A DOR NO CONTEXTO PEDIÁTRICO: AVALIAÇÃO E INTERVENÇÕES DE UMA EQUIPE DE ENFERMAGEM

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46551/rnm23173092202100205

Palavras-chave:

Criança hospitalizada, dor, Enfermagem Pediátrica

Resumo

Objetivo: compreender como a equipe de enfermagem lida com a dor em crianças hospitalizadas. Método: estudo descritivo, exploratório, de abordagem qualitativa. A coleta de dados ocorreu através de uma entrevista semiestruturada no primeiro semestre de 2018. O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisas da Universidade Estadual de Montes Claros. Participaram do estudo 11 profissionais da equipe de enfermagem que atuavam no setor pediátrico de um hospital no norte de Minas Gerais. Os dados foram analisados por meio da Análise de Conteúdo. Resultados: emergiram três categorias sobre avaliação e intervenções relacionadas a dor no contexto pediátrico: avaliando a dor e suas dimensões; intervindo na dor; capacitando para o cuidado. Considerações Finais: identificar e tratar a dor em crianças ainda é um assunto complexo e que carece de informações e treinamento. As ferramentas de avaliação precisam se tornar funcionais e úteis, principalmente para a equipe de enfermagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Santos JP, Maranhão DG. Cuidado de Enfermagem e manejo da dor em crianças hospitalizadas: pesquisa bibliográfica. Rev. Soc. Bras. Enferm. Ped. 2016; 16(1):44-50.

Kanai KY, Fidelis WMZ. Conhecimento e percepção da equipe de enfermagem em relação à dor na criança internada. Rev. Dor. 2010; 11(1):20-7.

Silva MS, Pinto MA, Gomes LMX, Barbosa TLA. Dor na criança internada: a percepção da equipe de enfermagem. Rev. Dor. 2011; 12(4):314-320.

Melo LR, Pettengill MAM. Dor na infância: atualização quanto à avaliação e tratamento. Rev. Soc. Bras. Enferm. Ped. 2010; 10(2):97-102.

Rossato LM, Ebner C, Nascimento LC, Damião EBC, Rocha MCP, Guedes DMB, et al. Facilidades e dificuldades identificadas pelas enfermeiras pediatras na aplicação dos “cartões de qualidade da dor”. Saúde Rev. 2015; 15(40):3-14.

Guedes DMB, Rossato LM, Sposito NPB, Lima DA, Santos B, Meireles E. Avaliação da dor em crianças hospitalizadas. Rev. Soc. Bras. Enferm. Ped. 2016; 16(2):68-74.

Candido LK, Tacla MTCM. Avaliação e caracterização da dor na criança: utilização de indicadores de qualidade. Rev enferm UERJ. 2015; 23(4):526-32.

Santos KH, Escobar EMA. O manejo clínico da dor em pediatria: considerações sob a ótica do cuidado em enfermagem. Rev. Enfermagem Revista. 2015; 18(1):101-20.

Persegona KR, Zagonel IPS. A relação intersubjetiva entre a enfermeira e a criança com dor na fase pós-operatório no ato de cuidar. Esc. Anna Nery. 2008; 12(3):430-36.

Blasi DG, Candido LK, Tacla MTGM, Ferrari RAP. Avaliação e manejo da dor na criança: percepção da equipe de enfermagem. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde. 2015; 36(supl 1):301-10.

Azevedo DM, Nascimento VM, Azevedo IC, Cavalcanti RD, Sales LKO. Assistência de enfermagem à criança com dor: avaliação e intervenções da equipe de enfermagem. Rev. Bras. Pesq. Saúde. 2014; 16(4):23-31.

Minayo MCS. Amostragem e saturação em pesquisa qualitativa: consensos e controvérsias. Revista Pesquisa Qualitativa. 2017; 5(7):01-12.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14ª edição. São Paulo: Hucitec, 2014.

Azevêdo AVS, Lanconi Júnior AC, Crepaldi MA. Interação equipe de enfermagem, família, e criança hospitalizada: revisão integrativa. Ciência & Saúde Coletiva. 2017; 22(11):3653-66.

Azevedo MSN, Oliveira ICS, Souza TV, Moraes JRMM, Martinez EA, Araújo BS. Empowerment of the mothers of children in a pediatric intensive care unit. Rev Bras Enferm. 2018; 71(3):1061-70.

Costa EB, Lima SS, Ferrari R. Dor em pediatria: o papel da assistência de enfermagem junto à criança com dor. Revista Eletrônica Gestão & Saúde. 2012; 3(3):1179-188.

Costa KF, Alves VH, Dames LJP, Rodrigues DP, Barbosa MTSR, Souza RRB. Manejo clínico da dor no recém-nascido: percepção de enfermeiros da unidade de terapia intensiva neonatal. J. res.: fundam. care online. 2016; 8(1):3758-69.

Capellini VK, Daré MF, Castral TC, Christoffel MM, Leite AM, Scochi CGS. Conhecimento e atitudes de profissionais de saúde sobre avaliação e manejo da dor neonatal. Rev. Eletr. Enf. 2014; 16(2): 361-9.

Gonçalves B, Holz AW, Lange C, Maagh SB, Pires CG, Brazil CM. O cuidado da criança com dor internada em uma unidade de emergência e urgência pediátrica. Rev. Dor. 2013; 14(3):179-83.

Melo GM, Lélis ALPA, Moura AF, Cardoso MVLML, Silva VM. Pain assessment scales in newborns: integrative review. Rev Paul Pediatr. 2014; 32(4):395–402.

Borghi CA, Rossato LM, Damião EBC, Guedes DMB, Silva EMR, Barbosa SMM, Polastrini RT. Vivenciando a dor: a experiência de crianças e adolescentes em cuidados paliativos. Rev Esc Enferm USP. 2014; 48(Esp):68-74.

Correia LL, Linhares MB. Assessment of the behavior of children in painful situations: literature review. Jornal de Pediatria. 2008; 84(6):477-86

Linhares MBM, Doca FNP. Dor em neonatos e crianças: avaliação e intervenções não farmacológicas. Temas em Psicologia. 2010; 18(2):307-25.

Gomes GLL; Nóbrega MML. Ansiedade da hospitalização em crianças: proposta de um diagnóstico de enfermagem. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2015; 23(5):963-70.

Christoffel MM, Castral TC, Daré MF, Montanholi LL, Scochi CGS. Conhecimento dos profissionais de saúde na avaliação e tratamento da dor neonatal. Rev. Bras. Enferm. 2016; 69(3):552-8.

Publicado

2022-04-24

Como Citar

Brito Sales, D. C. ., Annie Victória Souza Soares, & Maciel de Souza, A. A. (2022). A DOR NO CONTEXTO PEDIÁTRICO: AVALIAÇÃO E INTERVENÇÕES DE UMA EQUIPE DE ENFERMAGEM. Revista Renome, 10(2), 38–46. https://doi.org/10.46551/rnm23173092202100205

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.