan./Jun. 2006.

PEREIRA, J. C. R. Análise de dados qualitativos: estratégias metodológicas para as ciências da saúde, humanas e sociais. São Paulo: EDUSP/FAPESP, 2014.

PETERSEN, P. et al. Método de Análise Econômico-Ecológica de Agroecossistemas. 1. ed. Rio de Janeiro: AS-PTA, 2017.

SACHS, I. Sociedade, cultura e meio ambiente. Mundo & vida, Niterói, v.2, n.1, p.7-13. 2000.

SANTOS, F. B.; MARQUES, L. A. M.; DUARTE, H. G. Direitos Fundamentais: a busca por sua efetivação. Âmbito Jurídico, Rio Grande, v. 14, n. 92, p. 01-11, 2011.

SANTOS-SILVA, E. N.; SCUDELLER, V. V.; CAVALCANTI, M. J. (Eds.). BioTupé: meio físico, diversidade biológica e sociocultural do baixo Rio Negro, Amazônia Central. Manuas, AM: Rizoma Editorial, 2011. v. 3

SERRA, N. E. M. No ritmo das águas. Presença Revista de Educação, Cultura e Meio Ambiente, v. 6, n. 24, p. 1-13, Maio 2002.

SILVA, S. S. F. da; CÂNDIDO, G. A.; RAMALHO, A. M. C. Sistema de Indicador de Sustentabilidade Pressão-Estado-Impacto-Resposta na análise das condições ambientais resultantes dos resíduos sólidos urbanos: um estudo no Município de Cuité-PB. Qualitas Revista Eletrônica, Campina Grande, v. 13, n. 2, p. 01-16, 2012.

SILVA, S. L. da. Identidade e Complexidade: uma sociologia para os elementos emergentes da sociedade atual. Cadernos de Pesquisa Interdisciplinar em Ciências Humanas, Florianópolis, v. 1, n. 9, p. 1–14, 2000.

STELLA, R. Densidade energética: relação com variáveis demográficas, de estilo de vida, nutricionais e socioeconômicas em amostra representativa da população adulta do Município de São Paulo. 2008. 106 p. Dissertação (Mestrado) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

WAIZBORT, L.; SIMMEL, G. sociabilidade e moderno estilo de vida. Sociabilidades, Natal, v. 2, n. 1, p. 65-69, dez. 2002.

Downloads

Publicado

2017-06-30

Como Citar

MARIOSA, D. F. .; GEORGES, M. R. R. .; FERRAZ , R. R. N. .; BENEDICTO, S. C. D. . Sustentabilidade socioambiental, padrão construtivo habitacional e comunidades ribeirinhas do Tupé - Manaus, Amazonas. Revista Cerrados, [S. l.], v. 15, n. 01, p. 30–52, 2017. DOI: 10.22238/rc24482692v15n12017p30a52. Disponível em: https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/cerrados/article/view/1331. Acesso em: 4 jul. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)