De perto e por dentro do ringue: boxe, mobilidade e os desafios de uma etnografia onde “é o movimento que conta”

From near and within the ring: boxing, mobility and the challenges of an ethnography where "it is the movement that counts"

Autores

  • Michel de Paula Soares Universidade de São Paulo

Palavras-chave:

boxe, corpo, território, mobilidade, relações raciais.

Resumo

O presente artigo apoia-se em uma etnografia em duas academias de boxe na cidade de São Paulo, localizadas em diferentes territórios – Baixada do Glicério e Tatuapé. Para isso, coloco meu próprio corpo em campo como ferramenta de investigação através da aprendizagem do pugilismo.Acompanho e me interesso pelas trajetórias e histórias de vida de meus interlocutores, em sua maioria homens negros em distintas condições de mobilidade, cidadania e vulnerabilidade, entre eles os angolanos Leon e Jonas.Pretendo demonstrar como, transitando entre as categorias “perigoso” e “em perigo”, entre a vitimização e a moral meritocrática, eles apresentam múltiplas maneirasde fazer-cidade (Agier, 2015) através de seus corpos-território. Além disso, é através das aulas de boxe que uma série de memórias e relatos autobiográficos são expostos por meus companheiros de treino, assim como reflexões sobre raça, violência e desigualdade. Desta maneira, buscoapresentar minha própria trajetória de pesquisa, ressaltando alguns procedimentos para o estudo das migrações internacionais ancoradas no eixo sul-sul, mais especificamente as relações de mobilidade entre Brasil e Angola. O mundo do boxe envolve uma emaranhada e complexa trama política-social, justapondo masculinidades conflitantes e contraditórias, significados sobre racismo e violência, disciplina e sacrifício, espaços urbanos e fronteiras simbólicas, resultando em dinâmicas históricas singulares e carregadas de significação para as pessoas envolvidas. Assim, a confluência dos sujeitos em mobilidade com o boxe, prática onde “é o movimento que conta” (DeeDee, em Wacquant, 2002, p.121) apresenta-se como fértil território para as discussões sobre corpo, território, mobilidade e relações raciais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Michel de Paula Soares, Universidade de São Paulo

Mestre em Antropologia Social pelo PPGAS/USP.

