A GESTÃO ESTATAL BRASILEIRA: A PRIVATIZAÇÃO DO PÚBLICO E OS REBATIMENTOS NAS POLÍTICAS SOCIAIS

Autores

  • THAIS LUIZ VARGAS

Palavras-chave:

Gestão Estatal, Privatização e Políticas Sociais

Resumo

O presente trabalho tem como proposta de estudo analisar, a partir da tradição marxista, a gestão estatal brasileira no âmbito da Administração Pública Federal, buscando desvelar o processo de privatização do público no contexto do Estado neoliberal (gerencial). Visa ainda desvelar como ocorre a relação entre aquilo que é um dever-poder do Estado e sua administração na realização de suas tarefas, de seus fins, e o que é prerrogativa da sociedade civil, ou do indivíduo, uma vez que têm-se observando um quadro ampliado de desresponsabilização do Estado para com as expressões da questão social. Pretende-se discorrer também como nos dias (de conjuntura neoliberal) a feição universal vem dando lugar ao caráter focalizado e a provisão pública cedendo espaço ao privado. Ao final, do presente estudo procura-se analisar as consequências desse embate teórico, institucional (administrativo) e político para a definição das políticas públicas de Estado, em especial os rebatimentos nas políticas sociais brasileiras em um contexto de contrarreformas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BEHRING, E. O Brasil em contra-reforma. São Paulo: Cortez, 2003.
_______. Acumulação capitalista, fundo público e política social. In: BOSCHETTI, I. BEHRING, E. et alli. (orgs.). Política Social no capitalismo: tendências contemporâneas. São Paulo: Cortez, 2006.
BOSCHETTI, I. Seguridade Social e projeto ético-político do Serviço Social: que direitos para tal cidadania? In: Revista Serviço Social e Sociedade, n. 79 – Serviço Social: formação e projeto político. São Paulo: Cortez, 2004.
CARMO. T.G. Novos Rumos da dicotomia entre o público e o privado no Estado brasileiro do século XXI. Âmbito Jurídico, v. 76, p.1-16, 2010.
FAORO. R. Os donos do poder: formação do patronato político brasileiro. Porto Alegre: Globo; São Paulo. Editora da USP, 1975.
HOLLOWAY, J. Fundamentos teóricos para una crítica marxista de la administración pública. México: Instituto Nacional de Administración Pública, 1982.
IAMAMOTO, M. V. e CARVALHO, R. de. Relações sociais e serviço social no Brasil: esboço de uma interpretação histórico-metodológica. 16ª edição. São Paulo: Cortez/CELATS, 2004.
_______. Serviço Social em tempo de capital fetiche: capital financeiro, trabalho e questão social. 2ª ed. São Paulo: Cortez, 2008.
MARX, K; ENGELS, F. A ideologia alemã : (I-Zeuerbach). 9.ed. São Paulo: HUCITEC, 1993.
_______. A Questão Judaica. 5ª ed. – São Paulo: Centauro, 2005.
_______.Glosas Críticas Marginais ao Artigo O Rei da Prússia e a Reforma Social. De um Prussiano. Práxis. Belo Horizonte: Joaquim de Oliveira, nº 5, p. 45 – 91. Prefácio de Ivo Tonet. 1995.
_______. Manifesto do partido comunista / Karl Marx / c/ Friedrich Engels; tradução de Sueli Tomazzini Barros Cassal. Porto Alegre: L&PM, 2002.
MÉSZÁROS, I. A educação para Além do Capital. São Paulo: Boitempo, 2008.
MONTAÑO, C.E. Terceiro setor e a questão social: crítica ao padrão emergente de intervenção social. São Paulo: Cortez, 2002.
NETTO. J.P; BRAZ, M. Economia Política: Uma introdução crítica. São Paulo: Cortez, 2008.
NETTO, J. P. N. “Crise global contemporânea e barbárie”. In: VIGEVANI, T. et al. Liberalismo e socialismo: velhos e novos paradigmas. São Paulo: UNESP, 1995.
_______. Capitalismo Monopolista e Serviço Social. São Paulo: Corteza, 2011.
_______. Introdução ao método da teoria social. In: CFESS& ABEPSS (org) Serviço Social: direitos sociais e competências profissionais. Brasília: CEFESS/ABEPSS, 2009.
_______. FHC e a Política Social: um desastre para as massas trabalhadoras. In: LESBAUPIN, Ivo (Org). O Desmonte da Nação – Balanço do Governo FHC. Rio de Janeiro:Vozes, 1999.
NETTO. J.P; BRAZ, M. Economia Política: Uma introdução crítica. São Paulo: Cortez, 2008.
OLIVEIRA, F. Crítica à razão dualista. O ornitorrinco. (Caps 2 e 3). São Paulo: Boitempo, 1998.
________. A dominação globalizada: estrutura e dinâmica da dominação burguesa no Brasil. En publicación: Neoliberalismo y sectores dominantes, Agosto 2006.
PAES DE PAULA, A. P. Administração Pública Brasileira entre o Gerencialismo e a Gestão Social. Revista de Administração de Empresas. Rio de Janeiro: ERA/Debate, 2005.
_________. Por uma nova gestão pública: limites e possibilidades da experiência contemporânea. Rio de Janeiro; FGV, 2007.
SILVA. W.H.F. Política de Renda Mínima no Brasil: Análise dos Postulados do Programa Bolsa Família. 2010. 162 fls. Dissertação (Mestrado em Serviço Social) Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2010.
SOUZA FILHO, R. de. Estado, Burocracia e Patrimonialismo no Desenvolvimento da Administração Pública Brasileira. 2006. 395 fls. Tese (Doutorado em Serviço Social) – Universidade Federal de Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006.
TONET. I. Prefácio ao Glosas Críticas Marginais ao Artigo O rei da Prússia e a Reforma Social. De um prussiano. Revista Práxis, n.45. Belo Horizonte: Ed. Joaquim de Oliveira, 1995.
TORRES, M. D. F. Estado, democracia e Administração Pública no Brasil. Rio de Janeiro, Ed. FGV, 2004.
WEBER. M. Economia e Sociedade. Volume I. Brasília: UNB, 1999a.

Downloads

Publicado

2020-02-17

Como Citar

LUIZ VARGAS, T. (2020). A GESTÃO ESTATAL BRASILEIRA: A PRIVATIZAÇÃO DO PÚBLICO E OS REBATIMENTOS NAS POLÍTICAS SOCIAIS. Revista Serviço Social Em Perspectiva, 1(2), 04–26. Recuperado de https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/sesoperspectiva/article/view/959