Revista Argumentos https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/argumentos <p><em>Argumentos</em> é um periódico eletrônico do Departamento de Política e Ciências Sociais da Universidade Estadual de Montes Claros – Unimontes. Seu objetivo geral é estabelecer-se como um espaço de debate e intercâmbio nas Ciências Sociais a partir de uma perspectiva crítica. Sua área temática, portanto, abrange a Antropologia, Sociologia e Ciência Política.</p> Editora Unimontes pt-BR Revista Argumentos 1806-5627 Repensando a teoria crítica e sua atualidade: Honneth e seu legado teórico https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/argumentos/article/view/3057 <p>Resenha do livro:</p> <p>CARDOSO, Antônio Dimas (org). <em>Desigualdade e reconhecimento: atualidade da teoria de Axel Honneth</em>. Montes Claros, Editora Unimontes, 2018.</p> Ícaro Yure Freire de Andrade Copyright (c) 2020 Revista Argumentos 2020-07-20 2020-07-20 17 2 Jogos Olímpicos e Paralímpicos na contemporaneidade: uma breve revisão literária da produção científica vigente https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/argumentos/article/view/3044 <p>Confere-se a denominação de ‘Estudos Olímpicos’ ao conjunto de estudos, de caráter acadêmico, que apresenta os Jogos Olímpicos/Paralímpicos e/ou o Movimento Olímpico/Paralímpico - em suas diferentes manifestações - como temas, lócus ou aspecto da análise dos fenômenos esportivos. Nesta direção, pretende-se elaborar um breve levantamento da literatura acerca do tema, no Brasil, no século XXI, com o objetivo de fomentar estudos que articulem as temáticas do esporte, da cultura e da sociedade, apoiadas em teorias, conceitos e metodologias das Ciências Sociais. Ao seguir tal proposta, o dossiê proporciona estudos sobre a programação cultural e artística, bem como a respeito das participações sociopolíticas e esportivas da organização de edições recentes dos Jogos Olímpicos/Paralímpicos. Também estão presentes discussões acerca da relação entre preservação e Jogos Olímpicos, do percurso e da formação em pesquisa no campo dos Estudos Olímpicos no Brasil, da introdução de atletas da seleção brasileira feminina de voleibol sentado na prática esportiva paralímpica, além de um debate historiográfico sobre a pesquisa em história do esporte. Conta-se ainda com demais questões de equivalente importância, apreciações que se tornam ainda mais relevantes diante de um cenário em que o esporte brasileiro depende quase que inteiramente de dinheiro público.</p> Ester Liberato Pereira Karina Barbosa Cancella Jimmy Medeiros Copyright (c) 2020 Revista Argumentos 2020-07-20 2020-07-20 17 2 O lugar da cultura nos Jogos Olímpicos Rio 2016 https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/argumentos/article/view/3046 <p>O artigo analisa a programação cultural e artística dos Jogos Olímpicos Rio 2016, desde o processo de candidatura, considerando a centralidade da questão cultural na narrativa que tratou o megaevento como excelente oportunidade de apresentar ao mundo a diversidade e a potência das manifestações culturais nacionais. O processo de elaboração e execução do Programa de Cultura dos Jogos Rio 2016 é analisado a partir de algumas indagações: O que estava previsto no Dossiê de Candidatura como programa de cultura dos Jogos Olím-picos Rio 2016? Como foi o processo de governança da área cultural? Como a trajetória do programa de cultura dos Jogos Olímpicos Rio 2016 dialogava com a realidade das políticas públicas vigentes? O planejamento do programa de cultura dos Jogos Olímpicos Rio 2016, ao que se conclui foi tardio, descontinuado e desintegrado. Isso impactou para que o “lugar da cultura” nos Jogos Rio 2016 não tenha sido ocupado de forma estratégica e o legado cultural prometido não tenha se concretizado. Para o campo cultural, os Jogos Olímpicos Rio 2016 foram uma oportunidade perdida.