A REFERÊNCIA E A INTERSETORIALIDADE COMO DESAFIOS NO ATENDIMENTO EM SAÚDE MENTAL À POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA

Autores

  • Rayoni Ralfh Silva Pereira Salgado docente no Instituto Superior de Ciências Aplicadas - ISCA Faculdades, curso de Serviço Social e na função de Coordenador do Centro de Referência Especializado de Assistência Social - CREAS
  • Marta Fuentes-Rojas docente da Faculdade de Ciências Aplicadas da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP- Limeira

Palavras-chave:

População em Situação de Rua; Saúde Mental; Referência; Intersetorialidade.

Resumo

O trabalho com População em Situação de Rua na atualidade apresenta vários desafios às políticas públicas. Este artigo tem por objetivo discutir sobre os desafios da referência e a intersetorialidade nas ações desenvolvidas pelos serviços de saúde mental no município de Limeira-SP. Tratou-se de uma pesquisa qualitativa, utilizando-se como instrumento de coleta de dados, os Grupos de Discussão. A amostra selecionada para a pesquisa foi composta por 10 (dez) servidores públicos municipais. A análise e interpretação dos dados coletados foram realizadas pela análise de conteúdo, a partir da categorização dos mesmos. Identificou-se que, o desafio da referência reporta-se para o campo do desafio da organização dos serviços frente ao desenvolvimento de práticas intersetoriais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ADORNO, Rubens de Camargo Ferreira. Descartáveis urbanos: discutindo a complexidade da população de rua e o desafio para políticas de saúde. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 13, n. 1, p. 56-69, jan.-abr. 2004.

ALBUQUERQUE, C. M. C. Loucos nas ruas: um estudo sobre o atendimento à população de rua adulta em sofrimento psíquico na cidade do Recife. 2009, 139 p. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Pernambuco, Pernambuco, 2009. Disponível em: . Acesso em 05 jun. 2019.

ARISTIDES, J.L.; LIMA, J.V.C. Processo saúde-doença da população em situação de rua da cidade de Londrina: aspectos do viver e do adoecer. Rev. Espaço para a Saúde, v.10, n.2, p.43-52, jun. 2009. Disponível em: . Acesso em: 04 jun. 2019.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. 4 ed., Lisboa: Edições 70, 1977.

BEHRING, Elaine Rossetti. Política social no capitalismo tardio. 2 ed. São Paulo: Cortez, 2002.

BEHRING, E. R.; BOSCHETTI, I. Política Social: fundamentos e história. 9 ed. São Paulo: Cortez, 2011. – (Biblioteca básica de Serviço Social; v.2).

BORYSOW, I.C. Assistência Social e Saúde: acesso de pessoas em situação de rua aos serviços de saúde mental. In: Congresso Brasileiro de Saúde Mental, 31, 2012, Fortaleza. Anais. Fortaleza: ABRASME, 2012, no prelo.

BORYSOW, I. C.; FURTADO, J. P. Acesso, equidade e coesão social: avaliação de estratégias intersetoriais para a população em situação de rua. Rev. Esc. Enferm. USP 2014; 48(6): 1069-76. São Paulo: 2014.

BRASIL. Acesso e intersetorialidade: o acompanhamento de pessoas em situação de rua com transtorno mental grave. Physis, Rio de Janeiro, v. 23, n. 1, p. 33-50, 2013. Disponível em: . Acesso em 01 jun. 2019.

_______. Lei Nº 10.216 de 06 de abril de 2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. Brasília: 2001.

_______. Ministério da Saúde. Saúde Mental e Atenção Básica: O vínculo e o diálogo necessários. Boletim do nº01/03 da Coordenação de Saúde Mental e Coordenação de Gestão da Atenção Básica, Brasília, 2003. Disponível em: . Acesso em 10 mai. 2019.

_______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Manual sobre o cuidado à saúde junto à população em situação de rua / Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2012. 98 p.: il. – (Série A. Normas e Manuais Técnicos).

_______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Saúde mental e Atenção Básica: o vínculo e o diálogo necessários. Brasília: 2007.