Referências

AGIER, Michel. “Refugiados diante da nova ordem mundial”. In: Tempo Social, Revista de Sociologia da USP, v.18, n2, 2006.
_________. “Do direito à cidade ao fazer-cidade: o antropólogo, a margem e o centro”. In: Mana 21 (3), 2015.
APPIAH, Kwame Anthony. Na casa de meu pai – A África na Filosofia da Cultura. Tradução de Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.
BÁLSAMO, Pilar U. “Migrações entre a Costa do Marfim e a Venezuela: local, global”. In: Cartografias da imigração: interculturalidade e políticas públicas. Porto Alegre: UFRGS, 2007.
BERTHO, Alain. “Penser la ville monde”. In Socio-anthropologie n. 16, 2005.
CARATTI, Jônatas M. “Quando o boxe era caso de polícia”: Espetáculo, violência e repressão em tempos do surgimento do pugilismo em Porto Alegre/RS (1908-1922). In: Vozes, Pretérito & Devir, vol.5, n.1, 2016.
CLASTRES, Pierre. A sociedade contra o Estado – pesquisas de antropologia política. Tradução de Theo Santiago. São Paulo: Cosac &Naify, 2003.
COELHO, Lilian Reichert. “Migração, etnoterritorialidade e pertencimento numa cidade de pequeno porte do interior de Rondônia”. In: Ponto Urbe n.11, 2012.
COMARROF, Jean e John. “Etnografia e imaginação histórica”. In: Revista Proa, n.02, vol.01, 2010.
COOPER, Frederick. “Conflito e conexão: repensando a História Colonial da África”. In: Anos 90, Porto Alegre, v. 15, n. 27, p. 21-73, 2008
CUNHA, Manuela Carneiro. Negros, estrangeiros: os escravos libertos e sua volta à África. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.
DA MATTA, Roberto. A casa e a rua. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1991
DAS, Veena. “O ato de testemunhar: violência, gênero e subjetividade”. In: Cadernos Pagu no 37, p. 09-41, 2011.
DE LUCCA, Daniel. “A rua em movimento: experiências urbanas e jogos sociais em torno da população de rua”. Dissertação apresentada à Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo para obtenção do título de Mestre em Antropologia Social. São Paulo, 2007.
FAUSTO, Boris. Crime e cotidiano: a criminalidade em São Paulo (1880 – 1924). São Paulo: Editora Brasiliense, 1984.
FITZGERALD, David. “Towards a Theoretical Ethnography of Migration”. In: Qualitative Sociology, vol.29, n.1, 2006.
HANDERSON, Joseph. “Diaspora . Sentidos Sociais e Mobilidades Haitianas”. In: Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 21, n. 43, p. 51-78, jan./jun. 2015.
HANNERZ, Ulf. Transnational connections: culture, people and places. London: Routledge, 1996.
HAYDU, Marcelo. “Refugiados angolanos em São Paulo: entre a integração e a segregação”. In: Revista Ponto-e-Vírgula, n.5, 2009.
INGOLD, Tim. Estar Vivo – Ensaios sobre movimento, conhecimento e descrição. Tradução de Fábio Creder. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2015.
MAGNANI, José Guilherme. Da periferia ao centro: trajetórias de pesquisa em antropologia urbana. São Paulo: Editora Terceiro Nome, 2012.
MAMMÌ, Lorenzo. “Sobre uma velha história de boxe”. In: O que resta – Arte e crítica de arte. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.
MAUSS, Marcel. “As técnicas do corpo”. Sociologia e antropologia. São Paulo: CosacNaify, 2003.
MBEMBE, Achille. “Afropolitanismo”. In: Áskesis, v.4, n.2, 2015
_________. . “O tempo que se move”. In: Cadernos de Campo, São Paulo, n.24, p. 369-397, 2015.
MELO, Victor de Andrade & VAZ, Alexandre F. “Cinema, corpo, boxe: suas relações e a construção da masculinidade”. In: ArtCultura, v.8, n.12, Uberlândia, 2006.
MISSE, M. “Crime, sujeito e sujeição criminal: aspectos de uma contribuição analítica sobre a categoria “bandido”. Lua Nova, 79 (1), pp. 15-38, 2010.
MOREIRA, Julia Bertino. “Política em relação aos refugiados no Brasil (1947-2010)”. Tese apresentada ao Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas para obtenção do Título de Doutor na área de Ciência Política. 2012.
MOREIRA, Julia Bertino; BAENINGER, Rosana. “Refugiados no Brasil: visões sobre o apoio prestado por instituições no país”. Trabalho apresentado no V Congresso da Associação Latino-Americana de População, Montevidéu, Uruguai, de 23 a 26 de outubro de 2012.
NOGUEIRA, Oracy. “Preconceito racial de marca e preconceito racial de origem: Sugestão de um quadro de referência para a interpretação do material sobre relações raciais no Brasil”. In: Tempo Social, Revista de Sociologia da USP, vol.19, n.1, 2006.
PINHO, Osmundo. “O mundo negro: sócio-antropologia da Reafricanização em Salvador”. Tese de Doutorado apresentada ao Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 2003
_________. “Etnografias do brau: corpo, masculinidade e raça na reafricanização em Salvador”. In: Estudos Feministas n.13, 2005.
_________. “Pagodão: Corpo, Historicidade e Contradição”. 2011. Disponível em http://www.geledes.org.br/osmundo-pinho-pagodao-corpo-historicidade-e-contradicao/#gs.null
SAYAD, Abdelmalek. A Imigração – ou os paradoxos da alteridade. Tradução deCristina Murachco, São Paulo: EDUSP, 1998.
SCHWARCZ, Lilia. O Espetáculo das Raças. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.
SERRES, Michel. Variações sobre o Corpo. Tradução de Edgard de Assis Carvalho e Mariza Perassi Bosco. Rio de Janeiro: Bertand Brasil, 2004
SUGDEN, John. Boxing and Society: an internacional analysis. Manchester University Press, 1996.
VENKATESH, Sudhir. “`Doin' the Hustle': Constructing the Ethnographer in the American Ghetto”. In: Ethnography, vol.3, n.1, 2002.
WACQUANT, Loïc. Corpo e Alma – Notas etnográficas de um aprendiz de boxe. Tradução de Angela Ramalho. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2002.

Downloads

Publicado

2018-06-21

Como Citar

de Paula Soares, M. . (2018). De perto e por dentro do ringue: boxe, mobilidade e os desafios de uma etnografia onde “é o movimento que conta”: From near and within the ring: boxing, mobility and the challenges of an ethnography where "it is the movement that counts". Revista Argumentos, 15(1), 114–140. Recuperado de https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/argumentos/article/view/1094

Edição

Seção

Dossiê