</p> Juliana Carneiro Copyright (c) 2020 Revista Argumentos 2020-07-20 2020-07-20 17 2 As apostas sociopolíticas e esportivas dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de verão em Paris 2024 https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/argumentos/article/view/3047 <p>Nas últimas décadas, Paris se candidatou três vezes à organização dos Jogos de Verão (Barcelona 1992, Pequim 2008, Londres 2012): três fracassos. No entanto, obter a organização de um evento de prestígio em solo francês foi de considerável importância para o Comitê Nacional Olímpico e Esportivo Francês (CNOSF) e o movimento esportivo... E o mesmo para o mundo político. De fato, a atratividade econômica do território nacional através de eventos e turismo tornou-se uma questão importante. Enquanto dois projetos estavam em competição (Exposição Universal 2025 e JO 2024), e embora a prefeita de Paris tenha sido bastante favorável ao primeiro, estes são os Jogos que acontecerão. Em um contexto pré-pandêmico já difícil para o país (ataques terroristas mortais, conflitos sociais, reformas liberais...), são examinadas as apostas deste evento: diplomacia esportiva, controle orçamentário, reequilíbrio territorial pelas infra-estruturas olímpicas, evolução do sistema esportivo e ambição em termos de medalhas…</p> Michel Raspaud Copyright (c) 2020 Revista Argumentos 2020-07-20 2020-07-20 17 2 Memória olímpica como legado? A Fundação Casa de Rui Barbosa e seu projeto institucional de preservação da memória das Olimpíadas Rio 2016 https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/argumentos/article/view/3048 <p>O presente artigo examina o caso de uma iniciativa institucional voltada à preservação da memória dos Jogos Olímpicos de Verão Rio 2016. Procura-se mostrar de que maneira, em paralelo às ações governamentais e à performance dos atletas durante o torneio realizado no Rio de Janeiro, houve um notável investimento de parte da instituição no sentido de salvaguardar o registro dos acontecimentos desse até então inédito megaevento esportivo no Brasil, ocorrido pela primeira vez da sua história em uma cidade da América do Sul. Em que pese uma série de críticas e questionamentos feitos à organização das Olimpíadas por parte da opinião pública, e mesmo de parcelas da Academia, salientam-se aqui os esforços de uma rede de pesquisadores com vistas a construir e a fixar uma memória coletiva em torno do evento. Para destacar esse aspecto, incluído na chave nativa de um “legado”, mobilizaremos o exemplo paradigmático da Fundação Casa de Rui Barbosa, que, em conjunto com o FGV CPDOC, desenvolveu um amplo programa de acompanhamento e cobertura dos Jogos durante o ano de sua realização. Com efeito, abordaremos de início o conceito de memória e, em particular, do que denominamos “memória esportiva”. Na sequência, amparados em fontes primárias, trataremos da concepção de processos e ações dedicadas ao registro do megaevento esportivo na cidade, por parte da FCRB. Em seguida, exploraremos um de seus eixos mais importantes, a História Oral, implementado em parceria com o FGV CPDOC, na seleção de relatos dos atores envolvidos com o torneio no contexto de sua realização. Por fim, daremos a conhecer a exposição “Rio de Janeiro – cidade esportiva, cidade olímpica”, ocorrida nas dependências da Fundação, com base em seu rico acervo documental de jornais e revistas ilustradas, de modo a salientar os vínculos entre a história republicana da instituição, as competições esportivas no país e a construção de um lugar de memória olímpica para a cidade em questão.&nbsp;</p> Bernardo Buarque de Hollanda Vivian Luiz Fonseca Copyright (c) 2020 Revista Argumentos 2020-07-20 2020-07-20 17 2 A iniciação esportiva no esporte paralímpico: o caso do voleibol sentado https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/argumentos/article/view/3049 <p>Este estudo tem como objetivo averiguar como ocorreu a inserção de atletas da seleção brasileira feminina de voleibol sentado na prática esportiva paralímpica. Para tanto, a coleta de dados foi realizada por meio de entrevistas semiestruturadas com cinco atletas que participaram dos Jogos Paralímpicos nas edições de 2012, em Londres, e de 2016, no Rio de Janeiro. Evidenciou-se que a inserção das atletas na prática do voleibol sentado foi intermediada por indicações de profissionais da área da saúde e do esporte, com destaque para os treinadores da modalidade, que desempenharam papel proeminente no processo de iniciação destas atletas no esporte paralímpico. A Educação Física escolar despontou nas falas das atletas como potencial facilitador para o processo de iniciação esportiva, sobretudo, às pessoas com deficiência adquirida na vida adulta. Para tanto, foi ressaltada a necessidade de que as experiências com o esporte na fase escolar sejam positivas, estimulando a permanência na prática da(s) modalidade(s) ao longo da vida e contribuindo para o bem-estar físico e psicossocial da pessoa com deficiência. Os resultados do estudo denotaram que as formas de inserção das mulheres no voleibol sentado no Brasil possuem relações com características que marcaram os primórdios da composição da modalidade no país.