_______. Secretaria Nacional de Renda e Cidadania e Secretaria Nacional de Assistência Social. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Orientações Técnicas: Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua – Centro Pop. SUAS e População em Situação de Rua. Vol.3. Gráfica e Editora Brasil, LTDA. Brasília: 2011.

CAMPOS, Gastão Wagner de Sousa; ONOCKO-CAMPOS, Rosana Teresa; DEL BARRIO, Lourdes Rodriguez. Políticas e práticas em saúde mental: as evidências em questão. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro , v. 18, n. 10, p. 2797-2805, Oct. 2013 . Disponível em: . Acesso em 28 mai. 2019.

FURTADO, Juarez Pereira. Avaliação da situação atual dos Serviços Residenciais Terapêuticos no SUS. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 11, n. 3, p. 785-795, Set. 2006. Disponível em: . Acesso em 19 mai. 2019.

JÚNIOR, N. C., et al. Serviços de saúde e população de rua: contribuição para um debate. Saúde Soc, São Paulo, v. 7, n. 2, p. 47-62, ago./dez.1998.

JÚNIOR, N. C., et al. A Estratégia Saúde da Família para a Equidade de Acesso Dirigida à População em Situação de Rua em Grandes Centros Urbanos. Saúde Soc. São Paulo, v.19, n.3, p.709-716, 2010.

JUNQUEIRA, Luciano A. Prates. A gestão intersetorial das políticas sociais e o terceiro setor. Saúde Soc. v.13, n.1, p.25-36, jan-abr: 2004.

MEINERZ, Carla Beatriz. Grupos de Discussão: uma opção metodológica na pesquisa em educação. Educação & Realidade, vol. 36, núm. 2, maio-agosto, 2011, pp. 485-504 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre, Brasil Disponível em: Acesso em 01 jun. 2019.

NETO, M. L. A.; AMARANTE, P. D. C. O acompanhamento terapêutico como estratégia de cuidado na atenção psicossocial. Psicologia: ciência e profissão. 2013, 33 (4), 964-975.

PAGOT, Maria Ângela. O louco, a rua, a comunidade: as relações da cidade com a loucura em situação de rua. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2012.

PITTA, A. M. F. O que é reabilitação psicossocial no Brasil, hoje? In A. M. F. Pitta (Org.). Reabilitação Psicossocial no Brasil. 2 ed. P. 19-26. São Paulo: Hucitec, 2001.

SERAFINO, I.; LUZ, L. C. X. Políticas para a população adulta em situação de rua: questões para debate. R. Katál., Florianópolis, v. 18, n. 1, p. 74-85, jan./jun. 2015.

SILVA, Maria Lucia Lopes da. Trabalho e População em Situação de Rua no Brasil. São Paulo: Cortez, 2009.

SILVA, Marta Borba. O “Louco de Rua” e a Seguridade Social em Porto Alegre: da (in)visibilidade social à cidadania?. Dissertação (Mestrado em Serviço Social). Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005.

SPOSATI, Aldaiza de Oliveira, et al. Assistência na trajetória das políticas sociais brasileiras: uma questão em análise. 12 ed. São Paulo: Cortez, 2014.

TURATO, E. R. Métodos qualitativos e quantitativos na área da saúde: definições, diferenças e seus objetos de pesquisa. In: Revista Saúde Pública; 2005, 507-514. Disponível em: Acesso em 10 mar. 2017.

VARANDA, Walter; ADORNO, Rubens de Camargo Ferreira. Descartáveis urbanos: discutindo a complexidade da população de rua e o desafio para políticas de saúde. Saúde Soc., São Paulo , v. 13, n. 1, p. 56-69, Apr. 2004 . Disponível em: . Acesso em: 09 jun. 2019.

Downloads

Publicado

2020-01-09

Como Citar

Ralfh Silva Pereira Salgado, R., & Fuentes-Rojas, M. (2020). A REFERÊNCIA E A INTERSETORIALIDADE COMO DESAFIOS NO ATENDIMENTO EM SAÚDE MENTAL À POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA. Revista Serviço Social Em Perspectiva, 3(1), 138-153. Recuperado de https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/sesoperspectiva/article/view/260