Reflexões sobre Direitos Humanos e Geografia Cultural: o caso da mutilação genital feminina

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46551/rvg26752395202115367

Palavras-chave:

direitos humanos, geografia cultural e mutilação genital feminina.

Resumo

Desde que foi criada em 1948, a Declaração Universal dos Direitos Humanos tem garantido muitos direitos essenciais para a humanidade, mesmo que o documento entre em conflito com ele mesmo. O objetivo do presente trabalho é fazer uma reflexão no diálogo que existe entre os Direitos Humanos e a Geografia cultural e para essa reflexão é enfatizado o caso especifico da mutilação genital feminina.  Trazendo um enfoque da questão da Mutilação Genital Feminina, uma prática muito antiga, ainda praticada na atualidade, principalmente no continente africano, há relatos também em países do continente europeu, latino- americanos, entre outros.  Será abordado algumas reflexões sobre direitos humanos e geografia cultural, trazendo o caso especifico da mutilação genital feminina. Quanto a metodologia se trata de uma pesquisa qualitativa, com objetivos exploratórios, com procedimentos bibliográficos baseados em leituras de artigos e livros e etnográficos, por se tratar do caso específico de um grupo. O texto traz como principais referenciais teóricos, Harvey (2004), Palhares e Squinca (2013) e Gomes et al (2018).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Noelma Dutra da Silva, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Licenciada e Mestranda em Geografia – Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).

Referências

A DIFÍCIL LUTA contra a mutilação genital feminina. Disponível em: < A difícil luta contra a mutilação genital feminina | Notícias internacionais e análises | DW | 06.02.2020>. Acesso em: 22/02/2021.

ANTUNES, Amanda. Mulheres Girafas: tudo sobre a tribo Karen no norte da Tailândia. Disponível em: <https://prefiroviajar.com.br/mundo/mulheres-girafa-karen-long-neck-villages-tailandia >. Acesso em: 01 out. 2020.

BARREIROS, Isabela. Pé de lótus: Mulheres chinesas fraturavam os próprios pés para conseguir casas. Disponível em: <https://aventurasnahistoria.uol.com.br/noticias/reportagem/historia-pe-de-lotus-quando-mulheres-chinesas-fraturavam-os-proprios-pes-para-casar.phtml>. Acesso em: 01 out. 2020.

BRAFADO, Fernanda Frizzo. Para além do discurso eurocêntrico dos direitos humanos: contribuições das descolonialidade. Revista Novos Estudos Jurídicos - Eletrônica, Vol. 19 - n. 1 - jan-abr 2014.

CAETANO E BESSE. Reflexões na Geografia cultural: A materialidade e a imaterialidade da cultura. Soc. & Nat, Uberlândia, ano 23 n. 3, 453-466, set/dez. 2011.

COELHO, Penélope. A saga de Waris Dirie. Disponível em: <https://aventurasnahistoria.uol.com.br/noticias/reportagem/a-saga-de-waris-dirie-apos-sobreviver-graves-mutilacoes-sua-historia-rendeu-um-emocionante-filme.phtml.>. Acesso em 19 set. 2020.

DIREITOS HUMANOS atos internacionais e normas correlatas. Direitos Humanos. – 4a ed. – Brasília: Senado Federal, Coordenação de Edições Técnicas, 2013.

DIRIE, W.; MILLER, C. Flor do deserto. Editora Hedra; 1ª Edição, 2001.

FOICAULT, Michel. Vigiar e Punir. Editora Vozes. 2014.

GOMES, MARQUES, REVILLA e RAPOSO. Mutilação genital feminina: uma prática antiga, um problema atual. Rev Port Med Geral Fam, 2018;34:420-4.

GUINÉ-BISSAU: Investir na educação para erradicar a mutilação genital feminina. Disponível em: < Guiné-Bissau: Investir na educação para erradicar a mutilação genital feminina | NOTÍCIAS DW | 06.02.2018>. Acesso em: 22 fev. 2021.

HARVEY, DAVID. Espaços de Esperança. São Paulo, Loyola, 2004.

MENESES, Paulo. Etnocentrismo e relativismo cultural algumas reflexões. Síntese, Belo Horizonte. V. 27, n. 88, 2000. Págs 245 – 254.

MINER. Horace. Ritos corporais entre os naricema. Disponível em: <https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/364413/mod_resource/content/0/Nacirema.pdf. >. Acesso em: 02 fev. 2021.

ONU: mitos e fatos sobre a Mutilação Genital Feminina. <https://news.un.org/pt/story/2019/02/1658751>. Acesso em: 18 set. 2020.

ONU. Dia Internacional da Tolerância Zero à Mutilação Genital Feminina. Disponível em: <https://nacoesunidas.org/onu-marca-dia-internacional-da-tolerancia-zero-a-mutilacao-genital-feminina/>. Acesso em: 18 set. 2020.

PALHARES e Squinca. Os desafios éticos da mutilação genital feminina e da circuncisão masculina. Rev. bioét. (Impr.). 2013; 21 (3): 432-7.

PEDROSA. O império da representação: a virada cultural e a geografia. ESPAÇO E CULTURA, UERJ, RJ, N. 39, P.31-58, jan./jun. de 2016.

PEREIRA. A produção do espaço: geografia e relativismo cultural. Élisée, Rev. Geo. UEG – Anápolis, v.4, n.1, p.171-188, Jan./jun. 2015

TUAN. Espaço e Lugar. A Perspectiva Da Experiencia. EDUEL; 1ª Edição,1905.

UNICEF: 200 milhões de mulheres sofreram mutilação genital feminina. Disponível em: . Acesso em: 02 fev. 2021.

Filmografia

Flor do deserto. Direção de Sherry Hormann. Reino Unido, Áustria, Alemanha, 2009.(2 hs).

Downloads

Publicado

2021-03-12

Como Citar

Dutra da Silva, N. (2021). Reflexões sobre Direitos Humanos e Geografia Cultural: o caso da mutilação genital feminina. Revista Verde Grande: Geografia E Interdisciplinaridade, 3(01), 53-67. https://doi.org/10.46551/rvg26752395202115367