</p> Vitória Crivellaro Sanchotene Giandra Anceski Bataglion Janice Zarpellon Mazo Copyright (c) 2020 Revista Argumentos 2020-07-20 2020-07-20 17 2 O Brasil e o passado dos Jogos Olímpicos Modernos: um vazio historiográfico https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/argumentos/article/view/3051 <p>&nbsp;Trabalhos de natureza historiográfica são importantes para se poder perceber os caminhos que a produção em pesquisa histórica sobre determinada temática tem trilhado. Nosso objetivo com este artigo é o de realizar um debate historiográfico sobre a pesquisa em história do esporte e, em particular, sobre o passado dos Jogos Olímpicos Modernos. O levantamento dos trabalhos foi realizado em bases internacionais e nacionais de pesquisa de livros, artigos, dissertações e teses. Os resultados nos mostram que, apesar de um crescimento nos estudos sobre o passado dos esportes, tanto no Brasil quanto no exterior, e sobre o passado dos Jogos Olímpicos Modernos na produção internacional, o Brasil ainda se ressente da falta de pesquisas sobre o passado da temática olímpica moderna.</p> João Manuel Casquinha Malaia Santos Sérgio Settani Giglio Copyright (c) 2020 Revista Argumentos 2020-07-20 2020-07-20 17 2 Entrevista com Luis Henrique Rolim https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/argumentos/article/view/3052 <p>A entrevista de Raquel Valente de Oliveira e Tuany Defaveri Begossi com Luis Henrique Rolim aborda o percurso e a formação deste pesquisador no campo dos Estudos Olímpicos no Brasil, explorando pontos acerca de seu envolvimento com os Jogos Olímpicos, durante os quais atuou em distintas conjunturas e posições. A filosofia e os valores do Olimpismo consistem em linhas norteadoras da narrativa do entrevistado, que explora a ação da história e da cultura na constituição de narrativas esportivas no domínio Olímpico. Seu relato anuncia os significados e os sentidos do Movimento Olímpico para a conquista do direito das pessoas à prática esportiva. No viés de políticas públicas e de investimento financeiro ao esporte, Luis Henrique Rolim aborda as interconexões: esporte de alto rendimento ou esporte para todos(as)? As narrativas do entrevistado corroboram aspectos históricos e socioculturais do esporte Olímpico nos panoramas nacional e internacional, despontando representações arquitetadas ao longo de trajetória pessoal e profissional.</p> Raquel Valente de Oliveira Tuany Defaveri Begossi Copyright (c) 2020 Revista Argumentos 2020-07-20 2020-07-20 17 2 Editorial https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/argumentos/article/view/3045 <p>Editorial da edição</p> Gustavo Dias Giancarlo Machado Copyright (c) 2020 Revista Argumentos 2020-07-20 2020-07-20 17 2 Qualidade do emprego e condições de vida das famílias dos empregados agrícolas e não agrícolas da mesorregião do Norte de Minas Gerais https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/argumentos/article/view/3053 <p>O trabalho analisa a qualidade do emprego e as condições de vida das famílias dos empregados agrícolas nas três principais culturas geradoras de emprego (café, cana-de-açúcar e milho) e não agrícolas na mesorregião Norte de Minas. Para os cálculos do Índice de Qualidade do Emprego (IQE) e Índice das Condições de Vida (ICV), foram utilizados dados do Censo Demográfico de 2000 e 2010, que tomou como referência de construção a metodologia desenvolvida por Kageyama e Rehder (1993) e Balsadi (2000 e 2007). Os resultados apontam para o aumento do emprego qualificado na década de 2000 nas culturas analisadas, queda de emprego não qualificado nas mesmas culturas e aumento do emprego não agrícola no meio rural, evidenciando o deslocamento de trabalhadores de atividades agrícolas para as não agrícolas na mesorregião. Já a qualidade do emprego (IQE) piorou no café, para os empregos qualificados e não qualificados, e para os qualificados na cana-de-açúcar e milho, enquanto os indicadores de ICV melhoraram para todas as atividades agrícolas e não agrícolas em diferentes proporções.</p> Maria Raquel Caixeta Gandolfi Clesio Marcelino de Jesus Peterson Elizandro Gandolfi Copyright (c) 2020 Revista Argumentos 2020-07-20 2020-07-20 17 2 “Están viniendo cada vez más”. Movilidad por salud y “turismo médico” en la Argentina https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/argumentos/article/view/3054 <p>Este artículo aborda el proceso de producción política de la movilidad por salud como “turismo médico” en la Argentina. Sostiene que la figura del “turismo médico” fue construida como un segmento turístico a partir de la existencia de un conjunto de conocimientos, información, herramientas y prácticas de circulación global que se articularon con las políticas y prácticas institucionales desarrolladas en el espacio nacional. Se propone la noción de “movilidad por salud” para analizar nuevas formas de producción y regulación de los movimientos vinculados a motivos sanitarios. La metodología propuesta es de tipo cualitativo y recobra observaciones y testimonios producidos en un evento internacional sobre “turismo médico” realizado en Argentina, entrevistas con agentes de gobierno del sector turístico, dueños y representantes de instituciones de salud privadas y de organizaciones público-privadas que integran la industria del “turismo médico” en el espacio local, nacional e internacional; fuentes documentales que incluyen planes y programas de turismo y acuerdos para la promoción del “turismo médico”.</p> Lourdes Basualdo Copyright (c) 2020 Revista Argumentos 2020-07-20 2020-07-20 17 2 Institucionalización del Congreso Federal Mexicano. Transición democrática y cambio organizacional https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/argumentos/article/view/3055 <p>En el documento se identifica cinco modelos de desarrollo del Congreso en México con base en el desarrollo y consolidación democráticas por un lado, y por el otro la transformación del proceso de institucionalización de la instancia representativa en el país. Las etapas por las que transita la propia organización parlamentaria son abordadas a partir del equilibrio entre poderes, el proceso de institucionalización de la estructura legislativa, la profesionalización de los órganos de decisión del Congreso y la introducción de esquemas de apertura parlamentaria. Mediante los procesos de integración del Congreso Mexicano, se abordará la composición legislativa de los grupos parlamentarios y la formación de mayorías; los cambios en las reglas del juego parlamentario en la revaloración de la estructura, organización y profesionalización del poder legislativo y el efecto de la introducción de mecanismos de transparencia y la rendición de cuentas en la relación entre representantes y representados a través de los diferentes sistemas de monitoreo y control ciudadano integrados a las nuevas tecnologías.</p> Laura Valencia Escamilla Copyright (c) 2020 Revista Argumentos 2020-07-20 2020-07-20 17 2 Fernando de Azevedo e a cultura brasileira: relações possíveis https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/argumentos/article/view/3056 <p>O artigo versa sobre a contribuição do conceito de cultura brasileira de Fernando de Azevedo para a ideia de Brasil-nação no século XX, e para as teorias organizacionais. A interlocução com a obra deste autor se justifica por ser um intérprete oficial do conceito de cultura no país, desde a década de 1930, e também um significativo construtor institucional. A artesania intelectual aqui proposta contempla uma revisão bibliográfica que articula as produções de Azevedo e a literatura especializada sobre cultura brasileira e cultura organizacional. Como resultado, destaca-se que a noção de cultura legada por este autor permanece como uma referência importante para pensar o Brasil, possibilitando dentro e fora das organizações, a criação de um retrato multifacetado, provisório e flexível da sociedade brasileira. Ressalta-se ainda que, no século XXI, sua definição de cultura brasileira ainda orienta, implícita ou explicitamente, alguns teóricos que se dedicam a olhar para o contexto organizacional do Brasil, demonstrando como as culturas nacionais influenciam nos estilos administrativos.</p> Alessandra Santos Nascimento Copyright (c) 2020 Revista Argumentos 2020-07-20 2020-07-20 17 2